Mostrar mensagens com a etiqueta União de Leiria. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta União de Leiria. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

As minhas primeiras memórias de… José Mourinho

Mourinho e Maniche nos tempos de ambos no Benfica
2000 foi o ano em que me tornei adepto de futebol e também o ano que marcou o arranque da carreira de treinador principal de José Mourinho, que até então apenas tinha assumido as funções de adjunto na alta-roda do futebol.

Praticamente um autêntico desconhecido do grande público, chegou ao Benfica como escolha de Vale e Azevedo para substituir Jupp Heynckes praticamente um mês depois do início da temporada 2000/01, e não se pode dizer que tenha tido um começo propriamente auspicioso. À derrota no Bessa (0-1) na estreia oficial, seguiu-se um empate no antigo Estádio da Luz diante da modesta equipa sueca Halmstads (2-2), que ditou a eliminação da então Taça UEFA.

domingo, 1 de abril de 2012

Liga ZON Sagres | União de Leiria 0-1 Sporting


Hoje, ao final da tarde, o Sporting foi a Leiria vencer a União por 1-0, num jogo a contar para a 25ª jornada da Liga ZON Sagres. O golo solitário foi apontado por Matías Fernández na cobrança de um livre directo, numa partida que ficou marcada por uma interrupção de dez minutos devido a falta de luz.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Síntese | Jogos da última semana



Durante a última semana, estive ausente no que concerne às minhas análises a jogos de futebol devido a motivos de saúde. É verdade, por vezes até os críticos vão para o estaleiro! Neste post irei falar de uma forma sucinta de alguns jogos que vi no decorrer da última semana.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Liga ZON Sagres | União de Leiria 0-4 Benfica



O Benfica venceu esta noite na Marinha Grande a União de Leiria por 4-0, num jogo a contar para a Liga ZON Sagres. Os golos foram marcados por Bruno César, Cardozo e Rodrigo (2).

domingo, 6 de novembro de 2011

Liga ZON Sagres | Sporting 3-1 União de Leiria



O Sporting venceu esta noite a União de Leiria por 3-1, num jogo em que precisou de sofrer muito, a contar para a Liga ZON Sagres.


Eis a constituição das equipas:

Sporting



Com a série de 10 vitórias consecutivas em todas as competições interrompida, é preciso relembrar que no campeonato ainda há uma série, que é a de seis seguidas.
Este é o primeiro jogo após a lesão de Rinaudo, no entanto, para além do argentino, também Izmailov, Jeffren, Onyewu, Rodríguez, Polga e Insúa estão lesionados.
Para esta partida, Domingos Paciência vai apostar no estreante Tiago Ilori para jogar ao lado de Carriço no eixo da defesa e num meio-campo inédito composto por Elias, Schaars e Matías, enquanto a ala direita volta a Carrillo.


União de Leiria



Desde que Manuel Cajuda assumiu o comando, a formação leiriense soma duas vitórias nos dois jogos disputados para o campeonato, no entanto, pelo meio, foram eliminados da Taça de Portugal pelo Alcochetense, uma equipa da III Divisão.
Esta época, apenas vi o jogo frente ao FC Porto, no inicio de Setembro, e na altura, pareceu-me que tacticamente tinha um colectivo fraco, embora ambicioso.
Recordo que a União não perde em Alvalade desde a temporada 2006/2007.


Com uma defesa remendada e um meio-campo em modo experimental, o Sporting até começou bem o jogo, e logo aos 8’ Matías tem uma jogada individual fantástica dentro da grande área da União e atirou para golo num remate que passou por entre as pernas tanto do guarda-redes como de um defesa leiriense.

A formação leonina continuou bem no jogo e teve perto do segundo golo, primeiro por Evaldo aos 17’ a permitir a defesa a Gottardi e três minutos depois Matías na sequência de um livre directo.

Após o livre do chileno, num lançamento longo do Leiria para o ataque, Tiago Ilori falha a intercepção e Djaniny surgiu isolado na cara de Patrício e fez o empate.

A partir daí os lisboetas tiveram mais dificuldades em encontrar-se com a baliza contrária, apesar de manter elevada posse de bola, e até foi a equipa do Lis a criar mais perigo nesta fase, com dois remates perigosos (Marcos Paulo e Maykon) perto do intervalo que não passaram longe da baliza sportinguista.


Domingos Paciência certamente ao reconhecer um problema que eu detectei de há alguns jogos para cá e venho-o dizendo que é a equipa ficar “coxa” sem Carrillo no flanco direito, e tendo apenas como desequilibrador Capel na esquerda, colocou o peruano em campo para retirar o inconsequente Pereirinha.

Na segunda parte, o Sporting voltou a entrar forte e a colocar-se em vantagem, logo aos 50’, quando Elias apareceu na área e assistiu Matías para este fazer o 2-1.

Se nos primeiros minutos após o golo os leões até estiveram controladores, dominadores e parecia que era uma questão de tempo até conseguirem o terceiro, ultrapassado o período a União de Leiria foi subindo no terreno e através de cruzamentos perigosos por parte do recém-entrado Luís Leal, por meros centímetros que os finalizadores (Djaniny e Jô) não conseguiam desviar a bola para a baliza.

Até ao fim do jogo, assistiu-se a um período de grande pressão por parte da formação leiriense, os jogadores leoninos só com muita dificuldade conseguiam aliviar com os chamados “pontapés para a frente” e os sportinguistas pela primeira vez em dois/três meses viveram alguns momentos de sofrimento, sobretudo quando estava em jogo uma oportunidade de ouro para se aproximar dos rivais de sempre: FC Porto e Benfica.

Já nos descontos, após uma boa jogada do estreante Santiago Arias na direita, Ivo Pinto tocou a bola com o braço dentro da grande área, foi expulso e foi assinalada uma grande penalidade, que Wolfswinkel converteu em golo, terminando a partida com um 3-1 algo enganador.

Com esta vitória, o Sporting soma 23 pontos e fica apenas a um do duo de líderes, que esta jornada perdeu pontos nas suas deslocações a Olhão e Braga.


Analisando as equipas, creio que tenho de bater outra vez na “tecla” Carrillo, um jogador que tem mexido com todos os jogos em que se envolve, que acrescenta algo às partidas e que faz do Sporting uma equipa que joga a toda a largura. Primeiro foi com Matías no flanco, agora com Pereirinha, a verdade é que a equipa não ataca pela direita, só pela esquerda, o que provoca um maior desgaste de Capel (e até mesmo de Evaldo), e claro, se não se ataca pela direita a concentração de jogadores adversários na zona do extremo espanhol é maior e o resultado é um jogo menos conseguido da sua parte e a falta de outras soluções. Como já disse e volto a dizer, o Sporting fica com “coxo” nas transições ofensivas e isso tem-se reflectido numa maior dificuldade em chegar ao golo quando o peruano não está em campo.
Em termos individuais, Rui Patrício teve algumas complicações mas foi seguro, Tiago Ilori e Carriço salvo raras excepções esticaram a passadeira e revelaram falta de habilidade para remediar algumas soluções, João Pereira fruto do “coxear” da equipa não atacou muito e agrediu um adversário, ficando por lhe mostrar um cartão vermelho, e Evaldo fez provavelmente um dos melhores jogos de leão ao peito, sendo dos melhores a defender.
No meio-campo, se Matías com dois golos apontados foi o Homem do Jogo, para mim o melhor em campo foi Elias que foi um exímio recuperador de bolas, muitas vezes era ele quem aliviava o perigo quando a bola andava a saltitar perto da sua grande área e ainda fez uma assistência, Schaars esteve a bom nível embora perca por não ter estar tão próximo da área adversária (ele aparecia muitas vezes como segundo homem nas zonas de finalização) e André Santos ajudou a segurar a vantagem.
Pereirinha foi inútil em campo, Carrillo mexeu com o jogo mas esteve pouco tempo em campo em simultâneo com Capel para haver o tal futebol a toda a largura, o espanhol não conseguiu ser tão explosivo como habitualmente, Arias entrou muito bem e mostrou ser interessando e já Wolfswinkel, com a falta de dois desequilibradores nos flancos, parece mais desapoiado e teve poucas ocasiões para marcar, mas não se pode dizer que tenha jogado mal.

Quando ao Leiria, mostrou uma grande atitude, e acima de tudo, capacidade para olhar o Sporting nos olhos e empurrar a formação lisboeta para o seu meio-campo quando o resultado estava em 2-1, e até mesmo em certos momentos na primeira parte depois do empate.
Alguns jogadores destacaram-se claro. Ivo Pinto, lateral-direito, fez o lançamento longo no qual resultou o golo e conseguiu parar Diego Capel, e na esquerda Maykon foi muito ofensivo. No ataque, Djaniny parece ser um caso sério porque é um jogador muito jovem ainda, tem qualidade técnica, mobilidade e uma elevada estatura, é alguém que tem potencial e deve ser aproveitado porque pode dar que falar. Luis Leal que entrou na segunda parte também demonstrou qualidades, levando muitas vezes a equipa para o ataque e fazendo cruzamentos perigosos.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Liga ZON Sagres | União de Leiria 2-5 FC Porto



O FC Porto foi hoje à Marinha Grande, casa empresta da União de Leiria, bater o seu adversário por uns esclarecedores 5-2.

Eis a constituição das equipas:

União de Leiria: Gottardi; Ivo Pinto, Diego Gaúcho, Edson e Shaffer; Manuel Curto (Marcos Paulo), André Almeida, Maykon e Elvis (Cacá); Bruno Moraes (Robinho) e Djaniny.

FC Porto: Helton; Fucile, Rolando, Maicon e Alvaro Pereira; Fernando (Souza), João Moutinho (Defour) e Belluschi; Hulk (Varela), James e Kléber.

Vitor Pereira não foi de meias medidas e mudou meia equipa em relação ao «onze» inicial que tinha defrontado o Barcelona para a Supertaça Europeia há uma semana e meia. Saiu Sapunaru, Otamendi, Souza, Guarin e Cristián Rodriguez e entraram para os seus lugares Alvaro Pereira, Maicon, Fernando, Belluschi e James, respectivamente.

A União de Leiria entrou com uma atitude bastante positiva no jogo, assumindo as despesas da partida, olhou o FC Porto nos olhos e em determinados momentos do jogo conseguiu encostar os dragões à sua defesa por instantes, fazendo uma boa pressão alta e jogando muitas vezes no meio-campo adversário, chegando mesmo a ter em determinada fase do jogo mais remates que os portistas e estavam a golear em cantos.

O FC Porto não estava a conseguir fluir o seu jogo, não conseguia assumir as despesas, e procurava sobretudo aproveitar a pressão alta dos leirienses para os apanhar desprevenidos com contra-ataques rápidos, mas em determinadas ocasiões, por falta de engenho e arte mas também por culpa de um relvado mal tratado, que não beneficia quem gosta de jogar com a bola nos pés e de pé para pé, as coisas não estavam a sair bem aos jogadores azuis-e-brancos.

Mas tudo mudou aos 28’, num minuto em que a União esteve quase a marcar após um cruzamento perigoso da direita em que Helton não ficou nada bem na fotografia, o FC Porto iniciou o contra-ataque numa transição bastante rápida, culminando num golo de James de pé esquerdo, a passe de Moutinho.

Cerca de sete minutos depois, com a formação de Leiria a ir à procura do empate, mas mostrando algum desalento por já se encontrar em desvantagem, face à pressão alta do FC Porto, Manuel Curto perdeu a bola junto à sua grande área para Belluschi, que progride no terreno e assiste Kléber, possibilitando o primeiro golo em jogos oficiais do brasileiro pelo seu novo clube.

Assim foi o jogo para intervalo, com a vitória praticamente entregue ao FC Porto, que não costuma vacilar nestas situações, e que face à atitude ofensiva dos leirienses, não me surpreenderia se na segunda parte os dragões aumentassem a vantagem.

No inicio da segunda parte, a União surpreendeu ao conseguir reduzir de um modo algo afortunado, após um corte da defensiva do FC Porto num canto a favor dos leirienses, André Almeida faz o 1-2, depois de um desvio de Maicon para a própria baliza.

Aos 57’, momento caricato no jogo, regista-se um apagão na Marinha Grande que durou um quarto de hora, curiosamente o segundo envolvendo o FC Porto em cinco meses (o outro foi em Abril no Estádio da Luz), e mais uma vez, os dragões provaram que quando há apagões têm sucesso e poucos minutos depois do jogo ter sido reatado, fazem o 3-1 por intermédio de James, um golo que encostou o Leiria às cordas definitivamente.

Depois, veio o 4-1 por Kléber aos 74’, os leirienses reduziram poucos minutos depois, no entanto, perto do fim, Varela sentenciou o resultado em 5-2, dando a terceira vitória em três jogos para os dragões, e a terceira derrota nos mesmos jogos para a União de Leiria.


Analisando o jogo, penso que o FC Porto jogou praticamente com aquela que é a sua melhor formação, excepção feita a Maicon que na minha opinião é inferior a Otamendi. Penso que os dragões entraram pouco agressivos, permitiram que a União assumisse o jogo nos primeiros 25/30 minutos, no entanto, também o podem ter feito de forma a apanhar a equipa da Beira Litoral desprevenida e lançar contra-ataques venenosos.
Nesse aspecto foi bastante importante o papel de Belluschi, sendo por diversas vezes o motor ofensivo da equipa, e claro, a qualidade de James, que se não acontecer nada de extraordinário será certamente dentro de anos dos melhores jogadores do planeta, marcando dois golos e dinamizando o ataque, que grande jogador! Kléber, não sendo um prodígio e não tendo a capacidade de marcar golos como Falcao, bisou e deu conta do recado, ainda que em certos momentos da temporada não me admirava nada se a sua falta de mobilidade fosse contestada, um pouco à imagem de Cardozo no Benfica.
Quando entraram, Defour e Varela cumpriram o seu trabalho, tendo os dois feito assistências para o golo, sendo que o segundo acabou mesmo por marcar.

Já o Leiria, mostrou ambição, garra e vontade, e até alguma capacidade para jogar no meio-campo do adversário, no entanto, em termos defensivos especialmente há muito trabalho a fazer, foram cometidos muitos erros, a equipa errou nas transições, os jogadores estavam mal posicionados quando o FC Porto atacava, e prova disso foi o espaço que alguns jogadores portistas tiveram para rematar à baliza.

Com esta vitória, o FC Porto torna-se o primeiro líder isolado do campeonato, e a União de Leiria é cada vez mais a “lanterna vermelha”.

domingo, 3 de maio de 2009

Liga Vitalis | União de Leiria 5-1 Olhanense




No jogo mais antecipado dos últimos tempos da Liga Vitalis, que envolvia a luta pela subidade, a União de Leiria (3º) recebeu o Olhanense (1º). O campeão da 2ª volta vs. o lider do campeonato!
O jogo era muito aguardado pois por um lado podia garantir praticamente a subida da equipa de Olhão ou reforçar a luta pela subida da União local, o estádio teve 6.000 pessoas nas bancadas, a melhor assistência da época para a equipa da cidade do Lis e os leirienses não desiludiram, aliás, antes pelo contrário, bateram todas as expectativas ao golear os lideres por 5-1.
A goleada começou-se a contruir logo aos 2 minutos quando Carlão aproveita um mau atraso de Marco Couto a Bruno Verissimo para fazer o 1-0.
O Olhanense tinha mais posse de bola e a próxima meia-hora até foi equilibrada mas aos 36 minutos Carlão bisou numa recarga a remate de Cássio que tinha batido no poste.
Ainda antes do intervalo Pedro Cervantes fez o 3-0 isolado frente a Bruno Verissimo.
Na segunda parte a atitude da equipa de Olhão não melhorou e os de Leiria continuar ferozes com Carlão a fazer o 4-0 aos 53 minutos e os 5-0 aos 62, o gigante avançado brasileiro que já dispertou o interesse do Sporting fazia assim um poker e o 9º golo na competição em... 9 jogos.
Até final com o resultado decidido o Leiria não carregou mais e nesse período Rui Duarte falhou um penalty, permitindo a defesa a Ricardo.
Mas já nos descontos Rui Duarte vingou-se e apontou um golo na marcação de um livre directo.
Os comandados de Manuel Fernandes estão neste momento em 3º lugar com 48 pontos, os mesmos que o Santa Clara (2º classificado) que ainda tem de defrontar hoje o Desportivo das Aves.
O magnifico trabalho do "Manel de Sarilhos" na equipa leiriense e a capacidade técnica de Carlão merecem um forte aplauso.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...