quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Fabril no Campeonato de Portugal

Os dez jogadores com mais jogos pelo Fabril no Campeonato de Portugal
Fundado a 27 de janeiro de 1937, o Grupo Desportivo Fabril do Barreiro está longe dos tempos de glória que viveu quando competia sob a designação de Grupo Desportivo da CUF, nomeadamente entre as décadas de 1950 e 1970.
 
Foi nessa altura que o clube do Lavradio, que entre 1978 e 2000 se chamou Quimigal, participou de forma consecutiva por 22 vezes na I Divisão (entre 1954-55 e 1975-76), depois de em 1942-43 se ter estreado no patamar maior futebol português com o nome de Unidos Futebol Clube do Barreiro. Embora estejam há quase 45 anos afastados da elite, os fabrilistas estão ainda entre os 20 clubes com mais presenças no primeiro escalão.
 
Entre as principais façanhas do emblema do concelho do Barreiro estão um terceiro lugar (à frente do Sporting), em 1964-65, e dois quartos, em 1961-62 e 1971-72, com este último a dar acesso à Taça UEFA.
 
Arredados há mais de quatro décadas dos grandes palcos, os fabrilistas têm oscilado nos últimos anos entre o Campeonato de Portugal e a I Distrital da Associação de Futebol de Setúbal.
 
Vale por isso a pena recordar os dez futebolistas com mais jogos pelo Fabril no Campeonato de Portugal.
 
 

10. Moisés (29 jogos)

Moisés
Disputou o mesmo número de jogos de Silva, mas amealhou mais 172 minutos em campo – 2007 contra 1835.
Avançado formado no Vitória de Setúbal, não encontrou espaço na equipa principal dos sadinos e passou por sucessivos empréstimos, tendo passado por clubes como Mineiro Aljustrelense, Casa Pia, Cova da Piedade e Pinhalnovense.
No verão de 2016 assinou pelo Fabril e acabou por ser uma das principais figuras de uma equipa que desde bastante cedo pareceu condenada à despromoção, tendo apontado seis golos em 29 jogos (21 a titular). Almancilense, Louletano, Armacenenses, Pinhalnovense, Casa Pia e Sp. Viana foram as vítimas de Moisés.
Após a descida aos distritais mudou-se para o vizinho e rival Barreirense.
 
 
 

9. Ayo (29 jogos)

Ayo
Disputou o mesmo número de jogos que Silva e Moisés, mas amealhou mais minutos em campo: 2249.
Atacante nigero-americano, entrou no futebol português pela porta do 1º Dezembro no verão de 2015, um ano antes de se mudar para o Fabril.
Ao serviço dos fabrilistas atuou em 29 partidas (25 a titular) no Campeonato de Portugal e apontou sete golos, diante de Moura, Sp. Viana (dois), Almancilense, Armacenenses, Casa Pia e Loures, ainda assim insuficientes para evitar a despromoção.
Após a descida de divisão mudou-se para o Eléctrico.
 
 
 

8. Jair (30 jogos)

Jair
Extremo formado no vizinho Galitos, evoluiu no Quintajense e no Estrela Vendas Novas até dar o salto para o Desp. Aves, mas a aventura não correu bem e por isso voltou às divisões inferiores.
No verão de 2015 assinou pelo Fabril, depois de dois anos na União de Montemor, e contribuiu para a conquista do título distrital da AF Setúbal com 19 golos.
Na temporada seguinte atuou em 30 partidas (21 a titular) no Campeonato de Portugal e faturou por cinco vezes, diante de Almancilense (dois), Pinhalnovense, Armacenenses e Sp. Viana, ainda assim insuficientes para evitar a despromoção.
Após a descida de divisão mudou-se para o Oriental Dragon, ajudando o clube dirigido por chineses a subir à I Distrital da AF Setúbal.
 
 
 

7. Ricardo Dâmaso (30 jogos)

Ricardo Dâmaso
Disputou o mesmo número de jogos de Jair, mas amealhou mais 286 minutos em campo – 2299 contra 2013.
Médio de características ofensivas filho de Quim, velha glória do Vitória de Setúbal, fez quase toda a formação nos sadinos, mas tal como Moisés, não encontrou espaço na equipa principal quando subiu a sénior e na época seguinte foi ganhar rodagem nas divisões secundárias. Após passagens por clubes como Mineiro Aljustrelense, Real SC, Casa Pia, Alcochetense e Cova da Piedade, assinou pelo Fabril no verão de 2016.
Em 30 jogos (27 a titular), marcou oito golos, registo que faz dele o melhor marcador de sempre da formação do Lavradio no Campeonato de Portugal, algo assinalável para um centrocampista. Mineiro Aljustrelense (dois), Moura, Sp. Viana (três) e Sintrense (dois) foram a vítimas de Ricardo Dâmaso.
Haveria de continuar no clube após a despromoção aos distritais, mas meio ano depois foi um dos jogadores afastados pelo presidente Faustino Mestre quando a desvantagem para o líder Amora já era de nove pontos, o que o fez rumar ao Comércio e Indústria.
 
 
 

6. Joel Carvalho (36 jogos)

Joel Carvalho
Médio cabo-verdiano de características ofensivas, despontou no Monte de Caparica, clube que o catapultou para o Fabril no verão de 2013, tendo logo na primeira época contribuído para a conquista do título distrital da AF Setúbal.
Na temporada seguinte estreou-se no Campeonato de Portugal, tendo atuado em 25 partidas (todas como titular) e apontado cinco golos, frente a Sintrense, Casa Pia, Cova da Piedade (dois) e União de Montemor, ainda assim insuficientes para evitar a despromoção.
No entanto, permaneceu no clube, tendo conquistado novamente o título distrital em 2015-16 e jogado mais onze partidas (oito a titular) no terceiro escalão do futebol português na época seguinte.
Após a descida aos distritais rumou ao vizinho e rival Barreirense na companhia de Moisés e Fábio Oliveira.
 
 

5. Luís Conceição (40 jogos)

Luís Conceição
Defesa central/médio defensivo de elevada estatura (1,88 m) e especialista na execução de livres diretos, passou pelas camadas jovens de Sporting e Vitória de Setúbal, tendo representado clubes como União da Madeira, Palmelense, Amora e Estrela Vendas Novas enquanto sénior antes de assinar pelo Fabril no verão de 2012.
Na primeira época no Alfredo da Silva esteve quase a subir ao Campeonato de Portugal, mas acabou despromovido aos distritais. Contudo, permaneceu no clube e conquistou o título distrital da AF Setúbal em 2013-14.
Na temporada que se seguiu atuou em 17 partidas (16 a titular) e marcou um golo ao Malveira no então designado por Campeonato Nacional de Seniores, mas foi impotente para evitar nova descida de divisão.
Em 2015-16 voltou a saborear a conquista do título distrital e na época seguinte participou em 23 jogos (20 a titular) e marcou um golo ao Casa Pia, voltando a descer de divisão.
Após nova despromoção ainda continuou no Lavradio, mas meio ano depois foi um dos jogadores afastados pelo presidente Faustino Mestre quando a desvantagem para o líder Amora já era de nove pontos, o que o fez rumar ao Comércio e Indústria.
 
 
 

4. Espanta (52 jogos)

Espanta
Médio de características defensivas formado no vizinho e rival Barreirense, reforçou o Fabril no verão de 2006, proveniente do Moura, e logo na época de estreia sagrou-se campeão distrital da AF Setúbal.
Seguiram-se seis temporadas na III Divisão antes de nova conquista do título distrital, em 2013-14, e da estreia no recém-criado Campeonato de Portugal, patamar em que na época seguinte disputou 28 jogos (27 a titular), grande parte na condição de capitão. Ainda assim, foi impotente para evitar a despromoção.
Após a descida de divisão permaneceu no clube e em 2015-16 celebrou o terceiro título distrital da carreira. Na temporada que seguiu foi utilizado em 24 encontros (22 a titular) e apontou quatro golos, diante de Armacenenses, Pinhalnovense, Mineiro Aljustrelense e Sp. Viana, insuficientes para impedir nova despromoção.
Ainda continuou mais meio ano no emblema do concelho do Barreiro, mas acabou por ser afastado pelo presidente Faustino Mestre quando a desvantagem para o líder Amora já era de nove pontos, o que o fez regressar ao Barreirense.
 
 
 

3. Tiago Correia (53 jogos)

Tiago Correia
Depois de passagens por emblemas como Seixal, Sesimbra, Amora e 1º Dezembro, esteve sem clube em 2012-13 mas na época seguinte foi recrutado pelo pai para jogar no Fabril, não desapontado, uma vez que contribuiu com 12 golos para a conquista do título distrital da AF Setúbal.
Em 2014-15 estreou-se no Campeonato de Portugal, tendo sido utilizado em 28 encontros (24 a titular) e apontado três golos, diante de 1º Dezembro, Sintrense e Casa Pia, insuficientes para evitar a despromoção.
Haveria de continuar no clube e voltar a conquistar o título distrital, uma vez mais com o pai no comando técnico, tendo amealhado mais 25 partidas (22 a titular) e dois golos, frente a Moura e Casa Pia, não conseguiu evitar nova descida de divisão.
Depois encerrou a carreira de jogador e iniciou a de treinador, estando desde 2017-18 à frente da equipa sénior do Seixal.
 
 

2. Adérito (54 jogos)

Adérito
O único jogador que representou o Fabril em três participações no Campeonato de Portugal, as três primeiras do clube na competição.
Lateral direito cabo-verdiano de elevada estatura (1,88 m) recrutado ao Paio Pires no verão de 2013, conquistou o título distrital na primeira época no emblema do concelho do Barreiro.
Em 2014-15 estreou-se no terceiro escalão do futebol português, tendo disputado 28 jogos (27 a titular), mas foi impotente para evitar a despromoção.
Após a descida de divisão permaneceu no Alfredo da Silva e voltou a sagrar-se campeão da I Distrital da AF Setúbal, tendo em 2016-17 atuado em mais 19 encontros (14 a titular) e voltado a descer de divisão.
Nos dois anos que se seguiram mudou-se para o Amora, mas no verão de 2019 regressou ao Lavradio para amealhar mais sete partidas (seis a titular) no Campeonato de Portugal, acabando por deixar o plantel no final desse ano.
Desde então que não voltou a jogar futebol.
 
 

1. Miguel Pimenta (55 jogos)

Miguel Pimenta
Médio canhoto, franzino e batalhador formado no vizinho Galitos, passou pelo Quintajense e pelo Estrela Vendas Novas antes de reforçar o Fabril no verão de 2012, na altura para jogar na III Divisão.
Se na primeira época foi despromovido, na segunda conquistou o título distrital da AF Setúbal e na terceira teve a possibilidade de se estrear no recém-criado Campeonato de Portugal, tendo participado em 24 jogos (13 a titular) na prova em 2014-15, ainda que sem conseguir evitar a descida de divisão.
No entanto, permaneceu no clube e voltou a sagrar-se campeão distrital, regressando ao anteriormente designado Campeonato Nacional de Seniores para amealhar mais 31 encontros (27 a titular) e marcar um golo ao Armacenenses, insuficiente para evitar a despromoção.
Após nova descida de divisão ainda continuou no Lavradio, mas meio ano depois foi um dos jogadores afastados pelo presidente Faustino Mestre quando a desvantagem para o líder Amora já era de nove pontos, o que o fez rumar ao Oriental Dragon.
 



   










Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...