segunda-feira, 25 de maio de 2020

Os 10 jogadores com mais jogos pelo Marco na II Liga

Os dez jogadores com mais jogos pelo FC Marco na II Liga
Fundado a 25 de maio de 1927, o Futebol Clube do Marco viveu o seu período áureo já no século XXI, quando participou por cinco vezes na II Liga.

Após viver mergulhado nos distritais da AF Porto até ao início da década de 1980 – entre 1941 e 1944 chegou mesmo a estar inativo -, o emblema de Marco de Canaveses tornou-se presença regular nos campeonatos nacionais, primeiro na III Divisão, depois na II Divisão B.


Com um crescimento impulsionado por Avelino Ferreira Torres, empresário, autarca e presidente do clube, o emblema canavês ascendeu pela primeira vez ao segundo escalão em 2000. Na época seguinte o Marco alcançou a permanência dentro de campo, mas foi despromovido na secretaria por ter atrasado a partida da última jornada, com o Rio Ave, alegadamente devido ao desaparecimento das chaves do autocarro. Porém, voltou a subir logo a seguir, em 2002, mantendo-se na II Liga por mais quatro épocas, tendo alcançado o 4.º lugar em 2004-05.

Em 2006 viria a descer à II Divisão B e um ano depois foi obrigado a encerrar a atividade, ressurgindo em 2009 como Associação Desportiva de Marco de Canaveses 09, mas ainda sem conseguir sair dos distritais da AF Porto.

Em cinco temporadas de II Liga, 112 futebolistas jogaram pelo Marco no segundo escalão. Vale por isso a pena recordar os dez que o fizeram por mais vezes.


10. Sérgio Luís (50 jogos)

Sérgio Luís
Médio defensivo brasileiro, mas com quase toda a carreira feita em Portugal, trocou o Sport Recife pelo Felgueiras no verão de 1993, iniciando aí um percurso de uma década e meia no futebol luso.
Depois de passagens por Torreense, novamente Felgueiras, Lixa, Guarda e Atlético, reforçou o Marco no arranque da época 2000-01, assumindo de imediato um papel importante na equipa, tendo disputado 27 jogos (24 a titular) e marcado dois golos, a Leça e Sp. Espinho.
Após a descida administrativa continuou no clube e foi campeão da II Divisão B – Zona Norte na temporada seguinte. Em 2002-03 voltou a ser maioritariamente titular, tendo participado em 22 encontros (19 a titular) e apontado dois golos, frente a Naval e Ovarense.
Em 2003 deixou o clube, mas continuou no futebol português, vestindo as camisolas de clubes como Paredes, Atlético, Juventude Évora, Valpaços e Portel.


9. Emerson (50 jogos)

Emerson Figueiredo
Disputou 50 jogos tal como Sérgio Luís, mas esteve em campo durante mais 880 minutos – 4384 contra 3504. Central brasileiro e canhoto que jogou no Fluminense, atuou pelo Salgueiros na I Liga e pelo Estrela da Amadora na II Liga antes de reforçar o Marco no verão de 2003.
Em duas temporadas em Marco de Canaveses, foi sempre uma das pedras basilares da equipa. Em 2003-04 disputou 26 jogos (todos a titular) e marcou dois golos, a Vitória de Setúbal e Naval, contribuindo ainda para a caminhada até aos oitavos de final da Taça de Portugal.
Na época seguinte, com Jorge Regadas no comando técnico, participou em 24 encontros (23 a titular) e voltou a apontar dois golos, a Ovarense e Sp. Espinho, contribuindo para a obtenção de um honroso quarto lugar.
Depois prosseguiu a carreira em Portugal ao serviço de Paços de Ferreira, Santa Clara e União da Madeira.
Atualmente vive no Porto e é empresário de futebolistas.


8. Bruno Ferraz (53 jogos)

Bruno Ferraz
Central de elevada estatura (1,88 m) formado e revelado pelo Penafiel, chegou à I Liga pelo Nacional e ainda passou pela Naval antes de reforçar o Marco no verão de 2004.
Logo na primeira época no clube formou uma dupla sólida com Emerson, tendo disputado 25 jogos (24 a titular) e marcado dois golos, a Portimonense e Feirense, contribuindo para a obtenção do quarto lugar, a melhor classificação de sempre da história do clube. Na época seguinte perdeu o companheiro de setor e até participou em mais encontros, 28 (27 a titular), mas não evitou a descida de divisão.
Apesar da despromoção, continuou no Marco em 2006-07, na II Divisão B, antes de prosseguir a carreira no Freamunde.


7. Barbosa (56 jogos)

António Barbosa
Médio de características defensivas formado no FC Porto ao lado de Jorge Costa, Rui Jorge, Nélson, Bino e Sá Pinto, representou pela primeira vez o Marco entre 1992 e 1996, então na II Divisão B, contribuindo para a estabilização do clube nesse patamar competitivo.
Entretanto passou pelo Leixões e jogou na I Liga com a camisola do Desp. Chaves antes de regressar a Marco de Canaveses em 2000-01, para participar na estreia do clube na II Liga. Nessa época marcada pela despromoção na secretaria disputou 26 jogos (22 a titular) e marcou um golo, ao Ovarense.
Na temporada seguinte manteve-se no clube, na II Divisão B, ajudando os marcuenses a voltar à II Liga. De regresso ao segundo escalão, participou em 28 encontros (27 a titular) em 2002-03.
Depois deixou o clube e prosseguiu a carreira em formações como Vilanovense, Lixa, Marítimo Graciosa, Candal e Perosinho.


6. João Filipe (57 jogos)

João Filipe
Lateral direito formado no Sporting ao lado de Simão Sabrosa e Marco Caneira, cortou o cordão umbilical com os leões no verão de 2001, precisamente para se mudar para o Marco.
Logo na primeira temporada ajudou o emblema canavês a subir à II Liga, seguindo-se quatro anos no segundo escalão, quase todos marcados por problemas físicos. Em 2002-03 disputou 14 jogos (12 a titular) e na época seguinte participou em 16 encontros (todos a titular), mas em 2004-05 ficou todo o campeonato em branco, não tendo sido convocado uma única vez, devido a lesão. Na quarta e última temporada em Marco de Canaveses disputou 27 partidas (todas a titular).
Em 2006-07 jogou pelo Maia na II Divisão B e depois voltou ao Barreiro, de onde é natural, para representar Barreirense e Fabril.


5. Rui Gomes (60 jogos)

Rui Gomes
Ponta de lança nascido em Angola, mas desde tenra idade radicado no norte do país, reforçou o Marco no verão de 2002 depois de ter adquirido alguma experiência na I Liga com a camisola do Vitória de Setúbal e na II Liga ao serviço do Penafiel.
Na época de estreia pelos marcuenses disputou 33 jogos (31 a titular) e marcou nove golos, frente a Naval, Sp. Covilhã, União da Madeira, Salgueiros (dois), Portimonense, Rio Ave, Penafiel e Felgueiras (dois), contribuindo para uma época tranquilo, que culminou no 13.º lugar.
Na temporada seguinte perdeu gás, também por força da concorrência de Júlio César e Jurandir. Ainda assim, participou em 27 encontros (13 a titular) e somou quatro remates certeiros, diante de Sp. Covilhã, Desp. Chaves, Naval e Feirense, e esteve no percurso até aos oitavos de final da Taça de Portugal.
Depois prosseguiu a carreira no Olivais e Moscavide, tendo conhecido 17 clubes durante a carreira.


4. Ico (60 jogos)

Ico
Disputou 60 jogos tal como Rui Gomes, mas esteve em campo durante mais 374 minutos – 4388 contra 4014. Médio brasileiro de características defensivas, chegou a Marco de Canaveses no verão de 2003 já depois de ter adquirido alguma experiência na I Liga ao serviço de Marítimo, Vitória de Setúbal e Boavista, além de ter jogado por Nacional e Desp. Aves na II Liga e pela Camacha na II Divisão B.
Em três anos emblema canavês, foi titular indiscutível nos dois primeiros. Em 2003-04 disputou 25 jogos (23 a titular) e marcou três golos no campeonato, diante de Santa Clara, Sp. Covilhã e Feirense, contribuindo ainda para a caminhada até aos oitavos de final da Taça de Portugal.
Na época seguinte manteve a influência, tendo participado em 27 encontros (24 a titular) e apontado dois golos, ambos na receção ao Gondomar na penúltima jornada, ajudando os marcuenses a alcançarem a melhor classificação de sempre na II Liga, o quarto lugar.
Na terceira e última temporada disputou oito partidas (quatro a titular) e marcou um golo ao Moreirense até ao início de novembro, mas depois voltou ao Brasil, onde encerrou a carreira de jogador e iniciou a de treinador.


3. Marquinhos (61 jogos)

Marquinhos
Extremo madeirense que jogou na formação do FC Porto ao lado de Sérgio Conceição, Hilário e Rui Óscar, reforçou o Marco no arranque da época 2001-02, na II Divisão B, já depois de ter passado por Nacional, Camacha, Gil Vicente e Desp. Chaves.
Fundamental para a promoção do emblema canavês à II Liga, manteve o estatuto para a permanência do clube no segundo escalão nos dois anos que se seguiram. Em 2002-03 disputou 31 jogos (30 a titular) e marcou três golos, frente a União de Madeira, Naval e Salgueiros.
Na época seguinte participou em 30 encontros (27 a titular) e somou quatro remates certeiros, frente a Sp. Covilhã, Penafiel, Desp. Aves e Salgueiros, contribuindo ainda para a caminhada até aos oitavos de final da Taça de Portugal.
Embora fosse bastante utilizado, no verão de 2004 voltou à Madeira para competir durante mais sete anos na II Divisão B com as camisolas de Ribeira Brava, Pontassolense e Camacha.


2. Filipe Fernandes (64 jogos)

Filipe Fernandes
Médio de características defensivas, chegou ao Marco no verão de 2003, depois de ter concluído a formação e de se ter iniciado no futebol sénior no Benfica Castelo Branco e de se ter estreado na II Liga com a camisola do Campomaiorense.
A primeira época no emblema canavês não foi particularmente feliz, tendo apenas disputado sete jogos (cinco a titular). Em 2004-05 ganhou protagonismo, participando em 28 encontros (24 a titular) no campeonato, ajudando os marcuenses a alcançarem o quarto lugar, a melhor classificação de sempre da história do clube. Na terceira e última temporada foi mais longe a nível individual, tendo marcado presença em 29 partidas (todas a titular), mas não evitou a despromoção.
Depois da descida de divisão continuou na II Liga ao serviço do Gil Vicente, clube que ajudaria a promover à I Liga em 2011.


1. Vitinha (79 jogos)

Vitinha
Lateral esquerdo formado e revelado pelo Paços de Ferreira, chegou pela primeira vez ao Marco em 2000-01, época de estreia do clube na II Liga, tendo disputado 31 jogos e contribuído dentro de campo para a permanência, ainda que na secretaria fosse decidida a despromoção do emblema canavês.
Entretanto voltou aos pacenses e regressou aos marcuenses em 2003-04, participando em 22 jogos (19 a titular) no campeonato, além de ter participado na caminhada até aos oitavos de final da Taça de Portugal.
Na época seguinte esteve em 26 partidas (15 a titular), ajudando o Marco a alcançar o quarto lugar, a melhor classificação da história do clube.
No verão de 2005 mudou-se para o Gondomar, ainda na II Liga, e depois prosseguiu a carreira nos campeonatos não profissionais ao serviço de Ribeirão, Maria da Fonte, Moreirense e Aliados Lordelo.













Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...