Mostrar mensagens com a etiqueta Paços de Ferreira. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Paços de Ferreira. Mostrar todas as mensagens

domingo, 20 de janeiro de 2019

Mohamed Diaby, o “dois em um” de Paços de Ferreira

Mohamed Diaby pertence ao Paços desde 2017
Há treinadores que privilegiam a presença de um ou dois calmeirões à frente da defesa, como o caso do Vitória de Setúbal de Lito Vidigal, que não abdica de Mikel e Semedo. Outros preferem um jogador com mais qualidade na construção de jogo, como os que têm lançado Eustáquio no Desportivo de Chaves ao longo do último ano.

Mas no Paços de Ferreira, Vítor Oliveira tem a possibilidade de somar os dois perfis… num só futebolista. Falamos de Mohamed Diaby – irmão de Abou Diaby (ex-Arsenal) -, médio francês de 22 anos que é simultaneamente uma viga de 1,88 m e um exímio construtor e transportador de jogo.

O trinco pacense não exibe precisão de passe apenas na circulação de bola no próprio meio-campo, ou seja, nos passes lateralizados ou recuados. Não. Diaby dá um importante contributo na verticalização do jogo dos castores.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Rafael Barbosa de volta à II Liga para dar Paços em frente na carreira

Rafael Barbosa chegou à Capital do Móvel no mercado de inverno
Após uma temporada em que brilhou ao serviço do Sporting B, apesar da despromoção ao Campeonato de Portugal, Rafael Barbosa estreou-se na I Liga ao serviço do Portimonense, tendo participado em quatro jogos pela equipa principal antes de terminar abruptamente a passagem pelo Algarve.

As várias versões contradizem-se, mas todas admitem, no mínimo, uma altercação entre o jogador e Rodiney Sampaio, presidente da SAD do emblema de Portimão, no final de um jogo da Liga Revelação com o Benfica, a 29 de setembro. O futebolista regressou prontamente ao Sporting, clube que o tinha emprestado, mas até ao final de dezembro que se limitou apenas a treinar com a formação sub-23. Ou seja, já são mais de três meses sem competir em qualquer partida e quase quatro – desde 2 de setembro – sem participar num desafio de uma liga profissional.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Era pós-Suk começa com passos em falso

Rúben Semedo foi um dos melhores do Vitória em Paços

Liga | Paços de Ferreira 2-1 Vitória


No primeiro encontro após a venda (ainda não oficializada) de Suk para o FC Porto, o Vitória começou com dois passos em falso, ao sofrer um golo logo aos 3 minutos, através de Bruno Moreira. Um passo em falso de Gorupec, ao colocar em jogo o avançado pacense, outro de Venâncio, que viu o autor do golo fugir-lhe à marcação.  

Havia a expetativa em saber como os sadinos iam reagir a situação tal adversa sem o seu maior solucionador de problemas da primeira volta e depois de terem sido goleados pelo Sporting na última jornada, mas estes mostraram excelente atitude.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Liga ZON Sagres | Sporting 4-0 Paços de Ferreira

Regresso aos golos de Montero e subida ao 1º lugar



Esta noite, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, o Sporting derrotou o Paços de Ferreira por 4-0, na 11ª jornada da Liga ZON Sagres. William Carvalho, Montero (2, um de grande penalidade) e André Martins foram os autores dos golos.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Liga dos Campeões | Zenit 4-2 Paços de Ferreira

uefa.com
Esta tarde, no Estádio Petrovsky, em São Petersburgo, o Zenit derrotou o Paços de Ferreira por 4-2 (8-3 no agregado), em jogo da segunda mão do Play-Off de acesso à Liga dos Campeões. Danny (2), Bukharov e Arshavin (de grande penalidade) marcaram para os russos, e Manuel José e Carlão para os pacenses.

domingo, 5 de maio de 2013

Liga ZON Sagres | Paços de Ferreira 1-0 Sporting

zerozero.pt
Esta noite, no Estádio Capital do Móvel, o Paços de Ferreira derrotou o Sporting por 1-0, num jogo a contar para a 28ª jornada da Liga ZON Sagres. Tony marcou o único golo do encontro.
                                      

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Liga ZON Sagres | Sp. Braga 2-3 Paços de Ferreira


Esta noite, no Estádio AXA, o Paços de Ferreira derrotou o Sp. Braga por 3-2, num jogo a contar para 18ª jornada da Liga ZON Sagres. Paolo Hurtado (2) e Cícero marcaram para os pacenses, e Leandro Salino e Éder para os bracarenses.
                                      

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Paços de Ferreira (0-0) Estoril (Jogo interrompido aos 77')


Esta noite, no Estádio da Mata Real, Paços de Ferreira e Estoril empatavam a zero, até que o jogo foi interrompido devido ao intenso nevoeiro, num encontro para a 17ª jornada da Liga ZON Sagres.
                                      

sábado, 19 de janeiro de 2013

Liga ZON Sagres | FC Porto 2-0 Paços de Ferreira


Esta noite, no Estádio do Dragão, o FC Porto derrotou o Paços de Ferreira por 2-0, num jogo a contar para a 15ª jornada da Liga ZON Sagres. Alex Sandro e Izmaylov marcaram os golos.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Liga ZON Sagres | Sporting 0-1 Paços de Ferreira


Esta noite, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, o Paços Ferreira derrotou o Sporting por 1-0, num jogo a contar para a 13ª jornada da Liga ZON Sagres. Paolo Hurtado marcou o único golo do encontro.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Liga ZON Sagres | Paços de Ferreira 1-2 Benfica




Esta noite, no Estádio da Mata Real, o Benfica derrotou o Paços de Ferreira por 2-1, num jogo a contar para a 5ª jornada da Liga ZON Sagres. Cícero abriu o marcador para os pacenses, mas Lima, com um “bis”, assinalou a reviravolta.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Liga ZON Sagres | Paços de Ferreira 1-1 Sp. Braga


Esta noite, no Estádio da Mata Real, Paços de Ferreira e Sp. Braga empataram a uma bola, num jogo a contar para a 27ª jornada da Liga ZON Sagres. Vítor abriu o marcador para os pacenses, mas Nuno Gomes empatou a partida.

domingo, 25 de março de 2012

Liga ZON Sagres | Paços de Ferreira 1-1 FC Porto



Esta noite, no Estádio da Mata Real, Paços de Ferreira e FC Porto empataram 1-1, num jogo a contar para a 24ª jornada da Liga ZON Sagres. Ricardo na própria baliza abriu o marcador para os dragões e Melgarejo repôs a igualdade.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Liga ZON Sagres | Sporting 1-0 Paços de Ferreira



O Sporting venceu esta noite o Paços de Ferreira em Alvalade por 1-0, com um auto-golo de Ricardo, num jogo a contar para a Liga ZON Sagres que ficou marcado pela estreia de Sá Pinto no banco de Alvalade.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Liga ZON Sagres | FC Porto 3-0 Paços de Ferreira



Esta noite o FC Porto venceu o Paços de Ferreira por 3-0, no Estádio do Dragão, no jogo de abertura da 9ª Jornada da Liga ZON Sagres.


Eis a constituição das equipas:

FC Porto



Os dragões voltaram aos triunfos no passado fim-de-semana após uma convincente vitória frente ao Nacional (5-0) em casa. Nesse jogo, Vítor Pereira (cunhado de Luis Miguel, treinador dos pacenses) efectuou uma autêntica revolução na equipa, relegando alguns dos habituais titulares para o banco de suplentes e dando a oportunidade a jogadores com menor utilização, apesar de indiscutível qualidade e esta noite repetem o mesmo onze.
Os portistas procuram aqui uma vitória que os possa colocar pelo menos por um dia na liderança isolada na Liga, e pressionar o Benfica que só amanhã joga, no entanto, o Paços de Ferreira no passado recente tem-se revelado uma equipa complicada para os azuis-e-brancos, visto que os castores empataram nas últimas duas vezes que jogaram no Dragão.


Paços de Ferreira



O Paços tem feito um campeonato um pouco aquém das expectativas, ocupando o último terço da tabela classificativa. Pelo que vi esta temporada (jogos com Sporting e Benfica), deu para ver que tem uma defesa fraca, bastante permissiva a oportunidades de golo dos adversários e tem uma atitude muito diferente jogando na Mata Real ou fora, mostrando o tal “jogar á Paços” quando actua em casa, no entanto, fora de portas, tem muita dificuldade em fazer as transições ofensivas.
No ataque tem alguns bons jogadores, como Caetano (vice-campeão do Mundo de Sub-20), Melgarejo (emprestado pelo Benfica e recentemente chamado á selecção do Paraguai), William (melhor marcador de sempre do Paços no campeonato português) e sobretudo Michel (melhor marcador da presente temporada, um poço de força e um jogador igualmente muito bom tecnicamente, que é facilmente comparado com Hulk pelo físico e pelo estilo). Josué, que actua no meio-campo, é internacional sub-21 e um atleta muito útil na marcação de bolas paradas.


Os pacenses entraram bem mais atrevidos no Dragão em comparação à forma como jogaram na Luz, e nos primeiros minutos, até atacaram mais, jogando em alta intensidade, no entanto, já se sabe, há medida que o tempo foi passando o FC Porto foi assumindo uma postura mais dominante na partida, mas ainda assim, o Paços manteve-se organizado defensivamente, nunca permitindo que os jogadores de azul e branco chegassem demasiado perto da sua baliza, e as principais oportunidades dos campeões nacionais até foram por remates de fora da área, também por demérito da equipa que não soube acelerar mais.

Aos 10’, os portistas têm a primeira grande oportunidade de golo, quando na resposta a um cruzamento de Alvaro Pereira na esquerda Belluschi respondeu com um cabeceamento para grande defesa de Cássio.

Cinco minutos depois, o criativo médio argentino dos dragões acertou na malha lateral na cobrança de um livre directo, e pela reacção dos adeptos, houve a ilusão de óptica de que a bola tinha entrado na baliza.

O FC Porto foi subindo de produção a partir daquela fase mais intensa dos castores, Hulk e Varela trocaram de alas e numa jogada do extremo português pela direita, ao tentar fazer o cruzamento envia a bola á trave após ligeiro desvio do guarda-redes do Paços.

Pouco depois da meia hora, os forasteiros reagiram e numa bola bombeada para o ataque que parecia controlada por Sapunaru e Rolando, Melgarejo acreditou que podia chegar ao esférico, antecipou-se aos defesas e isolado na cara de Helton atirou ao lado. Este lance perigoso levou ao inicio de um coro de assobios no Dragão.

Já nos descontos do primeiro tempo, após um cruzamento de Alvaro Pereira do lado esquerdo, ao tentar aliviar a bola Luisinho chutou contra Melgarejo e a bola caprichosamente entrou na baliza pacense. Estava feito o 1-0, mesmo numa altura crucial.


Para a segunda parte, Vítor Pereira reconheceu o fraco desempenho da equipa até então e no intervalo deixou logo Defour no balneário e fez entrar João Moutinho, uma alteração que se veio a revelar acertada.

Aos 51’, após mais uma subida no lado esquerdo por Alvaro Pereira (sim, ele fez todo o flanco e muitas vezes até funcionou como extremo), este cruza e encontra Walter que conseguiu fazer o mais difícil, atirar por cima.

Nesta fase, ambas os treinadores mexeram na equipa. Vítor Pereira retirou de campo Hulk e Walter para colocar James Rodríguez e Kléber, e Luís Miguel fez entrar Michel para o lugar de William, e assim que o “Hulk da Mata Real” entrou fez um remate muito forte que Helton desviou para canto.

Logo após o período as alterações, o FC Porto voltou a marcar, e nada mais, nada menos de que numa jogada que envolveu os três jogadores que começaram no banco e entretanto entraram. João Moutinho tem um excelente trabalho no qual passa por um adversário, coloca a bola no meio em James (que apareceu quase sempre a “10” libertando o flanco esquerdo para Alvaro Pereira) que rematou ao poste e na recarga Kléber fez golo.

A partir daqui, o Paços conformou-se com a derrota, nada ou pouco atacou e o FC Porto, com alguns momentos de brilhantismo, foi mantendo a bola em sua posse e parecia agora uma formação diferente do que aquela que tinha entrado no jogo.

Assim, foi sem surpresa que fizeram o 3-0, aos 84’. Após mais uma (!) subida de Alvaro Pereira, Kléber recepcionou de forma deficiente um cruzamento do lateral uruguaio, no entanto, com sorte a bola sobrou para atrás onde estava João Moutinho que atirou para o fundo das redes.


Chegou assim o jogo ao fim, e com esta vitória, o FC Porto passa pelo menos um dia na liderança isolada da Liga, e fica á espera do que o Benfica fará amanhã diante do Olhanense.


Fazendo uma análise às equipas, os azuis e brancos fizeram mais uma exibição sem grande fantasia, sobretudo na primeira parte, mas ainda assim, tal como com o Nacional, chegaram ao primeiro golo em lances fortuitos, e depois, a jogar em casa, tornou-se tudo mais fácil.
Mas quem ganha tem sempre razão, e os comandados de Vítor Pereira marcaram oito golos nos últimos quatro jogos, algo que não está ao alcance de qualquer equipa, muito menos de uma que não produz um futebol de grande qualidade.
Para mim o melhor jogador em campo foi Alvaro Pereira que aproveitou a tranquilidade que estava a ter nas suas funções defensivas para atacar mais e funcionar praticamente como um extremo, e dada a sua qualidade no que concerne a cruzamentos (esteve em dois golos e podia ter estado em mais se Walter não desperdiçasse aquela oportunidade logo no começo da segunda parte), a equipa adaptou-se a essa situação e compensou muito bem defensivamente por Fernando e também por Sapunaru que raramente subiu pela direita, e como já disse, quando James entrou em campo, em vez de ocupar a ala esquerda colocou-se a “10”, por detrás de Kléber.
Helton não teve grande trabalho, Sapunaru como já disse raramente subiu e a defender ficou mal na fotografia quando Melgarejo lhe ganhou um lance que parecia perdido, Rolando também não esteve bem nessa situação mas de uma forma geral foi sólido, Mangala fez uma exibição muito boa e actuou como um autêntico patrão no eixo defensivo do FC Porto.
Fernando esteve bem, Defour acrescentou pouco, Belluschi viu-se em algumas jogadas mas não fez grande exibição e Moutinho ajudou e muito a mexer com o jogo na segunda parte.
Hulk esteve apagado, Varela esteve em jogo, fez um cruzamento/remate que embateu na trave mas nunca foi explosivo, Walter não cumpriu a sua função que era marcar mas Kléber mal entrou compensou-o. James agitou as águas e provou que a sua queda de forma no jogo com o APOEL foi um caso isolado. Como tinha dito nos primeiros jogos que vi desta formação esta temporada, é talvez o melhor jogador da equipa, e ainda tem uma enorme margem de progressão.

Quanto ao Paços, gostei da sua atitude, atrevidos e ao mesmo tempo sólidos a defender, bem melhor do que o que vi deles na Luz.
Deu para ver mais de cada jogador, creio que a dupla de centrais é boa, especialmente Eridson. Luisinho também defendeu bem mas teve azar no primeiro golo.
Luiz Carlos é bom jogador, Josué viu-se menos mas também tem qualidade, Melgarejo parece-me ser sobrevalorizado por ir á selecção do Paraguai mas é muito veloz e “chatinho” para as defesas, William está em decadência de época para época mas tem alguns dotes de ponta-de-lança e Michel é aquele jogador que não se percebe porque mais uma vez começou o jogo do banco. O flanco direito composto por Filipe Anunciação e Manuel José foi um sossego para o bastante ofensivo Alvaro Pereira, e Caetano quando entrou pouco poderia fazer.
Mas vi mais argumentos dos pacenses neste jogo, creio que estão longe de ser das piores equipas do campeonato e que só com muito azar não conseguirão a manutenção de uma forma tranquila.

sábado, 1 de outubro de 2011

Liga ZON Sagres | Benfica 4-1 Paços de Ferreira



O Benfica venceu esta noite o Paços de Ferreira por 4-1, no Estádio da Luz, num jogo a contar para a 7ª jornada da Liga ZON Sagres.


Eis a constituição das equipas:

Benfica



Já se sabia que os encarnados não podiam contar com Javi Garcia, por isso, é Matic quem ocupa naturalmente a sua posição. O Benfica apresenta-se de uma forma diferente do que aquela que actuou no Estádio do Dragão, voltando com o 4-4-2 losango tal como no ano da conquista do título, com Saviola e Cardozo a formarem um dueto na frente de ataque, e com Matic a ser o único médio-defensivo, com Gaitán e Bruno César nas alas, relegando Witsel e Nolito para o banco de suplentes. De resto, não há novidades.


Paços de Ferreira



No que concerne aos pacenses, com as sete ausências já conhecidas, o que me surpreende é a não inclusão de Michel no onze inicial, quando este já o demonstrou várias vezes, inclusivé no jogo frente ao Sporting, que é o jogador mais perigoso da equipa. De resto, um 4-3-3 virado para o contra-ataque.


O jogo começou equilibrado, no entanto, aos 6’, o Benfica viu um golo seu ser duvidosamente anulado, por intermédio de Cardozo.

O jogo não foi disputado de uma forma muito intensa, o Benfica esteve sempre muito tranquilo, e o Paços de Ferreira não foi aquele tipo de equipa atrevida que aparecem de 15 em 15 dias na Luz. Os encarnados foram controlando e chegaram ao golo aos 21’, numa jogada em que Maxi Pereira subiu pelo seu flanco, cruzou a bola para a área onde Cardozo se cabeça assiste Saviola para o 1-0.

O jogo manteve-se com o mesmo ritmo, o Paços manteve-se pouco atrevido e jogou quase como se estivesse 0-0. Aos 35’, escreveu-se direito por linhas tortas e William, lesionado, deu o lugar a Michel, um jogador que mostra uma qualidade acima da média, que pode jogar em várias posições e que estranhamente surgiu no banco de suplentes.

Apesar da alteração, foi mesmo o Benfica que chegou ao golo, novamente por Saviola, após um canto de Bruno César na direita, o argentino surgiu sozinho e rematou de primeira para o fundo das redes de Cássio, um belo golo aos 42’.


Para a segunda parte, a dúvida estava na atitude do Paços, se iam procurar explorar as fragilidades físicas de um Benfica que teve dois jogos muito intensos na última semana, ou se se iam dar por vencidos dada a dificuldade em poder conseguir pelo menos o empate.

Bem, o Benfica entrou forte após o descanso, criou algumas situações de golo que mostravam que a equipa queria despachar o assunto, no entanto, por ironia, foi o Paços quem marcou, através de uma grande penalidade convertida por Michel, aos 49’.

O jogo que aparentemente estava controlado tornou-se algo instável para os encarnados, sobretudo quando Melgarejo cabeceou para uma defesa incrível de Artur, minutos depois

Os vice-campeões nacionais perceberam então que a melhor forma de defender era atacando, e foi assim que chegaram ao 3-1, com Luisão completamente à vontade a dar de cabeça sequência a um livre marcado a meio do meio-campo pacense por Aimar.

Ainda os adeptos benfiquistas estavam a festejar o golo, Nolito (que tinha entrado para o lugar de Bruno César), na sequência de uma jogada individual em que os defesas do Paços de Ferreira ficaram especados a olhar, conseguiu fazer o 4-1, estavam decorridos 67 minutos.

O Benfica que tinha acelerado após a entrada do espanhol, volta a reduzir a velocidade, mas desta vez, com três golos de vantagem e com 20 minutos para se jogar, não havia perigo, a vitória estava garantida.


Com esta vitória, os encarnados passam a somar 17 pontos e tornam-se líderes isolados do campeonato, ainda que com mais um jogo que FC Porto e Sp. Braga, que só amanhã cumprem o seu jogo da 7ª jornada.


Analisando as equipas, começando pelos homens da casa, o Benfica pareceu-me algo cansado, em gestão de esforço, mas ao mesmo tempo muito tranquilos e confiantes de que o golo haveria de aparecer, e tanto assim foi que ao intervalo ganhavam por 2-0, e foi com alguma injustiça que apanharam o susto quando o Paços reduziu.
Artur volta a ser batido, tal como todos os outros jogos do campeonato, embora seja sempre das melhores unidades em campo. Do sector defensivo não há nada a dizer, no meio-campo Matic trouxe mais centímetros e qualidade técnica, mas peca por não ter a velocidade, garra, entrosamento e cultura táctica de Javi Garcia. Nas alas, Bruno César e Gaitán não foram tão exuberantes como de costume, e parece mentira que geralmente quando Jorge Jesus opta por dar a titularidade a Bruno César, é o suplente Nolito que aparece para dar algo a mais à equipa (como foi o exemplo de hoje) mas quando acontece o contrário, é o brasileiro quem joga melhor e traz mais utilidade (como no Estádio do Dragão). Uma dor de cabeça que todos os treinadores gostariam de ter. Saviola fez o que lhe foi pedido, e mesmo não marcando, Cardozo esteve muito bem no primeiro golo, é preciso ter muita cultura táctica e técnica para fazer a assistência que ele fez.

Quanto ao Paços, ainda que sejam sete as ausências, não gostei da atitude da equipa, que se continuar com desempenhos do género, será uma séria candidata à descida de divisão.
A defesa tinha telhados de vidro, falharam muitas vezes na marcação e é incompreensível como no golo anulado ao Benfica, na jogada seguinte em que Cardozo criou muito perigo e no golo de Luisão, os jogadores encarnados estavam completamente sozinhos, o central brasileiro então nem preciso de saltar para cabecear.
As transições ofensivas foram uma nulidade, a equipa não conseguia sair a jogar colectivamente, e foram chegando à área contrária através, sobretudo, de algumas jogadas individuais, quer no primeiro como no segundo tempo, ainda que na segunda parte, com Michel em campo, esses lances individuais fossem mais fortes. É inacreditável como nem conseguiram fazer cinco remates e não exploraram melhor o contra-ataque.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...