quinta-feira, 9 de abril de 2020

Quatro jogadores dos sub-23 do Estoril para a equipa principal ter em conta

Estoril compete na fase de apuramento de campeão da Liga Revelação
Primeiro Pedro Duarte, depois Vasco Costa. A equipa de sub-23 do Estoril Praia conheceu dois treinadores ao longo da época, cada um com as suas nuances, mas nunca abdicou de um modelo de jogo que estimulasse a componente técnica e a tomada de decisão de cada jogador, sempre com um futebol apoiado desde trás, com progressão no terreno pautada pelo passe curto.


Se num contexto de alta competição é discutível se esse é o melhor estilo a implementar, por força das características técnicas, físicas, táticas e psicológicas dos atletas, num contexto (ainda) formativo e sem o risco de uma descida de divisão não haja dúvidas que é fundamental exercitar a relação com bola de cada futebolista em competição.

O Estoril Praia não só o faz, como o faz bem. Independentemente dos resultados, porque muitos fatores os influenciam, tem mostrado que é uma das equipas com ideias mais definidas e bem trabalhadas da Liga Revelação. A construção curta, a paciência com bola enquanto se procura espaços para progredir no terreno mesmo em zonas de algum risco, a projeção dos laterais, a envolvência do ponta de lança na criação dos ataques e a reação rápida à perda da bola são alguns dos princípios do futebol dos sub-23 estorilistas.

Nesta conjuntura coletiva, também têm aparecido individualidades que, a breve prazo, poderão surgir de forma afirmativa na equipa principal. Dos vários nomes que poderia elencar, destaco aqui quatro que poderão ter um papel importante ainda nesta época ou aparecer em grande estilo na próxima pré-temporada.

Tote Gomes
Comecemos pelo setor defensivo, onde tem emergido Tote Gomes. Depois de ter terminado a época passada ao serviço da equipa principal, sofreu uma grave lesão na pré-temporada e só voltou aos relvados em fevereiro, na Liga Revelação. Apesar dos muitos meses sem competição, mostrou-se imperial nos quatro jogos que disputou, todos relativos à fase de apuramento de campeão.
Central possante (1,87) e canhoto, que também pode atuar no lado esquerdo da defesa, tem primado pela capacidade para sair a jogar, chegando a aparecer várias vezes no meio-campo ofensivo com a bola dominada. Os ataques dos estorilistas começam frequentemente pelos seus pés, capazes de lançar companheiros em velocidade nas costas da defesa adversária através de passes longos.
Defensivamente mostra acerto tático, qualidade no jogo aéreo – que também fez valer em termos ofensivos no jogo com o Benfica, o último antes da pausada devido ao novo coronavírus – e capacidade para proteger bem a profundidade através da velocidade e de uma boa colocação dos apoios e utiliza o corpo para ganhar os duelos aos avançados da equipa contrária.
Está no clube há três anos, quando integrou os juniores, e recentemente renovou contrato até 30 de junho de 2022. Completou 21 anos em janeiro.



Pedro Albino
Ainda na linha defensiva, outro dos nomes a ter em conta é o do lateral direito e capitão Pedro Albino. No clube desde a temporada passada, tem já experiência de II Liga e Campeonato de Portugal ao serviço do Olhanense, o clube onde fez praticamente toda a formação.
Jogador baixo (1,70) mas entroncado, está constantemente projetado no corredor direito, mostrando ter pulmão para os constantes vaivéns entre áreas. Se em termos ofensivos exibe cruzamentos muito satisfatórios, critério com bola e capacidade de oferecer um apoio exterior aos médios e atacantes, defensivamente recupera bem a posição, ganha boa parte dos duelos e suja os calções para garantir a posse de bola.
Em época e meia na Linha de Cascais ainda não foi convocado uma única vez para um jogo da equipa principal, mas não deverá faltar muito.



Klismahn
Mais à frente no terreno atua o médio brasileiro Klismahn, um canhoto que, com a entrada de Vasco Costa no comando técnico, tem vindo a ganhar influência na primeira fase de construção dos estorilistas. O ex-treinador dos juniores introduziu uma nuance no 4x3x3 da equipa, invertendo o triângulo do meio-campo e passando a jogar com um duplo pivot atrás de um medio ofensivo, enquanto Pedro Duarte jogava com um médio defensivo e dois interiores.  Com a nova fórmula, o antigo centrocampista do Desportivo Brasil tem jogado uns metros mais recuado e recua até entre os centrais, que abrem, para iniciar a construção e começar a pensar os ataques dos canarinhos. É a partir dessa zona mais recuada do terreno que vai mostrando capacidade a curta e longa distância, afirmando-se como uma unidade importante para ajudar a equipa a progredir no terreno com segurança e critério.
Embora jogue perto dos defesas, não é propriamente um médio de características defensivas e por isso também pode envolver-se na manobra ofensiva da equipa já no último terço.
Aos 20 anos, está na segunda época ao serviço dos sub-23 do Estoril Praia, mas vai ganhando cada vez mais espaço. Depois de 28 jogos na temporada passada, dos quais apenas 14 como titular, em 2019-20 levava 26 partidas (18 a titular) até à paragem devido ao novo coronavírus.


João Oliveira
Do meio-campo saltamos diretamente para o eixo do ataque, para um avançado que tem os golos no sangue, João Oliveira. Neto de Fernando Oliveira, figura da CUF nas décadas de 1960 e 1970 e antigo presidente do Vitória de Setúbal, está no Estoril Praia pela segunda temporada e tem vindo a afirmar-se em zona de finalização, mostrando ser dotado do killer instinct.
É alto (1,90 m), forte no jogo aéreo, frio na cara do guarda-redes e está entre os cinco melhores marcadores da Liga Revelação, com 13 golos, mas o seu trabalho não se esgota na área adversária.
Também descai nos flancos e recua uns metros para, de costas para a baliza, dar um apoio frontal aos companheiros, funcionando como um pivô que proporciona triangulações a um ou dois toques antes de aparecer desmarcado em zona de finalização. Por ser forte fisicamente e saber colocar o corpo, é um porto seguro para onde enviar a bola.
No final de dezembro estreou-se pela equipa principal ao ser lançado por Tiago Fernandes nos últimos minutos de um jogo em Penafiel, mas, aos 21 anos, vai mostrando futebol para mais oportunidades.




Ainda assim, é impossível encerrar este texto sem fazer menções honrosas ao guarda-redes Thiago, que mostrou muito bons atributos no pouco que deu para ver dele; ao central Bernardo Vital, muito assertivo, sereno com bola e forte no jogo aéreo embora não seja propriamente muito alto; ao lateral esquerdo Pedro Empis, que envolve-se bem na manobra ofensiva e tem o selo da formação do Sporting; ao médio centro Afonso Valente, ainda júnior, que já revela bom andamento para um escalão acima do seu; e aos médios ofensivos João Cardoso e André Franco, dotados de visão de jogo e qualidade técnica.

















Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...