sexta-feira, 15 de março de 2019

A minha primeira memória de... um jogo entre Vitória FC e Sp. Braga

Vitóriae Sp. Braga são dois históricos do futebol português
A minha primeira memória de um jogo entre Vitória de Setúbal e Sporting de Braga foi de muito má memória para os sadinos, pois ditou-lhes a última descida de divisão.

Para o último encontro da 32.ª jornada de 2002/03, disputado numa segunda-feira (19 de maio) no Estádio do Bonfim, a formação orientada por Carlos Cardoso entrou com a corda na garganta, a oito pontos da primeira equipa acima da zona de despromoção e com apenas nove em disputa. Basicamente, teria de os ganhar todos. Do outro lado estavam uns bracarenses que, pela primeira vez em muitos anos, lutavam pela permanência, partindo para este jogo com apenas três pontos de vantagem sobre a primeira equipa abaixo da zona de despromoção, o Beira-Mar.


Apesar da conjuntura, o Vitória entrou a todo o gás e aos 17 minutos já vencia por 2-0. Primeiro por Jorginho, que isolou antes de bater Quim (4').


Depois por Meyong, através de uma grande penalidade a castigar falta sobre o próprio.


Os setubalenses até dispuseram de várias oportunidades para chegar ao terceiro golo e chegaram aos derradeiros dez minutos ainda a vencer. A despromoção parecia, no mínimo, adiada. Porém, na reta final do encontro apareceu Barroso, recém-saído do banco do Sp. Braga para gelar o Bonfim e atirar os sadinos para a II Liga. Primeiro, na conversão de um penálti (81').


Depois, através de uma das suas bombas do meio da rua (86'). Marco Tábuas pouco ou nada pôde fazer.


“Acabou. O Vitória de Setúbal despediu-se ontem da SuperLiga, devido a mais uma exibição inconstante e à potência dos remates de Barroso. Em contrapartida, os bracarenses ficaram muito perto da salvação”, podia ler-se na edição do dia seguinte do jornal O Jogo.

“É muito triste, e depois de ver as imagens na televisão ainda mais triste fico, porque o Vitória praticamente foi empurrado para a II Liga. O penálti é fora da área e o Quim sofre um golo no último minuto, e ninguém lhe toca. Este é o corolário das grandes arbitragens de que o Vitória tem usufruído ao longo da época”, comentou o técnico Carlos Cardoso, que nessa época nada pôde fazer para impedir a despromoção. “Este é um clube sério que vai descer à II Liga com o propósito de regressar o mais depressa possível ao escalão maior, onde nos próximos anos queremos ser um clube estável, pois é o que este clube merece”, prosseguiu, e com alguma razão, pois desde então que o Vitória, apesar de muitos sobressaltos, se mantém entre os grandes.


E o Sp. Braga, que teria entrado nas últimas jornadas na “condição de aflito”, segundo palavras de Jesualdo Ferreira, caso não tivesse recuperado de uma desvantagem de dois golos no Bonfim, não só assegurou a permanência como iniciou na época seguinte a sua era dourada no futebol português.



















E para o caro leitor, qual foi o primeiro clássico entre Sp. Braga e Vitória de Setúbal de que tem memória? E quais foram os melhores e mais marcantes clássicos de sempre?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...