domingo, 24 de maio de 2020

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Mafra na II Liga

Os dez futebolistas com mais encontros pelo Mafra na II Liga
Fundado a 24 de maio de 1965 por impulso dos mafrenses Artur Vicente da Silva e o Manuel Joaquim Alves Lopes Coelho, que no ano anterior se interrogaram sobre a não existência na sede do concelho de um clube onde se praticasse desporto, principalmente o futebol, o Clube Desportivo de Mafra tem vivido nos últimos anos os momentos altos da sua história, com a participação na II Liga.


Após ter passado praticamente as primeiras três décadas de existência nos campeonatos distritais, o emblema da zona saloia competiu pela primeira vez na III Divisão em 1992-93, chegando à II Divisão B três épocas depois. Voltou a cair nos distritais, mas levantou-se e foi alimentando o sonho de chegar às ligas profissionais.

Esse objetivo esteve perto de ser alcançado em 2002-03, 2004-05, 2010-11 e 2012-13, quando o Mafra terminou em 2.º lugar na sua série. Porém, foi preciso esperar até 2014-15 para deixar de ver a bola bater na trave, conciliando a promoção à II Liga com o título de campeão do Campeonato Nacional de Seniores.

A primeira época no segundo escalão ficou marcada pela descida de divisão, mas os mafrenses reergueram-se e voltaram a subir em 2017-18, mais uma vez coroando a promoção com o título de campeão. Após a permanência em 2018-19, estavam a ser a equipa sensação do campeonato que recentemente foi dado como terminado, uma vez que ocupavam o quarto lugar e primavam por um futebol vistoso.

Em três temporadas de II Liga, 62 futebolistas jogaram pelo Mafra no segundo escalão. Vale por isso a pena recordar os dez que o fizeram por mais vezes.


10. Cuca (41 jogos)

Cuca
Médio luso-cabo-verdiano de características defensivas, foi formado e despontou no Oeiras, passou por 1º Dezembro, pelos cipriotas do Omonia Aradippou e pelo Felgueiras, mas tem sido no Mafra que se tem afirmado desde o verão de 2018.
Na primeira época no clube, que também foi a de Cuca na II Liga, disputou 29 jogos, todos na condição de titular. Na temporada que recentemente foi dada como terminada estava a ser bastante influente na construção de jogo da equipa de Vasco Seabra, mas sofreu uma lesão no início de dezembro e não voltou a jogar, encerrando a época com 12 encontros no campeonato, contribuindo para o honroso quarto lugar e também para a caminhada até aos oitavos de final da Taça de Portugal.


9. Alisson (42 jogos)

Alisson Patrício
Extremo brasileiro de elevada estatura (1,89 m), esteve nas duas promoções do Mafra à II Liga, em 2015 e 2018. Depois de ter chegado ao futebol português pela porta do Olivais e Moscavide, mudou-se para o Mafra no verão de 2009 e por lá ficou durante uma década – a exceção foi a época 2011-12, passada ao serviço do Al-Mesaimeer, do Qatar.
Esteve por isso, na campanha em que os mafrenses viram a subida à II Liga escapar por um triz para o Farense em 2012-13, mas dois anos depois foi decisivo na promoção ao segundo escalão, marcando o golo que deu a subida divisão na última jornada, frente ao Louletano.
Em estreia nas ligas profissionais em 2015-16, disputou 38 jogos (28 a titular) e marcou cinco golos, a Oriental, Oliveirense, Desp. Aves, Olhanense e Varzim, mas não conseguiu evitar a despromoção.
Porém, continuou no clube e voltou a estar ligado a uma subida à II Liga em 2017-18, porém, não foi além de quatro jogos como suplente utilizado no regresso ao segundo escalão.
Deixou o emblema da zona saloia no verão do ano passado para reforçar o Amora, mas em fevereiro voltou ao concelho de Mafra para representar o Malveira.



8. Leo Tomé (42 jogos)

Leo Tomé
Disputou 42 jogos tal como Alisson, mas esteve em campo durante mais 551 minutos – 3242 contra 2691. Médio baixa estatura (1,70 m) e características ofensivas, canhoto e sempre em alta rotação, nasceu em São Paulo, mas foi viver para o Algarve em tenra idade. Depois de representar vários clubes algarvios como Farense, Ferreiras, Almancilense, Campinense e Louletano, surgiu em Mafra no verão de 2012.
Logo na época de estreia esteve perto de contribuir para a subida dos mafrenses à II Liga, mas teve de esperar mais dois anos para o conseguir. Na estreia no segundo escalão foi bastante utilizado, tendo participado em 42 (37 a titular) das 46 jornadas do campeonato, tendo marcado três golos, frente a Feirense, Benfica B e Sp. Braga B, mas insuficientes para evitar a despromoção.
Após a descida regressou ao Farense, clube que ajudou a promover à II Liga em 2018. Entretanto passou por Loures e Amora, mas desde janeiro que está ligado ao Sintrense.  


7. André Teixeira (43 jogos)

André Teixeira
Lateral direito com carimbo das seleções jovens, esteve nos Europeus de sub-17 em 2010 e de sub-19 em 2012, ao lado de jogadores como Ricardo Esgaio, João Mário, Ivan Cavaleiro, Tiago Ilori, André Gomes, João Cancelo e Bruma, entre outros.
Após concluir a formação no FC Porto, foi dispensado e rumou ao Belenenses, clube que o cedeu a Leixões, Trofense e ao Mafra, em 2015-16, na época de estreia do clube da zona saloia na II Liga. Titular indiscutível, cumpriu 43 jogos (todos a titular) em 46 possíveis, tendo sido imprescindível para os treinadores Jorge Neves e Jorge Paixão. Nessa campanha marcou um golo, ao Vitória de Guimarães B, insuficiente para evitar a despromoção.
Após a despromoção mudou-se a título definitivo para o Leixões e desde 2017 que está vinculado aos cipriotas do AEL Limassol.


6. Flávio Silva (47 jogos)

Flávio Silva
Outro internacional português pelas camadas jovens, que passou pela formação de Sporting e Benfica. Avançado móvel nascido em Bissau, reforçou o Mafra no verão de 2018, depois de já ter adquirido alguma experiência na II Liga ao serviço da equipa B das águias e do União da Madeira.
Preferencialmente utilizado a partir do banco, disputou 31 jogos (nove a titular) e marcou três golos no campeonato, frente a Estoril, Arouca e Penafiel, durante a época 2018-19. Na temporada que recentemente terminou manteve o estatuto de arma secreta, tendo disputado 16 partidas, todas na condição de suplente utilizado, e apontado três golos, frente a Académica, Feirense e Oliveirense.



5. Juary (49 jogos)

Juary Soares
Defesa central com selo da formação do Sporting e da seleção da Guiné-Bissau, reforçou o Mafra no verão de 2016, depois da despromoção ao Campeonato de Portugal, para ajudar o emblema da zona saloia a voltar à II Liga.
Na primeira época esteve ausente durante algum tempo no final de 2016 e no início de 2017 para preparar e disputar o CAN 2017, mas na época seguinte esteve a tempo inteiro às ordens de Luís Freire para contribuir para a promoção ao segundo escalão, tendo inclusivamente marcado o golo que deu o título de campeão à equipa.
Desde o regresso dos mafrenses à II Liga que tem sido um titular indiscutível, mostrando capacidade para sair a jogar apesar de algumas dificuldades na marcação. Em 2018-19 disputou 29 jogos (28 a titular), tendo participado no CAN 2019 no final da temporada, e na época que recentemente terminou esteve em 20 encontros e contribuiu não só para o quarto lugar no campeonato como para a caminhada até aos oitavos de final da Taça de Portugal.



4. Zé Tiago (55 jogos)

Zé Tiago



3. Rúben Freitas (55 jogos)

Rúben Freitas
Disputou 55 jogos tal como Zé Tiago, mas esteve em campo durante mais 227 minutos – 4712 contra 4485. Lateral direito com carimbo da formação de Sporting e Sp. Braga, chegou a Mafra no arranque da época de regresso do clube à II Liga, em 2018-19, depois de passagens por Salgueiros, Chipre, Gibraltar e Vilafranquense.
Nessa temporada participou em 31 das 34 partidas do campeonato, 28 na condição de titular, e marcou um golo Académico Viseu, ajudando a assegurar a permanência.
Na época que agora terminou voltou a evidenciar-se, disputando 24 jogos em outros tantos possíveis, sempre no onze inicial, contribuindo com dois golos, a Sp. Covilhã e Oliveirense, para a obtenção do honroso quarto lugar – paralelamente, ajudou os mafrenses a chegarem aos oitavos de final da Taça de Portugal. “Num campeonato tão competitivo, não imaginávamos estar tão bem classificados, mas pela qualidade de jogo sabíamos que os resultados iam aparecer naturalmente”, disse ao jornal A Bola no final de março.


2. Joel Ferreira (61 jogos)

Joel Ferreira
Lateral esquerdo formado no FC Porto, foi companheiro de equipa de jogadores como Sérgio Oliveira, Gonçalo Paciência e Fábio Martins no futebol juvenil. Ao Mafra chegou pela primeira vez no verão de 2015, reforçando uma equipa então em estreia na II Liga, depois de quatro anos de experiência no Campeonato de Portugal com a camisola do Gondomar.
Titularíssimo em 2015-16, disputou 37 jogos no campeonato (16 como titular) e deu o salto para o Estoril no final da temporada, apesar de os mafrenses terem sido despromovidos.
Após dois anos ao serviço dos estorilistas na I Liga e de uma passagem pela Académica no segundo escalão, regressou ao Mafra para mais uma vez se assumir como titular indiscutível, tendo disputado as 24 jornadas da II Liga e marcado cinco golos, frente a Cova da Piedade, Desp. Chaves, Sp. Covilhã, Moreirense e Estoril. “Nunca tinha feito tantos golos, mas isso deve-se ao facto de no modelo de jogo do mister Vasco Seabra os laterais serem bastante colaborantes no processo ofensivo”, explicou ao Record.
“O Mafra é um clube com o qual me identifico e que me permite agora integrar um grupo em que a qualidade do futebol que praticamos é reconhecida por todos”, afirmou.



1. João Godinho (63 jogos)

João Godinho
Guarda-redes formado no Benfica ao lado de jogadores como João Pereira, Fernando Alexandre, Hélio Pinto, Hélio Roque, Amoreirinha e Rúben Amorim, chegou ao Mafra no verão de 2012, já com uma vasta experiência nos campeonatos nacionais ao serviço de Benfica B, Vilafranquense, Torreense, Oriental, O Elvas, Odivelas e Carregado.
Logo na época de estreia esteve perto da promoção à II Liga, mas o Farense conseguiu a subida de divisão de forma tangencial. O sonho ficou adiado por apenas dois anos, quando o emblema da zona saloia se sagrou vencedor do Campeonato de Portugal, porém, João Godinho viveu essa temporada na sombra de Filipe Leão.
Na época seguinte, já na II Liga, patamar em que este guardião se estreou aos 30 anos, voltou a estar tapado, não só por Filipe Leão, mas também por Mory Diaw. Ainda assim, disputou oito jogos e sofreu outros tantos golos no segundo escalão.
Apesar da despromoção ao Campeonato de Portugal, João Godinho reconquistou o seu espaço, apesar da concorrência de André Caio, e em 2017-18 foi pedra basilar para nova subida à II Liga e mais um título de campeão do Campeonato de Portugal.
Daí para cá, duas temporadas como titular do Mafra no segundo escalão, tendo disputado 55 jogos e sofrido 62 golos neste período. Aos 35 anos, é capitão de equipa e vai mostrando que nunca é tarde para sonhar, tendo defendido duas grandes penalidades na receção ao Vilafranquense em janeiro deste ano. “Agora sim, já posso acabar a carreira”, afirmou a seguir ao jogo. Também em janeiro, recebeu o prémio de melhor jogador do mês da II Liga.












Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...