quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Os 10 jogos mais marcantes de sempre no novo Estádio José Alvalade

Estádio José Alvalade foi inaugurado a 6 de agosto de 2003
Inaugurado a 6 de agosto de 2003, o novo Estádio José Alvalade sucedeu ao antigo, estreado em 1956, como casa do Sporting Clube de Portugal. Situado na zona do Campo Grande, na freguesia lisboeta do Lumiar, o palco leonino está homologado com uma capacidade total para 50 095 espetadores.

Arquitetado por Tomás Taveira e com um custo de construção de 105 milhões de euros, recebe os jogos do Sporting em casa, mas também foi palco de sete compromissos da seleção nacional, tendo também acolhido cinco jogos do Euro 2004 e a final da Taça UEFA em 2004-05. E em breve também receberá encontros da final eight da Liga dos Campeões em 2019-20.

Além do estádio como recinto desportivo, o complexo Alvalade XXI inclui o centro comercial Alvaláxia (com restaurantes, lojas e salas de cinema), um museu, um pavilhão desportivo, uma clínica, um ginásio e um edifício de escritórios.

Vale por isso a pena recordar os dez jogos mais marcantes de sempre do novo Estádio José Alvalade.


6 de agosto de 2003 – Jogo de inauguração do Estádio José Alvalade
Sporting 3-1 Manchester United



20 de junho de 2004 – Euro 2004 (3.ª jornada da fase de grupos)
Espanha 0-1 Portugal
Um jogo que será recordado para sempre por quem o viveu. Portugal organizava o Euro 2004, mas corria o sério risco de pela primeira vez não ir além da fase de grupos. Após a derrota na estreia às mãos da Grécia e de uma vitória sobre a Rússia na segunda jornada, a seleção nacional estava obrigada a ganhar à vizinha Espanha, que nunca tinha vencido em jogos oficiais, para seguir em frente na competição. Iker Casillas, Carles Puyol, Xabi Alonso, Raúl e Fernando Torres eram algumas das figuras de la roja.
Ao intervalo, com o resultado empatado a zero, o selecionador Luiz Felipe Scolari decide substituir Pauleta, que tinha marcado golos atrás de golos durante a fase de preparação, mas que ainda estava em branco no torneio, por Nuno Gomes, um avançado com menos olhos para a baliza, mas com mais vocação para combinar com os companheiros.
Porém, ao minuto 57 Nuno Gomes decidiu esquecer os companheiros e meter os olhos na baliza adversária. “Eu respeitava demasiadas vezes os movimentos dos companheiros. Alguns críticos apontavam-me o facto de não ser egoísta como um defeito para um ponta de lança, e em parte concordo com eles. Por isso, quando o Figo inicia o lance, a lógica diz-me para fazer o 1-2 com ele. Acontece que já naquela altura se analisavam os adversários em pormenor, e acredito que os defesas espanhóis sabiam perfeitamente as diferenças entre a minha forma de jogar e a do Pauleta. Quando o Figo corre para o meio vê-se que dois deles [Juanito e Albelda] acompanham o movimento para fechar. É nesse momento que hesito e me lembro de fugir, por uma vez, aos meus princípios como jogador. Muitas vezes quando recebemos de costas para a baliza nem temos tempo para dominar, sentimos logo o central nos calcanhares. Mas nesse caso percebi que ele [Helguera] não tinha acompanhado e estava à espera da entrada do Figo. Por isso, uma vez tomada a decisão, tenho tempo para dominar, rodar e preparar o remate. Muitas vezes o defesa que sai ao remate levanta uma perna, para aumentar o volume do corpo. Os avançados sabem que se a bola passar aí o guarda-redes não a vê logo. Acho que foi isso que aconteceu: quando rematei a bola passou muito perto das pernas do Juanito, primeiro, e do Helguera, depois, e o Casillas não a viu partir. Quando viu, já não podia chegar a tempo”, descreveu o marcador do golo ao Maisfutebol.
Depois Portugal resistiu durante a última meia hora e carimbou o passaporte para os quartos de final.



30 de junho de 2004 – Euro 2004 (meias-finais)
Portugal 2-1 Holanda
Pela quarta vez, Portugal chegava às meias-finais de uma grande competição. Porém, nem no Mundial 1966 nem nos Europeus de 1984 e 2000 a equipa das quinas foi capaz de passar à final.
No entanto, a história haveria de mudar na noite quente de 30 de junho de 2004, frente à Holanda de Van der Sar, Stam, Van Bronckhorst, Davids, Seedorf, Robben, Van Nistelrooy e Overmars, entre outros.
Perto da meia hora de jogo, Cristiano Ronaldo salta mais alto do que toda a gente na área holandesa e, na resposta a um canto de Deco, inaugura o marcador através de um cabeceamento certeiro (26’).
No segundo tempo, Cristiano Ronaldo executa um canto à maneira curta e coloca à bola em Maniche, que de ângulo improvável, junto a um dos vértices da área contrária, dispara para o fundo das redes e aponta um dos melhores golos de sempre dos Campeonatos da Europa (58’).
Pouco depois a seleção holandesa reduziu, através de um autogolo de Jorge Andrade (63’), mas Portugal segurou a vantagem e apurou-se para a final.



14 de abril de 2005 – Taça UEFA 2004-05 (2.ª mão dos quartos-de-final)
Sporting 4-1 Newcastle
Uma das noites mais épicas não só do novo Estádio José Alvalade como também da história do Sporting.
Apesar da derrota por 0-1 em St. James Park na primeira-mão, os leões ainda alimentavam a esperança de vir a disputar a final na sua própria casa. Porém, esse sonho pareceu começar a ruir aos 20 minutos, quando Kieron Dyer colocou os ingleses em vantagem, o que obrigava a equipa orientado por José Peseiro a marcar pelo menos mais três golos – desde que não sofresse – para seguir em frente.
A eliminatória estava bastante complicada para os verde e brancos, mas o avançado romeno Marius Niculae, que nessa época estava a ser pouco utilizado, empatou o jogo à beira do intervalo e deu esperança ao Sporting.
O resultado manteve-se igualado até à entrada para os últimos 20 minutos, mas depois a formação leonina marcou dois golos de rajada por Sá Pinto (71’) e Beto (76’), tendo ainda chegado ao 4-1 por Rochemback em tempo de compensação.
Uma noite memorável, não só porque o Sporting voltou a disputar uma meia-final europeia 14 anos depois, mas também porque do outro lado estava uma equipa com pergaminhos, comandada por Graeme Souness e liderada em campo pelo goleador Alan Shearer.



18 de maio de 2005 – Taça UEFA 2004-05 (final)
Se o jogo frente ao Newcastle foi épico, o encontro da final foi sem dúvida a maior desilusão que o novo Estádio José Alvalade viveu. E dificilmente viverá um acontecimento tão frustrante.
A jogar em casa e a disputar pela primeira vez uma final da Taça UEFA, o Sporting até começou melhor e adiantou-se no marcador pouco antes da meia hora, através de um belo remate de fora da área do médio brasileiro Rogério (28’).
Na segunda parte, porém, o CSKA Moscovo atirou um balde de água gelada sobre Alvalade. Com o médio brasileiro Daniel Carvalho em grande plano, ao fazer três assistências, o empate surgiu pela cabeça de Aleksey Berezutskiy aos 57 minutos, na sequência de um livre lateral. Oito minutos depois Yuri Zhirkov apareceu desmarcado na cara de Ricardo e deu vantagem aos russos.
O Sporting foi atrás do empate, mas na mesma jogada João Moutinho atirou para defesa de Akinfeev e Rogério acertou no poste. Na resposta, o guardião dos moscovitas lançou Daniel Carvalho sobre o lado esquerdo e o brasileiro assistiu o compatriota Vágner Love para o 3-1 (74’).



8 de abril de 2006 – I Liga (30.ª jornada)
O FC Porto de Co Adriaanse entrou para o clássico de Alvalade com dois pontos de vantagem sobre o Sporting de Paulo Bento à entrada para as últimas cinco jornadas, ou seja, tratava-se de mais um confronto crucial para as contas do título – se os leões vencessem, saltavam para a liderança; se fossem os portistas a triunfar, davam uma machadada final nas aspirações sportinguistas.
Contudo, ao contrário do que aconteceu em 2000, o leão foi incapaz de ultrapassar o rival, acabando até por sair derrotado e permitir que os dragões embalassem para o título.
O único golo do encontro foi apontado pelo médio ofensivo brasileiro Jorginho, aos 84 minutos, numa fase em que ambas as equipas já estavam reduzidas a dez devido às expulsões de Sá Pinto e Bosingwa.



12 de setembro de 2006 – Liga dos Campeões (1.ª jornada da fase de grupos)
Sporting 1-0 Inter Milão
Seis anos depois, o Sporting regressava à Liga dos Campeões e o novo Estádio José Alvalade estreava-se na competição. Pela frente estava o Inter de Milão, que tinha empatado a zero naquele mesmo palco um mês antes, no jogo de apresentação dos leões, e que tinha uma equipa de luxo: Toldo, Córdoba, Samuel, Maicon, Grosso, Patrick Vieira, Dacourt, Stankovic, Figo, Ibrahimovic e Adriano no onze; Júlio César, Javier Zanetti, Materazzi, Maxwell, Mariano González, Solari e Crespo no banco.
Apesar do poderio do adversário, que na altura estava a começar um período de hegemonia em Itália, um Sporting bastante jovem, com jogadores como Miguel Veloso, João Moutinho, Nani e Yannick Djaló no onze, susteve o ímpeto dos nerazzurri e venceu por 1-0, com um grande golo do improvável Marco Caneira aos 64 minutos.



16 de abril de 2008 – Taça de Portugal (meias-finais)
Os dérbis e clássicos do século XXI não têm sido propriamente produtivo em termos de golos, mas este de 2007-08 foi uma exceção à regra. Numa época em que o FC Porto conquistou o campeonato de forma confortável, restava a Taça de Portugal para os grandes de Lisboa se consolarem.
Em Alvalade, o Benfica de Fernando Chalana foi para intervalo a vencer por 2-0, com golos de Rui Costa (19 minutos) e Nuno Gomes (31’), construindo uma vantagem que se manteve até meio da segunda parte.
No entanto, o Sporting de Paulo Bento operou a reviravolta numa reta final caótica, que teve seis golos em 25 minutos. Yannick Djaló reduziu aos 68’, Liedson empatou aos 76’ e Derlei fez o 3-2 para os leões aos 79’. O benfiquista Cristián Rodríguez voltou a deixar tudo igualado aos 82’, mas os verde e brancos marcaram por mais duas vezes até ao apito final, por Yannick Djaló (84’) e Simon Vukcevic (90+3’).



5 de março de 2016 – I Liga (25.ª jornada)
Há 14 anos sem ser campeão, o Sporting estava em posição privilegiada para conseguir o tão ansiado. Tinha recrutado o treinador Jorge Jesus, que havia saído do Benfica, venceu o rival nos três primeiros encontros entre ambos na temporada (Supertaça, campeonato e Taça de Portugal), praticava bom futebol e entrou no clássico da segunda volta, em Alvalade, com um ponto de avanço sobre as águias.
Um triunfo dos leões poderia ter contornos decisivos na luta pelo título, mas o Benfica de Rui Vitória entrou melhor no encontro e inaugurou o marcador, aos 20 minutos, por intermédio do avançado grego Kostas Mitroglou, que Jesus quis levar para o Sporting.
Os verde e brancos foram à procura do empate e estiveram bastante perto de o conseguir aos 72’, quando à boca da baliza Bryan Ruiz falhou clamorosamente o golo, quando a escassos centímetros da baliza e com o guardião Ederson batido atirou por cima da trave.
No entanto, o apito final confirmou a vitória e a ultrapassagem do Benfica. Até final do campeonato, as duas equipas venceram os nove encontros que lhes restavam e os encarnados foram campeões.



18 de abril de 2018 – Taça de Portugal (2.ª mão das meias-finais)
Sporting 1-0 (5-4 g.p.) FC Porto
Após um bom arranque no campeonato, o Sporting perdeu terreno e estava praticamente afastado da luta pelo título a quatro jornadas do fim, estando a cinco pontos do líder FC Porto e a dois no segundo classificado Benfica. Pese a conquista da primeira Taça da Liga do seu palmarés, a formação leonina procurava salvar a época com a conquista da Taça de Portugal, numa altura em que começava a ficar curto o número de troféus ganhos por Jorge Jesus em Alvalade.
Ainda assim, os leões tinham perdido ante o FC Porto na primeira-mão (0-1), no Dragão, e tinham sido incapazes de vencer os azuis e brancos nos três confrontos anteriores nessa época, uma vez que tinham empatado (0-0) em Alvalade e perdido na Invicta para o campeonato (1-2) e vencido apenas no desempate por grandes penalidades nas meias-finais da Taça da Liga.
Com o encontro empatado a zero durante grande parte da partida, tudo parecia encaminhado para o FC Porto carimbar o apuramento para o Jamor, mas um golo do central uruguaio Sebastián Coates aos 85 minutos atirou a decisão para prolongamento.
Após meia hora sem golos, os sportinguistas voltaram a ser mais felizes no desempate por penáltis, uma vez que o central portista Marcano, o primeiro a assumir a responsabilidade, acertou no poste – Bruno Fernandes, Bryan Ruiz, Mathieu, Coates e Montero marcaram para os leões e Alex Telles, Felipe, Diego Reyes e Sérgio Oliveira para os dragões.


















Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...