sexta-feira, 9 de outubro de 2020

Os 10 argentinos com mais jogos pelo Benfica na I Liga

Uma dezena de argentinos que ficou na história no Benfica
Anunciado recentemente como reforço do Benfica para 2020-21, Nicolás Otamendi juntou-se às mais de duas dezenas de argentinos atuaram de águia ao peito em jogos da I Liga.

Já a seleção albiceleste tinha conquistado os títulos mundiais de 1978 e 1986 quando chegou à Luz o primeiro nativo do país das pampas, o extremo Claudio Caniggia, que aterrava em Lisboa em 1994 por empréstimo da AS Roma, já depois de ter participado em dois Campeonatos do Mundo e de ter vencido uma Copa América e uma Taça das Confederações.


A experiência correu bem e os argentinos foram-se sucedendo no Benfica a partir de então, sobretudo após a chegada de Luís Filipe Vieira para o cargo de presidente e de Jorge Jesus para o comando técnico. Em 21, 15 foram campeões – Caniggia faz parte da meia dúzia que saiu da Luz de mãos a abanar.

Vale por isso a pena recordar os dez futebolistas argentinos com mais jogos com a mítica camisola encarnada na I Divisão.


10. Franco Jara (29 jogos)

Franco Jara
Avançado móvel proveniente do Arsenal de Sarandí, reforçou ao Benfica no verão de 2010 com o intuito de fazer sombra aos habituais titulares Cardozo e Saviola. “Todos sabemos que o Benfica é um clube muito grande e os jogadores que tem são muito bons. Partilhar o balneário com o Saviola e o Aimar é um orgulho muito grande”, afirmou à chegada.
Mais utilizado a partir do banco do que propriamente como titular, na época de estreia atuou em 26 jogos (nove a titular) e apontou seis golos no campeonato, diante de Académica, Nacional, Vitória de Setúbal, Beira-Mar, Olhanense e União de Leiria, tendo ainda contribuído para a conquista da Taça da Liga (com um golo na vitória sobre o Paços de Ferreira na final) e para a caminhada até às meias-finais da Liga Europa.
Na temporada seguinte perdeu espaço e, após ter entrado em campo na primeira jornada, foi emprestado ao Granada, então a militar na I Liga espanhola.
Depois esteve cedido aos argentinos do San Lorenzo e do Estudiantes. Em 2014-15 voltou a integrar o plantel benfiquista, mas após duas partidas na primeira metade da época rumou a título definitivo aos gregos do Olympiacos.
Ainda assim, não faltou boa disposição a Jara durante a passagem pela Luz. “Quando regressei a Portugal, depois do empréstimo ao Estudiantes, aluguei um Smart, um desses pequenos. Era preto, deixava-o sempre estacionado à porta de casa. O Toto [Salvio] vivia ao lado, estávamos separados por um parque. Houve um dia em que deixei o carro à porta como de costume, mas, na manhã seguinte, quando fui a entrar no Smart, estava cheio de galhos, folhas e outras coisas que já nem me lembro.  Eu pensei: 'Quem foi o filho da… que me fez isto?'. Então, quando cheguei ao treino, todos se riam. E disseram: 'Não fomos nós, estás maluco? Como é que íamos lá fazer isso?'. Perdi meia hora a tirar os galhos do meu Smart, fui treinar cheio calor”, contou nas redes sociais em abril deste ano.



9. Lisandro López (32 jogos)

Lisandro López
Defesa central com selo de seleção argentina, também chegou ao Benfica proveniente do Arsenal de Sarandí, mas no verão de 2013, a pensar na sucessão de Garay. Porém, após a pré-época foi imediatamente emprestado aos espanhóis do Getafe.
Quando no ano seguinte Garay foi transferido para o Zenit, julgava-se que Lisandro López seria titular no eixo defensivo ao lado de Luisão, mas o argentino não conseguiu destronar Jardel, não indo além de seis jogos (cinco a titular) no campeonato. Ainda assim, foi campeão e venceu a Taça da Liga.
Em 2015-16, já com Rui Vitória, até começou bem, mas além da dupla Luisão/Jardel, ainda teve de lidar com a concorrência de Lindelof, cumprindo apenas 14 encontros (todos a titular) na I Liga, tendo apontado um golo ao Sp. Braga. Porém, somou mais um título nacional e uma Taça da Liga ao palmarés.
Na temporada seguinte, mais do mesmo: somente oito partidas (seis a titular). Ainda assim, marcou três golos, frente a Tondela, Arouca e a FC Porto, este último num precioso empate no Dragão, e conquistou a dobradinha.
Em 2017-18 tudo levava a crer que fosse beneficiar da saída de Lindelof para o Manchester United, mas depois apareceu Rúben Dias a barrar-lhe o caminho do onze inicial. Após quatro jogos (dois a titular) na primeira metade da época, foi emprestado ao Inter de Milão. “É muito estranho o que se está a passar com o Lisandro no Benfica. Sempre que saiu da equipa foi devido a problemas físicos e nunca devido ao baixo rendimento em campo”, chegou a dizer o empresário, Gustavo Goñi, meses antes da cedência.
Na temporada seguinte esteve cedido aos italianos do Génova e aos argentinos do Boca Juniors e em janeiro de 2020 acabou mesmo por assinar a título definitivo pelo emblema de Buenos Aires.



8. Saviola (69 jogos)

Javier Saviola
Avançado de baixa estatura (1,68 m) que despontou no River Plate e que chegou a fazer épocas muito positivas no Barcelona, perdeu fulgor após empréstimos ao Mónaco e ao Sevilha e depois de uma passagem pelo Real Madrid, mas voltou à ribalta assim que voltou ao Benfica.
Titular ao lado de Cardozo no ataque encarnado, marcou onze golos – incluindo um numa vitória caseira sobre o FC Porto - em 27 jogos (26 a titular) que contribuíram para a conquista do título nacional em 2009-10, tendo ainda vencido a Taça da Liga nessa que foi a primeira época de Jorge Jesus na Luz. “Um dos anos em que mais desfrutei foi com Jorge Jesus no Benfica. A liberdade no ataque que nos deu, tanto a mim como ao Di Maria, Cardozo, Ramires, Aimar, foi impressionante. Ganhámos a I Liga nessa temporada”, recordou em abril de 2020, numa videoconferência realizada pelo Barcelona.
Na temporada seguinte manteve o estatuto, tendo atuado em 24 partidas (todas como titular) e apontado oito golos no campeonato, além de ter conquistado mais uma vez a Taça da Liga e chegado às meias-finais da Liga Europa.
Em 2011-12 perdeu fulgor, não indo além de 18 encontros (10 a titular) e quatro golos na I Liga, redimindo-se na Taça da Liga ao marcar o golo da vitória sobre o Gil Vicente na final.
A época que se seguiu ainda foi iniciada na Luz, mas ainda antes do fecho do mercado de verão voltou a Espanha para representar o Málaga. “O Benfica é um clube que me deu muitíssimo, tanto na vida pessoal como profissional. Vivi momentos inigualáveis, muito lindos. Deixei amigos em Lisboa. Digo sempre que foi o clube que mais de surpreendeu. Estive no Barça e no Real Madrid e aí sabes o que podes esperar, o que representam como instituição. Falava muitas vezes com o Aimar que tínhamos chegado a um clube do qual desconhecíamos a grandeza, a sua história, os seus jogadores, os adeptos. Era impressionante ir jogar a qualquer lado e encontrarmo-nos com tantos adeptos. Isso surpreendeu-me muitíssimo. Toda a gente me tratou muito bem, tive a possibilidade de ganhar títulos e toda a gente tem grandíssimas recordações minhas”, confessou em entrevista ao jornal A Bola, em novembro de 2017.



7. Enzo Pérez (70 jogos)

Enzo Pérez
Enzo Pérez era um extremo quando reforçou o Benfica no verão de 2011, proveniente do Estudiantes, clube pelo qual a Taça Libertadores em 2009 e que o catapultou para a seleção argentina.
Porém, na Luz fez três jogos como suplente utilizado no início da primeira época, mas sofreu uma grave lesão e depois foi emprestado ao Estudiantes. “Em Portugal rompi uma cartilagem do joelho ao fim de três jogos. Operaram-me e custou-me imenso aquela recuperação. Estava mal da minha cabeça, estava destroçado porque nunca tinha estado tanto tempo parado. Estava só com a minha mulher, na minha primeira experiência fora do meu país, e o joelho só inflamava. Foi muito duro. Chorava, não sabia o que iria acontecer ao meu joelho, queria deixar de jogar. Falei com o presidente do Benfica: 'Por favor, deixe-me voltar seis meses ao Estudiantes, tenho que recuperar a minha cabeça, preciso de afeto'. O meu representante falou com la Bruja [Juan Sebastián Verón] e eles deram o 'ok'. No primeiro semestre de 2012 joguei outra vez no Estudiantes, recuperei e regressei ao Benfica para poder jogar”, recordou, em outubro de 2019.
Na temporada passada voltou a Lisboa e, face às saídas de Javi García e Witsel, foi adaptado às funções de box-to-box por Jorge Jesus e tornou-se um médio daqueles que enchem o campo. Em 2012-13 formou uma dupla fantástica com Matic no miolo benfiquista, tendo atuado em 28 jogos (25 a titular) e marcado quatro golos no campeonato, tendo ainda contribuído para a caminhada até à final da Liga Europa.
“No Benfica comecei a jogar pela ala direita e Jorge Jesus convidou-me a jogar num duplo pivot. Eu não queria aquilo, não me via a jogar naquela posição, mas ele disse-me: 'Fica tranquilo, vamos treinar, eu vou mostrar-te uns vídeos, fazemos exercícios depois dos treinos'. Acabei por ser eleito o melhor jogador daquele ano [2014]. Jesus tinha razão... É um monstro taticamente”, lembrou.
Na época que se seguiu confirmou o que já havia demonstrado na anterior, repetindo os números da época anterior (mas com 27 encontros no onze inicial), mas desta vez juntando os desempenhos individuais às conquistas coletivas: venceu campeonato, Taça de Portugal, Taça da Liga, chegou à final da Liga Europa e foi eleito melhor jogador do ano na I Liga. Após o encerramento esteve com a Argentina no Mundial 2014 e foi finalista vencido.
A temporada seguinte iniciou com a conquista da Supertaça, mas depois de onze jogos (todos a titular) e um golo no campeonato e uma fase de grupos da Liga dos Campeões para esquecer, transferiu-se para os espanhóis do Valencia.
“Sinto a alegria pelo novo desafio que me espera no Valencia, mas também a tristeza de deixar o clube que me permitiu chegar à Europa, crescer, ser campeão, ser eleito o melhor jogador da Liga Portuguesa e jogar um Mundial. Foram três anos e meio fantásticos que jamais esquecerei porque ficarão guardados na minha memória e coração. O carinho que recebi por parte de todos os adeptos fez-me sentir em casa. E o Benfica é a minha casa, não tenho dúvidas disso. O início não foi fácil, mas nunca deixaram de acreditar em mim. A todos, equipa técnica, companheiros, adeptos, equipa média, nutricionista e ajudantes resta dizer-lhes adeus. Hoje é impossível dizer se voltarei a ter a oportunidade de vestir a camisola do Benfica, mas mais importante do que isso, posso dizer com muito orgulho que defendi essas cores, fui campeão e festejei nesse estádio magnífico”, afirmou, aquando da despedida.



6. Di María (76 jogos)

Ángel Di María
Extremo que chegou à Luz no verão de 2007 proveniente do Rosario Central como uma das grandes promessas do futebol argentino, demorou dois anos a afirmar-se como titular no Benfica. “O Benfica foi muito importante para mim e para a minha família. Foi um grande passo, até porque só jogava no Rosario Central há um ano e meio. Mudar-me para a Europa e para um clube grande como o Benfica deu-me tudo”, afirmou ao site da UEFA em abril de 2020.
Na época de estreia atuou em 26 partidas (13 a titular) e na temporada seguinte ainda foi menos utilizado com Quique Flores, tendo participado em 24 encontros (12 a titular) e apontado dois golos no campeonato, frente a Paços de Ferreira e Sp. Braga, e conquistado a Taça da Liga.
Em 2009-10 explodiu definitivamente às ordens de Jorge Jesus, numa fase em que começava a ser chamado com frequência à seleção albiceleste então comandada por Diego Maradona, tendo disputado 26 jogos (todos a titular) e apontado cinco golos, frente a Leixões (três), Naval e Olhanense. Formou uma dupla fantástica com Fábio Coentrão no flanco esquerdo, sagrou-se campeão nacional, venceu novamente a Taça da Liga e no final da época foi ao Mundial.
Depois transferiu-se para o Real Madrid então orientado por José Mourinho por 33 milhões de euros, tornando-se na altura a venda mais cara da história do Benfica. “O salto do Benfica foi enorme e muitos criticaram-me por não ter jogado bem no Mundial 2010. Diziam que não tinha feito o suficiente para justificar aquele preço, que era muito alto. Mas Mourinho acreditou em mim e mostrei que merecia a camisola do Real Madrid e consegui vencer a Liga dos Campeões”, recordou.



5. Garay (78 jogos)

Ezequiel Garay
Chegou, vim e teve impacto imediato na equipa do Benfica. Formado e revelado pelo Newell´s Old Boys, entrou no futebol europeu para representar os espanhóis do Racing Santander e passou sem sucesso pelo Real Madrid antes de chegar à Luz no verão de 2011.
Em três anos de águia ao peito, sempre às ordens de Jorge Jesus, foi sempre um titular indiscutível no eixo da defesa ao lado de Luisão, tendo formado uma das melhores duplas de centrais da história recente dos encarnados. “Entendíamo-nos muito bem e melhorávamos de ano para ano. Lembro a final com o Chelsea, fomos eleitos uma das melhores duplas de centrais da Europa. Aprendi muito, quer dentro como fora de campo, com um magnífico profissional como Luisão”, recordou, em outubro de 2016.
Entre 2011 e 2014 atuou em 78 partidas no campeonato, todas na condição de titular, e apontou nove golos, entre os quais um na vitória sobre caseira sobre o FC Porto que fez o Benfica saltar para a liderança da I Liga em 2013-14, posição que a equipa viria a manter até ao fim. Além de um título nacional, Garay conquistou duas Taças da Liga (2011-12 e 2013-14), uma Taça de Portugal (2013-14), chegou por duas vezes à final da Liga Europa (2012-13 e 2013-14) e convenceu o selecionador argentino a levá-lo ao Mundial 2014.
No verão de 2014 transferiu-se para o Zenit, quando só lhe restava apenas mais um ano de contrato.



4. Cervi (100 jogos)

Franco Cervi
Extremo canhoto proveniente do Rosario Central tal como Di María, Franco Cervi chegou ao Benfica no verão de 2016, depois de Jorge Jesus o ter tentado levar para o Sporting no ano anterior.
Maioritariamente titular nas duas primeiras épocas de águia ao peito, em 2016-17 atuou em 26 jogos (16 a titular) e marcou dois golos no campeonato, diante de Feirense e Vitória de Guimarães, tendo conquistado título nacional, Taça de Portugal e Supertaça.
Na temporada seguinte reforçou o estatuto, ao participar em 31 encontros (29 a titular) e faturar por três vezes, frente a Paços de Ferreira e Portimonense (dois), mas apenas ganhou a Supertaça.
Em 2018-19 começou a titular com Rui Vitória e até foi chamado à seleção argentina, mas o bom momento de forma de Rafa e a chegada de Bruno Lage e consequente passagem de Pizzi para o corredor direito fizeram-no perder espaço na equipa, não indo além de 20 partidas (13 a titular) na I Liga. Ainda assim, apontou quatro golos, ante Desp. Aves, Sp. Braga e Marítimo (dois) e voltou a sagrar-se campeão.
Na época que se seguiu voltou a ter uma utilização abaixo do esperado, tendo atuado em 23 jogos (19 a titular) e marcado dois golos, frente a Boavista e Vitória de Guimarães. “Tive a oportunidade de sair, tinha clubes interessados em mim, mas pensei sempre em ficar para não sair daquela maneira. Gosto muito deste clube”, revelou, em janeiro de 2020.
Em 2020-21 está novamente a sentir dificuldades para se impor, agora às ordens de Jorge Jesus, que já o procurou adaptar a lateral esquerdo.



3. Aimar (107 jogos)

Pablo Aimar
Médio ofensivo que despontou no River Plate e se notabilizou no futebol europeu ao serviço do Valencia e do Saragoça, reforçou o Benfica após a descida dos aragoneses à II Liga Espanhola e a retirada de Rui Costa, em 2008. “Vou retirar-me, quero que uses a minha camisola”, terá dito o antigo internacional português a El Mago, acerca do número 10.
Embora nunca tivesse sido propriamente um titular indiscutível e raramente atuasse os 90 minutos, conquistou os benfiquistas com a classe com que tratava a bola.
Na época de estreia, com Quique Flores no comando técnico, disputou 22 jogos (20 a titular) e marcou um golo à Naval, tendo conquistado a Taça da Liga.
Em 2009-10 subiu de produção com Jorge Jesus, tendo atuado em 25 partidas (21 a titular) e somado quatro remates certeiros, frente a Vitória de Setúbal, Vitória de Guimarães, Sporting e Olhanense, sagrando-se campeão nacional e uma vez mais vencedor da Taça da Liga. “Houve um golo que foi determinante para o campeonato de 2009-10, quando fomos campeões. Foi o golo com o Sporting, por ser um dérbi, por todos os adeptos que estavam no estádio. Recordo-o com muito carinho”, confessou, mais tarde.
A temporada seguinte foi a melhor em termos de golos: cinco em 23 encontros (21 a titular). Vitória de Setúbal, Paços de Ferreira (dois), Rio Ave e Vitória de Guimarães foram as vítimas de Pablo Aimar, que nesse ano contribuiu para a conquista da Taça da Liga.
Em 2011-12 apresentou números idênticos: 24 jogos (19 a titular) e dois golos, diante de Académica e Gil Vicente, vencendo uma vez mais a Taça da Liga.
Na quinta e derradeira época na Luz não foi além de 13 partidas (todas como suplente utilizado), rumando depois ao Johor FC, da Malásia. “A palavra que quero deixar aos adeptos é um obrigado. Agradeço pela forma como me trataram e pela forma como me fizeram sentir bem aqui, a mim e à minha família. O que sinto pelo Benfica, por Lisboa e pelas pessoas é agradecimento”, afirmou, aquando da saída da Luz.
“O clube tem a cor, a paixão, a gente, o estádio, a cidade. Irmos a França, ao Luxemburgo, numa pré-época, ou até a Inglaterra e uma parte grande do estádio estava coberta de adeptos do Benfica. Fora de Portugal, nem sempre se tem a ideia do quão grande é o Benfica. Por isso, foi tão bom ter vivido isso. A mim traz-me recordações felizes desse tempo. As minhas duas filhas mais novas são portuguesas, nasceram aí. Às vezes ainda meto o hino, aquele que ouvíamos antes dos jogos”, revelou em maio de 2020, numa conversa com Saviola para a BTV.



2. Gaitán (152 jogos)

Nico Gaitán
Médio ofensivo/extremo contratado ao Boca Juniors no verão de 2010 e rotulado de internacional argentino, foi incumbido da difícil missão de fazer esquecer Di María, que tinha acabado de partir para o Real Madrid.
“Não estava à espera que o Benfica me contratasse, estava feliz no Boca. Mas sabia que em qualquer momento isso poderia acontecer, está sempre na cabeça chegar à Europa. Estou muito grato pelo Benfica se ter lembrado de mim. O mister Jesus ligou-me, imaginem a conversa com ele: eu não percebia português e ele não falava espanhol… Mas fiquei muito feliz por me quererem e pelo treinador me ter ligado, era sinal que me queriam muito”, lembrou em entrevista à BTV, em maio de 2020.
A primeira época até foi bastante positiva, em termos de números até uma das mulheres que passou na Luz, tendo atuado em 26 jogos (23 a titular) e apontado sete golos, diante de Naval (dois), União de Leiria, Nacional, Vitória de Setúbal, Sporting e Paços de Ferreira, tendo conquistado uma Taça da Liga e chegado às meias-finais da Liga Europa.
Depois passou por uma fase irregular e entre os adeptos encarnados dizia-se que Nico Gaitán só se esmerava em jogos grandes. Em 2011-12 atuou em 25 encontros (18 a titular) e somou três remates certeiros, frente a FC Porto, Paços de Ferreira e Beira-Mar, tendo vencido mais uma Taça da Liga.
Na temporada seguinte até foi mais vezes suplente utilizado (12) do que titular (11), devido à concorrência do regressado Salvio, mas também de Ola John, tendo voltado a marcar três golos, diante de Estoril, FC Porto e Gil Vicente, tendo contribuído para a caminhada até à final da Liga Europa.
Em 2013-14 reconquistou definitivamente a titularidade, apesar da concorrência de Markovic, Sulejmani, Salvio, Ola John e Ivan Cavaleiro, tendo participado em 26 partidas (24 a titular) e apontou quatro golos, frente a Sporting, Belenenses, Rio Ave e Arouca, conquistando finalmente o título nacional. Paralelamente, venceu igualmente Taça da Liga e Taça de Portugal (com golo da vitória sobre o Rio Ave na final) e chegou novamente à final da Liga Europa.
Na época seguinte manteve o estatuto, tendo participado em 27 jogos (26 a titular) e voltado a faturar por quatro vezes, ante Sporting, Académica, Gil Vicente e Vitória de Guimarães, conquistando uma vez mais campeonato e Taça da Liga, além da Supertaça.
Na sexta e última temporada, em 2015-16, manteve a influência às ordens de Rui Vitória, tendo disputado 25 encontros (24 a titular) e marcado uma vez mais quatro golos, diante de Belenenses, Moreirense e Nacional (dois), este último no jogo que sentenciou a conquista do tricampeonato. Na despedida, marcou um dos golos com que o Benfica goleou o Marítimo na final da Taça da Liga (6-2).
“Lembro-me [do meu último jogo e do momento a chorar no banco]. Vi que ia sair. A minha última bola pelo Benfica deu golo, foi o Jonas que me passou. Foi muito diferente. Antes do jogo já sabia que ia sair do Benfica, mas não disse a nenhum dos meus companheiros porque queria que se focassem no jogo. Naquela tarde passei muito tempo a pensar se a decisão que estava a tomar era correta ou não. Não consegui descansar depois do almoço como num jogo normal. Correu tudo bem, a equipa conseguiu ganhar. Depois do jogo comuniquei aos meus colegas, para saberem por mim antes que soubessem pelos media”, recordou.
Depois transferiu-se para o Atlético Madrid, mas não mostrou na capital espanhola o brilho que outrora encantou a Luz.



1. Salvio (166 jogos)

Toto Salvio
Extremo que despontou no Lanús e entrou na Europa pela porta do Atlético Madrid, chegou pela primeira vez ao Benfica em 2010-11 por empréstimo dos colchoneros.
Embora tivesse chegado já nos últimos dias do mercado de verão e sofrido duas lesões que o deixaram algumas semanas afastado dos relvados, atuou em 19 partidas (12 a titular) e apontou quatro golos, diante de Rio Ave (dois), Sporting e Marítimo, ajudando ainda os encarnados a vencer a Taça da Liga e a chegar às meias-finais da Liga Europa. Pelo meio, estreou-se pela seleção principal da Argentina.
Na temporada seguinte voltou ao Vicente Calderón, mas as águias não o perderam de vista, fazendo-o regressar em 2012-13, desta vez a título definitivo. Nessa época voltou a brilhar, apontando uma dezena de golos em 29 jogos (todos como titular) e ajudando o Benfica a atingir a final da Liga Europa.
Na época que se seguiu também começou como titular, mas uma lesão sofrida logo na 3.ª jornada, numa visita a Alvalade, afastou-o dos relvados durante meio ano, numa altura em que se falava de uma transferência para o Zenit. Ainda assim, foi a tempo de atuar em 12 partidas (cinco a titular) e vencer campeonato, Taça de Portugal e Taça da Liga e de participar em mais uma caminhada até à final da Liga Europa.
Em 2014-15 recuperou o seu nível e beneficiou da saída de Markovic para reassumir a titularidade: 29 encontros (28 a titular) e nove golos. Venceu a Supertaça e sagrou-se bicampeão. Porém, na última jornada sofreu uma grave lesão num joelho no jogo da consagração e foi obrigado a parar durante quase nove meses, quando já tinha tudo acertado para assinar pelo Manchester United.
Ainda assim, na temporada seguinte que se seguiu regressou a fevereiro e foi a tempo de jogar oito vezes no campeonato (uma como titular), sagrar-se tricampeão e vencer novamente a Taça da Liga, agora às ordens de Rui Vitória.
Nas épocas que se seguiram recuperou novamente a melhor forma. Em 2016-17 participou em 29 jogos (26 a titular) e marcou quatro golos, tendo conquistado o tetracampeonato e a Supertaça.
Na temporada seguinte ainda esteve quase dois meses afastado dos relvados, porém, até fez uma das melhores épocas da carreira, com nove golos em 26 partidas (19 a titular) no campeonato, tendo conquistado a Supertaça. No final foi premiado com a convocatória para o Mundial 2018, mas como… lateral direito.
Em 2018-19 começou a titular com Rui Vitória, mas uma lesão sofrida no início de janeiro e a chegada de Bruno Lage, a entrada de João Félix no onze e o regresso ao 4x4x2 (com Pizzi na direita) retiraram-lhe novamente espaço, não indo além de 14 encontros (sete a titular) e dois golos. “Não era o mesmo e deixei de sentir-me importante. Achava que ninguém treinava como eu e depois não jogava. Sempre fui um jogador importante no Benfica e custou-me muito aceitar não jogar”, afirmou em março de 2020, em entrevista ao Record.
Cada vez com menos margem de manobra, regressou à Argentina no verão de 2019 para representar o Boca Juniors. “Se a minha carreira teria sido mais fácil? Sim, podia. Mas sou uma pessoa forte por tudo o que passei”, confessou nas redes sociais pouco antes da despedida.














2 comentários:

  1. Moreover, you can also play the game to earn money from it. There are many other benefits that can be enjoyed by the player when it comes to playing online poker games. If you want to get more interesting details about online poker agents, you may go here to know more about it.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...