segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Os 10 jogadores com mais jogos pela CUF na I Divisão

As 10 figuras que mais vestiram a camisola da CUF na I Divisão
Fundado a 27 de janeiro de 1937, o Grupo Desportivo Fabril do Barreiro está longe dos tempos de glória que viveu quando competia sob a designação de Grupo Desportivo da CUF, nomeadamente entre as décadas de 1950 e 1970.

Foi nessa altura que o clube do Lavradio, que entre 1978 e 2000 se chamou Quimigal, participou de forma consecutiva por 22 vezes na I Divisão (entre 1954-55 e 1975-76), depois de em 1942-43 se ter estreado no patamar maior futebol português com o nome de Unidos Futebol Clube do Barreiro. Embora estejam há quase 45 anos afastados da elite, os fabrilistas estão ainda entre os 20 clubes com mais presenças no primeiro escalão.


Entre as principais façanhas do emblema do concelho do Barreiro estão um terceiro lugar (à frente do Sporting), em 1964-65, e dois quartos, em 1961-62 e 1971-72, com este último a dar acesso à Taça UEFA.

Vale por isso a pena recordar os dez futebolistas com mais jogos pela CUF na I Divisão.


10. Uria (176 jogos)

Uria
Extremo de posição, Emídio Simões Uria chegou ao Lavradio no verão de 1958 para reforçar a CUF, oriundo do Estoril Praia, quando tinha 23 anos. Ficou no clube durante nove temporadas, tendo feito parte da equipa que em 1964-65 ficou em terceiro lugar no campeonato. A sua melhor época foi, porém, em 1961-62, quando marcou 10 golos e ajudou os fabrilistas a obter um muito honroso quarto lugar. Em dezembro de 1965 esteve na célebre eliminatória da Taça das Cidades com Feiras frente ao Milan, tendo cumprido os 90 minutos nos três jogos.
A 8 dezembro de 1960 foi selecionado para representar a seleção nacional B num particular diante de França, no Jamor.


9. José Monteiro (178 jogos)

José Monteiro
Nascido na cidade angolana de Benguela, o médio direito José Monteiro reforçou a CUF no arranque da época 1965-66, quando tinha 24 anos, depois de cinco temporadas de escassa utilização no Sporting e de uma no Sporting de Luanda. Na estreia pelos fabrilistas no campeonato, a 16 de janeiro de 1966, marcou numa derrota em casa com o Benfica. Seguiram-se mais oito épocas no Lavradio, tendo as melhores sido em 1971-72 e 1972-73, quando apontou 12 golos no campeonato em cada uma delas. Em 1967-68 participou na eliminatória da Taça das Cidades com Feiras diante dos jugoslavos do Vojvodina e em 1972-73 nas rondas da Taça UEFA frente aos alemães do Kaiserslautern e aos belgas do Molenbeek. Após nove anos no Barreiro, encerrou a carreira em 1974-75 ao serviço do Oriental.


8. Fernando Oliveira (188 jogos)

Fernando Oliveira
Fernando Oliveira, ou apenas Fernando, nasceu em Oliveira do Douro, no concelho de Vila Nova de Gaia, passou pelo Vilanovense e fez a estreia na I Divisão ao serviço do Varzim, mas foi com a camisola da CUF que se notabilizou no futebol português. Médio ofensivo ou avançado, chegou ao Lavradio com 23 anos, no verão de 1964, e desatou a marcar golos logo na primeira época, tendo apontado 15 e ajudado os fabrilistas a obter a melhor classificação de sempre no primeiro escalão, o 3.º lugar. Na época seguinte não marcou tantos golos, mas brilhou na célebre eliminatória diante do AC Milan na Taça das Cidades com Feiras, tendo inaugurado o marcador e conquistado o penálti que deu o 2-0 final. Com o passar dos anos foi recuando no terreno, em grande parte devido à eclosão de Manuel Fernandes, mas ainda assim despediu-se dos relvados em 1973 com 60 golos na I Divisão com a camisola da CUF, o que lhe valeu a liderança desse ranking, a par de Arsénio e José Monteiro.
Após pendurar as botas continuou no clube como adjunto de Fernando Caiado e em 1974-75 como treinador principal, obtendo um oitavo lugar no campeonato. Porém, não deu seguimento a essa carreira, preferindo a de empresário na construção civil e sobretudo no ramo do comércio automóvel. Mais tarde regressou ao futebol, mas como presidente do Vitória de Setúbal.



7. Vieira Dias (188 jogos)

Vieira Dias
Embora tenha disputado 188 jogos como Fernando Oliveira, atuou durante mais 53 minutos com a camisola da CUF, que vestiu pela primeira vez em 1961-62, depois de ter passado pelo Benfica e pelo Atlético. Na época de estreia, o médio ajudou a equipa a concluir o campeonato num bastante honroso quarto lugar, até então a melhor classificação de sempre do clube. Também esteve na campanha que culminou no último degrau do pódio, em 1964-65, e em dois dos três jogos frente ao AC Milan em dezembro de 1965. No duelo com os italianos no Estádio Alfredo da Silva, teve receio de assumir a grande penalidade que haveria de ser convertida no capitão Abalroado e que daria o 2-0 aos fabrilistas. As suas épocas mais produtivas foram as de 1963-64 e 1965-66, tendo apontado seis golos em ambas.


José Maria

6. José Maria (191 jogos)

Guarda-redes natural do Estoril, chegou ao Lavradio no verão de 1954 proveniente do Estoril Praia. Nas duas primeiras épocas viveu na sombra de Libânio e em 1957-58 e 1958-59 sentiu dificuldades em impor-se perante António Gama, mas depois afirmou-se como titular indiscutível dos fabrilistas até 1966-67, quando pendurou as botas, ajudando os fabrilistas a obter classificações bastante honrosas nesse período, incluindo o terceiro lugar em 1964-65 e o quarto em 1961-62. Nos 191 jogos que disputou, sofreu 288 golos.


5. Durand (196 jogos)

Durand
Defesa de posição, Durand reforçou a CUF na época 1957-58, quando tinha 22 anos, depois de ter passado pelas reservas do Sporting. Esteve ligado aos fabrilistas durante 11 anos, embora não tivesse disputado qualquer encontro em 1960-61. Neste período apenas marcou um golo, numa vitória caseiro sobre o Sp. Braga (3-1) em janeiro de 1959. Esteve, por isso, na campanha que culminaram no terceiro lugar em 1964-65 e no quarto em 1961-62 e participou na célebre eliminatória da Taça das Cidades com Feiras diante do AC Milan, tendo cumprindo os 270 minutos da ronda europeia.


4. Abalroado (226 jogos)

Abalroado
Um dos mais míticos jogadores a ter jogado pela CUF. Natural de Évora, este lateral esquerdo passou pelos juniores do emblema do Lavradio antes de se estrear pela equipa principal em 1958-59, iniciando aí um longo e bonito trajeto no Alfredo da Silva, sempre na I Divisão. Tal como outros jogadores que integram esta lista, esteve nas campanhas que culminaram no terceiro lugar em 1964-65 e no quarto em 1961-62, além de ter cumprido os 270 minutos da eliminatória europeia frente ao AC Milan, apontando o segundo golo da equipa, de grande penalidade, assumindo a conversão do penálti perante a indecisão de Espírito Santo e Vieira Dias. Era, na altura, o capitão de equipa.
Em 1969 deixou o clube mas manteve-se no Barreiro ao serviço do vizinho Luso, nas II e III Divisões. Pelo meio representou o Torres Novas e teve uma curta experiência como treinador para tentar salvar, sem sucesso, a CUF da descida à II Divisão, em 1975-76, mas foi em 1979 e no Campo da Quinta Pequena que pendurou as botas, em 1979.


3. José Palma (226 jogos)

José Palma
Mais um defesa com muitos anos de ligação ao clube, neste caso um central que vestiu a camisola da CUF entre 1954 e 1965. Antes, esteve na Alemanha ao serviço da seleção nacional de sub-18 no Torneio Internacional de Juniores de 1954, antecessor do Campeonato da Europa de sub-18, e haveria também de representar a seleção de sub-21. No Alfredo da Silva brilhou durante onze temporadas, especialmente nas dez primeiras, em que foi titular indiscutível, ajudando os fabrilistas cimentarem-se na primeira metade da tabela e a obterem um quarto lugar em 1961-62.
Em outubro de 1958 foi capa da revista desportiva Sport Ilustrado, que o descreveu como “o jovem e categorizado defesa-central da CUF – um astro do futuro”. No texto, podia ler-se: “Palma, da CUF, com 22 anos de idade, é um produto cem por cento barreirense. É um futebolista de certa personalidade. Titular indiscutível da famosa equipa de juniores da época 1953-1954 que na Alemanha teve uma atuação notável, Palma foi um júnior excecional. Nele vivia o instinto do jogador servido por um tecnicismo apreciável. Tem o sentido do lugar; a perceção clara do lance; o golpe de vista que define um jogador. Dotado de détente, essencial no lugar, Palma na galeria dos jovens poderá conquistar uma posição interessante. O magnifico júnior, de longe o melhor da defesa portuguesa, autoritário, rápido e evoluído, vai renascer? Os últimos jogos indicam melhoria. Tem sido um dos baluartes da CUF. Continua sereno, lúcido. Sabendo do oficio. Menos ligeiro, mas com noção da entrega para os médios, ou aliviando largo, para os flancos. O instinto não feneceu, os reflexos reaparecem. Palma, grande futebolista aos 18 anos, um caso especial na categoria júnior, se treinar com entusiasmo, poderá no mundo do futebol português ser, de novo, um jogador inigualável. Tem 22 anos, e uma experiência larga. Na elite do futebol nacional o barreirense da CUF, único clube que conheceu tem o direito e obrigação de mostrar que as virtudes juvenis de 1954, não desapareceram. Com magnificas condições atléticas, servido por um poder de elevação clarividente e técnico, Palma na era do 4x2x4, poderá ascender a plano de realce. Acreditamos na sua evolução. Sabemos que como júnior brilhou. A qualidade do seu futebol está ressurgindo por uma preparação intensa. Conhecendo o posto, e colocando-se, com calma, na zona de tiro Palma na plêiade de defesas nacionais poderá reconquistar o cetro. O Grande público não o aplaude, porque pertence a uma simpática agremiação, mas sem as massas dos grandes. Palma vai ser o astro do futuro. Assim esperamos!”


2. Arnaldo (236 jogos)

Arnaldo
Médio centro natural de Bissau, Arnaldo passou pela CUF em dois momentos: primeiro em 1963-64 e 1964-65, oriundo dos guineenses dos Balantas; e depois entre 1968-69 e 1975-76, após passagens por Vilanovense, Leixões e Riopele. No Lavradio esteve nas campanhas que levaram os fabrilistas ao terceiro lugar em 1964-65, ao quarto em 1971-72 e às meias-finais da Taça de Portugal em 1968-69 e 1972-73, mas também na descida de divisão em 1975-76. No melhor e no pior, portanto. Ainda assim, a sua melhor época foi em 1973-74, quando marcou 13 golos no campeonato e foi chamado a jogar pela seleção nacional num particular com Inglaterra (0-0) no Estádio da Luz, a 3 de abril de 1974, ao lado de nomes como Vítor Damas, Humberto Coelho, Toni, Octávio Machado, Rui Jordão, Jacinto João e Vítor Baptista.
A Lei da Opção, que obrigava os jogadores em final de contrato a renovar desde que o clube quisesse ficar com eles, tirou-lhe a possibilidade de trocar o emblema do Barreiro por um de maior dimensão. Só haveria de sair da CUF após a despromoção, em 1976, para representar o Montijo, na I Divisão. Depois ajudou Barreirense (1977-78) e Amora (1979-80) a subir ao primeiro escalão e passou ainda por União de Almeirim, Estrela de Vendas Novas e Seixal antes de pendurar as botas nos distritais de Beja, com a camisola do Vilafradense, aos 43 anos. Na fase final da carreira, conciliou o futebol com um trabalho como segurança nos estádios.
Morreu jovem, aos 55 anos, a 24 de maio de 1999.


1. Medeiros (236 jogos)

Medeiros
Atuou em 236 jogos tal como Arnaldo, mas amealhou mais 44 minutos do que o médio guineense. António Medeiros, açoriano natural de Angústias, na cidade da Horta, ilha do Faial, jogava no eixo do ataque ou... no eixo da defesa. Depois de várias épocas no Angústias Atlético Clube, chegou ao Lavradio no verão de 1960 para 11 épocas ao serviço da CUF. A sua melhor época em termos de golos foi a de 1961-62, quando apontou 11 no campeonato e ajudou os fabrilistas a obter o 4.º lugar – logo a seguir foi a de 1963-64, em que faturou por dez vezes. Também contribuiu na caminhada até ao último degrau do pódio em 1963-64 e atuou nos 270 minutos da eliminatória europeia diante do AC Milan em dezembro de 1965. Em 1971 emigrou para o Canadá, onde representou os Toronto Metros até 1974.















Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...