sábado, 13 de março de 2021

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Vianense na II Divisão B

Vianense participou por nove vezes na II Divisão B
Fundado a 13 de março de 1898 no Teatro Sá de Miranda, o Sport Clube Vianense autointitula-se o clube de futebol “ininterruptamente” mais antigo de Portugal e, embora nunca tenha atingido a I Divisão, passou quase toda a sua existência nos patamares nacionais.
 
Criado para as elites, mas socialmente transversal, o emblema de Viana do Castelo conseguiu o único nacional da sua história em 1998-99, quando se sagrou campeão da III Divisão.
 
Após 36 presenças na II Divisão, 39 na III e 9 na II B, o clube do Alto Minho está presentemente a disputar pela quarta vez o Campeonato de Portugal, ficando uma vez mais integrado na Série A, a mais a norte.
 
Paralelamente, o clube tem sido um autêntico viveiro de craques como Chico Silva, Rogério, Tiago, Cabral, Sérgio Lomba, Mário Felgueiras, Nélson Lenho e mais recentemente Trincão e Pedro Neto.
 
Vale por isso a pena recordar os dez futebolistas com mais jogos pelo Vianense na II Divisão B.
 
 

10. René (65 jogos)

René
Médio brasileiro que no seu país chegou a passar pelo Palmeiras, entrou no futebol português em 1988 para representar o Vasco da Gama de Sines, tendo ainda passado por Juventude Évora, Sp. Covilhã e Limianos antes de reforçar o Vianense em fevereiro de 1995.
Com impacto imediato na equipa, foi titular nos 13 jogos que disputou, marcou um golo ao Varzim e ajudou a formação minhota a saltar do 16.º ao 9.º lugar na fase final da época 1994-95.
Na temporada seguinte atuou em 31 partidas (29 a titular) e apontou dois golos, diante de Vila Real e Infesta, ajudando o conjunto de Viana do Castelo a obter novamente o 9.º lugar na Zona Norte da II Divisão B.
Já em 1996-97 foi utilizado em 21 encontros (20 a titular) e faturou por quatro vezes, frente a Famalicão, Freamunde, Vila Real e Fafe, ajudando o Vianense a assegurar a permanência.
No verão de 1997 transferiu-se para o Ronfe.
 
 

9. Manuel José (68 jogos)

Manuel José
Defesa que passou pela formação do Sp. Braga, jogou em clubes como Esporões, Merelinense e Limianos antes de reforçar o Vianense no verão de 1995.
Titularíssimo na linha defensiva da turma de Viana do Castelo, disputou 33 jogos (sempre a titular) e marcou um golo ao Maia na primeira época, ajudando a equipa a obter um tranquilo 9.º lugar.
Na temporada seguinte foi utilizado em 31 encontros (todos como titular) e faturou por três vezes, diante de Lusitânia Lourosa, Montalegre e Leixões, contribuindo para que fosse alcançada a permanência.
Já em 1997-98 participou apenas nas primeiras três jornadas (toda a titular) e marcou um golo ao Esposende, não conseguindo evitar a despromoção.
Após a descida de divisão manteve-se no clube, integrou o plantel que em 1998-99 se sagrou campeão nacional da III Divisão e na época que se seguiu disputou um jogo na II Divisão B, não evitando nova despromoção.
Após pendurar as botas viveu algumas experiências como adjunto de Rogério Gonçalves, treinador que o orientou em Viana do Castelo.
 
 

8. Israel (70 jogos)

Israel
Um filho de Viana do Castelo e um produto da formação do Vianense – jogou ao lado de Tiago até aos iniciados –, que esteve 23 anos (não consecutivos) ao serviço do clube, desde os infantis às funções de team manager dos seniores, categoria que capitaneou durante várias épocas.
Este médio defensivo tinha apenas 17 anos e era ainda júnior de primeiro ano quando se estreou pela equipa principal, em 1997-98, tendo atuado em quatro jogos (três a titular) na II Divisão B.
Dois anos depois, como sénior de primeiro ano, disputou duas partidas (ambas como suplente utilizado) no terceiro escalão do futebol português.
Entretanto passou pelo Neves, mas em 2001-02 voltou para recolocar o Vianense na II B, patamar em que na época seguinte participou em 21 encontros (19 a titular), não evitando a descida à II Divisão.
Em 2005 rumou ao Cerveira, mas dois anos depois regressou a Viana do Castelo para contribuir para nova subida à II Divisão B, competição em que amealhou mais 43 jogos (19 a titular) e um golo ao Tirsense entre 2008 e 2010, mostrando-se impotente para evitar nova descida à III Divisão em 2010.
Israel haveria de permanecer no clube até 2013, despedindo-se com a subida ao Campeonato de Portugal, passando por Valenciano e Ponte da Barca antes de um último regresso a casa para representar o Vianense entre 2006 e 2018.
No verão de 2018 pendurou as botas e tornou-se team manager da equipa principal.
 
 
 

7. Sérgio Lomba (70 jogos)

Sérgio Lomba
Disputou o mesmo número de jogos de Israel, mas amealhou mais 696 minutos em campo – 6116 contra 5450.
O jogador desta lista que atingiu maior notoriedade, um defesa central nascido em Moçambique, mas radicado no Minho desde tenra idade, que fez praticamente toda a carreira no norte de Portugal.
Após ter dado nas vistas nas camadas jovens do Vianense no final da década de 1980 foi para o Vitória de Guimarães concluir a formação. No entanto, não encontrou espaço na equipa principal dos vimaranenses e por isso voltou a Viana do Castelo em 1993-94, na altura para contribuir para a subida à II Divisão B, já depois de ter passado pelo Vila Real.
Entretanto passou pelo Freamunde, mas voltou a casa no verão de 1995 para assinar duas épocas de grande qualidade na II B, nas quais totalizou 59 encontros (58 a titular) e apontou quatro golos, diante de Lusitânia Lourosa e Leixões em 1996-97 e frente a Vizela e Leixões na temporada seguinte.
Valorizado, deu em 1997 o salto para o Gil Vicente, clube pelo qual se haveria de estrear na I Liga, patamar competitivo em que também representou Moreirense e Penafiel.
Após uma passagem de três pelo futebol espanhol voltou ao Vianense em janeiro de 2009, aos 35, para disputar onze jogos na II Divisão B, ajudando o conjunto minhoto a assegurar a permanência.
Depois regressou a Espanha, antes de encerrar a carreira no Valenciano.
Em 2013 voltou ao Vianense como treinador nas camadas jovens.
 
 

6. Rui Miguel (74 jogos)

Rui Miguel
Extremo formado no Rio Ave ao lado de Paulinho Santos, chegou a jogar pela equipa principal dos vila-condenses, mas não encontrou o seu espaço e por isso prosseguiu a carreira nas ligas não profissionais, tendo passado por Maia e Castêlo da Maia antes de ingressar no Vianense no verão de 1996.
Na primeira época em Viana do Castelo atuou em 16 partidas (15 a titular) e apontou dois golos, diante de Lusitânia Lourosa e Lamego, ajudando os minhotos a assegurar a permanência.
Já em 1997-98 foi utilizado em 28 encontros (16 a titular), mas foi impotente para evitar a descida à III Divisão, competição da qual se sagrou campeão nacional na temporada seguinte.
No regresso à II Divisão B, em 1999-00, disputou 30 jogos (26 a titular) e faturou por quatro vezes, frente a Marco, Lusitânia Lourosa, FC Porto B e Caçadores das Taipas, mas voltou a não conseguir evitar a despromoção.
Após nova descida de divisão mudou-se para o Canelas, tendo regressado ao Vianense em 2003-04 para jogar na III Divisão.
 
 

5. César (77 jogos)

César
Lateral esquerdo nascido em Paris, apareceu na equipa principal do Vianense perto de comemorar o 25.º aniversário, em 1993-94, tendo nessa época ajudado o clube a subir à II Divisão B.
Entretanto mudou-se para o Freamunde na companhia de Sérgio Lomba, Paulo Fernando e Couto, mas regressou a Viana do Castelo no verão de 1995 para jogar três temporadas consecutivas na II Divisão B, nas quais acumulou um total de 66 jogos (56 a titular).
Depois de ter ajudado a assegurar a permanência nas duas primeiras épocas, foi impotente para evitar a despromoção em 1997-98. No entanto, redimiu-se ao integrar a equipa que se sagrou campeã nacional da III Divisão na temporada que se seguiu.
Em 1999-00 representou o Juventude Évora, mas logo a seguir voltou ao emblema do Alto Minho para jogar na III Divisão, tendo contribuído em 2001-02 para a subida à II Divisão B, patamar em que disputou onze jogos (dez a titular) na época seguinte, não evitando a despromoção.
No verão de 2003 transferiu-se para o Santa Maria e dois anos depois terminou a carreira no Melgacense.
Após pendurar as botas voltou ao Vianense para jogar pelos veteranos, treinar as camadas jovens e assumir a função de treinador adjunto na equipa principal.
 
 

4. Zé Pedro (78 jogos)

Defesa central/médio defensivo formado no Sp. Braga ao lado de Quim, Hugo e Castanheira, não encontrou espaço na equipa principal dos bracarenses e por isso foi ganhar rodagem para as divisões não profissionais, tendo regressado ao Vianense no verão de 1997.
Na primeira época em Viana do Castelo disputou 25 jogos (24 a titular) e apontou dois golos, frente a Marco e Vila Real, insuficientes para evitar a despromoção.
No entanto, redimiu-se em 1998-99 ao sagrar-se campeão nacional da III Divisão e alcançar a consequente promoção à II Divisão B, patamar em que na época seguinte atuou em 29 partidas (27 a titular) e faturou por três vezes, diante de Trofense, Sandinenses e Lixa, não conseguindo evitar nova descida à III Divisão.
Em 2000-01 representou o Valecambrense, mas na temporada que se seguiu voltou ao emblema do Alto Minho para contribuir para mais uma promoção à II B, patamar em que disputou 24 jogos (20 a titular) e marcou um golo aos Caçadores das Taipas, insuficiente para evitar nova descida de divisão.
No verão de 2003, após a despromoção, transferiu-se para o Vilaverdense.
 
 

3. Marco Alexandre (88 jogos)

Marco Alexandre
Médio ofensivo natural de Viana do Castelo e formado no Vianense, estreou-se na equipa principal aos 18 anos, em novembro de 1995, tendo participado em três jogos (um a titular) na II Divisão B nessa época.
Na temporada seguinte atuou em dez partidas (duas a titular), transferindo-se no verão de 1997 para o Neves.
Entretanto passou pelo Monção e pelo Sp. Braga B, tendo regressado a Viana do Castelo no início de 2001. Um ano e meio depois ajudou o emblema minhoto a subir à II Divisão B, patamar em que disputou 32 encontros (29 a titular) e apontou cinco golos, frente a Sp. Braga B, Infesta, Dragões Sandinenses, Vila Real e Freamunde, insuficientes para evitar a despromoção.
No verão de 2003 voltou ao Monção, mas três anos depois regressou ao Vianense, ajudando o clube novamente a subir à II Divisão B, competição em que totalizou 43 jogos (36 a titular) e apontou três golos, diante de Gondomar, Valdevez e Vieira, não conseguindo evitar a despromoção à III Divisão em 2010.
Após a descida de divisão transferiu-se para o Ponte da Barca.
 
 

2. Gomes (96 jogos)

Gomes
Defesa central natural de Arcos de Valdevez, entrou na formação do Vianense em 1988 e deixou a equipa principal 24 anos depois, ainda que pelo meio tenha tido curtas passagens por Chafé, Limianos e Cerveira.
Em 1996-97 disputou um jogo (como suplente utilizado) na II Divisão B, tendo na época seguinte atuou em 25 partidas (17 a titular) na competição, não evitando a despromoção.
Em 1998-99 sagrou-se campeão nacional da III Divisão e na temporada que se seguiu disputou 21 jogos (19 a titular) na II B, voltando a descer de divisão.
Depois de um ano no Limianos, voltou ao Estádio Dr. José de Matos no verão de 2001 para recolocar o emblema de Viana do Castelo na II B, patamar em que atuou em 35 encontros (todos como titular) em 2002-03, mostrando-se novamente impotente para evitar a despromoção.
Entre 2005 e 2007 vestiu a camisola do Cerveira, mas depois voltou ao Vianense para alcançar a terceira promoção no clube e cumprir mais um total de 14 jogos (oito a titular) na II Divisão B entre 2008 e 2009, voltando depois a descer à III Divisão.
Em 2012 despediu-se da equipa da capital do Alto Minho e transferiu-se para o Valenciano.
 
 

1. Niso (97 jogos)

Niso
Médio natural da Correlhã, concelho de Ponte de Lima, passou pelas camadas jovens de FC Porto e Vitória de Guimarães, mas quando subiu a sénior jogou dois anos no Limianos antes de ingressar no Vianense no verão de 1995.
Na primeira época no clube disputou 31 jogos (26 a titular) e apontou três golos, frente a Marco, Santa Maria e Limianos, contribuindo para a obtenção de um honroso 9.º lugar.
Em 1996-97 participou em 31 encontros (23 a titular) e faturou por duas vezes, diante de Esposende e Montalegre, ajudando a formação de Viana do Castelo a assegurar a permanência.
Na terceira e derradeira temporada no emblema minhoto atuou em 35 partidas (todos a titular) e somou seis remates certeiros, diante de Gondomar, Valenciano (dois), Vila Real e Guarda (dois), mostrando-se impotente para evitar a despromoção.
Após a descida à III Divisão transferiu-se para os Caçadores das Taipas.



 





Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...