quarta-feira, 4 de março de 2020

Os 10 internacionais angolanos com mais jogos na I Liga portuguesa

Os internacionais angolanos que mais jogaram I Liga portuguesa
Desde que o campeonato português num sistema de pontos foi instituído em 1934-35 que dezenas e dezenas de jogadores nascidos em Angola ou com origem angolana têm disputado a competição.

Uns ainda no tempo do colonialismo, outros após a independência do país africano. Uns nasceram em Angola mas nunca quiseram jogar pelos Palancas Negras, outros até nasceram noutros países mas optaram por representar o país de pais e/ou avós. Por isso, contabilizamos neste ranking apenas os internacionais angolanos que jogaram na I Liga portuguesa.


Neste top 10, em que todos superaram a centena de encontros no primeiro escalão do futebol luso, encontram-se três futebolistas que se sagraram campeões e seis que superaram a fasquia dos 10 mil minutos na competição.

Vale por isso a pena conhecer esta lista.


10. André Macanga (117 jogos)

André Macanga
Comecemos por um médio defensivo, que nasceu em Luanda mas que começou a jogar futebol em Portugal. Começou pelo Arrifanense, clube do distrito de Aveiro em que fez a formação e a estreia no futebol sénior, em 1996-97, na II Divisão B. De lá mudou-se para o Vilanovense em 1998-99, uma época antes de chegar à I Liga pela porta do Salgueiros.
Após uma boa campanha no emblema de Paranhos (27 jogos), tornou-se internacional angolano e foi contratado pelo FC Porto, mas não chegou a jogar de dragão ao peito. Em 2000-01 esteve cedido ao Alverca (20 jogos/um golo) e na temporada seguinte ao Vitória de Guimarães (17 jogos/um golo). Em 2002-03 vinculou-se à Académica (32 jogos/um golo) e na época que se seguiu vestiu as cores do Boavista (21 jogos), sempre na primeiro escalão do futebol português.
No verão de 2004 deixou Portugal rumo ao futebol turco, para representar o Gaziantepspor, e não mais voltou, tendo passado os últimos oito anos de carreira no Médio Oriente, ao serviço de Al-Salmiya, Kuwait SC e Al-Jahra no Kuwait e de Al-Shamal no Qatar. É já nesta fase da carreira que participa nas Taças das Nações Africanas de 2006, 2008 e 2012 e no Mundial 2006.
No total, contabilizou 70 jogos e dois golos pelos Palancas Negras. É o sétimo jogador mais internacional de sempre por Angola.



9. Quinzinho (123 jogos)

Quinzinho
Prosseguimos nesta lista com um avançado, que chegou em janeiro de 1996 a Portugal oriundo do ASA para representar o FC Porto. Até ao final da época 1995-96 efetuou nove jogos (três como titular) e apontou dois golos sob o comando técnico de Bobby Robson, tendo desfalcado os dragões em janeiro para vestir a camisola de Angola no CAN 1996.
Nas duas épocas seguintes foi emprestado a clubes que também militavam na I Liga portuguesa, primeiro à União de Leiria (18 jogos/3 golos) e depois ao Rio Ave (24 jogos/8 golos), tendo desfalcado os vila-condenses em fevereiro de 1998 em virtude da participação dos Palancas Negras na Taça das Nações Africanas.
Em 1998-99 voltou às Antas com Fernando Santos e até teve um registo razoável, de quatro golos em 12 partidas, mas viveu quase sempre na sombra de Mário Jardel, um dos principais goleadores do futebol europeu na altura.
A temporada seguinte é iniciada na Liga Espanhola, ao serviço do Rayo Vallecano, mas voltaria ao campeonato português no mercado de inverno pela porta do Farense, clube pelo qual apontou um golo em seis jogos.
Em 2000-01 esteve cedido pelo FC Porto ao Desportivo das Aves (24 jogos/cinco golos) e na época seguinte vinculou-se a título definitivo ao Alverca (30 jogos/cinco golos). Curiosamente, desceu de divisão em ambas as temporadas e não mais voltou a jogar na liga portuguesa.
Seguiu-se uma aventura na II Divisão B portuguesa ao serviço do Estoril, sete anos no futebol chinês e o regresso a Angola para representar Recreativo da Caála e a casa-mãe, o ASA.
Pela seleção angolana disputou 36 jogos e marcou sete golos entre 1995 e 2005.



8. Lito Vidigal (130 jogos)

Lito Vidigal
Defesa direito/médio defensivo de espírito combativo, faz parte de uma família futebolística angolana que na década de 1970 se refugiou em Portugal, mais precisamente em Elvas, para fugir à guerra civil de Angola.
Depois de ter começado a jogar futebol no clube da terra, O Elvas, evoluiu em emblemas do distrito de Portalegre, como o Fronteirense, Estrela de Portalegre e Campomaiorense, antes de se estrear na I Liga em setembro de 1995 com a camisola do Belenenses.
Foi como jogador dos azuis do Restelo que somou as 16 internacionalizações que teve pela seleção angolana, tendo participado no CAN 1998. “Eu sentia que tinha algum dever para com Angola e acabei por concretizar esse sentimento quando fui jogar pela seleção e completei-o quando fui como treinador”, confessou à Tribuna Expresso em novembro de 2017.
No histórico clube lisboeta permaneceu até ao verão de 2002, tendo efetuado 124 jogos e marcado dois golos no campeonato português. Após deixar Belém continuou na I Liga ao serviço dos açorianos do Santa Clara, mas disputou apenas seis encontros antes de encerrar a carreira na casa da partida, O Elvas, na III Divisão.
Findada a carreira de futebolista, iniciou a de treinador, tendo levado a seleção principal de Angola ao CAN 2012.


7. Mantorras (132 jogos)

Mantorras
Nascido em Luanda, Pedro Mantorras tinha 17 anos quando se estreou na I Liga ao serviço do Alverca, em outubro de 2000, depois de ter começado a jogar futebol no país natal ao serviço do Progresso Sambizanga e de ter estagiado no Barcelona.
Na segunda época nos ribatejanos explodiu (27 jogos/9 golos), ao ponto de ter convencido o Benfica a pagar cinco milhões de euros por metade do seu passe no verão de 2001. Rapidamente se tornou numa das principais figuras dos encarnados, tendo apontado 16 golos em 38 jogos no campeonato durante o primeiro ano e meio na Luz.
Porém, foi assolado por uma lesão no joelho direito que condicionou o seu futebol em dezembro de 2002, quando tinha apenas 20 anos. Esteve afastado dos relvados durante dois anos e desde então que ficou remetido para o papel de arma secreta para os últimos minutos das partidas, tendo tido um papel importante para a conquista do título nacional em 2004-05, ao apontar cinco golos. Embora os problemas físicos tivessem limitado a sua carreira, permaneceu no Benfica até 2010.
Em termos de seleção angolana foi 31 vezes internacional e apontou cinco golos entre 2000 e 2010, tendo disputado o Mundial 2006 e a Taça das Nações Africanas em 2006 e 2010, já depois de ter participado no Campeonato do Mundo de sub-20 em 2001.



6. Vata (137 jogos)

Vata
Avançado nascido em Damba, na província do Uíge, chegou a Portugal pela porta do Recreio de Águeda em 1983-84 mas foi na época seguinte que se estreou na I Liga portuguesa, com a camisola do Varzim.
Os seus sete golos (em 16 jogos) não impediram a descida dos poveiros à II Divisão, mas contribuiu para o regresso ao primeiro escalão com 20 remates certeiros no patamar secundário. No regresso à elite voltou a mostrar a sua veia goleadora, tendo apontado oito golos (em 30 jogos) em 1986-87 e 11 (em 31) em 1987-88.
Nesta última temporada voltou a não evitar a despromoção dos varzinistas, mas os seus bons desempenhos captaram a atenção do Benfica, clube que lhe deu a possibilidade de continuar a jogar ao mais alto nível. Nunca foi propriamente um titular indiscutível na Luz, mas não deixou de marcar golos: 16 (em 27 jogos) em 1988-89, 10 (em 22) em 1989-90 e três (em 11) em 1990-91.
Na primeira e na terceira época de águia ao peito foi campeão, na segunda contribuiu para a caminhada até à final da Taça dos Campeões Europeus com quatro golos, entre os quais um com a mão ao Marselha que garantiu o apuramento para o jogo decisivo (1-0).
Esse foi o auge de uma carreira iniciada em Angola, no Progresso Sambizanga (1980 a 1984) e concluída na Indonésia, ao serviço do Gelora Dewata (1996-97 e 1999-00). Pelo meio, além das passagens por Varzim e Benfica na I Liga portuguesa, jogou no Estrela da Amadora (1991-92), no Torreense (1992-93), nos malteses do Floriana (1993-94) e nos indonésios do Persija (1998-99).
Pela seleção angolana disputou 65 jogos e marcou 20 golos entre 1985 e 1993.



5. Lázaro (148 jogos)

Lázaro
Nascido em Gabela, na província de Cuanza Sul, Lázaro fez toda a carreira de futebolista em Portugal. Após ter concluído a formação e feito a estreia no futebol sénior no Oeiras, jogou nas divisões secundárias por Marialvas, Usseira e Estoril antes de disputar pela primeira vez a I Liga em 1991-92, ao serviço dos estorilistas.
Em três épocas ao serviço da equipa da linha de Cascais no primeiro escalão, nunca foi opção regular, tendo efetuado um total de 36 jogos. Face à pouca utilização, foi ganhar novamente novamente para as divisões secundárias ao serviço de Louletano e Penafiel, regressando à elite do futebol luso pela porta do Estrela da Amadora em 1997-98.
Depois de uma primeira época de escassa utilização na Reboleira (337 minutos distribuídos por 12 jogos), tornou-se um elemento importante no meio-campo ofensivo dos amadorenses nas temporadas seguintes. Até 2000-01 e em 2003-04 jogou na I Liga, pelo meio representou o emblema tricolor na II Liga.
Em 2003-04 começou a época no Estrela como jogador, mas depois tornou-se adjunto de Miguel Quaresma no comando técnico da equipa principal. Seis anos depois, em 2008-09, orientou a formação da Amadora no primeiro escalão.
Paralelamente disputou seis jogos e marcou um golo pela seleção angolana, tendo marcado presença no CAN 1998.



4. Luís Miguel (159 jogos)

Luís Miguel
Mais um caso de um internacional angolano que nasceu em Angola, neste caso em Luanda, mas que fez toda a carreira em Portugal. O lateral/extremo direito Luís Miguel fui subindo a pulso na carreira, começando nas divisões inferiores, no Amarante e no Desportivo das Aves, até chegar à I Liga em 1995-96 para jogar no Sporting.
Em Alvalade nunca foi um titular indiscutível, tendo disputado 41 jogos distribuídos por três temporadas, sem qualquer golo para amostra no primeiro escalão do futebol português. No último ano de verde e branco, em fevereiro de 1998, representou Angola na Taça das Nações Africanas que decorreu no Burquina Faso, tendo atuado nos jogos frente a África do Sul (0-0), Namíbia (3-3) e Costa do Marfim (2-5).
No verão de 1998 vinculou-se ao Sp. Braga, clube em que permaneceu ao longo de quatro anos, quase sempre como figura secundária, tendo efetuado 81 encontros, mas mais de metade como suplente utilizado.
Por fim, representou ainda o Paços de Ferreira na elite do futebol português em 2002-03 e 2003-04, tendo somado um total de 37 partidas nessas duas temporadas antes de terminar a carreira ao serviço do Felgueiras, na II Liga, em 2004-05.
Pela seleção angolana contabilizou 10 internacionalizações.


3. Wilson Eduardo (193 jogos)

Wilson Eduardo
Filho de angolanos, Wilson Eduardo nasceu no norte de Portugal, mais precisamente em Pedras Rubras, no concelho da Maia. Os primeiros toques na bola foram dados no Grupo Desportivo de Vilar, de Vila do Conde, antes de ter dado o salto para o FC Porto e de posteriormente se ter mudado para o Sporting.
Depois de empréstimos a Real SC (II Divisão B) e Portimonense (II Liga), estreou-se na I Liga em 2010-11 com a camisola do Beira-Mar (27 jogos/cinco golos), clube ao qual esteve cedido pelos leões. Nas épocas seguintes foi emprestado a Olhanense (27 jogos/sete golos) e Académica (25 jogos/seis golos), tendo feito a estreia pela equipa principal do Sporting somente em 2013-14 (20 jogos/três golos), pela mão de Leonardo Jardim, treinador que já o tinha orientado em Aveiro.
Porém, foi perdendo espaço nos verde e brancos e na época seguinte voltou a ser emprestado, desta feita aos croatas do Dínamo Zagreb e aos holandeses do ADO Den Haag. Não voltou à casa mãe e desde 2015-16 que é jogador do Sp. Braga, clube que o tem feito feliz: 94 jogos e 29 golos no campeonato. No entanto, recentemente tem sido preterido das escolhas de Rúben Amorim por se encontrar em final de contrato.
Depois de 61 internacionalizações pelas seleções jovens portuguesas decidiu representar Angola em finais de 2018, tendo marcado o golo que apurou os Palancas Negras para o CAN 2019. Entretanto participou na Taça das Nações Africanas e contabiliza já seis jogos e dois golos pela seleção angolana.



2. Wilson (245 jogos)

Wilson
Outro caso de um internacional angolano nascido em Angola, mais concretamente em Moçâmedes, na província de Namibe, mas com toda uma carreira feita em Portugal. Radicado na região Oeste desde tenra idade, jogou no Caldas durante cinco dos seus primeiros sete anos enquanto futebolista sénior, tendo passado por Olhanense em 1990-91 e por O Elvas em 1991-92.
No verão de 1994 salta diretamente do Caldas, que militava na II Divisão B, para o Gil Vicente, que estava na I Liga. Apesar de vir de um patamar competitivo inferior, o central impôs-se com naturalidade em Barcelos, tendo disputado 84 jogos e marcado dois golos em três temporadas no primeiro escalão. Continuou nos gilistas após a despromoção à II Liga, em 1997, mas ajudou o emblema de Barcelos a sagrar-se campeão da II Liga e a subir de divisão em 1999. Pelo meio participou no CAN 1996, prova em que somou três das quatro internacionalizações pela seleção angolana que tem no currículo.
Após ajudar o Gil Vicente a regressar à elite rumou ao Belenenses, na altura também recém-promovido, tendo ficado ao clube até ao verão de 2005, contabilizando 161 encontros na I Liga, todos como titular, e um golo.
Depois despediu-se do futebol profissional, aos 36 anos, e regressou ao clube que o viu nascer para o futebol, o Ginásio Alcobaça, para três épocas (2005-06 a 2007-08) na III Divisão.


1. Mateus (272 jogos)

Mateus
O recordista deste ranking ainda pode ampliar o próprio recorde, por se encontrar no ativo, e é mais um caso típico: nasceu em Angola, mais precisamente em Luanda, mas fez quase toda a carreira no futebol português.
Após ter despontado nos alentejanos do Desportivo de Beja, transferiu-se para o Sporting no verão de 2003, mas jogou apenas na equipa B. Ainda esteve emprestado pelos leões ao Casa Pia, mas depois vinculou-se a título definitivo ao Felgueiras, da II Liga, mas o clube suspendeu atividade e acabou por rumar ao Lixa, da II Divisão B, e é de lá que salta diretamente para a I Liga, pela porta do Gil Vicente, em janeiro de 2006.
Em quatro jogos marcou dois golos e ajudou os gilistas a assegurar a permanência dentro de campo, mas a sua inscrição teve envolta em polémica, uma vez que o jogador tinha sido inscrito como profissional no Felgueiras mas tinha passado para a condição de amador no Lixa. Depois da abertura de vários inquéritos e queixas de vários clubes, a Comissão Disciplinar da Liga deliberou condenar o Gil Vicente com descida de divisão, salvando assim o Belenenses na despromoção. Enquanto a polémica estava instalada em Portugal, o atacante angolano estava na Alemanha ao serviço dos Palancas Negras no Campeonato do Mundo, dois anos depois de se ter tornado internacional por Angola.
Em 2006-07, Mateus jogou na II Liga pela formação de Barcelos, mas na época seguinte voltou à I Liga por intermédio do Boavista, clube pelo qual apontou dois golos em 25 jogos, tendo disputado o CAN 2008 pelo meio. Curiosamente, os axadrezados foram despromovidos nessa época... na secretaria, como consequência do caso Apito Dourado.
Após mais uma despromoção administrativa, reencontrou paz na carreira ao serviço do Nacional, ajudando o clube madeirense a apurar-se para a Liga Europa em 2009, 2011 e 2014. Pelo emblema da Choupana cumpriu 117 jogos e apontou 28 golos na I Liga, e só não terá feito mais porque desfalcou a equipa nos invernos de 2012 e 2013 para representar a seleção angolana na Taça das Nações Africanas.
Em janeiro de 2014 ingressou pela primeira vez no futebol angolano, para duas temporadas no 1º de Agosto, tendo voltado à I Liga portuguesa na segunda metade da época 2015-16 para ajudar o Arouca a qualificar-se para a Liga Europa. Ao serviço dos beirões disputou 46 jogos e marcou sete golos em ano e meio no campeonato português, tendo descido de divisão em 2016-17.
Apesar de mais uma despromoção e de já ter 33 anos, convenceu o Boavista a fazê-lo regressar ao Bessa no verão de 2017. Desde então que representa o emblema axadrezado, pelo qual já contabiliza 80 jogos nesta segunda passagem.
Oitavo na lista dos mais internacionais de sempre por Angola, com 67 jogos, e sexto no ranking de goleadores dos Palancas Negras, com 12 golos, participou pela quarta vez no CAN em 2019.















Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...