Mostrar mensagens com a etiqueta Shakhtar Donetsk. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Shakhtar Donetsk. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Liga dos Campeões | Shakhtar Donetsk 0-2 FC Porto



O FC Porto foi esta noite à Ucrânia vencer o Shakhtar Donetsk por 2-0, com golos de Hulk e Rat (p.b.), em jogo a contar para a Fase de Grupos da Liga dos Campeões.


Eis a constituição das equipas:

Shakhtar Donetsk



Os ucranianos precisam forçosamente de uma vitória para conseguirem chegar à Liga Europa e beneficiam hoje do factor casa e de o seu adversário estar num mau momento.
Do que vi da sua deslocação ao Dragão em Setembro, gostei particularmente de Willian, Jadson e Luiz Adriano, mas só dois deles serão titulares esta noite.
Mircea Lucescu não poderá contar o lesionado Chigrinskiy (defesa-central) e o castigo Srna (lateral-direito).


FC Porto



Os dragões estão numa sequência de maus resultados, mas já provaram que nos momentos mais críticos sabem dar resposta e a dúvida é saber que face deste FC Porto jogará hoje em Donetsk.
Em relação à equipa que foi goleada em Coimbra, Helton, Defour e Djalma entram no onze e Bracali, Belluschi e Kléber voltam ao banco.


Na primeira parte o jogo foi maioritariamente equilibrada, ainda que com algum ascendente do Shakhtar que criou as principais oportunidades de golo, sobretudo um remate ao poste por Luiz Adriano aos 17’.

Os ucranianos entraram bem, remataram mais, tiveram mais posse de bola, tinha mais facilidade em chegar à área dos dragões e só aos poucos é que o FC Porto foi saindo do seu meio-campo e guiados por Hulk foram chegando perto da baliza adversária.


No segundo tempo, a formação portuguesa tinha que arriscar mais e foi isso que fez, subiu no terreno, melhorou os índices de posse de bola e foi à procura de um resultado que lhe fosse mais favorável.

Apesar das temperaturas negativas, o jogo aqueceu nos últimos 20 minutos com um remate de Fernandinho ao poste aos 72’, e alguns minutos depois, com o primeiro golo dos portistas, por Hulk, após um passe de João Moutinho que o isolou. Foi um tento que se adequa à superioridade da equipa na segunda parte, e é extremamente justo para o brasileiro que batalhou imenso para dar alcançar esta vantagem.

Com o 0-1 o FC Porto foi dominando as operações, e acabam por fazer o segundo, já nos 90’, através de um auto-golo de Rat que desviou um remate torto de Maicon para a sua baliza, resolvendo desta forma o jogo.


Acabou por ser um resultado que se aceita por aquilo que os azuis e brancos fizeram na segunda parte, onde mostraram acima de tudo vontade e garra para conseguir chegar à última jornada numa posição menos incómoda e ainda com aspirações de sonhar com os Oitavos.
Confesso que os meus níveis de atenção ao jogo estavam longe dos 100%, não quero ser injusto ou falar do que não sei, mas a exibição de Hulk foi a que mais deu nas vistas, o brasileiro pareceu sempre o mais inconformado quando as coisas não corriam tão bem.
João Moutinho também esteve em bom plano e Helton foi seguro, e em jeito de brincadeira, porque não elogiar os postes que evitaram dois golos dos ucranianos?

Quanto ao Shakhtar, esteve bem na primeira parte, sobretudo nos minutos iniciais, conseguiu superiorizar-se ao FC Porto muitas vezes durante o jogo, foi perigosa ao ponto de justificar pelo menos um golo, mas não o conseguiu e desta forma não jogará sequer na Liga Europa nos primeiros meses de 2012.


Com esta vitória dos dragões, fica assim ordenada a classificação do Grupo G:

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Liga dos Campeões | FC Porto 2-1 Shakhtar Donetsk



O FC Porto venceu esta noite, no Estádio do Dragão, a formação do Shakhtar Donetsk por 2-1, no jogo de abertura da Liga dos Campeões nesta temporada.

O FC Porto apresentou a seguinte equipa: Helton; Fucile, Otamendi, Maicon e Álvaro Pereira; Fernando (Belluschi), Defour e João Moutinho; James Rodríguez, Kléber (Djalma) e Hulk (Varela).

Já o Shakhtar Donetsk: Rybka; Srna, Chygrynskiy, Rakitskiy e Razvan Rat; Mkhitaryan e Fernandinho; Willian (Hubschman), Jadson (Alex Teixeira) e Eduardo (Kucher); Luiz Adriano.

Desta vez Vitor Pereira não inventou e colocou na equipa inicial os melhores, no entanto, destaque para a titularidade de Defour, quando talvez os críticos apontassem para que jogasse de inicio Belluschi. Na defesa, já se sabia, Sapunaru e Rolando eram cartas fora do baralho.

O Shakhtar entrou melhor, mostrando personalidade e que está na disputa pelo jogo, no entanto foi o FC Porto a criar as primeiras situações de golo. Aos 5 minutos Hulk remata fora da área, a bola bate nas costas de Defour e vai à trave. Aos 10’, o árbitro assinala grande penalidade por obstrução a James. Hulk na conversão atira ao poste e o FC Porto mostra de novo atracção pelo ferro após o jogo com o Vitória de Setúbal em que foram três a embater nos postes.

No futebol costuma-se dizer que quem não marca sofre, e dois minutos depois, os ucranianos chegam à vantagem. Willian, na esquerda, remata de pé direito, a bola vai algo enrolada, Helton não a consegue agarrar, e Luiz Adriano apanha o esférico à sua mercê para inaugurar o marcador.
Golo com responsabilidades para o guardião brasileiro dos dragões.

O FC Porto foi em busca do empate, dominando territorialmente, tendo mais a bola, no entanto, quem acabou por marcar foi mais uma vez o Shakhtar, aos 25’, penso que mais uma vez por Luiz Adriano, mas o golo foi anulado por fora-de-jogo. A realização do jogo não mostrou a repetição, mas os jogadores do Shakhtar ficaram a reclamar pela posição de Defour que estava a colocar o marcador do golo do jogo. Ainda assim, o árbitro manteve a decisão.

Como quem não marca (ou neste caso, quem não vê o seu golo validado) arrisca-se a sofrer, Hulk, dois minutos depois, na conversão de um livre directo, atira fortíssimo e acaba por marcar, num remate indefensável para Rybka. O mais difícil estava feito, o empate.

A partir daí, até ao final da primeira parte, só deu FC Porto, e Hulk, minutos depois teve mais um grande remate, mas desta vez, Rybka conseguia parar a bola. A equipa portuguesa até ao final dos primeiros 45 minutos foi a que mostrou querer ganhar o jogo, foi a que foi dominando, embora não estivesse a sair muito bem o último passe, quer pelo meio, quer em cruzamentos, e era difícil colocar a bola em Kléber, por exemplo, o homem mais adiantado dos dragões.

Perto dos 40’, Rakitskiy entra muito duro sobre Moutinho e é expulso. Lucescu, treinador do Shakhtar, não perde tempo e reorganiza a equipa defensivamente com a entrada de Kucher para o lugar de Eduardo. No entanto, e apesar do brasileiro naturalizado croata não estar a jogar muito, a equipa perdeu claramente capacidade ofensiva e previa-se uma segunda parte de muito sofrimento para os homens do Leste europeu.

O FC Porto entrou na segunda parte como terminou a primeira: Ao ataque! A dominar, a povoar o meio-campo contrário, a jogar perto da área do adversário, e não demoraria a chegar ao golo. James faz um belo trabalho na esquerda, e num cruzamento rasteiro assiste Kléber, para o primeiro golo de sempre do brasileiro na Liga dos Campeões, estavam decorridos 51 minutos.

A partir deste momento, notam-se algumas alterações tácticas interessantes no FC Porto:
João Moutinho que durante toda a primeira parte jogou mais descaído pelo lado esquerdo do meio campo, durante alguns momentos da segunda jogou mais pelo lado direito, e como resultado vimos algumas boas combinações com Hulk, uma das quais foi uma dupla tabelinha que foi das melhores jogadas durante todo o encontro, pena a irrelevância que acabou por ter.
Falando de outra alteração táctica, James Rodriguez jogou mais no centro, ocupando a posição de “10”, primeiro com Hulk a jogar numa posição mais interior, fazendo dupla de avançados com Kléber e o meio-campo a formar um losango. Depois, com a saída do “Incrível” e do ponta-de-lança ex-Maritimo, James continuou a ocupar terrenos mais centrais, no entanto, os avançados que já eram Djalma e Varela jogavam muito mais abertos, nas suas posições de extremos, algo que se compreende pois não fazia falta um homem mais adiantado no meio, e com um “10” e dois avançados abertos a posse de bola estava mais facilitada.
Com a saída de Fernando, Moutinho jogou mais recuado, ainda que com participação activa no jogo ofensivo da equipa, Belluschi ajudou à posse de bola, e face à equipa ucraniana se encontrar muito recuada, foi recorrente ver os laterais portistas subirem para jogarem numa linha muito próxima dos centro-campistas.

Quanto ao jogo propriamente em si, o FC Porto tentou a todo o custo ampliar a vantagem, sejam por remates de longe, ou por tentar fazer a bola à grande área, fosse pelo meio ou especialmente pelos flancos, no entanto, nunca o conseguiu.
O Shakhtar fez o que lhe competia e tentou chegar à igualdade, mas sem causar grandes incómodos, ainda assim, dava a ideia de que numa jogada com alguma ponta de sorte, podiam fazer o 2-2, logo, esta vantagem dos azuis-e-brancos não era cómoda.

O FC Porto foi gerindo a vantagem, foi gerindo muito bem a posse de bola, fazendo passar o esférico por quase todos os elementos da equipa, quando possível tentou o 3-1, no entanto, isso não foi possível, e a prioridade foi segurar a vantagem, com bola, no meio-campo do adversário, e essa tarefa facilitou-se com a expulsão por acumulação de amarelos de Chygrynskiy, que encostou definitivamente os ucranianos às cordas.


Creio que o FC Porto jogou com a formação certa, da forma certa durante todo o jogo, foi uma equipa que jogou de forma diferente nos diversos momentos do jogo e soube jogar bem em qualquer um deles. Soube assumir o jogo, soube ir à procura do empate e posteriormente da vitória, soube controlar o jogo, dominá-lo, soube (ainda que de uma forma algo ineficaz e pouco acentuada) criar situações de golo e soube gerir a posse de bola quando isso era o pedido.
Destaco o colectivo que esteve muito bem, no entanto, creio que James fez mais uma grande exibição e que Defour fez bem o seu papel, sendo muito semelhante a Moutinho, permite uma espécie de simetria no meio-campo do FC Porto. Kléber marcou, mas enfim, infelizmente para ele vai estar sempre associado ao antecessor, e sendo o antecessor um fora-de-série, a sua tarefa complica-se, mas mesmo sendo um jogador que joga muito mais para si do que para o colectivo, comparativamente com Falcao, assim como menos virtuoso tecnicamente, tem respondido com golos e isso é que interessa.

Quanto ao Shakhtar, tem uma boa equipa, que teve a infelicidade de jogar durante muito tempo em inferioridade numérica, mais creio que em sua casa vai criar muitas dificuldades ao FC Porto. Tem três jogadores que ofensivamente são muito perigosos (Willian, Jadson e Luiz Adriano). Willian é um extremo rapidíssimo, Jadson é um “playmaker” de classe média/alta do futebol europeu e Luiz Adriano mostrou-se eficaz e creio que é um excelente ponta-de-lança.

Quanto ao outro resultado do grupo, o APOEL Nicósia venceu o Zenit por 2-1.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Liga dos Campeões | Sporting 1-0 Shakhtar Donetsk

Pela primeira vez na sua história, o Sporting chegou aos Oitavos-de-Final da Liga dos Campeões.
Já antes tinha atingido os Quartos-de-final mas a competição tinha outro formato e era ainda denominada como Taça dos Campeões.

O Sporting venceu hoje em Alvalade o Shakhtar Donetsk por 1-0, golo apontado por Derlei pouco antes do último quarto-de-hora da partida.

Na primeira parte a equipa leonina entrou algo ansiosa no jogo e os passes, controlos de bola e remates não saiam bem à equipa chegando estar em apuros durante algumas investidas dos ucranianos na frente de ataque.

No segundo tempo vimos uma nova equipa que encostou o seu adversário ao seu meio-campo defensivo e acabou por conseguir um golo apontado por Derlei que tinha acabado de entrar.

Ficha de Jogo:

Sporting: Rui Patricio; Abel, Anderson Polga, Caneira e Grimi; Miguel Veloso; Izmailov (Pereirinha'90+2), Rochemback e João Moutinho; Liedson e Hélder Postiga (Derlei'69)

Shakhtar Donetsk: Pyatov; Hübschman (Lewandowski'81), Oleksandr Kucher, Razvan Rat e Chyhrynskyi; Fernandinho, Jadson (Luiz Adriano'75), Willian e Srna; Brandão e Marcelo Moreno

Golos:
1-0 por Derlei '73

Acção disciplinar:
Cartão amarelo mostrado a João Moutinho'22 e Hélder Postiga'42; Hübschman'24, Chyhrynskyi'54, Jadson'64, Brandão'78 e Kucher'90


Video do golo:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...