Mostrar mensagens com a etiqueta Newcastle United. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Newcastle United. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

As minhas primeiras memórias de… jogos do Sporting em Inglaterra

Golaço de Tello decidiu jogo de pré-época com o Newcastle

Falar das minhas primeiras memórias de jogos do Sporting em Inglaterra é recordar a época 2004/05. Depois de estágios nas pré-temporadas anteriores no centro da Europa, em países como França ou Suíça, os leões então orientados por José Peseiro rumaram a terras de sua majestade, onde permaneceram cerca de uma semana.

O primeiro encontro do estágio, diante do Crystal Palace (0-1), então recém-promovido à Premier League, não foi transmitido em Portugal.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Liga Europa | Newcastle 1-1 Benfica

uefa.com
Esta noite, no Estádio St. James Park, o Newcastle e Benfica empataram 1-1, num jogo a contar para a segunda mão dos quartos-de-final da Liga Europa. Os encarnados venceram a eliminatória com um agregado de 4-2. Papiss Cissé marcou para os magpies, e Salvio para as águias.
                                      

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Premier League | Everton 2-2 Newcastle


Esta noite, em Goodison Park, em Liverpool, Everton e Newcastle empataram a dois golos, num jogo a contar para a 4ª jornada da Premier League. Baines e Anichebe marcaram para os “toffees”, e Demba Ba (2) para os “magpies”.

domingo, 6 de maio de 2012

Premier League | Newcastle 0-2 Manchester City


Esta tarde, em St. James Park, o Manchester City venceu no terreno do Newcastle por 2-0, num jogo a contar para a 37ª (e penúltima) jornada da Premier League. Yaya Touré marcou ambos os golos da partida.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Premier League | Arsenal 2-1 Newcastle



Esta noite, no Estádio Emirates, em Londres, o Arsenal venceu o Newcastle por 2-1, num jogo a contar para a Premier League. Van Persie e Vermaelen marcaram para os “Gunners”, Ben Arfa para os “Magpies”.

sábado, 26 de novembro de 2011

Premier League | Manchester United 1-1 Newcastle



Esta tarde, em Old Trafford, Manchester United e Newcastle empataram a uma bola em mais um jogo a contar para a Premier League.


Eis a constituição das equipas:

Manchester United



Como já tenho vindo a dizer, os “Red Devils” esta temporada têm estado longe do nível exibicional de outrora. Tem valido à formação de Old Trafford a sua eficácia e a qualidade dos seus jogadores, que mesmo parecendo não mostrar grande força motivacional em campo, têm talento que chegue para conseguir com que o United vai vencendo jogos.
Depois da derrota em casa perante o City, a equipa de Alex Ferguson soma três vitórias consecutivas para a Premier League (Everton, Sunderland e Swansea City), todas elas pela margem mínima.
Dois acontecimentos pouco felizes marcaram a semana do colosso inglês: Anderson lesionou-se e só deve voltar em Fevereiro e o empate para a Liga dos Campeões em Manchester perante o Benfica, insuficiente para garantir já a qualificação para os Oitavos-de-final.


Newcastle



O Newcastle tem sido a grande revelação deste ano da Premier League.
A primeira derrota que sofreu esta temporada foi no passado fim-de-semana e em casa do líder Manchester City (3-1), ocupa o 4º lugar mas está em igualdade pontual com o Tottenham que é primeiro e está apenas a quatro pontos do United, isto para além de ter em simultâneo com Liverpool e “citizens” a melhor defesa da competição. A campanha dos “Magpies” só não é mais surpreendente porque no fundo trata-se de um gigante adormecido, que participou na Liga dos Campeões e chegou diversas vezes longe na Taça UEFA durante a primeira metade da última década, apesar da descida de divisão há anos atrás.
Demba Ba, avançado senegalês, é o melhor marcador da formação de Alan Pardew com oito golos marcados (entre os quais dois “hat-tricks”) em onze jogos.


Tal como lhe competia, a formação de Manchester teve um inicio forte, assumindo as despesas da partida e tentando logo desde cedo se colocar em vantagem no marcador, mas o Newcastle, cheio de personalidade, aguentou a intensidade dos “Red Devils” nos minutos iniciais e com o tempo conseguiu baixar o ritmo, e a partir daí assistimos a uma partida equilibrada em que as duas equipas mostraram vontade de marcar, olharam nos olhos uma da outra, marcando uma posição vincada sobre as suas ambições e nesta fase os “Magpies” até conseguiram ter mais bola e até jogar no meio-campo do adversários em alguns períodos.

À passagem da meia hora, o United voltou à carga e de rajada criou duas bolas ocasiões, primeiro por Giggs que desviou de forma subtil um cruzamento de Fábio mas Krul respondeu com uma grande defesa e logo a seguir, na sequência da marcação de um pontapé de canto Nani atirou por cima.

Até ao intervalo, a equipa de Ferguson conseguiu recuperar a vantagem na posse de bola, embora esteja a sentir imensas dificuldades para assumir a sua superioridade, visto que o Newcastle cheio de confiança foi a Old Trafford para vencer, jogando até com uma defesa demasiado subida em alguns momentos, situações que dificultavam as saídas para o ataque dos “Red Devils” mas que por vezes beneficiavam a velocidade de Wayne Rooney e sobretudo Chicharito, na minha opinião o mais inconformado na primeira parte.


Na segunda metade, os homens da casa entraram fortíssimos, e marcou logo aos 50’.
Wayne Rooney marcou um livre à entrada da área contra a barreira, na recarga o inglês rematou de pé esquerdo mas a bola é interceptada por Steven Taylor que atirou contra o peito de Chicharito e voltou para trás entrando na baliza.

No entanto, o United continuou com o “turbo” ligado e esteve bastante por perto do 2-0 até antes da hora de jogo, ora por Fábio (por cima) ora Rooney (de cabeça, também por cima), e até mesmo em lances em que faltou apenas um último toque para se ampliar o resultado mas por mérito da defesa do Newcastle ou de Krul isso nunca aconteceu.

A partir dos 60’, a formação de Alan Pardew conseguiu aliviar a pressão e na sequência de um lance de bola parada, Steven Taylor de cabeça assistiu Coloccini e este apesar de rematar forte e já perto da baliza permitiu uma extraordinária defesa a De Gea.

No minuto seguinte, o árbitro entendeu (mal) que Ben Arfa foi derrubado por Ferdinand na grande área dos “Red Devils” e na conversão da grande penalidade Ba fez o empate.

Durante algum tempo, os “Magpies” aproveitaram o desnorteamento da equipa do United com o golo sofrido, mostraram atrevimento e vontade de se colocar em vantagem, mas nos últimos 15 minutos, os de Manchester voltaram a ligar o “turbo”, encostaram os de Newcastle às cordas (sobretudo com a expulsão de Jonas Gutierrez) e foi por pura falta de sorte que não conseguiram fazer o segundo.

Aos 77’ Young falhou à boca da baliza após passe de Nani, aos 80’ Krul sem saber como defende de peito um cabeceamento de Vidic e com mais mérito poucos minutos depois fez uma fantástica defesa a uma trivela de Evra. Até ao final do jogo, Young ainda atirou ao poste e um cabeceamento de Rooney foi salvo em cima da linha de golo por Simpson, entre outras, um autêntico sufoco! Ainda assim, nenhum dos talentosos jogadores do United conseguiu desbloquear o resultado.

O empate até se aceita, afinal de contas, pouco se pode apontar ao Newcastle que teve uma grande atitude em Old Trafford, mostrando um grande atrevimento que é de louvar. É verdade que o United rematou mais e criou mais ocasiões de golo (23-9 em remates) e que se tivesse que haver um vencedor, seria o mais justo, até porque a grande penalidade que proporcionou o golo de Ba é inexistente, mas o futebol é assim e não se pode falar em total injustiça.


Falando das equipas, a formação de Alex Ferguson mostrou duas faces.
A sua versão apática, que introduz ao jogo um ritmo lento, sem grandes ocasiões, em que dá muita iniciativa ao adversário e não é objectiva a atacar, e depois, a sua versão intensa, em que parece que liga o “turbo”, o colectivo torna-se bastante pressionante, ataca imenso, encosta a outra equipa até perto da sua área e cria variadíssimas oportunidades para marcar, bolas que não entram por pura infelicidade. De um momento para o outro, temos um United desmotivado que é apenas uma equipa de topo em Inglaterra para um United que mostra uma incrível capacidade, em que no Mundo é dificilmente superada.
De Gea esteve bem quando foi chamado a intervir, Vidic esteve bem, esforçou-se a defender e a atacar, Ferdinand foi injustiçado porque um corte seu na opinião do árbitro foi uma rasteira a Ben Arfa e Evra fez mais um jogo em que não deixa dúvidas que é dos melhores laterais-esquerdos do mundo.
No meio-campo, hoje sim, vimos um jogador de carácter mais defensivo (Carrick) e outro mais ofensivo (Giggs), que seja mais útil no transporte da bola para o ataque, e a produção ofensiva foi muito maior do que no jogo com o Benfica em que Fletcher e Carrick a atacar funcionavam praticamente como um homem só.
Nani e Rooney não fizeram dos seus melhores jogos e Ashley Young muito menos, já Chicharito especialmente na primeira parte foi sempre o mais inconformado da equipa, marcou o golo (ainda que acidentalmente) e a poucos segundos do fim viu o tento da vitória ser-lhe anulado.
Não se percebe como com o 1-1 a persistir desde os 64’, só aos 87’ é que Alex Ferguson mexeu na equipa, sobretudo se tivermos em conta que muitos dos jogadores alinharam a meio da semana contra o Benfica. Mais uma vez reafirmo, não sou ninguém para criticar um técnico com tal currículo, mas é de estranhar a sua passividade perante resultados menos agradáveis.

Quanto ao Newcastle, reforço o seu atrevimento.
É realmente uma equipa de primeira metade da tabela, que não tinha derrotas até à jornada passada e está a ter uma série terrível de jogos (City na semana anterior, United hoje e Chelsea no próximo fim-de-semana). Não estou completamente esclarecido quanto ao valor desta formação para tentar prever a que lugares se destina no final da época, espero ver a partida com os “blues” em St. James Park para dissipar as dúvidas, mas pela posição que ocupa e pela qualidade dos seus jogadores pelo menos é candidata às competições europeias.
Os “Magpies” não têm nenhum futebolista do “Outro Mundo”, mas têm de facto atletas de grande valia, de selecção, especialmente aquele meio-campo que me parece todo ele muito talentoso (Obertan, Guthrie, Cabaye e Jonás Gutierréz). O próprio guarda-redes (Tim Krul) fez grandes defesas, o sector mais recuado pareceu-me organizado e na frente Bem Arfa no apoio a Demba Ba é uma dupla que deve dar trabalho a qualquer defesa.


Com este empate, é esta a classificação provisória da Premier League:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...