sábado, 4 de janeiro de 2014

O melhor Adrien de sempre

uefa.com
Um dos segredos da primeira metade de temporada que o Sporting está a realizar é sem dúvida o seu meio-campo.

Numa altura em que os plantéis dos três grandes são autênticas sociedades das nações, o trio de centrocampistas leoninos, prima, desde logo, por ser totalmente português.

Partilhando o setor com William Carvalho e André Martins está Adrien Silva. Lançado em 2007 por Paulo Bento, sempre exibiu qualidade, mas foram-lhe faltando jogos, que o atiraram para empréstimos em 2010/11 e 2011/12, nomeadamente, à Académica.

Inicialmente, parecia tratar-se de um trinco. Em Coimbra ocupou essencialmente os dois lugares mais adiantados do meio-campo. No regresso a Alvalade, com Ricardo Sá Pinto, foi aposta regular como 10.

Mas numa temporada com um rendimento desportivo péssimo a nível coletivo, o desempenho de Adrien não foi exceção. Ainda assim, como playmaker demonstrou ter pouca velocidade de pensamento e execução. Isso não favorecia uma rápida circulação de bola junto à área adversária ou um último passe mortífero. O futebol do luso-francês, era tal como o da equipa em geral, bastante denunciado, lento e pouco criativo.

Com Leonardo Jardim, o Sporting passou a jogar com maior regularidade em 4x3x3. William Carvalho é o trinco, André Martins o médio que geralmente se aproxima mais do ponta-de-lança, e Adrien mantinha-se numa linha intermédia.

Mas atenção, a melhoria de rendimento não se deveu apenas a uma mudança posicional. Este Adrien joga a uma velocidade mais elevada, pensa e executa mais rápido, basicamente, ganhou mais intensidade.

Mas a progresso no seu desempenho não se esgota nas tarefas ofensivas, bem antes pelo contrário. O nº 23 leonino é um atleta com grande pulmão, e passa os 90 minutos a morder os calcanhares aos adversários, a pressioná-los, a obriga-los a jogar mal. Quem viu o último Sporting – FC Porto da Taça da Liga terá mesmo ficado impressionado.

Há quem fique impressionado pelos poucos golos que os leões sofrem, tendo em conta que Maurício e Rojo não são propriamente dois centrais fiáveis. A justificação passa pelo trabalho intensivo do meio-campo, sempre muito pressionante, que recupera muitas bolas, impede a progressão dos adversários e não expõe o quarteto defensivo.

Neste miolo, para além do já muito badalado William Carvalho, e de André Martins, que até pressiona ao lado de Montero em zonas mais adiantadas, evolui o melhor Adrien de sempre.

E quando este trio se tiver de desfazer por suspensão ou lesão, quem está a altura para ser um digno substituto? É esta a questão que faz a comunidade leonina tremer.

3 comentários:

  1. Só para comentar o último parágrafo...

    Por cada Leão que tombe...outro se levantará...

    O que quer dizer que...: depois se arranjará outra solução...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Problemas destes não se resolvem com provérbios, a não ser com aquele que diz "mais vale prevenir do que remediar"

      Eliminar
  2. Matt Jones ou Cássio? Vota no Duelo Futebolístico em http://galaxiafutebolistica.blogspot.pt

    Abraços

    ResponderEliminar