sábado, 21 de setembro de 2019

A minha primeira memória de…um jogo entre FC Porto e Santa Clara

Hélder Postiga marcou mas FC Porto saiu de mãos na cabeça
Tendo em conta as poucas presenças do Santa Clara na I Liga, não tinha muito por onde escolher relativamente à minha primeira memória de um jogo entre os açorianos e o FC Porto. Ainda não via futebol em 1999/00, mas lembro-me perfeitamente de os dragões então orientados por Octávio Machado terem perdido no Estádio de São Miguel no final da primeira volta do campeonato de 2001/02. Curiosamente, ambas as equipas tinham-se defrontado dez dias antes nas Antas para a Taça de Portugal, mas não me recordo desse duelo.


Tenho presente, inclusivamente, que só terei assistido a uma pequena parte desse jogo de má memória para o FC Porto em Ponta Delgada devido a um motivo também relacionado com futebol. Estava de férias de Natal com a minha família na aldeia dos meus pais no Baixo Alentejo e só podíamos acompanhar os jogos num café, pelo que se optou para jantar enquanto decorria o jogo para que depois pudéssemos assistir de fio a pavio ao Sporting-Vitória de Setúbal que ia realizar-se a seguir.

Por estranho que possa parecer, o Santa Clara de Manuel Fernandes entrou em melhor forma à partida para esse desafio de 22 de dezembro de 2001, embalado por duas vitórias consecutivas frente a Vitória de Setúbal (em casa) e Beira-Mar (fora) para o campeonato, ambas por 1-0. O FC Porto de Octávio Machado, por sua vez, vinha de uma derrota em Guimarães e de um empate caseiro com o Sp. Braga.

E nesse jogo nos Açores, os insulares continuaram em alta e os portistas em baixa. Toñito, emprestado pelo Sporting aos açorianos, foi a figura do encontro, ao marcar os dois golos da sua equipa: o primeiro de grande penalidade aos 18 minutos, o segundo na sequência de um ataque rápido guiado por George (56'). Hélder Postiga reduziu aos 64', de cabeça, colocando o resultado final em 2-1.


“Uma entrada desastrosa do FC Porto e um golpe de sorte do Santa Clara,que marcou de grande penalidade na primeira vez que foi à área portista com perigo, resultaram num triunfo açoriano ou, dito de outra forma, no terceiro jogo consecutivo dos dragões sem vencer e onde estão incluídas duas derrotas... Acordou tarde de mais o dragão, e só depois de Octávio Machado ter retificado um onze que, até ao intervalo, jamais se encontrou. Capucho e Alenitchev deram–lhe a alma que faltava, mas Costinha não foi capaz de acompanhar um sprint de George e o segundo golo transformou em missão impossível a recuperação. Podem os portistas argumentar que o caudal ofensivo que produziram nos últimos 20 minutos justificava outro resultado,mas essa é uma desculpa que tem resposta num ditado: não deixes para amanhã o que podes fazer hoje. E os dragões ficaram a saber que tarde é sempre de mais para recuperar”, descreveu O Jogo.


Do jogo da segunda volta não me lembro, mas uma vez que teve oito golos e quatro bolas nos ferros, vale a pena recordar. Toñito voltou a faturar, inaugurando o marcador, mas os grandes protagonistas foram Benni McCarthy, autor de um hat trick, e Deco, que apontou um bis de livre direto numa vitória portista por 5-3.

























Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...