Mostrar mensagens com a etiqueta Manchester United. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Manchester United. Mostrar todas as mensagens

sábado, 27 de abril de 2019

A minha primeira memória de… um jogo entre Chelsea e Man. United

Fortune e Lampard em disputa de bola em agosto de 2004

Lembro-me bem do primeiro jogo entre Chelsea e Manchester United a que assisti. Os blues, adquiridos cerca de um ano antes pelo magnata russo Roman Abramovich num projeto pioneiro no futebol europeu, estavam em ascensão na hierarquia do futebol mundial e tinham contratado José Mourinho, recém-coroado campeão europeu pelo FC Porto, para assumir o comando técnico.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

A minha primeira memória de... um jogo entre Barcelona e Man. United

Cristiano Ronaldo e Xavi em rara discussão pela posse de bola
Falar das minhas primeiras memórias de jogos entre Manchester United e Barcelona é o mesmo do que falar das primeiras vezes em que Cristiano Ronaldo e Lionel Messi partilharam um relvado. Já eram, a par de Kaká, os melhores do mundo, mas ainda não se imaginava que se tornassem em lendas do futebol mundial, ao nível dos melhores de todos os tempos.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Há 15 anos, Ronaldo convenceu Ferguson a assinar o "casamento perfeito"

Cristiano Ronaldo destemido frente ao Manchester United

6 de agosto de 2003 é uma data histórica para o Sporting e para Cristiano Ronaldo. Foi precisamente neste dia, há 15 anos, que o novo Estádio José Alvalade foi inaugurado e que o avançado português se catapultou para uma brilhante carreira no futebol internacional.

Com o Manchester United como adversário, o então jovem extremo de 18 anos abriu o livro e mostrou um vasto reportório de dribles para trocar as voltas à defesa dos red devils, com o lateral direito irlandês John O'Shea a ser o principal visado pelos truques de magia de CR... 28, que ainda não se tinha estreado pela seleção nacional. O prodígio madeirense até já estava no radar do emblema de Old Trafford, mas foi aquela noite de festa para o Sporting, que venceu o encontro por 3-1, que acelerou a ida para o Inglaterra.

sábado, 3 de maio de 2014

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Liga dos Campeões | Real Madrid 1-1 Manchester United


Esta noite, no Estádio Santiago Bernabéu, Real Madrid e Manchester United empataram 1-1, num jogo a contar para a primeira-mão dos Oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Welbeck deu vantagem aos “red devils”, e Cristiano Ronaldo restabeleceu a igualdade.
                                      

domingo, 20 de janeiro de 2013

Premier League | Tottenham 1-1 Manchester United


Esta tarde, no Estádio White Hart Lane, em Londres, Tottenham e Manchester United empataram 1-1, num jogo a contar para a 23ª jornada da Premier League. Van Persie deu vantagem aos “red devils”, mas Dempsey restabeleceu a igualdade.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Premier League | Manchester United 3-1 Sunderland


Esta tarde, em Old Trafford, o Manchester United derrotou o Sunderland por 3-1, num jogo a contar para a 17ª jornada da Premier League. Van Persie, Cleverley e Rooney marcaram os golos dos "red devils", e Frazier Campbell para os "black cats".

domingo, 5 de agosto de 2012

Pré-Época | Valerenga 0-0 Manchester United


Esta tarde, no Estádio Ullevaal, em Oslo, Valerenga e Manchester United empataram sem golos, em mais um encontro de pré-época. Nani jogou os 90 minutos.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Premier League | Blackburn 0-2 Manchester United


Esta noite, no Ewood Stadium, o Manchester United venceu o Blackburn, num jogo a contar para a 31ª jornada da Premier League. Valencia e Ashley Young marcaram para os “red devils”, já na recta final do encontro.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Síntese | Jogos da última semana



Durante a última semana, estive ausente no que concerne às minhas análises a jogos de futebol devido a motivos de saúde. É verdade, por vezes até os críticos vão para o estaleiro! Neste post irei falar de uma forma sucinta de alguns jogos que vi no decorrer da última semana.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Premier League | Manchester United 2-0 Stoke City



O Manchester United venceu esta noite o Stoke City por 2-0, em Old Trafford, numa partida a contar para a Premier League. Chicharito e Berbatov, apontaram os golos, ambos de grande penalidade.

sábado, 26 de novembro de 2011

Premier League | Manchester United 1-1 Newcastle



Esta tarde, em Old Trafford, Manchester United e Newcastle empataram a uma bola em mais um jogo a contar para a Premier League.


Eis a constituição das equipas:

Manchester United



Como já tenho vindo a dizer, os “Red Devils” esta temporada têm estado longe do nível exibicional de outrora. Tem valido à formação de Old Trafford a sua eficácia e a qualidade dos seus jogadores, que mesmo parecendo não mostrar grande força motivacional em campo, têm talento que chegue para conseguir com que o United vai vencendo jogos.
Depois da derrota em casa perante o City, a equipa de Alex Ferguson soma três vitórias consecutivas para a Premier League (Everton, Sunderland e Swansea City), todas elas pela margem mínima.
Dois acontecimentos pouco felizes marcaram a semana do colosso inglês: Anderson lesionou-se e só deve voltar em Fevereiro e o empate para a Liga dos Campeões em Manchester perante o Benfica, insuficiente para garantir já a qualificação para os Oitavos-de-final.


Newcastle



O Newcastle tem sido a grande revelação deste ano da Premier League.
A primeira derrota que sofreu esta temporada foi no passado fim-de-semana e em casa do líder Manchester City (3-1), ocupa o 4º lugar mas está em igualdade pontual com o Tottenham que é primeiro e está apenas a quatro pontos do United, isto para além de ter em simultâneo com Liverpool e “citizens” a melhor defesa da competição. A campanha dos “Magpies” só não é mais surpreendente porque no fundo trata-se de um gigante adormecido, que participou na Liga dos Campeões e chegou diversas vezes longe na Taça UEFA durante a primeira metade da última década, apesar da descida de divisão há anos atrás.
Demba Ba, avançado senegalês, é o melhor marcador da formação de Alan Pardew com oito golos marcados (entre os quais dois “hat-tricks”) em onze jogos.


Tal como lhe competia, a formação de Manchester teve um inicio forte, assumindo as despesas da partida e tentando logo desde cedo se colocar em vantagem no marcador, mas o Newcastle, cheio de personalidade, aguentou a intensidade dos “Red Devils” nos minutos iniciais e com o tempo conseguiu baixar o ritmo, e a partir daí assistimos a uma partida equilibrada em que as duas equipas mostraram vontade de marcar, olharam nos olhos uma da outra, marcando uma posição vincada sobre as suas ambições e nesta fase os “Magpies” até conseguiram ter mais bola e até jogar no meio-campo do adversários em alguns períodos.

À passagem da meia hora, o United voltou à carga e de rajada criou duas bolas ocasiões, primeiro por Giggs que desviou de forma subtil um cruzamento de Fábio mas Krul respondeu com uma grande defesa e logo a seguir, na sequência da marcação de um pontapé de canto Nani atirou por cima.

Até ao intervalo, a equipa de Ferguson conseguiu recuperar a vantagem na posse de bola, embora esteja a sentir imensas dificuldades para assumir a sua superioridade, visto que o Newcastle cheio de confiança foi a Old Trafford para vencer, jogando até com uma defesa demasiado subida em alguns momentos, situações que dificultavam as saídas para o ataque dos “Red Devils” mas que por vezes beneficiavam a velocidade de Wayne Rooney e sobretudo Chicharito, na minha opinião o mais inconformado na primeira parte.


Na segunda metade, os homens da casa entraram fortíssimos, e marcou logo aos 50’.
Wayne Rooney marcou um livre à entrada da área contra a barreira, na recarga o inglês rematou de pé esquerdo mas a bola é interceptada por Steven Taylor que atirou contra o peito de Chicharito e voltou para trás entrando na baliza.

No entanto, o United continuou com o “turbo” ligado e esteve bastante por perto do 2-0 até antes da hora de jogo, ora por Fábio (por cima) ora Rooney (de cabeça, também por cima), e até mesmo em lances em que faltou apenas um último toque para se ampliar o resultado mas por mérito da defesa do Newcastle ou de Krul isso nunca aconteceu.

A partir dos 60’, a formação de Alan Pardew conseguiu aliviar a pressão e na sequência de um lance de bola parada, Steven Taylor de cabeça assistiu Coloccini e este apesar de rematar forte e já perto da baliza permitiu uma extraordinária defesa a De Gea.

No minuto seguinte, o árbitro entendeu (mal) que Ben Arfa foi derrubado por Ferdinand na grande área dos “Red Devils” e na conversão da grande penalidade Ba fez o empate.

Durante algum tempo, os “Magpies” aproveitaram o desnorteamento da equipa do United com o golo sofrido, mostraram atrevimento e vontade de se colocar em vantagem, mas nos últimos 15 minutos, os de Manchester voltaram a ligar o “turbo”, encostaram os de Newcastle às cordas (sobretudo com a expulsão de Jonas Gutierrez) e foi por pura falta de sorte que não conseguiram fazer o segundo.

Aos 77’ Young falhou à boca da baliza após passe de Nani, aos 80’ Krul sem saber como defende de peito um cabeceamento de Vidic e com mais mérito poucos minutos depois fez uma fantástica defesa a uma trivela de Evra. Até ao final do jogo, Young ainda atirou ao poste e um cabeceamento de Rooney foi salvo em cima da linha de golo por Simpson, entre outras, um autêntico sufoco! Ainda assim, nenhum dos talentosos jogadores do United conseguiu desbloquear o resultado.

O empate até se aceita, afinal de contas, pouco se pode apontar ao Newcastle que teve uma grande atitude em Old Trafford, mostrando um grande atrevimento que é de louvar. É verdade que o United rematou mais e criou mais ocasiões de golo (23-9 em remates) e que se tivesse que haver um vencedor, seria o mais justo, até porque a grande penalidade que proporcionou o golo de Ba é inexistente, mas o futebol é assim e não se pode falar em total injustiça.


Falando das equipas, a formação de Alex Ferguson mostrou duas faces.
A sua versão apática, que introduz ao jogo um ritmo lento, sem grandes ocasiões, em que dá muita iniciativa ao adversário e não é objectiva a atacar, e depois, a sua versão intensa, em que parece que liga o “turbo”, o colectivo torna-se bastante pressionante, ataca imenso, encosta a outra equipa até perto da sua área e cria variadíssimas oportunidades para marcar, bolas que não entram por pura infelicidade. De um momento para o outro, temos um United desmotivado que é apenas uma equipa de topo em Inglaterra para um United que mostra uma incrível capacidade, em que no Mundo é dificilmente superada.
De Gea esteve bem quando foi chamado a intervir, Vidic esteve bem, esforçou-se a defender e a atacar, Ferdinand foi injustiçado porque um corte seu na opinião do árbitro foi uma rasteira a Ben Arfa e Evra fez mais um jogo em que não deixa dúvidas que é dos melhores laterais-esquerdos do mundo.
No meio-campo, hoje sim, vimos um jogador de carácter mais defensivo (Carrick) e outro mais ofensivo (Giggs), que seja mais útil no transporte da bola para o ataque, e a produção ofensiva foi muito maior do que no jogo com o Benfica em que Fletcher e Carrick a atacar funcionavam praticamente como um homem só.
Nani e Rooney não fizeram dos seus melhores jogos e Ashley Young muito menos, já Chicharito especialmente na primeira parte foi sempre o mais inconformado da equipa, marcou o golo (ainda que acidentalmente) e a poucos segundos do fim viu o tento da vitória ser-lhe anulado.
Não se percebe como com o 1-1 a persistir desde os 64’, só aos 87’ é que Alex Ferguson mexeu na equipa, sobretudo se tivermos em conta que muitos dos jogadores alinharam a meio da semana contra o Benfica. Mais uma vez reafirmo, não sou ninguém para criticar um técnico com tal currículo, mas é de estranhar a sua passividade perante resultados menos agradáveis.

Quanto ao Newcastle, reforço o seu atrevimento.
É realmente uma equipa de primeira metade da tabela, que não tinha derrotas até à jornada passada e está a ter uma série terrível de jogos (City na semana anterior, United hoje e Chelsea no próximo fim-de-semana). Não estou completamente esclarecido quanto ao valor desta formação para tentar prever a que lugares se destina no final da época, espero ver a partida com os “blues” em St. James Park para dissipar as dúvidas, mas pela posição que ocupa e pela qualidade dos seus jogadores pelo menos é candidata às competições europeias.
Os “Magpies” não têm nenhum futebolista do “Outro Mundo”, mas têm de facto atletas de grande valia, de selecção, especialmente aquele meio-campo que me parece todo ele muito talentoso (Obertan, Guthrie, Cabaye e Jonás Gutierréz). O próprio guarda-redes (Tim Krul) fez grandes defesas, o sector mais recuado pareceu-me organizado e na frente Bem Arfa no apoio a Demba Ba é uma dupla que deve dar trabalho a qualquer defesa.


Com este empate, é esta a classificação provisória da Premier League:

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Liga dos Campeões | Manchester United 2-2 Benfica



O Benfica foi esta noite empatar em Old Trafford (2-2) frente ao Manchester United, e desta forma garantir o apuramento para os Oitavos-de-final da Liga dos Campeões.


Eis a constituição das equipas:

Manchester United



O United escusa apresentações, todos sabem do palmarés, prestígio e valor desta equipa, que ainda assim a nível exibicional tem estado furos abaixo do esperado.
Uma vitória apura os homens de Manchester para os Oitavos-de-final e não é esperado que facilitem em Old Trafford esta noite.
Para este jogo as ausências são: Michael Owen, Danny Welbeck, Tom Cleverley e Darron Gibson (lesões) e Vidic (castigo).
No entanto, a grande surpresa foi Wayne Rooney ter ficado de fora dos eleitos para esta partida, sendo o pouco utilizado Berbatov o escolhido para a frente de ataque. O lateral-direito Fábio e o médio Carrick, ambos com poucos minutos esta temporada, serão titulares.


Benfica



Já o Benfica, tem aquele que até agora promete ser o encontro mais difícil da época, e aquele em que a equipa corre sérios riscos de terminar a invencibilidade dos encarnados na presente temporada, ainda assim Jorge Jesus assumiu que o objectivo passa por ganhar e garantir em Inglaterra a passagem aos Oitavos.
O treinador benfiquista apenas não pode contar com os argentinos Saviola e Enzo Pérez, ambos devido a lesão, e não apresenta grandes surpresas no onze inicial.


A formação portuguesa começou muito bem e aos 4’ já estava em vantagem, após uma boa jogada colectiva, Gaitán fez uma diagonal pela direita e ao tentar colocar a bola no coração da área, esta sofreu sucessivos desvios de Evra e Jones e acabou por entrar na baliza do United. Surpresa em Old Trafford!

Dois minutos depois, o Benfica quis mostrar que a vantagem que tinha não era obra do acaso e Bruno César, na sequência de um canto vê um remate seu passar perto da trave.

Só por volta dos 20’ o United conseguiu reagir, sair do seu meio-campo com a bola controlada e ir em busca de um resultado mais positivo, e nesse período só Nani parecia inconformado, exemplo disso foi uma arrancada espectacular em que passou por quatro adversários e só foi travado em falta por Garay.

À passagem da meia hora, os “red devils” marcaram. Na sequência de um livre marcado a meio do meio-campo dos lisboetas, a bola chega ao extremo português dos campeões ingleses que da esquerda fez um cruzamento milimétrico para a cabeça de Berbatov, que fez assim o empate. Apesar de o tento ser validado, o búlgaro estava em posição irregular.

Logo a seguir, Ashley Young surge isolado e remata forte mas Artur conseguiu defender com os pés.

O jogo ía assim empatado para intervalo, para a segunda metade esperava-se que os britânicos entrassem por cima e tentassem a todo o custo marcar, e foi a isso que assistimos. Nos últimos 45 minutos o United jogou praticamente sempre no meio-campo das águias, dispondo das principais oportunidades para facturar.

Em pouco tempo, Fábio com tudo para marcar permitiu nova defesa de Artur, Luisão lesionou-se e Fletcher confirmou a superioridade da sua formação na segunda parte ao marcar na sequência de um cruzamento de Evra, numa recarga, pois o guarda-redes brasileiro do Benfica defendeu o primeiro remate.

No entanto, a sequência de acontecimentos num curto espaço de tempo neste jogo não se ficou por aqui, e dois minutos depois, após um mau alívio de De Gea que foi direito a Bruno César, este remata torto, a bola embate em Ferdinand e acaba por ressaltar numa zona em que Aimar à vontade a enviou para a baliza, igualando de novo a partida.

Os “red devils” foram de novo em busca da vitória, mas foi falhando objectividade na hora de concretizar, como numa oportunidade claríssima de Berbatov aos 79’ em que atirou por cima ou nas inúmeras vezes em que os jogadores do United se deixaram antecipar pelas saídas a punho de Artur Moraes.

Do outro lado, Jorge Jesus efectuou uma série de alterações tendo em vista a defesa do resultado, como as trocas de Gaitán por Matic e de Aimar por Ruben Amorim, mas engane-se quem pense que pelas substituições o Benfica deixou de atacar, pois até esteve bem próximo de levar a vitória, quando Rodrigo finalmente apareceu no jogo perto do fim, teve uma boa jogada individual mas rematou à malha lateral.


A partida terminou com empate a dois, que na minha opinião aceita-se, pois apesar do domínio dos homens de Manchester na segunda parte, faltou objectividade na hora de chegar ao golo e pouco se pode apontar à exibição que o Benfica fez em Old Trafford.


Fazendo uma análise às equipas, pergunto-me porque razão Alex Ferguson voltou a inventar?
Como é possível uma equipa como o United jogar com dois “pivots” defensivos e nenhum ter especiais atributos no que concerne ao transporte da bola pelo meio-campo adversário? E pior que tudo, como foi possível mantê-los durante todo o encontro mesmo num período em que estavam a encostar o Benfica à sua zona defensiva? Não havia o habitual titular Anderson, mas porque não Park ou Giggs? Já agora, porquê esperar pelos 80’ para finalmente se fazer uma substituição? Porque demorou Chicharito tanto tempo para entrar?
Sinto que não sou ninguém para lançar criticas ao técnico escocês, afinal, ele já vencia títulos neste clube ainda eu nem era nascido, e duas décadas e meia depois de ter chegado a Old Trafford, isso continua a acontecer com frequência, mas questiono as opções que tomou, e até nem falo das opções por Fábio e Berbatov, porque ambos até estiveram bem.
De resto, De Gea esteve algo nervoso, Ferdinand e Jones ficaram mal vistos nos golos sofridos, Evra esteve bem, Fletcher foi melhor que Carrick (não percebo como o inglês jogou os 90 minutos), Valencia e Ashley Young foram algo inconsequentes, Berbatov marcou mas foi demasiadas vezes apanhado em fora-de-jogo e podia ter facturado mais vezes, e Nani foi mesmo o mais inconformado, o melhor jogador do United nesta partida. Chicharito entrou tarde e não teve tempo para muito.


Quanto ao Benfica, é verdade que os seus golos foram originados de situações não muito habituais e algo fortuitas, mas teve todo o mérito, fez o que lhe competia e cumpriu o objectivo que foi o apuramento para a fase seguinte.
Artur Moraes foi gigante e para mim o melhor em campo, a defesa não tremeu muito, os laterais não subiram tanto como habitualmente e a lesão de Luisão é uma grande preocupação, até porque há um Benfica – Sporting à porta.
O meio-campo anulou o já por si habitualmente pouco produtivos ofensivamente Fletcher e Carrick, e mesmo Valencia e Ashley Young (que jogou pelo meio) não tiveram grandes situações para brilhar. Gaitán teve alguns bons lances e deve ter confirmado a Ferguson que é um grande jogador e que seria um investimento bem empregue. Rodrigo andou sempre muito apagado, mas apareceu na parte final para um remate que cheirou a golo.


Com este empate, o Benfica garante o apuramento, até porque tem vantagem nos confrontos directos com Manchester United e Basileia e essas duas formações encontram-se na última jornada, que é como quem diz, não podem ganhar as duas e mesmo em caso de empate na Suiça ou de vitória dos helvéticos e admitindo um cenário em que os lisboetas perderiam para o Otelul Galati, os encarnados têm vantagem e seria impossível ficarem em 3º.

Eis a classificação à 5ª Jornada:

sábado, 5 de novembro de 2011

Premier League | Manchester United 1-0 Sunderland



O Manchester United venceu esta tarde o Sunderland, por 1-0, num jogo que ficou marcado pelo 25º aniversário de Alex Ferguson à frente da sua equipa.


Eis a constituição das equipas:

Manchester United



Curiosamente, durante todo este tempo como técnico dos “red devils”, Ferguson nunca perdeu em casa frente ao Sunderland.
Após uma derrota pesada em casa com o City há duas semanas atrás (1-6), o campeão inglês reagiu bem e conseguiu três vitórias nos jogos seguintes, frente ao Aldershot (3-0, Carling Cup), Everton (1-0, Premier League) e Otelul Galati (2-0, Liga dos Campeões).


Sunderland



Quanto ao Sunderland, ocupava o 14º lugar à entrada para esta jornada, no entanto, apesar de alguma proximidade da zona de despromoção, tem a particularidade de ter um saldo positivo de golos e tantos tentos consentidos como o United.
Este jogo marca o regresso a Old Trafford de Wes Brown e John O’Shea, que agora representam os forasteiros que contam no seu plantel com alguns internacionais por selecções de nível como Sebastian Larsson (Suécia) e Nicklas Bendtner (Dinamarca).


Logo no inicio do jogo Wickham lesionou-se sozinho e teve de ser substituído pelo coreano Ji Dong-Won, o que foi uma grande quebra no ritmo forte que o United queria impor, no entanto, o azar foi para a formação de Steve Bruce.

Os “red devils” assumiram o controlo, tiveram muito mais posse de bola, mas o Sunderland fechou-se bem e foi impedindo que a equipa de Alex Ferguson chegasse perto da sua baliza.
Foi interessante ver o desenho táctico bastante desdobrável dos homens de Manchester com Rooney e Welbeck a aparecerem várias vezes no flanco esquerdo e Park a “10”, portanto, apesar de os jogadores ocuparem as posições que mostrei no gráfico acima, a sua colocação em campo ía trocando de forma também a confundir os “Black Cats”, embora muitas vezes de forma inconsequente no último terço.

Na primeira parte não houve grandes situações de golo, os forasteiros apenas fizeram um remate perigoso, que foi à malha lateral, e quando ao United, só nos últimos minutos conseguiram criar perigo, primeiro com Phil Jones a rematar por cima da trave aos 42’ e aos 45+1’ após um canto de Nani, Wes Brown ao tentar aliviar a bola de cabeça acaba por introduzi-la na sua própria baliza, dando a vantagem á sua ex-equipa.


Para o segundo tempo, a mesma coisa, um futebol sem grande brilho jogado sobretudo entre um United tacticamente cumpridor mas pouco intenso como já vem sendo costume e um Sunderland defensivo que iria tentar criar algumas oportunidades para marcar.

Nos últimos 45 minutos, poucas mais ocasiões de golo vimos, sendo talvez as mais perigosas para o United aos 52’ quando um livre de Nani não passou longe da baliza de Westwood e aos 70’ quando o próprio guarda-redes do Sunderland fez uma série de grandes defesas a remates consecutivos de Rooney e Evra.

Já para a formação de Steve Bruce, o mais perto que teve do empate foi aos 66’, quando o árbitro marcou uma grande penalidade por suposta mão de Vidic na bola dentro da grande área, mas depois voltou atrás porque o braço que tinha tocado no esférico era o de Ji Dong-Won.


O United volta a ganhar em mais um jogo em que sentiu imensas dificuldades para dominar o adversário e conseguir uma vitória tranquila. A equipa de Manchester continua sem brilho e faz valer da eficácia a sua principal arma.
A colocação de Rooney como médio-ofensivo não me surpreende, é um jogador que gosta de vir buscar jogo atrás, que gosta de jogar longe da baliza, tem qualidade de passe, bom remate a longa distância, no entanto, o colectivo não esteve muito inspirado e ele não pode mostrar o seu valor nessa posição.
Individualmente pouco se pode dizer, Lindegaard se fez uma defesa nem dei por ela e o sector defensivo teve pouco trabalho. Nani foi dos mais inconformados, mas essa até uma das suas principais características quando as coisas não correm bem à equipa.

Quanto ao Sunderland, individualmente parece-me melhor do que o Norwich por exemplo, tem jogadores de categoria, mas não deu assim muito que fazer ofensivamente ao United, embora não é fácil ir a Old Trafford e impor o seu jogo.
Defensivamente estiveram bem.

Com esta vitória, os “red devils” impediram que o Newcastle os ultrapasse, que o Chelsea se aproximasse e colocam pressão no Manchester City cujo jogo começou às 17:30 no terreno do QPR.

domingo, 23 de outubro de 2011

Premier League | Manchester United 1-6 Manchester City



Esta tarde, o City foi a Old Trafford golear o seu rival, o United, por 6-1, num escaldante "derby" da cidade de Manchester.


Eis a constituição das equipas:

Manchester United



Já vi alguns jogos do United esta temporada e pareceu-me uma equipa que acima de tudo é eficaz. Das partidas que vi não tenho visto grande brilhantismo, mas facilidade em chegar ao golo.
Muitas vezes, Ferguson opta por uma política de rotatividade e isso tem causado alguns atrasos, seja na Liga dos Campeões em que só a meio da semana conseguiu a primeira vitória, ou mesmo no campeonato, como foi exemplo o último jogo em Liverpool.
Actualmente, os “red devils” ocupam o 2º lugar no Premier League, com 20 pontos, fruto de seis vitórias e dois empates, 25 golos marcados e seis sofridos.
Para este jogo, o técnico do United deu a titularidade àquele se aproxima do seu onze-base.


Manchester City



Ainda não vi nenhum jogo dos “citizens” esta temporada, no entanto, pelo que a estatística mostra, só não venceram um jogo para o campeonato (empate no terreno do Fulham) e são líderes isolados com o melhor ataque a melhor defesa (em igualdade com o United e o Newcastle).
O seu melhor marcador é a sua grande contratação, o argentino Kun Agüero, no entanto, o bósnio Edin Dzeko marca também bastantes golos, mas que neste jogo vai começar do banco de suplentes.


O United entrou melhor, muito forte, com uma elevadíssima posse de bola e também com um grande domínio territorial.
Os primeiros 15/20 minutos jogaram-se praticamente em exclusivo no meio-campo dos forasteiros, todas as tentativas de sair a jogar por parte do City eram cortadas logo na sua raiz, não conseguiam sair do seu meio-campo.

No entanto, no último terço os “red devils” foram sempre inconsequentes e derivado dessa inconsequência na frente de ataque, o ritmo de jogo foi baixando e os “citizens” foram povoando mais o terreno adversário e praticamente no primeiro remate que fez no jogo, marcou, por Mario Balotelli, aos 21’, ao desviar de primeira e com grande classe um cruzamento atrasado de Milner pela esquerda.

O problemático jogador italiano não festejou o golo, não esboçou um único sorriso e apenas levantou a sua camisola, mostrando uma por baixo na qual estava escrito “Why always me?”, num autêntico recado para os media que tanto o ataca e expõe a sua vida pessoal, que ainda esta semana foi alvo de noticia por ter incendiado a sua própria casa enquanto atirava fogo de artificio pela janela da sua casa de banho.

A equipa de Alex Ferguson acusou o golo sofrido, até porque foi-lhe dado a provar um pouco do seu próprio veneno, a letal eficácia mesmo quando a produtividade ofensiva da equipa não é elevada.

Até ao intervalo, não houve grandes oportunidades de golo para nenhum dos lados, apenas dois remates do United (por Anderson e Rooney) que saíram à figura de Joe Hart.


A segunda parte começou logo com um “handicap” para os homens da casa. Evans foi expulso após uma entrada perto da entrada da área sobre Balotelli.
Ainda assim, a equipa conseguiu reagir e mostrou coração, e aos 54’ esteve perto de marcar, na melhor ocasião até então. Numa jogada de insistência, Ashley Young primeiro remata contra um defesa e depois ao lado.

No entanto, quando o United estava a criar ânimo foi o City que voltou a marcar. Excelente jogada de combinação no lado direito entre Milner e David Silva, com uma ajudinha de Richards, que veio a culminar numa finalização à boca da baliza por Mario Balotelli, estavam decorridos 60 minutos.

Nesta altura, Ferguson reequilibrou a sua equipa com a entrada de Jones para o centro da defesa e Chicharito para o ataque, fazendo sair Nani e Anderson, mas pouco tempo depois os “citizens” fizeram o 3-0. Mais uma jogada no flanco direito muito boa de Micah Richards que num cruzamento rasteiro batido para o segundo poste encontrou Kun Agüero para finalizar.

Esta parecia ser a estocada final, os campeões ingleses perderam a esperança e os seus adeptos já abandonavam o estádio, até deu para Balotelli ser substituído por Dzeko e receber uma grande ovação dos seus adeptos. Em jeito de brincadeira, até se pode dizer que ele incendiou Old Trafford.

A dez minutos no fim, após uma boa combinação com Chicharito, Fletcher remate em jeito e faz o 1-3.

O empate estava à distância de dois golos e ainda havia tempo para jogar, o United subiu no terreno à procura de novo golo no entanto apenas com um homem a mesmo o desgaste era muito maior e a resposta às transições rápidas do City não tinha tanta qualidade, assim como a concentração em lances como as bolas paradas, e foi na sequência de um canto que foi feito o 4-1, por Dzeko, aos 89’, marcando praticamente sem querer (de joelho) após um desvio de Lescott junto ao segundo poste.

Os homens de encarnado voltaram a ficar sem reacção, e em mais uma jogada de contra-ataque dois minutos depois, os azuis de Manchester chegaram ao quinto golo, numa finalização em que David Silva até se deu ao luxo de colocar a bola entre as pernas do seu compatriota De Gea.

Ainda antes do final do jogo, em mais uma transição rápida do ataque do City comandada por Silva, este assiste Dzeko que com alguma facilidade fez o 6-1.


Foi um jogo com uma intensidade muito forte, no entanto, até este estar praticamente resolvido que não houve grandes ocasiões de golo, sendo feio em diversos momentos, com faltas extremamente agressivas que poderiam ter resultado em lesões graves, que o diga Phil Jones ou Micah Richards, quando sofreram entradas de Dzeko e Welbeck na fase final do encontro.

Em termos tácticos, a expulsão de Evans foi fundamental para desequilibrar um jogo que até então estava equilibrado e que só tinha sido desbloqueado por um lance imprevisível do ataque do City (0-1), em que Milner, que geralmente joga sobre o lado direito, apareceu na esquerda e assistiu Balotelli que esteve sempre no flanco e aí apareceu na zona central.

O cartão vermelho mostrado ao central norte-irlandês foi mesmo a primeira “escavadela” do buraco em que o United se meteu neste jogo, em que o City com alguma facilidade a partir daí chegou à goleada e até teve oportunidades de fazer mais golos.


Em relação às equipas, o United apresentou uns 15/20 minutos muito fortes, reagiu com alguns remates perto do intervalo que acabaram controlados com muita segurança por Joe Hart, e esboçou uma reacção forte mesmo após a expulsão, mas poucos minutos depois sofreu o 0-2 e a partir daí foi história.
De Gea não teve culpa nos golos sofridos, o sector defensivo cumpriu bem até à expulsão, mas a partir daí, o desequilíbrio numérico foi visível e nada puderam fazer face às movimentações rapidíssimas dos homens do City, uma verdadeira dor de cabeça para qualquer defesa, que o diga Evra que viu do seu lado nascer o 0-2 e o 0-3.
Nani esteve apagadíssimo, Ashley Young mostrou-se muitas vezes inconformado mas pouco pode fazer, Anderson esteve discreto como de costume, sem acrescentar nada, e Fletcher ao seu nível, apontando um belo golo.
Rooney pouco ou nada fez e Welbeck ainda tentou gerar desequilíbrios mas foi inconsequente. Chicharito foi importante no golo do United e Jones foi claramente batido no golo de Agüero.

O City fez uma exibição que roçou a perfeição!
É verdade que nos primeiros 15/20 minutos não conseguiram praticamente sair do seu meio-campo, no entanto, defensivamente foram fortes e obrigaram o United a baixar o ritmo, subindo assim mais vezes no terreno e chegando ao golo praticamente no primeiro remate que fizeram no jogo.
A partir daí, fruto da qualidade dos seus jogadores, tiveram uma percentagem muito elevada de posse de bola e de domínio territorial, e sempre que possível, com tabelas e combinações rápidas para gerar desequilíbrios e foi mesmo assim que fizeram o 2-0, colocando-se mais tranquilos no jogo.
Mesmo quando a partida estava resolvida, quiseram humilhar o adversário e chegaram a uma goleada histórica.
Joe Hart esteve seguro, os centrais também, Clichy não deu a mínima hipótese a Nani, e embora com mais dificuldade, Richards acabou por fazer o mesmo a Ashley Young e ainda conseguiu envolver-se nas jogadas que originaram o 2-0 e o 3-0.
O meio-campo defensivo constituído por Yaya Touré e Barry pautaram bem o ritmo do jogo, e os homens da frente, normalmente comandados por David Silva, para além da sua qualidade individual, souberam trabalhar como equipa e foi assim que geraram desequilíbrios e situações imprevisíveis que acabaram por ditar esta goleada. Todos os quatro homens da frente estiveram nos primeiros três golos, que é como quem diz, ajudaram a resolver o jogo. Dzeko entrou a segunda parte mas ainda marcou dois.


Com esta vitória, o Manchester City isola-se ainda mais no comando da Premier League com 25 pontos, mais cinco que o United, que pode ser ultrapassado esta tarde pelo Chelsea.

sábado, 1 de outubro de 2011

Premier League | Manchester United 2-0 Norwich




O Manchester United venceu esta tarde o Norwich por 2-0, em Old Trafford, a contar para a 7ª Jornada da Premier League, num jogo complicadíssimo para a turma de Alex Ferguson.


Eis a constituição das equipas:

Manchester United



Destaque para a rotatividade dos “red devils”. Alguns titulares em outros jogos como De Gea, Ferdinand, Carrick e Giggs ficam no banco, dando lugar a atletas que não jogam tão regularmente de inicio como Lindegaard, Anderson e Park Ji-Sung. No entanto, já se sabe, estamos a falar do Manchester United, das melhores equipas do mundo, e rotatividade não significa perca de qualidade.
Ainda assim, o MU veio de dois jogos seguidos sem vencer, primeiro no último fim-de-semana, frente ao Stoke City, para a Premier League, e na terça-feira frente ao Basileia, empatando ambos os jogos.


Norwich



Do Norwich pouco ou nada conhecia. É uma equipa que subiu este ano à Premier League, e que há dois anos estava no terceiro escalão inglês, sendo promovida por duas vezes consecutivas.
Ainda assim, veio de duas vitórias consecutivas no principal escalão e ocupa uma posição para já tranquila a meio da tabela.


O jogo na primeira parte foi pobre em ocasiões de golo, apenas houve uma, num cabeceamento de Wayne Rooney por volta dos 35’.

O United parece não estar a atravessar um bom momento de forma, depois dos dois empates, entrou com pouca intensidade, imaginação e até mesmo garra, e ainda que se fizesse notar a sua claríssima superioridade em termos técnicos, não conseguiu transformá-la em situações perigosas. Nani, através de algumas diagonais, ainda tentou a sua sorte, mas sem grande perigo.

Já o Norwich, esteve sempre organizadíssimo durante o primeiro tempo, fechando bem o centro do terreno e obrigando os campeões ingleses a procurar o jogo directo, tipo de jogo que não os favorecia visto que no ataque jogava o não muito alto Rooney e sobretudo Chicharito. Se sem bola os canários estavam concentradíssimos, com bola mostraram que não têm estrelas nem de perto nem de longe, não houve um jogador que desse muitos nas vistas, no entanto, jogaram sempre pela certa, cada jogador tinha sempre uma linha de passe e a verdade é que conseguiram manter uma percentagem de posse de bola semelhante à do United. E se não contra-atacaram mais, não foi por apresentarem um futebol negativo, mas sim porque os “red devils” arriscaram muito pouco e a sua linha defensiva jogava bastante mais recuada que o habitual.
Mérito para os jogadores que estiveram sempre concentradíssimos, mas também para Paul Lambert, treinador do Norwich, que organizou muitíssimo bem a sua equipa.


Na segunda parte, o jogo foi muito mais intenso e partido, com o United a fazer subir as suas linhas, jogando mais perto da área do Norwich, mas ao mesmo tempo, sendo mais permeável lá atrás, e os canários lá iam aproveitando as situações de contra-ataque para criar perigo.
Basicamente, assistimos a um jogo “à inglesa” nos últimos 45 minutos, em que num minuto ambas as equipas têm oportunidades de chegar ao golo, tendo a situação mais evidente ocorrido aos 66’, em que Pilkington está pertíssimo de jogar e no mesmo minuto, após um canto de Giggs e uma série de cabeceamentos, primeiro de Jones, depois de Rooney e finalmente de Anderson, a bola entra na baliza e estava feito o 1-0 para a formação da casa, numa altura em que Nani já tinha sido substituído pelo galês e Chicharito por Welbeck.

Depois, o Norwich foi à procura do empate como lhe competia, sempre com muita concentração e garra de todos os jogadores, mas na hora de rematar à baliza, faltava sempre engenho e arte para empatar a partida. No entanto, o United não se livrou de alguns sustos, e neste capitulo falo em especial de um remate de Pilkington, desviado pelas costas de Anderson e que embateu no poste da baliza de Lindegaard. Estavam decorridos 75 minutos.

Após alguns minutos muito intensos em que parecia que tudo poderia acontecer, o MU fez o 2-0, através de uma excelente combinação entre Park e Welbeck, na qual o coreano assistiu o jovem avançado inglês para uma finalização à boca da baliza. Foi a estocada final.


Os campeões ingleses continuam assim na liderança da Premier League, com os mesmo pontos que o seu rival da mesma cidade, o Manchester City, que esta tarde também venceu, no terreno do Blackburn, por 4-0.
Ainda assim, a exibição dos homens de encarnado não foi muito convincente (também por culpa do adversário é verdade), com muito pouca intensidade, sobretudo na primeira parte, e pelo que vejo nas partidas que já assisti do United, parece-me que acima de tudo são eficazes, porque nem na Luz, nem com o Chelsea, nem esta tarde com o Norwich criaram muitos situações para marcar, mas tiveram sorte de concretizar as poucas que tiveram, apesar do pouco brilhantismo.
Devo dar uma palavra de apreço ao sector mais recuado, no qual Jones e Evans fizeram excelentes exibições, fizeram cortes fundamentais, dificultaram ao máximo a acção dos atacantes contrários, e dada a sua juventude, e como já é conhecido o gosto de Alex Ferguson em trabalhar com jovens, parece-me que esta época Ferdinand e Vidic vão-se sentar muitas vezes no banco, mesmo quando estiverem em plena forma. Estes dois têm grande futuro, tal como Smalling, que hoje não jogou devido a lesão, mas que tem feito boas exibições.
No meio-campo, Anderson que nem estava a fazer um grande jogo acabou por marcar o golo que rompeu com o empate, Fletcher esteve discreto como sempre, Nani esteve menos exuberante que habitual e Giggs foi bem mais útil à equipa. Park embora também não muito interventivo, trabalhou bem e participou na jogada do 2-0.
No ataque, já se sabe que Rooney não sabe jogar mal, Chicharito esteve apagado, até porque este tipo de jogo não o favoreceu, e Welbeck continua com a veia goleadora esta época, apesar do período em que esteve afastado da competição devido a lesão.

No Norwich é difícil destacar nomes, mais uma vez reforço a ideia de que é uma equipa sem estrelas mas com um colectivo muito forte, e tem como principais virtudes a concentração, a entreajuda e o bom posicionamento.
Morison, avançado galês, como homem mais adiantado dos canários foi talvez quem esteve mais vezes presente em situações de perigo, no entanto, não teve um desempenho superior ao dos colegas.
Por fim, deixo uma palavra de elogio ao seu treinador, Paul Lambert, que pelo sucesso que tem tido, não me admiro que se daqui a uns anos estiver num clube maior da Premier League.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...