sexta-feira, 26 de março de 2021

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Lourinhanense na II Divisão B

Lourinhanense competiu por sete vezes na II Divisão B
Fundado a 26 de março de 1926, o Sporting Clube Lourinhanense tem passado grande parte da sua existência nos campeonatos distritais, mas esteve ininterruptamente nos campeonatos nacionais entre 1990 e 2005 e entre 2012 e 2014, tendo participado por sete vezes na II Divisão B.
 
Numa altura em que era clube-satélite do Sporting, o emblema da região Oeste viveu o seu período desportivo mais áureo no final da década de 1990, quando deu cartas no terceiro escalão com algumas das mais valiosas promessas leoninas.
 
Sob a orientação de Jean Paul e com jovens internacionais portugueses como Nuno Santos, Márcio Santos, Patacas, Vasco Faísca, Caneira, Gabriel, Alhandra, Nuno Assis, Ivo Damas, Paulo Costa e Vargas, assim como com o chileno Viveros, a Loba alcançou um honroso 3.º lugar na II Divisão B – Zona Centro em 1998-99.
 
Em outros anos, fizeram parte do plantel jogadores que também viriam a atingir palcos de maior dimensão, como Carlos Fernandes, Marco Almeida, Torrão, Sabugo e especialmente Luís Boa Morte.
 
Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Lourinhanense na II Divisão B.
 
 

10. José Barros (60 jogos)

José Barros
Defesa central cabo-verdiano que surgiu na equipa principal do Lourinhanense em 1996-97, ajudou o emblema da região Oeste a alcançar o primeiro lugar na Série D da III Divisão na época de estreia.
Na temporada seguinte atuou em quatro jogos (três a titular) na II Divisão B, contribuindo para a obtenção do 5.º lugar no campeonato.
Em 1998-99 foi um dos esteios da equipa que concluiu a Zona Centro na 3.ª posição, tendo participado em 33 partidas (todas a titular).
Na temporada que se seguiu, a última na Lourinhã, foi utilizado em 23 encontros (todos a titular).
No verão de 2000 mudou-se para os madeirenses do Câmara de Lobos.
 
 

9. Hernâni (65 jogos)

Médio formado no Lourinhanense, ascendeu à equipa principal em 1996, tendo contribuído para o primeiro lugar na Série D da III Divisão e consequente subida à II Divisão B na época de estreia.
Já com o clube na II B foi ganhando paulatinamente o seu espaço. Em 1997-98 não foi além de seis jogos (dois a titular).
Na época que se seguiu atuou em 14 partidas, mas todas como suplente utilizado, tendo ainda marcado um golo ao Caldas que contribuiu para obtenção do 3.º lugar na Zona Centro.
Em 1999-00 marcou presença em 13 encontros (seis a titular) e na temporada seguinte conquistou definitivamente um lugar no onze, tendo disputado 32 jogos (31 a titular), mas foi impotente para evitar a despromoção.
Depois deixou de jogar futebol, quando tinha apenas 24 anos.
 
 

8. Passos (66 jogos)

Passos
Médio de características ofensivas natural de Torres Vedras, internacional sub-16 por Portugal e que jogou nos juniores do Sporting ao lado de Futre, Litos e Morato, passou por União da Madeira, Torreense e Peniche antes de reforçar o Lourinhanense no verão de 1994.
Na primeira época na Loba disputou 32 encontros (29 a titular) na II Divisão B e apontou cinco golos, diante de Alcains, Tondela, Sanjoanense, Oliveirense e Beneditense.
Já em 1995-96 atuou em 34 partidas (30 a titular) e faturou por quatro vezes no campeonato, frente a Cucujães, Oliveira do Hospital, Torreense e Mafra, não conseguindo evitar a descida à III Divisão.
Após a despromoção mudou-se para o Rio Maior.  
 
 

7. Viveros (69 jogos)

Viveros
Extremo internacional jovem pelo Chile, reforçou o Sporting após ter brilhado ao serviço da seleção sub-17 do seu país no Mundial da categoria em 1997, pouco tempo depois de ter festejado o 17.º aniversário.
A promessa sul-americana foi imediatamente ganhar rodagem para o Lourinhanense, embora ainda se tratasse de um júnior de primeiro ano, e logo na temporada de estreia teve um grande impacto na Loba, tendo apontado 12 golos em 27 partidas (25 a titular) na II Divisão B. Cucujães, Ovarense, Guarda (dois), O Elvas, Fanhões (dois), Sp. Covilhã (dois), Mangualde, Benfica Castelo Branco e Sanjoanense foram as vítimas de Viveros.
Em 1998-99 perdeu algum espaço, tendo participado em 21 jogos (17 a titular) e faturado por seis vezes, diante de Fanhões (dois), Guarda, Peniche, Caldas e Académico Viseu, contribuindo para a obtenção do histórico 3.º lugar.
Na temporada seguinte começou por jogar na equipa principal do Sporting e até foi titular em três jogos sob a orientação do italiano Giuseppe Materazzi. No entanto, perdeu espaço após a chegada de Augusto Inácio e foi novamente ganhar rodagem para a Lourinhã, tendo participado em 21 jogos (todos a titular) no campeonato e apontado três golos, frente a Oliveira do Bairro (dois) e Caldas.
Com um total de 21 golos, foi o segundo melhor marcador de sempre do Lourinhanense na II Divisão B, a apenas dois golos de Nuno Assis, que marcou presença em 59 partidas.
No verão de 2000 esteve cedido ao Alverca, mas a aventura no Ribatejo não lhe correu propriamente bem, tendo depois regressado ao Chile.
 
 

6. Chico Ramos (77 jogos)

Chico Ramos
Lateral direito que jogou com Futre, Litos e Morato nos juniores do Sporting, representou pela primeira vez pelo Lourinhanense entre 1984 e 1986, nos distritais da AF Lisboa, depois de ter iniciado o seu trajeto enquanto futebolista sénior no Benfica Castelo Branco.
Entretanto passou por Lixa e Moreirense, tendo voltado à Lourinhã no verão de 1993 para jogar na II Divisão B, patamar em que atuou em 20 partidas (13 a titular) e marcou um golo ao Feirense na época de regresso à Loba, contribuindo para um honroso 4.º lugar.
Em 1994-95 disputou 28 jogos (25 a titular) e apontou um golo ao vizinho Peniche, ajudando a formação da região Oeste a assegurar a permanência.
Na temporada que se seguiu foi utilizado em 29 encontros (26 a titular), mas foi impotente para evitar a descida à III Divisão, acontecimento com o qual encerrou a carreira.
Haveria de falecer em novembro de 2017, aos 52 anos.
 
 

5. Gabriel (79 jogos)

Gabriel
Médio formado no Sporting e que chegou ao Lourinhanense em 1996-97 no âmbito do protocolo com os leões, sagrou-se campeão da Série D da III Divisão na primeira época no Oeste.
Na temporada seguinte atuou em 23 jogos (20 a titular) na II Divisão B, marcou um golo ao Fanhões, outro ao Cucujães, e atuou duas vezes pela seleção nacional sub-20 e uma pela de sub-21.
Em 1998-99 disputou 30 partidas (26 a titular) e marcou um golo ao Vilafranquense, ajudando a Loba a alcançar um brilhante 3.º lugar.
Contudo, foi a temporada que se seguiu aquela em que Gabriel mais brilhou, com sete golos em 26 encontros (25 a titular). Guarda, Torreense, Oliveirense (dois), Caldas, Oliveira do Bairro e Recreio de Águeda foram as vítimas deste centrocampista que depois se transferiu para o Alverca.
 
 

4. Nilton (84 jogos)

Nilton Terroso
Médio nascido em França, mas que cresceu no Canadá (país pelo qual foi internacional jovem), entrou para a formação do Lourinhanense em 1995 e saltou para a equipa principal em 1997-98, quando ainda era júnior de segundo ano, tendo disputado 12 jogos (cinco a titular) no campeonato da II Divisão B – Zona Centro.
Na temporada que se seguiu atuou em 21 partidas (15 a titular), ajudando a Loba a alcançar um bastante honroso 3.º lugar. Em março de 1999 foi chamado à seleção principal do Canadá, mas não chegou a estrear-se.
Em 1999-00 ganhou influência, tendo sido utilizado em 28 encontros (17 a titular) e apontado três golos, diante de Sanjoanense, Torreense e Águias de Camarate, o que lhe valeu uma chamada a um estágio de preparação da seleção portuguesa de sub-20 em dezembro de 1999.
Na época seguinte disputou 23 jogos (17 a titular) e somou dois remates certeiros, frente a Fátima e União de Coimbra, ainda assim insuficientes para evitar a despromoção. Ainda assim, em julho de 2001 foi convocado pela seleção canadiana de sub-23 para competir nos Jogos da Francofonia.
Após a descida de divisão mudou-se para o Riachense, tendo regressado à Lourinhã em 2004-05 para jogar na III Divisão, não conseguindo livrar o emblema da região Oeste de uma queda para os distritais da AF Lisboa.
 
 

3. Chiquinho (98 jogos)

Médio esquerdo natural da Ericeira, concelho de Mafra, despontou no Ericeirense e passou pelo Torreense e pelo Nacional antes de reforçar o Lourinhanense no verão de 1993.
Com impacto imediato na equipa, até porque vinha com ritmo de II Liga, disputou 33 jogos (31 a titular) na época de estreia, contribuindo para a obtenção de um honroso 4.º lugar.
Em 1994-95 manteve o estatuto, tendo atuado em 32 encontros (todos a titular) e marcado um golo ao Tondela, ajudando a assegurar a permanência.
Na temporada que se seguiu foi utilizado em 33 partidas (sempre a titular) e somou dois remates certeiros, frente a Naval e Fanhões, ainda assim insuficientes para evitar a despromoção.
Após a descida de divisão transferiu-se para o Santa Clara.
 
 

2. Miguel Gama (104 jogos)

Miguel Gama
Defesa central natural de Almada, internacional jovem português e que começou a jogar nas camadas jovens do Cova da Piedade, transitou para a formação do Sporting em juvenil e chegou a ser convocado por Carlos Queiroz para a equipa principal em 1994-95, mas acabou por não conseguir estrear-se.
Na época seguinte tornou-se num dos primeiros jogadores a beneficiar do protocolo entre os leões e o Lourinhanense, tendo disputado 18 jogos (14 a titular) e marcado um golo ao Fanhões na II Divisão B com a camisola da Loba, não conseguindo evitar a despromoção.
Em 1996-97 sagrou-se campeão da Série D da III Divisão e alcançou a consequente subida à II B, patamar em que na temporada que se seguiu atuou em 30 partidas (sempre a titular) e somou três remates certeiros, frente a Sp. Covilhã, Alcains e Torres Novas. Fruto da boa campanha, foi chamado à seleção nacional de sub-20 em fevereiro de 1998.
Em 1998-99 foi utilizado em 21 encontros (20 a titular) e marcou um golo ao Académico Viseu, contribuindo para a obtenção de um honroso 3.º lugar no campeonato da Zona Centro. Pelo meio, em outubro de 1998, representou a seleção nacional de sub-21 numa partida frente à Eslováquia, a contar para a fase de qualificação para o Campeonato da Europa da categoria.
Na temporada seguinte o Lourinhanense não foi além da 9.ª posição, mas Miguel Gama revelou uma surpreendente veia goleadora, tendo faturado por dez vezes em 35 jogos (todos a titular), ainda que sete golos tinham sido na conversão de grandes penalidades. Guarda, Torreense, Ovarense, Académico Viseu, Águias de Camarate, Beneditense, Marinhense, Cucujães, Oliveirense e Caldas foram as vítimas do defesa.
Valorizado pela boa campanha, deu o salto para o Freamunde, então na II Liga, no verão de 2000. Entretanto passou por Sporting B, Amora, Fátima e Barreirense, tendo regressado à formação da região Oeste em 2007 para jogar dois anos nos campeonatos distritais da AF Lisboa.
Após pendurar as botas, fixou-se na Lourinhã, onde em julho de 2000 nasceu o filho David Gama, que presentemente integra o plantel principal do Lourinhanense.
 
 

1. Esteves (104 jogos)

Esteves
Disputou o mesmo número de jogos que Miguel Gama, mas amealhou mais 225 minutos em campo – 9103 contra 8878.
Defesa central canhoto e de baixa estatura para a sua posição (1,78 m) natural de Torres Vedras e formado no Torreense, reforçou o Lourinhanense quando ascendeu a sénior, em 1993-94. Nessa época disputou 26 jogos (25 a titular), contribuindo para a obtenção de um honroso 4.º lugar no campeonato da II Divisão B – Zona Centro.
Na temporada seguinte manteve o estatuto, tendo atuado em 28 encontros, todos na condição de titular.
Em 1995-96 participou em 31 partidas (30 a titular) e marcou ao Caldas e ao Peniche, mas não evitou a descida de divisão.
Na época que se seguiu sagrou-se campeão da Série D da III Divisão e assegurou o regresso à II Divisão B, patamar em que disputou 18 jogos (17 a titular) em 1997-98.
Na sexta e última temporada na Loba, em 1998-99, alinhou em apenas um encontro no campeonato, dando um pequeno contributo para a obtenção do histórico 3.º lugar na Zona Centro.
No verão de 1999 regressou ao Torreense.







Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...