terça-feira, 27 de setembro de 2022

Do desastre de Chamartín às fases finais. Recorde todos os jogos oficiais entre Portugal e Espanha

Nuno Gomes deu a Portugal a única vitória oficial sobre Espanha
O histórico de confrontos (oficiais e amigáveis) entre Portugal e Espanha é francamente favorável a nuestros hermanos, mas há várias décadas que a equipa das quinas tem vindo a dar cada vez mais luta à seleção do país vizinho.

No total, Espanha soma 16 vitórias contra seis de Portugal – e 17 empates –, mas no que concerne a jogos oficiais la roja tem quatro triunfos contra um da armada lusitana, numa contabilidade em que também constam cinco igualdades.

O primeiro duelo entre portugueses e espanhóis, que também foi o primeiro jogo da história da seleção lusa, remonta a 18 de dezembro de 1921, com Espanha a vencer por 3-1 no Campo de O`Donnell, em Madrid. Já os dois primeiros compromissos oficiais entre as duas seleções foram disputados em 1934, ambos relativos à fase de qualificação para o Campeonato do Mundo desse ano.

Vale por isso a pena recordar os 10 jogos oficiais entre Portugal e Espanha.

domingo, 25 de setembro de 2022

Os recordes da Divisão de Honra da AF Leiria desde 2005-06

Campeonato da Divisão de Honra da AF Leiria começa a 25 de setembro
Mais e menos pontos, golos marcados e sofridos, vitórias, derrotas e empates. Desde 2005-06, vários clubes entraram para a história do primeiro escalão da Associação de Futebol de Leiria pelos melhores e pelos piores motivos, havendo espaço para recordes de três dígitos e outros que são redondos zeros.

sexta-feira, 23 de setembro de 2022

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Belenenses na II Liga

Dez jogadores que dignificaram o Belenenses na II Liga
Fundado a 23 de setembro de 1919 depois de entusiásticas reuniões num banco de jardim na zona de Belém, o Clube de Futebol “Os Belenenses” pouco tempo depois da extinção daquele que viria a ser o seu gene aglutinador, o Sport União Belenense.

Rapidamente os azuis se tornaram num dos principais emblemas do futebol português. Na década de 1920 iniciaram um percurso que os levaria à conquista de seis Campeonatos de Lisboa (1925-26, 1928-29, 1929-30, 1931-32, 1943-44 e 1944-45) e três Campeonatos de Portugal (1926-27, 1928-29 e 1932-33).

Entretanto foi criada a I Divisão e o emblema da Cruz de Cristo continuou a perfilar-se como um candidato aos primeiros lugares. Em 1945-46 sagrou-se mesmo campeão nacional, tendo ainda concluído a prova em 2.º lugar em quatro ocasiões (1936-37, 1944-45, 1954-55 e 1972-73) e na 3.ª posição por 14 vezes (1939-40, 1940-41, 1941-42, 1942-43, 1946-47, 1947-48, 1948-49, 1952-53, 1955-56, 1956-57, 1958-59, 1959-60, 1975-76 e 1987-88) ao longo de 77 presenças – a última aqui considerada é a de 2017-18, antes de cisão definitiva entre clube e SAD.

Em termos de II Liga, o Belenenses soma cinco participações, tendo conquistado o título de campeão em 2012-13 e subido à I Liga enquanto segundo classificado em 1991-92 e 1998-99.

Paralelamente, os azuis do Restelo conquistaram a Taça de Portugal por três vezes, em 1941-42, 1959-60 e 1988-89, e chegaram à final por mais cinco ocasiões (1939-40, 1940-41, 1947-48, 1985-86 e 2006-07).
Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Belenenses na II Liga.

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

Os 10 melhores combates de sempre do Victory Road

Victory Road era um habitual pay-per-view anual da TNA
Implementado em 2004, quando a Total Nonstop Action Wrestling (TNA) começou a levar a cabo pay-per-views mensais, o Victory Road foi, até 2012 e com exceção a 2005, um evento premium anual que a promotora tinha para oferecer, primeiro no mês de novembro (2004), depois em julho (2006 a 2010) e por fim em março (2011 e 2012).
 
Entretanto foi descontinuado, tendo regressado em setembro de 2017 como um episódio especial do Impact! e em setembro de 2019 e 2021 e outubro de 2020 como evento especial, tal como este ano, estando agendado para 23 de setembro.
 
Vale por isso a pena conferir a nossa lista de dez melhores combates da história do Victory Road, por ordem cronológica.

terça-feira, 20 de setembro de 2022

Os 11 jogadores com mais jogos pelo Marítimo na I Divisão

Dez jogadores que ficaram na história do Marítimo
Fundado a 20 de setembro de 1910 por Cândido Gouveia, o Clube Sport Marítimo adotou as cores conotadas com o Partido Republicano Português, para contrapor com o carácter monárquico e elitista do seu principal rival nos primeiros tempos, o Club Sports Madeira.
 
Já depois da cisão que deu origem ao Clube Futebol União, os verde-rubros participaram em 13 das 17 edições do Campeonato de Portugal, para o qual estavam habilitados a competir os respetivos vencedores dos campeonatos regionais, acabando mesmo por se sagrarem campeões nacionais em 1925-26 ao bater o Belenenses na final.
 
Entretanto, o Campeonato de Portugal deu lugar a um sistema de divisões que excluiu todas as equipas insulares. Por isso, o Marítimo só se estreou nos campeonatos nacionais, neste caso a II Divisão, em 1973-74. Quatro épocas depois, os maritimistas tornaram-se na primeira equipa madeirense a chegar à I Divisão.
 
Após duas descidas e outras tantas subidas, o autoproclamado Maior das Ilhas acabou por consolidar a sua posição no primeiro escalão, estando desde 1985-86 a competir entre os grandes. Em 2022-23, os madeirenses estão a participar pela 43.ª vez – a 38.ª consecutiva – no patamar maior do futebol português.
 
Ao longo deste já longo trajeto, o melhor que os maritimistas conseguiram foi o quinto lugar por seis vezes, em 1992-93, 1993-94, 1997-98, 2007-08, 2009-10 e 2011-12.
 
Paralelamente, foram finalistas vencidos da Taça de Portugal em 1994-95 e 2000-01 e da Taça da Liga em 2014-15 e 2015-16 e participaram por nove vezes na Taça UEFA/Liga Europa.
 
Vale por isso a pena recordar os onze jogadores com mais jogos pelo Marítimo na I Divisão.

segunda-feira, 19 de setembro de 2022

sábado, 17 de setembro de 2022

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Gouveia no Campeonato de Portugal

Dez jogadores importantes na história recente do Gouveia
Fundado a 17 de setembro de 1963, o Clube Desportivo de Gouveia nasceu de uma fusão improvável entre filiais de Benfica, Belenenses e Sporting na então vila de Gouveia, o Sport Gouveia e Benfica, o Clube de Futebol "Os Gouveenses" e o Sporting Clube de Gouveia.

Clube ligado à tradição operária da localidade, tornou-se desde cedo um cliente habitual dos campeonatos nacionais, tendo participado por seis vezes na II Divisão Nacional, 22 na III Divisão Nacional e, mais recentemente, três no Campeonato de Portugal. Acolheu ainda na sua equipa uma figura do futebol português em 1967-68, Matateu, goleador do Belenenses na década de 1950.

No palmarés deste emblema do distrito da Guarda constam oito títulos distritais (1964-65, 1965-66, 1966-67, 1982-83, 1999-00, 2001-02, 2013-14 e 2015-16) e três taças da AF Guarda (2010-11, 2013-14 e 2017-18).

Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Gouveia no Campeonato de Portugal.

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Caniçal no Campeonato de Portugal

Dez jogadores importantes na história recente do Caniçal
Fundado a 16 de setembro de 1981, o Clube de Futebol Caniçal nasceu por iniciativa de algumas das figuras mais importantes da altura da localidade, Duarte Moniz, Ivo dos Santos Velosa e Manuel Carlos Melim, e depressa se tornou um clube conceituado na Madeira, tendo conquistado o título regional e a consequente promoção aos campeonatos nacionais em 1997.

Na década e meia que se seguiu, os caniçalenses somaram cinco participações na III Divisão Nacional (1997-98, 2005-06, 2006-07, 2009-10 e 2011-12) e três na II B (2007-08, 2008-09 e 2010-11). Mais tarde, competiu no Campeonato de Portugal em 2016-17, numa campanha que culminou na despromoção aos campeonatos da AF Madeira.

Nessa presença no anteriormente denominado Campeonato Nacional de Seniores, o emblema do concelho de Machico totalizou oito vitórias, seis empates, 18 derrotas e um saldo de 29-57 em golos em 32 partidas.

Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Caniçal no Campeonato de Portugal.

quinta-feira, 15 de setembro de 2022

A minha primeira memória de… um jogo entre Sp. Braga e equipas alemãs

Oliver Kahn e Roland Linz protagonizaram momento quente na Pedreira
Ainda não acompanhava futebol quando o Sp. Braga defrontou o Schalke 04 nos oitavos de final da Taça UEFA em 1997-98, naquele que foi o primeiro duelo entre os bracarenses e equipas alemãs, mas recordo-me do segundo, que opôs os arsenalistas e o Bayern Munique.
 
Hoje em dia há a ideia de que os bávaros têm dominado o futebol germânico, apenas com exceções pontuais, mas a verdade é que o Bayern só venceu pela primeira vez um tetracampeonato em 2016, tendo enfrentado uma feroz concorrência na luta pelo título nos primeiros doze anos do século XXI, período no qual Borussia Dortmund (2001-02, 2010-11 e 2011-12), Werder Bremen (2003-04), Estugarda (2006-07) e Wolfsburgo (2008-09) venceram a Bundesliga.

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

A minha primeira memória de… um jogo entre Benfica e Juventus

Benfiquista Mantorras tenta ganhar posição a Thuram
Se a Juventus é a equipa com mais finais perdidas da Taça/Liga dos Campeões (sete, em 1973, 1983, 1997, 1998, 2003, 2015 e 2017), o Benfica vem logo a seguir, com cinco (1963, 1965, 1968, 1988 e 1990), as mesmas do Bayern Munique. Contudo, águias e bianconeri apenas se cruzaram por três vezes (num total de seis jogos) nas competições europeias.
 
Talvez por esse histórico reduzido de confrontos entre esses dois míticos clubes do futebol europeu, os dois primeiros jogos de que me recordo entre os encarnados e a vecchia signora são de partidas de pré-temporada.

terça-feira, 13 de setembro de 2022

A minha primeira memória de… um jogo entre FC Porto e equipas belgas

Gigante checo Jan Koller marcou o golo que decidiu a pré-eliminatória
A minha primeira memória de um jogo entre FC Porto e equipas belgas remonta aos meus primórdios enquanto seguidor de futebol, no ano de 2000, quando os dragões mediram forças com o Anderlecht na terceira pré-eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões.
 
Na altura, os portistas eram orientados por Fernando Santos e tinham acabado de perder Mário Jardel, para o qual ainda não tinham encontrado substituto. Vítor Baía atravessava um longo período de recuperação a uma lesão e jogadores como Aloísio e Drulovic estavam em fim de ciclo nas Antas.
 
Já o Anderlecht, comandado por Aimé Anthuenis, tinha uma equipa composta por alguns internacionais belgas que tinham marcado presença no Euro 2000, como o ex-guarda-redes sportinguista Filip De Wilde, o central Lorenzo Staelens, o médio Yves Vanderhaeghe e o ala/extremo Bart Goor. O gigante ponta de lança checo Jan Koller (2,02 m) também tinha marcado presença nesse Campeonato da Europa.

domingo, 11 de setembro de 2022

sábado, 10 de setembro de 2022

A minha primeira memória de... um jogo entre FC Porto e Desp. Chaves

Portista Leandro Lima procura fugir a Carlos Pinto
Não tive o privilégio de acompanhar as passagens do Desp. Chaves pela I Liga durante as décadas de 1980 e 1990, uma vez que apenas comecei a seguir futebol em 2000, precisamente um ano após a descida dos flavienses à II Liga. Curiosamente, a minha primeira memória de um encontro entre a formação azul e grená e um dos três grandes do futebol português, neste caso o FC Porto, até é referente a uma época em que os transmontanos competiam na II Divisão B, o terceiro escalão do futebol português.

Na noite fria de 7 de dezembro de 2007, o Desp. Chaves orientado por António Borges, dono de um dos bigodes mais míticos do futebol português, recebeu os dragões de Jesualdo Ferreira em partida da 4.ª eliminatória da Taça de Portugal. Esse jogo, se não me falha a memória, nem sequer teve direito a transmissão televisiva, algo que hoje em dia seria impensável. No onze flaviense o nome mais sonante era o de Luís Vouzela, médio que se notabilizou pela União de Leiria entre 1996 e 2002, mas o guarda-redes Rui Rego haveria de chegar à I Liga com a camisola do Beira-Mar. E havia ainda o central Abadito, que tinha jogado no primeiro escalão ao serviço do Estoril, e o médio Carlos Pinto, que poucos anos depois virou treinador.

sexta-feira, 9 de setembro de 2022

A minha primeira memória de... um jogo entre Bayern e Estugarda


quinta-feira, 8 de setembro de 2022

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Ferreira de Aves no Campeonato de Portugal

Dez jogadores importantes na história recente do Ferreira de Aves
Fundado a 7 de setembro de 1958, o Clube Recreativo de Ferreira de Aves tem sido nos últimos anos um representante bastante digno do concelho de Sátão nas competições distritais da AF Viseu e também no Campeonato de Portugal.

Após uma longa travessia pelos distritais viseenses, os ferreirenses estrearam-se nos patamares nacionais em 2017-18, ao participar pela primeira vez não só na Taça de Portugal mas também no anteriormente denominado Campeonato Nacional de Seniores, na sequência da conquista do título da Divisão da Honra da AF Viseu na época anterior.

Essa primeira presença culminou em despromoção aos distritais viseenses, mas o Ferreira de Aves haveria de voltar ao último escalão do futebol nacional em 2021-22, após novo título de campeão distrital.

O regresso ao Campeonato de Portugal até correu bem, uma vez que a formação beirã assegurou a permanência dentro de campo. Porém, o clube de Sátão foi excluído administrativamente da edição de 2022-23 por não cumprir o então recém-implementado requisito de ser uma entidade formadora com certificação de três estrelas, já que possuía apenas a certificação como Centro Básico de Formação de Futebol.

Somando os dados das duas participações, o Ferreira de Aves totalizou 15 vitórias, sete empates, 32 derrotas e um saldo de 47-111 em golos em 54 partidas no Campeonato de Portugal.

Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Ferreira de Aves no Campeonato de Portugal.

terça-feira, 6 de setembro de 2022

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Arões no Campeonato de Portugal

Dez jogadores importantes na história recente do Arões
Fundado a 6 de setembro de 1991 a partir da desfiliação do Centro de Formação Jovem de Arões, o Arões Sport Clube chegou aos patamares nacionais à beira de comemorar 24 anos de existência, em 2015, quando participou pela primeira vez no Campeonato de Portugal.

Nessa temporada, tal como em 2017-18, o emblema de São Romão de Arões não conseguiu assegurar a permanência no anteriormente denominado Campeonato Nacional de Seniores.

Somando os dados das duas participações, a formação do concelho de Fafe totalizou 15 vitórias, 20 empates, 31 derrotas e um saldo de 65-88 em golos em 66 partidas na competição.

Paralelamente, o clube sagrou-se campeão da Pro-nacional da AF Braga em 2016-17.
Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Arões no Campeonato de Portugal.

sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Os 12 internacionais angolanos que jogaram pelo Alverca antes de Kadú

Dez dos internacionais angolanos que jogaram pelo Alverca
Anunciado a 22 de julho como reforço do Alverca, o guarda-redes Kadú vai juntar-se a já uma extensa lista de internacionais angolanos que representaram os ribatejanos. E não se trata apenas de uma lista grande em quantidade, mas também em qualidade, uma vez que os alverquenses tiveram nas suas fileiras alguns dos mais conceituados jogadores que alguma vez jogaram pelos Palancas Negras, entre os quais quatro que marcaram presença no Mundial 2006, o único em que Angola participou.

quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Lucas Marques, um médio com “qualidade de passe” que pode jogar a 6, 8 e 10

Lucas Marques assinou por dois anos pelo Vitória FC
Com selo da formação do Internacional de Porto Alegre, chegou a jogar na equipa principal do colorado ao lado dos antigos internacionais brasileiros Nilmar, Anderson, Alex e Réver e a partilhar o balneário com o guarda-redes Dida, tendo no currículo 20 jogos no Brasileirão e dez na I Liga portuguesa, o último dos quais em maio do ano passado. Agora, o médio Lucas Marques é um dos reforços com os quais o Vitória de Setúbal vai atacar a Liga 3 com os olhos postos na subida à II Liga.

Embora tenha sido suplente utilizado na maior parte dos encontros de pré-época e não tenha ido além de um total de 40 jogos distribuídos pelas últimas quatro temporadas, quem o conhece diz que o centrocampista brasileiro apenas precisa de ser utilizado regularmente e não ter lesões para explodir.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...