quarta-feira, 3 de junho de 2020

Os 10 futebolistas com mais jogos na I Divisão

Dez jogadores que ficaram na história do campeonato português
Implementada em 1934-35, a I Divisão – hoje mais conhecida por I Liga – trouxe um sistema de liga ao futebol português, que na altura apurava o seu campeão através de uma prova a eliminar, o Campeonato de Portugal.

Inicialmente organizado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), mas desde 1995-96 sob a égide da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, o primeiro escalão do futebol português tem em 2019-20 a sua 86.ª edição.


Ao longo de quase nove décadas, a competição foi disputada por 9564 jogadores que atuaram por um total de 72 clubes. Porém, apenas cinco emblemas foram campeões (Benfica, FC Porto, Sporting, Belenenses e Boavista), sendo que mais três foram vice-campeões (Vitória de Setúbal, Sp. Braga e Académica). No total, 970 futebolistas conquistaram o título.

Numa altura em que o futebol está de regresso a Portugal, vale a pena recordar os dez jogadores com mais jogos na I Divisão.


10. Vítor Baía (406 jogos)

Vítor Baía
Considerado por muitos como o melhor guarda-redes de sempre do futebol português, estreou-se pela equipa principal do FC Porto pela mão de Quinito a 11 de setembro de 1988, num empate no terreno do Vitória de Guimarães (1-1).
Começou aí a história de uma lenda que na I Divisão portuguesa disputou 406 jogos (404 a titular), sofreu 230 golos e conquistou dez títulos (1989-90, 1991-92, 1992-93, 1994-95, 1995-96, 1998-99, 2002-03, 2003-04, 2005-06 e 2006-07), sempre de dragão ao peito, entre 1988 e 2007. Ao longo desses 19 anos apenas não esteve nos azuis e brancos durante duas épocas e meia, quando representou o Barcelona.
Paralelamente conquistou cinco Taças de Portugal, nove Supertaças, uma Taça UEFA e uma Liga dos Campeões pelo FC Porto e somou 80 internacionalizações pela seleção nacional, tendo marcado presença nos Europeus de 1996 e 2000 e no Mundial 2002.



9. João Pinto (408 jogos)

João Pinto
Se Vítor Baía não é o jogador com mais jogos pelo FC Porto na I Divisão o culpado é João Pinto, eterno capitão de equipa e camisola 2 dos azuis e brancos. A estreia no primeiro escalão aconteceu a 6 de dezembro de 1981, numa vitória sobre o Estoril nas Antas (1-0).
Seguiram-se 16 anos interruptos no lado direito da defesa portista, período no qual disputou 406 jogos (404 a titular) e marcou 17 golos no campeonato, tendo conquistado nove títulos (1984-85, 1985-86, 1987-88, 1989-90, 1991-92, 1992-93, 1994-95, 1995-96 e 1996-97).
Também fez parte da tripla conquista internacional de 1987 – Taça dos Campeões europeus, Supertaça Europeia e Taça Intercontinental – e venceu quatro Taças de Portugal e oito Supertaças.
Paralelamente foi 70 vezes internacional português (e marcou um golo) e marcou presença no Euro 1984 e no Mundial 1986.



8. Damas (416 jogos)

Vítor Damas
Outro dos melhores guarda-redes de sempre do futebol português, mas com uma longevidade incrível, uma vez que se estreou pela equipa principal do Sporting aos 19 anos, num empate a dois golos com o FC Porto em Alvalade a 12 de fevereiro de 1967, e despediu-se a 27 de novembro de 1988, também numa igualdade a dois golos, mas no terreno do Académico Viseu, aos 41.
Porém, Vítor Damas não defendeu a baliza leonina durante todo esse tempo. Depois de ter somado 229 jogos, 180 golos sofridos no campeonato e dois títulos nacionais (1969-70 e 1973-74) e três Taças de Portugal entre 1966-67 e 1975-76, transferiu-se para o Racing Santander, tendo passado quatro anos no clube espanhol.
Em 1980-81 voltou a Portugal pela porta do Vitória de Guimarães, tendo disputado 33 encontros e sofrido 31 golos na I Divisão em duas temporadas. Seguiram-se dois anos no Portimonense, nos quais participou em 51 partidas no campeonato e foi buscar a bola ao fundo das redes por 52 vezes.
Regressaria ao Sporting em 1984 para mais cinco temporadas. Nesse período participou em 103 jogos e sofreu 85 golos no campeonato e conquistou uma Supertaça.
Paralelamente somou 28 internacionalizações pela seleção portuguesa, tendo marcado presença no Euro 1984 e no Mundial 1986.
Viria a falecer a 13 de setembro de 2003, aos 55 anos.



7. Nené (422 jogos)

Nenê
O homem que não sujava os calções. Um avançado móvel, elegante e goleador. Curiosamente, mais uma figura benfiquista que nasceu a norte, mais precisamente em Leça da Palmeira. Porém, cedo rumou a Moçambique com os pais e foi lá que começou a jogar futebol, no Ferroviário da Manga, tendo sido recrutado para as camadas jovens do Benfica ainda com 16 anos, em 1966.
A estreia pela equipa principal dos encarnados ocorreu em novembro de 1968, pela mão de Otto Glória, numa receção ao Vitória de Guimarães. Foi o pontapé de saída de uma carreira de 18 anos passados a jogar de águia ao peito, nos quais disputou 422 jogos (380 a titular) e marcou 263 golos no campeonato. Nas duas primeiras épocas na equipa principal jogou pouco, mas na terceira disparou rumo à imortalidade, embora não fosse consensual entre os benfiquistas, uma vez que alguns criticavam o que entendiam ser pouca combatividade.
No Benfica venceu dez campeonatos (1968-69, 1970-71 a 1972-73, 1974-75 a 1976-77, 1980-81, 1982-83 e 1983-84), sete Taças de Portugal e duas Supertaças . Já depois de Mário Wilson ter convertido o então extremo em ponta de lança, em 1975-76, tornou-se uma máquina de fazer golos ao ponto de se ter sagrado o melhor marcador da I Divisão em 1980-81 (20 golos) e 1983-84 (21 golos).
Esteve na caminhada até à final da Taça UEFA em 1982-83, mas não chegou a tempo das gloriosas campanhas europeias da década de 1960 e encerrou a carreira anos antes de o Benfica ter atingido as finais da Taça dos Campeões Europeus em 1987-88 e 1989-90.
A nível internacional somou 65 jogos e 22 golos pela seleção nacional, tendo marcado presença no Euro 1984. Despediu-se da seleção nesse torneio, no jogo frente à França, nas meias-finais, no qual se tornou o mais internacional pela equipa das quinas até então.



6. Bento (422 jogos)

Manuel Bento
Disputou 422 tal como Nené, mas esteve em campo durante mais 3725 minutos – 37 525 contra 33 800.  Com apenas 1,73 m, Bento é o guarda-redes benfiquista com mais jogos na I Divisão e talvez o mais icónico da história do clube.
Ribatejano natural da Golegã, chegou ao Benfica no verão de 1972 depois de defender as balizas de Atlético Riachense e Goleganense nas camadas jovens e do Barreirense no futebol sénior.
Mas antes de rumar à Luz, entre 1968 e 1972 disputou 93 jogos (92 a titular), sofreu 146 golos e… marcou um golo pelo emblema do Barreiro na I Divisão, tendo feito a estreia a 7 de janeiro de 1968 numa receção ao Varzim (4-1). O histórico golo de baliza a baliza, esse, surgiu a 4 de janeiro de 1970, numa goleada à Académica no D. Manuel de Mello (4-1).
No primeiro ano e meio na Luz viveu na sombra de José Henrique, mas foi progressivamente ganhando o seu espaço não só no onze como na história dos encarnados. De águia ao peito conquistou nove campeonatos (1972-73, 1974-75 a 1976-77, 1980-81, 1982-83, 1983-84, 1986-87 e 1990-91), seis Taças de Portugal e duas Supertaças, tendo participado ativamente na campanha até à final da Taça UEFA em 1982-83.
Despediu-se das balizas à beira de completar 44 anos, em 1991-92, no final da segunda época consecutiva sem qualquer minuto de utilização no Benfica, clube que representou durante duas décadas. No total, somou 329 jogos (325 a titular) e sofreu 209 golos no campeonato pelos encarnados.
Pela seleção nacional contabilizou 62 internacionalizações entre 1976 e 1982, tendo brilhado no Euro 1984. Também esteve no Mundial 1986, mas lesionou-se com gravidade num treino após o jogo de estreia, diante de Inglaterra (1-0), e não mais voltou a ser chamado, até porque a lesão lhe custou a titularidade no emblema da Luz.
Viria a falecer a 1 de março de 2007, aos 58 anos.



5. Veloso (437 jogos)

António Veloso
A vida e a carreira de futebolista de António Veloso começou a quase 300 quilómetros de Lisboa, em São João da Madeira. Após ter dado os primeiros passos na Sanjoanense, estreou-se na I Divisão ao serviço do Beira-Mar a 26 de agosto de 1978, numa derrota às mãos do Belenenses no Restelo (0-4). Em duas temporadas nos aveirenses, disputou 58 jogos (56 a titular) e marcou três golos no primeiro escalão.
No verão de 1980 deu o salto para o Benfica, iniciando um ciclo de 15 temporadas de águia ao peito, que culminaram com a conquista de sete campeonatos (1980-81, 1982-83, 1983-84, 1986-87, 1988-89, 1990-91 e 1993-94), assim como seis Taças de Portugal e três Supertaças. Na I Divisão disputou 379 jogos e marcou sete golos com a camisola encarnada.
Conhecido pela polivalência e pelo espírito combativo, esteve também nas campanhas até à final da Taça UEFA em 1982-83 e até às finais da Taça dos Campeões em 1987-88 e 1989-90. No jogo decisivo de 1988, falhou o penálti decisivo que permitiu ao PSV levar o caneco para a Holanda.
Em termos de seleção nacional contabilizou 40 internacionalizações e esteve no Euro 1984, tendo falhado o Mundial 1986 após ter acusado positivo numa análise anti-doping.



4. Dinis Vital (442 jogos)

Dinis Vital
O único elemento desta lista que não passou por nenhum dos chamados três grandes. Guarda-redes natural de Grândola, brilhou ao longo de 14 temporadas no Lusitano Évora na I Divisão, tendo feito a estreia pelos eborenses no primeiro escalão a 28 de setembro de 1952, numa vitória no terreno do Estoril (1-0).
Em quase década e meia na formação alentejana disputou 342 jogos, sofreu 668 golos e… marcou um, numa vitória caseira sobre o Barreirense (3-0) a 26 de setembro de 1965. Nessa fase disputou um jogo pela seleção nacional, um encontro de caráter particular diante da Suíça em maio de 1959.
Em 1966 despediu-se do Lusitano após a despromoção à II Divisão, mas continuou entre a elite do futebol português com a camisola do Vitória de Setúbal, clube pelo qual participou em 100 encontros (99 a titular) e sofreu 90 golos. Pelos sadinos conquistou ainda uma Taça de Portugal (1966-67) e fez parte da equipa que chegou aos quartos de final da Taça das Cidades com Feira em 1968-69.
Em 1970 voltou ao Alentejo para representar Juventude Évora e União Montemor já no ocaso da carreira.
Viria a falecer a 17 de setembro de 2014, aos 82 anos.


3. João Vieira Pinto (476 jogos)

João Vieira Pinto
Menino de ouro do futebol português, é sem sombra de dúvida o maior talento da geração de ouro (e das que se seguiram…) que nunca jogou numa das cinco principais ligas europeias. É verdade que chegou a estar vinculado ao Atlético Madrid, mas nunca passou da equipa B.
Assim sendo, ganhou a I Divisão lusa, que reteve este fantástico médio ofensivo/avançado durante quase duas décadas. Formado no Boavista, estreou-se pelos axadrezados a 29 de janeiro de 1989, numa vitória em Braga (2-0), quando tinha ainda 17 anos e cinco meses.
Ao fim de 17 jogos (oito a titular) e quatro golos pelos boavisteiros no campeonato, aventurou-se no futebol espanhol em janeiro de 1990, mas voltaria ao Bessa um ano e meio depois para disputar 34 encontros (33 a titular) e marcar oito golos no primeiro escalão, despedindo-se com a conquista da Taça de Portugal.
No verão de 1992 transferiu-se para o Benfica, tendo passado oito temporadas na Luz, nas quais disputou 220 jogos (211 a titular) e marcou 64 golos no campeonato, tendo conquistado o título nacional em 1993-94, além de duas Taças de Portugal.
Em 2000 foi despedido pelo então presidente benfiquista Vale e Azevedo e rumou ao rival Sporting, pelo qual participou em 115 partidas (114 a titular) e apontou 28 golos ao longo de quatro épocas, tendo formado uma dupla fantástica com Mário Jardel que foi decisiva para a conquista do título em 2001-02. Em Alvalade também conquistou uma Taça de Portugal e uma Supertaça.
No verão de 2004 regressou ao Boavista para mais 57 encontros (47 a titular) e 11 golos durante dois anos. Depois mudou-se para o Sp. Braga, aos 35 anos, tendo disputado 33 partidas (26 a titular) e marcou três golos antes de se despedir dos relvados em julho de 2008.
Paralelamente sagrou-se campeão mundial de sub-20 em 1989 e 1991 e somou 81 internacionalizações e 23 golos pela seleção nacional, tendo marcado presença nos Europeus de 1996 e 2000 e no Mundial 2002.



2. Sousa (484 jogos)

António Sousa
Médio natural de São João da Madeira, jogou pela primeira vez na I Divisão através do maior clube da sua região, o Beira-Mar, estreando-se a 7 de setembro de 1975 com uma derrota caseira às mãos da CUF (0-1). Em quatro anos no emblema aveirense – três deles no patamar maior do futebol português – disputou 88 jogos (85 a titular) e marcou 22 golos.
Seguiram-se cinco épocas no FC Porto, nas quais participou em 138 encontros (126 a titular) e marcou 29 golos no campeonato, tendo conquistado uma Taça de Portugal e duas Supertaças nesse período, além de ter contribuído para a caminhada até à final da Taça das Taças em 1983-84.
No verão de 1984 mudou-se para o Sporting, clube pelo qual disputou 54 partidas (todas a titular) e apontou 13 golos, mas dois anos depois regressou às Antas para saborear a glória. Entre 1986 e 1989 atuou em 79 desafios e marcou 15 golos no campeonato, conquistou o título em 1987-88, venceu mais uma Taça de Portugal e uma Supertaça e tocou o céu ao ganhar Liga dos Campeões, Supertaça Europeia e Taça Intercontinental em 1987.
Em 1989 regressou ao Beira-Mar para mais quatro anos na I Divisão, tendo participado em 117 jogos (110 a titular) e marcado quatro golos. Porém, a última aventura no patamar maior futebol português ficou guardada para 1993-94, quando atuou por sete vezes (quatro a titular) pelo Gil Vicente.
Paralelamente somou 27 internacionalizações e marcou um golo pela seleção nacional, tendo marcado presença no Euro 1984 e no Mundial 1986.



1. Manuel Fernandes (486 jogos)

Manuel Fernandes
Natural de Sarilhos Pequenos, no concelho da Moita, começou a jogar futebol no 1º Maio Sarilhense, mas estreou-se na I Divisão com a camisola da CUF a 19 de outubro de 1969, aos 18 anos, numa derrota caseira diante do Benfica.
Em seis temporadas ao serviço da formação do Barreiro, disputou 132 jogos (124 a titular) e marcou 36 golos no campeonato, o que fez dele uma das figuras dos tempos áureos dos fabrilistas.
No verão de 1975 deu o salto para o Sporting, onde se tornou não só capitão e ídolo, mas também uma lenda viva. Em 12 anos no clube do coração, participou em 326 encontros (323 a titular) e marcou 191 golos na I Divisão. Os 30 apontados em 1985-86 valeram-lhe o troféu de melhor marcador, mas foram quatro dos 17 que faturou na época seguinte que o eternizaram, na goleada por 7-1 sobre o eterno rival Benfica. Nesse período conquistou dois campeonatos (1979-80 e 1981-82), duas Taças de Portugal e uma Supertaça.
Apesar da veia goleadora exibida nessa altura, foi dispensado em 1987, aos 36 anos. Porém, foi jogar para o Vitória de Setúbal em 1987-88, tendo disputado 28 partidas (27 a titular) e marcado 16 golos nessa que foi a derradeira época da carreira.
Pela seleção nacional disputou 30 jogos e marcou sete golos.





















2 comentários:

  1. One of the key features that people look for when they are looking to play their first online casino game is safety. You may also find that you can earn some extra cash from these gaming website.

    ResponderEliminar
  2. The biggest advantage of playing poker online is the comfort that it provides to the players while playing their favorite game. Make a Winning Hand in Judi Poker Online. You are curious to know more about play idn online, find out here.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...