segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

Érico. O surpreendente Louletano, o susto com o Covid e a expetativa pelas convocatórias de Angola

Érico está no Louletano desde o verão de 2019
Sobrinho do antigo extremo internacional angolano Freddy, Érico Castro viveu com expetativa as últimas convocatórias dos Palancas Negras e vai continuar a aguardar uma oportunidade enquanto vai marcando golos ao serviço de um Louletano que o deixou surpreendido.
 
Em entrevista, o ponta de lança luso-angolano fala do susto que apanhou quando grande parte do plantel dos algarvios esteve infetado com o Covid-19, das conversações que teve no verão com clubes das ligas profissionais e da inspiração no antigo ponta de lança brasileiro Adriano.
 
ROMILSON TEIXEIRA - O Érico Castro leva três golos em sete jogos no Campeonato de Portugal neste início da temporada e é uma das figuras de um Louletano que está na luta pelos lugares cimeiros da Série H. Que balanço faz destes primeiros meses de temporada, tanto a nível individual como coletivo?
ÉRICO CASTRO - O balanço que faço deste início de época é positivo tendo em conta as circunstâncias atípicas que vivemos desde a pré-época. Tivemos um surto de Covid-19. Temos estado a jogar de 15 em 15 dias. Não são as melhores condições para atingirmos a melhor forma tanto a nível coletivo como a nível individual, mas tendo em conta essas circunstâncias todas acho que é um balanço positivo, até pelo que vejo no dia a dia e pela margem de evolução que temos, acredito que seremos uma equipa mais forte com mais tempo de treinos e mais jogos nas pernas.
 
O treinador Eddie Cardoso disse em entrevista ao Blog do David que o Louletano tem a “ambição de fazer algo especial”.  Até onde pode chegar a equipa? É possível subir à II Liga? Chegar à Liga 3 é um objetivo mínimo?
Também acredito que podemos fazer algo de especial para o clube esta época. Agora falar onde queremos chegar, se é II Liga ou Liga 3 no mínimo... Na minha opinião seria prematuro pensarmos tão à frente neste momento. Acredito que neste momento no que nos temos de focar é em ganhar os três pontos em todos os jogos e entrar em campo assumindo essa responsabilidade, seja em que campo for e contra quem for. E as contas fazemos no final.
 
O que está a achar do Louletano enquanto clube?
Fiquei muito surpreendido quando cá cheguei, não estava à espera de tão boas condições, confesso. Este ano já não é uma surpresa. É engraçado ver os jogadores que chegam ficarem surpreendidos. O Louletano, como está, neste momento tem de estar no mínimo na II Liga, porque há clubes que estão lá com piores condições do que as que nós temos aqui.
 
Érico Castro leva 17 golos em 29 jogos pelo Louletano

O que está a achar dos métodos do mister Eddie Cardoso?
Estou a gostar, mas também está a ser uma tarefa muito difícil para o mister Eddie, que está a implementar as ideias dele, mas estes contratempos que a pandemia trouxe atrasa um pouco o processo de evolução da equipa. Mas é uma situação que todos nos estamos a tentar adaptar e sem dúvida que com mais treinos e mais jogos a equipa vai assimilar cada vez mais e melhor e vai tornar-se mais forte ainda.
 
Na época anterior o Louletano jogava preferencialmente em 3x4x3, esta temporada em 4x2x3x1. Em que sistema se tem sentido melhor servido? Sente-se cómodo sozinho na frente de ataque ou gostava de ter a companhia de outro avançado?
Sinto-me bem em qualquer sistema, com um avançado ou com dois é uma questão de adaptarmos aos colegas que temos ao nosso lado e darmos uma boa dinâmica ao ataque. Na minha formação joguei das duas formas e até como extremo direito, por isso não é nada de novo.
 
A Série H vai ganhando paulatinamente alguma forma em termos de classificação, com cerca de metade das equipas com ambições de chegar à II Liga ou à Liga 3 e outra metade aparentemente destinada a lutar pela permanência, dando a ideia de haver algum desequilíbrio. Que opinião tem sobre a série?
Na minha opinião o desequilíbrio sempre houve na Campeonato de Portugal e em todas as séries. Com este atual modelo com mais de 90 equipas, o desequilíbrio vai acentuar-se ainda mais em todas as séries. Mas acredito que essa foi uma das razões que levaram à implementação da Liga 3 para o ano. Aí sim, acredito que haverá um maior equilíbrio entre todas as equipas.
 
Na época passada o Érico apontou 14 golos, apesar da interrupção do Campeonato de Portugal devido à pandemia, e ficou a um remate certeiro do recorde pessoal alcançado pelo Aljustrelense em 2014-15. Acredita que esta é a melhor fase da sua carreira?
Não vejo esta como a melhor fase da minha carreira, porque só no final da carreira é que consegues saber qual foi a melhor fase. Mas vejo como uma continuidade de uma boa fase. Sinto-me bem, estou a jogar muitos minutos e a fazer golos. Acaba por ser essa a vida de um ponta de lança.
 

“Quando soubemos que estávamos infetados, foi um susto”

Érico esteve infetado com Covid-19 em agosto
Em agosto o Louletano foi notícia devido a um surto de Covid-19. Também foi infetado? Como viveu a situação?
Foi uma situação complicada, sobretudo porque era algo desconhecido para todos nós e todas as notícias que víamos na televisão acerca desta pandemia tornou a situação mais preocupante. Quando recebemos a notícia foi um susto, a primeira coisa em que pensámos foi nos nossos familiares e todas as pessoas com quem tivemos contacto e inevitavelmente pensámos nos piores sintomas que o Covid-19 acarreta. Mas felizmente não passou disso, um grande susto, fomos todos assintomáticos. Passámos o isolamento de uma forma relativamente tranquila, com o apoio do clube que não nos deixou faltar nada durante o período de isolamento.
 
Perante o seu desempenho individual na última época, teve convites de clubes das ligas profissionais? O que julga que lhe falta para dar esse salto?
Sim, falou-se de um ou outro clube das ligas profissionais, mas foram apenas conversações, não passou disso. Em relação à segunda questão, já pensei muito sobre isso e não encontro uma resposta lógica. Já vi jogadores a darem o salto com épocas mais fracas e não vingarem e pouco tempo depois voltarem para o Campeonato de Portugal. O que me leva a pensar que pode ser pelas pessoas que agenciam as carreiras, que foi algo que até hoje não tive muita sorte. Por isso tento manter-me focado no que tenho e no que posso controlar, que é dar o meu melhor todos os dias para quando a oportunidade chegar, vingar como tenho a certeza que consigo, hoje mais do que nunca. Mantenho-me focado em estar pronto para agarrar a oportunidade com unhas e dentes.
 

Seleção Angolana? Pensei que poderia ter uma oportunidade nas últimas convocatórias”

Embora tenha nascido em Lisboa, o Érico tem nacionalidade angolana. Numa altura em que o Girabola está parado e não há assim tantos avançados angolanos a marcar golos, esperava ter estado nas últimas convocatórias da seleção?
Confesso que acompanhei de forma muito atenta estas convocatórias e vi que foram convocados alguns jogadores do Campeonato de Portugal. Também vi que tiveram alguns casos de Covid-19 que obrigaram a algumas mudanças de última hora. Fiquei bastante atento porque pensei que poderia ter uma oportunidade de mostrar que consigo ser útil para a seleção nacional. Mas infelizmente não aconteceu. Portanto só me resta continuar a trabalhar, estar bem no meu clube e, se o selecionador chamar-me, mostrar que estou pronto e posso ser útil à seleção nacional.
 
Imagino que jogar pela seleção seja um sonho para o Érico… Alguma vez foi contactado?
Sem duvida que sim. É um sonho desde muito novo. Quando era mais novo lembro-me de a família juntar-se toda na sala para ver o meu tio Freddy a jogar pela seleção. Quando fui fazer de apanha-bolas no Estádio da Cidadela no treino da seleção ia com o meu pai para ver a seleção treinar e já naquela altura dizia que um dia iria estar ali.
Sim, já fui contactado para perceberem a minha situação a nível de documentação angolana. Poucas pessoas sabiam da minha dupla nacionalidade. Sei que acompanham o meu trabalho aqui em Portugal, a mim só me cabe trabalhar muito e bem no clube, estar bem no campeonato e esperar que a minha oportunidade chegue.
 


Inspiração no brasileiro Adriano

O Érico é um avançado possante, canhoto e com remate forte. É assim que se caracteriza como jogador? Tem algum futebolista da elite do futebol mundial em que se inspire?
Sim, é sempre mais fácil alguém dizer as nossas características do que nós próprios. Tenho um jogador que ainda hoje vejo vídeos dele, que é o Adriano, ponta de lança brasileiro que jogou no Inter, porque a nível de características acho que temos algumas semelhanças. Mas aprecio vários pontas de lança, principalmente aqueles que têm faro de golo. Para mim essa é a diferença entre um bom ponta de lança e um ponta de lança banal.
 
Onde nasceu e cresceu? Como foi a sua infância?
Nasci em Lisboa e o meu crescimento foi passado entre Luanda e Lisboa. Fui ver para Luanda aos três e tive uma infância tranquila, até que aos 14 anos apanhei malária. Assim que recuperei, como já tinha alguma família cá em Portugal, a minha mãe mandou-me para cá com receio de eu voltar a ficar doente. Vim viver definitivamente com o meu pai para Portugal e foi por volta dessa altura que comecei a jogar à bola. Desde então que só fui a Angola de férias.
 
Quais são as suas raízes em Angola?
Sou filho de pais angolanos. O meu pai é de Malanje a minha mãe é de Lobito. Vieram para cá mais ou menos na altura em que se deu a Guerra Civil. Conheceram-se cá em Portugal e acabei por nascer aqui.
 

“Tenho as melhores recordações e imensa estima pela União de Tires”

Érico Castro fez a formação na União de Tires
Começou a jogar futebol na União de Tires. Que memórias guarda desses tempos?
Sem dúvida que tenho as melhores recordações, foi onde comecei a jogar federado, que era o meu sonho quando saí de Angola. Fiz amizades que vou levar para a vida toda e é um clube pelo qual tenho imensa estima e muito orgulho em ter representado.
 
No segundo ano de sénior teve a possibilidade de jogar na II Divisão B ao serviço do Oeiras. Como correu essa experiência?
Foi depois de uma época em que subimos o Tires para a III Divisão. Surgiu essa oportunidade de jogar uma divisão acima e na altura achei muito aliciante o desafio e resolvi dar esse passo. Não correu muito bem em termos coletivos, pois acabámos por descer de divisão, mas para mim foi importante como uma fase de adaptação a um contexto competitivo mais exigente.
 
Em 2014-15 dividiu a época entre dois clubes. Começou sem muito sucesso no Fátima e depois explodiu em Aljustrel? O que justifica desempenhos tão díspares na mesma temporada ao serviço de diferentes equipas?
No Fátima foi quando fui a primeira vez para longe de casa, fora da minha zona de conforto e o clube atravessava uma fase em que tinha pouca estabilidade a nível de direção.
O Aljustrelense demonstrou grande vontade em contar comigo e fui para lá com a completa noção do desafio que tinha pela frente, que era jogar fora da minha zona de conforto. É um clube humilde, mas muito bem organizado. Não nos faltava nada, tínhamos um grande treinador [Francisco Agatão] e uma equipa boa, que apoiava muito os jogadores que vinham de fora. Aí tornou-se tudo mais fácil. Quando um jogador só tem de se preocupar em jogar fica tudo mais fácil.
 

“Preferi não continuar no Real SC e abandonar o sonho de jogar na II Liga

Érico festeja com treinador Filipe Martins a subida do Real à II Liga
Em 2016-17 viveu talvez o ponto alto na carreira ao conquistar o título do Campeonato de Portugal e contribuir para a subida do Real SC à II Liga. Que recordações dessa época e dos festejos no final? O que falhou para não continuar na equipa que haveria de disputar a II Liga?
Não diria o ponto mais alto da minha carreira, mas sim da minha vida, porque foi o ano em que fui pai. Foi uma enorme alegria dentro e fora de campo, as recordações dessa época são todas maravilhosas: a festa de subida, o jogo da final em que fiz dois golos que deram o título de campeão do Campeonato de Portugal e ter sido o melhor marcador esse ano. Foi uma época muito especial sem dúvida. Depois veio a parte menos boa, que foi a aposta do clube no ano seguinte em jogadores de fora, não nos jogadores que realizaram o feito histórico. Mas como lhe disse, nesse ano fui pai e aí tudo muda, a prioridade passa a ser o nosso filho, então não chegámos a acordo como alguns colegas chegaram e preferi não continuar no Real SC e abandonar o sonho de jogar na II Liga. Sinceramente, não me arrependo, porque muitos dos jogadores desse ano que lá ficaram mal jogaram e hoje em dia estão na Campeonato de Portugal e outros infelizmente já abandonaram o futebol.
 
Entretanto passou por Sintrense e Casa Pia e teve uma época praticamente em branco no Felgueiras, devido a uma grave lesão. Que balanço faz das passagens por estes clubes e o que sentiu quando teve tanto tempo afastado dos relvados?
Depois da época no Real SC veio o Sintrense, mas as coisas não correram bem, com constantes alterações de treinadores. A equipa sentia essa instabilidade e os resultados em campo não eram os melhores, então decidi mudar e surgiu a oportunidade de ir para o Casa Pia, que estava na luta para ir à fase se subida, mas infelizmente não conseguimos. A nível individual correu bem, fiz alguns golos, no final da época surgiu a oportunidade de ir para o Felgueiras, que era uma equipa com uma aposta muito forte na subida. Infelizmente tive essa lesão que me impediu de jogar quase toda a época. Voltei nos três últimos jogos e foi pena, porque gostava de ter mostrado àqueles adeptos o verdadeiro Érico, mas infelizmente não foi possível. São coisas que quem está no futebol está sujeito, por mais duro que seja. A minha vontade de estar bem, jogar, fazer golos e ajudar a equipa foi canalizada toda numa só direção: recuperar bem o mais rápido possível, sem pôr em risco o futuro.
 
 
Tem acompanhado o futebol angolano? Que opinião tem e quais são os atletas angolanos que mais admira?
Não acompanho muito o futebol angolano, mas acho que é um campeonato bastante duro. O atleta angolano que mais admiro é o Mateus, pela quantidade de jogos que já leva ao mais alto nível em Portugal.
 
Gostava de experimentar o Girabola?
Sim, gostava, há equipas muito boas, com muita qualidade.
 
Alguma vez se sentiu vítima de racismo? Que opinião tem sobre o recente episódio que envolveu o quarto árbitro no jogo da Liga dos Campeões entre o PSG e o Basaksehir?
Claro que sim. Sinceramente acho que o problema do racismo é muito mais grave do que o que se vê nos jogos de futebol, é uma questão sociocultural e enquanto a sociedade não for educada, que é o que desencadeia todas essas situações, haverá sempre aqui ou ali tristes episódios como esses que todos vimos. No que depender de nós temos que educar os mais novos para que o amanhã seja melhor e nunca deixar passar episódios como esse em branco, como se fosse normal.
 
 
Entrevista realizada por Romilson Teixeira

















Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...