segunda-feira, 27 de maio de 2019

A minha primeira memória de... uma final da Taça UEFA

Jordi Cruyff marcou o golo que atirou final para prolongamento
Já lá vão muitos anos, mas lembro-me da final, ainda que não possa garantir que a tenha assistido em direto. Creio que apenas fui acompanhando a marcha do marcador, que teimava em... marchar. Foram nove golos, o último deles de ouro, porque no início do século XXI vigorava uma regra que atribuía a vitória à primeira equipa a marcar no prolongamento. Foi assim, por exemplo, que a França ganhou a final do Euro 2000 à Itália. Neste caso, sorriu ao Liverpool, que venceu o Alavés por 5-4 na noite emocionante de 16 de maio de 2001.


Na altura eu ainda era um iniciante enquanto seguidor de futebol. Para mim os reds eram favoritos, nem que fosse por terem eliminado o FC Porto nos quartos de final – Rapid Bucareste, Slovan Liberec, Olympiacos, Roma e Barcelona foram as outras equipas que afastaram. Já o Alavés era daqueles clubes que eu só devia conhecer do FIFA ou de o ter visto na classificação da liga espanhola em algum jornal desportivo, mas que para chegar ao encontro decisivo deixou pelo caminho Gaziantepspor, Lillestrøm, Rosenborg, Inter de Milão, Rayo Vallecano e Kaiserslautern.


A diferença de estatutos fez-se sentir durante a primeira parte. Um cabeceamento certeiro de Markus Babbel na resposta a um livre lateral de Gary McAllister (4 minutos) e um remate cruzado de Steven Gerrard a passe de Michael Owen (16') colocaram o Liverpool a vencer por 2-0. O recém-entrado Iván Alonso reduziu de cabeça aos 27' após cruzamento de Cosmin Contra, mas McAllister restabeleceu a vantagem de dois golos para os ingleses, então orientados pelo francês Gérard Houllier.

Na segunda parte, o impensável aconteceu. Javi Moreno bisou num curto espaço de tempo durante os primeiros minutos, primeiro de cabeça a cruzamento de Contra (48'), depois de livre direto executado de forma rasteira, com a bola a passar por baixo da barreira (51'). Robbie Fowler devolveu a vantagem ao Liverpool a passe de McAllister (73'), mas Jordi Cruyff, filho do lendário Johan, deixou tudo empatado aos 88' na sequência de um canto na direita.

A decisão ficou guardada para os últimos minutos do prolongamento, quando Delfí Geli cabeceou para a própria baliza (117'), dando o golo de ouro ao Liverpool numa fase em que o Alavés já jogava reduzido a dez, por expulsões de Magno e do capitão Antonio Karmona.


Na época seguinte a final voltou a ser emocionante e teve arbitragem do português Vítor Pereira. A jogar em casa, o Feyenoord bateu o Borussia Dortmund por 3-2, num jogo cuja a minha principal memória foi um grande golo do gigante avançado checo Jan Koller, que atuava pelos alemães. Foi o último golo da noite, na qual o ex-benfiquista Van Hooijdonk bisou.




















E para o caro leitor, qual é a primeira final da Taça das Cidades com Feira/Taça UEFA/Liga Europa de que tem memória? E quais foram as melhores e mais marcantes finais da história?

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...