terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Borussia Dortmund: ‘Troika’ dita leis no pós-Klopp

Mkhitaryan, Reus e Aubayemang são letais no último terço 
Os sete anos que o carismático Jurgen Klopp passou em Dortmund deixaram uma marca no clube e no coração dos adeptos: dois Campeonatos, uma Taça da Alemanha, duas Supertaças, uma final da Liga dos Campeões, um estilo de jogo bastante atrativo e uma presença bastante carismática no banco de suplentes.

O ciclo do treinador natural de Estugarda terminou no final da temporada transata, depois de uma época menos feliz, na qual a turma amarela chegou a andar na zona de despromoção, mas ainda a tempo de alcançar um lugar europeu. Para o seu lugar, chegou Thomas Tuchel, com a curiosidade de ter assinado pelo gigante da Renânia do Norte-Vestfália proveniente do Mainz e com 41 anos, exatamente no mesmo contexto de Klopp em 2008.


O 2.º lugar que a equipa ocupa não sugere uma campanha do outro mundo, mas há dados que importa reter: O Borussia tem, a par do Bayern, o melhor ataque da Bundesliga, com 53 golos; soma, à 21.ª jornada, 48 pontos, um record para um segundo classificado; e leva 28 pontos em 30 possíveis nos primeiros dez jogos caseiros do campeonato, a melhor marca de sempre do clube. Um registo capaz de fazer tremer o FC Porto, o adversário nos 16 avos de final da Liga Europa.

E entre a armada amarela, há uma troika que promete impor austeridade ao dragão: Reus, Mkhitaryan e Aubameyang. Juntos levam 37 golos na Bundesliga em 21 jornadas (média de 1,76/jogo). 


Caracterização coletiva


Em condições normais, os jogos do Dortmund são sempre animados. Porquê? Porque se trata de uma equipa bastante objetiva, que procura constantemente a progressão no terreno e, por sua vez, o golo.

Embora tivesse sido a formação que mais passes efetuou na fase de grupos da Liga Europa (3767), desengane-se quem pensa que os homens de Tuchel são obcecados pela posse de bola. Nada disso. Trata-se de uma equipa que não pede licença nem bate à porta, simplesmente entra. Que não mastiga, engole. Que encurta ao máximo os preliminares, vai direta ao prazer.


 Falar do Borussia Dortmund é falar de um conjunto que ainda não perdeu a bola e já está preparado para a recuperar. É falar de quem ainda não recuperou a bola, e já está preparado para atacar. É, por isso, especialista em transições, tanto defensivas como ofensivas.

A atacar, o atual 2.º classificado da Bundesliga pratica um futebol simples e retilíneo, procurando sempre o espaço vazio. Gosta de ter a bola, porque só com ela pode marcar, não para se gabar de estatísticas. Tudo começa bem lá atrás: o guarda-redes (Burki) pode bombear o esférico diretamente para a frente, na direção de Aubameyang, ou com os defesas a iniciarem a construção de jogo através de um estilo mais apoiado.

Jogadores do Dortmund procuram o espaço vazio

Se for a segunda hipótese, os centrais abrem, o trinco aproxima-se deles e os laterais projetam-se. A partir de então, começa logo a procura por um passe mortífero: os médios movimentam-se para receber a bola, os avançados trocam de posição, arrastam marcações e vão jogando no limite do fora do jogo à procura de um passe para as costas da defesa e os centrais tentam sobem até ao meio-campo contrário para gerar desequilíbrios. Quando se dá por isso, Reus exibe a sua precisão de passe ou remate, Mkhitaryan o seu drible desconcertante e Aubameyang o seu poder de desmarcação e instinto matador. Se a bola chegar a esta troika, o perigo está garantido para a baliza adversária.

Passes para as costas da defesa são muito recorrentes

E para que o perigo não chegue à baliza do Dortmund, defensivamente a equipa prima pela enorme pressão ao portador da bola, com o trio de médios sempre muito próximos – dos mais coesos do futebol europeu -, a criar superioridade numérica na zona do esférico. É uma ideia que já vinha do tempo de Klopp e que Tuchel bem tem aproveitado, com o intuito de recuperar rapidamente a redondinha. O único inconveniente surge se o adversário tiver capacidade de colocar a bola longe dessa zona de pressão: aí a defesa ficará muito exposta.

Meio-campo muito próximo em momento defensivo

 Palavra ainda para os cantos defensivos, momento no qual o antigo técnico do Mainz não vai de modas e coloca homens nos postes, algo cada vez menos visto no panorama internacional. Perde jogadores para as marcações, mas compensa-o reforçando a proteção da baliza. Quem o pode julgar?

Homens nos postes e marcações individuais nos cantos


Caracterização individual


Weidenfeller? Sim, ainda está no clube – é o segundo atleta com mais jogos na história do BVB (339) -, renovou recentemente até junho do próximo ano, mas, pela primeira vez em oito temporadas, enfrenta a condição de suplente. O guarda-redes titular dá pelo nome Roman Burki, tem 25 anos, é internacional suíço e chegou ao Westfalenstadion após… ter descido de divisão no Friburgo.  Embora tenha sentado no banco um dos ícones do Borussia, não é o mais seguro dos guardiões, especialmente nas saídas aos cruzamentos. Um fator que pode ser aproveitado pelo FC Porto.

Outro histórico que Tuchel relegou para o banco foi Subotic. Quem ocupa o seu lugar como central do lado direito é o grego Sokratis Papastathopoulos, que se tem revelado como um dos jogadores mais completos da Europa na sua posição. É agressivo, ágil, rápido, sentido posicional e com qualidade a jogar com os pés.

O outro elemento no eixo defensivo continua a ser Mats Hummels, um dos mais conceituados futebolistas do Borussia Dortmund, assumindo inclusivamente o papel de capitão. É um dos centrais com melhor saída de bola do futebol europeu – embora por vezes arrisque em demasia… -, aparecendo no meio-campo contrário a fazer passes de rotura, fazendo lembrar o compatriota… Franz Beckenbauer. Dotado de elevada estatura (1,91 m) e de bom poder de impulsão, é também muito forte no jogo aéreo.

Nas laterais, os super ofensivos e experientes Lukasz Piszczek e Marcel Schmelzer. O polaco de 30 anos assume o corredor direito, enquanto o germânico de 28 ocupa o lado canhoto. Ambos já levam vários anos no plantel – cinco e oito, respetivamente -, tendo participado na conquista dos títulos nacionais de 2010/11 e 2011/12.

O onze-tipo de Thomas Tuchel
No meio, um setor que prima pela coesão. Num 4x3x3 clássico, a posição de centrocampista mais recuado vinha a ser interpretada pelo jovem Julian Weigl, 20 anos, que no verão tinha chegado a Dortmund proveniente do 1860 Munique. Trata-se de um jogador com capacidade técnica, visão de jogo e qualidade de passe, mas nos últimos jogos tem vindo a ser preterido em detrimento do polivalente Matthias Ginter, que também pode fazer de central e lateral e oferece mais equilíbrio e agressividade defensiva.

Ligeiramente mais adiantados, como médios interiores, geralmente atuam Gundogan e Castro. O primeiro está a viver uma segunda vida futebolística, depois de ter estado 14 meses parado (entre agosto de 2013 e outubro de 2014) devido a uma grave lesão na coluna. É ele quem gere os ritmos de jogo através do passe, a sua especialidade, aparecendo também na área para fazer assistências ou até para finalizar. O segundo, reforço para 2015/16 após onze anos de Leverkusen, também prima pela qualidade de passe e colocação de bola, funcionando praticamente como um organizador de jogo, até porque é o homem do miolo que mais se aproxima dos avançados.

Na frente de ataque, a troika acima citada. Embora Aubameyang seja preferencialmente o ponta de lança e Reus e Mkhitaryan se encarreguem das alas, não é certo que assim o seja. Também há jogos em que é Reus que aparece mais no centro do ataque e Aubameyang num flanco, embora as trocas posicionais entre as unidades mais ofensivas sejam uma constante no BVB.

O gabonês, eleito melhor jogador africano em 2015, é um extremo de origem, mas face às desilusões que foram as contratações de Immobile e Adrián Ramos, tem sido utilizado sobretudo como ponta de lança, oferecendo profundidade, largura, velocidade, poder de impulsão e instinto goleador. Não se fixa na área, apresentando grande mobilidade e também disponibilidade defensiva, uma vez que é o primeiro homem a pressionar quando a equipa não tem a bola.

Já o internacional alemão, a atravessar um grande momento de forma e a ser cobiçado pelos colossos do futebol europeu, destaca-se pelo seu fino recorte técnico e precisão de passe e remate. Não é nenhum fantasista, mas tem uma qualidade de execução tremenda, que lhe permite fazer assistências e golos em catadupa. Apesar do seu gabarito, Reus não tem tido grande sorte no preenchimento do seu palmarés, uma vez que chegou ao Dortmund após o bicampeonato e falhou o Mundial-2014, que a Alemanha viria a vencer, devido a uma lesão num tornozelo.

Por último, o arménio que em 2013 tornou-se a contratação mais cara do Dortmund, que desembolsou €27,5 milhões para adquirir o craque ao Shakhtar.  Depois de duas temporadas abaixo das expetativas com Jurgen Klopp, Thomas Tuchel conseguiu extrair o melhor de Henrikh Mkhitaryan. Hoje é um jogador decisivo para a equipa, fazendo valer o seu drible, bom jogo com os dois pés e qualidade de remate para se afirmar em definitivo na Renânia do Norte-Vestefália.


Principais alternativas: Roman Weidenfeller (Guarda-redes), Neven Subotic (Central), Erik Durm (Lateral/Extremo), Park Joo-ho (Lateral esquerdo), Sven Bender (Médio defensivo), Nuri Sahin (Médio centro), Moritz Leitner (Médio centro), Shinji Kagawa (Médio ofensivo), Christian Pulisic (Extremo) e Adrián Ramos (Ponta de Lança/Extremo).


Thomas Tuchel: A herança pesada não assustou


Imagem típica de Tuchel: De fato de treino, de pé e a intervir
Jurgen Klopp ficou na história do Mainz quando o levou pela primeira vez à Bundesliga, em 2004. Entretanto, o clube foi despromovido, voltou a subir e Thomas Tuchel encarregou-se de o estabilizar no primeiro escalão. Logo na temporada de estreia, em 2009/10, conseguiu a então melhor classificação de sempre do emblema na I divisão, o 9.º lugar. Não satisfeito, melhorou esse registo na época seguinte, alcançando a 5.ª posição.


Depois de cinco anos de Mainz, com dois apuramentos para a Liga Europa pelo meio, Tuchel resolveu entrar num ano sabático em 2014/15, à espera de um convite de uma das principais equipas da Bundesliga. Valeu a pena a espera. O ciclo de Klopp tinha chegado ao fim no Dortmund e abriu-se uma janela de oportunidade para o antigo defesa dos Stuttgarter Kickers e do SSV Ulm.

A herança era pesada mas TT não se atemorizou. Está a agarrar a oportunidade com unhas e dentes, mas mantendo-se fiel ao seu estilo. Sempre de fato de treino vestido, estar sentado no banco ou calado não é para ele. Gosta de assistir aos encontros de pé e sempre a intervir.

Embora o Dortmund esteja a fazer uma temporada extraordinária, há um todo-poderoso e praticamente invencível Bayern que não larga o 1.º lugar. Aos 42 anos, a fama de competente ninguém lha tira, mas a glória terá de esperar.


Parede amarela é um autêntico 12.º jogador


Quer esteja a lutar pelo título ou para não descer, há um denominador comum nos jogos do Dortmund: um fortíssimo e incondicional apoio dos seus adeptos. Com capacidade para 81.356 espetadores (65.829 em jogos internacionais), o Westfalenstadion é o maior estádio da Alemanha, tendo sido inaugurado em abril de 1974 mas sofrido já quatro renovações.

No topo sul fica a maior bancada da Europa, a Sudtribune, com capacidade para 25.000 pessoas. É de lá que assistem aos jogos os mais fervorosos adeptos da equipa, sempre a entoar cânticos de apoio e a mostrar as suas bandeiras. A imagem dessa bancada cheia é tão impressionante que ganhou a alcunha de Yellow Wall (Parede Amarela). Um autêntico 12.º jogador que tudo fará para intimidar os jogadores portistas nesta quinta-feira.
Imagem incrível da Yellow Wall, a maior bancada da Europa


Mas este clube do oeste germânico não é apenas famoso pelo apoio que recebe dos adeptos. O que os seus jogadores fizeram dentro de campo durante décadas concederam ao BVB o estatuto de um dos emblemas mais respeitados da Europa.

Embora tenha sofrido fortes oscilações ao longo dos seus 106 anos de existência, os períodos de maior relevo do Borussia foram nas décadas de 1960, 1990 e 2010. Na primeira fase, ganhou um Campeonato (1963), uma Taça (1964/65) e uma Taça das Taças (1965/66). Na segunda, conquistou por duas vezes a Bundesliga (1994/95 e 1995/96) e a Supertaça (1995 e 1996) e ainda a Liga dos Campeões (1996/97), com Paulo Sousa na equipa. Mais recentemente, foi bicampeão (2010/11 e 2011/12), venceu a Taça (2011/12), a Supertaça (2013 e 2014) e chegou à final da Champions (2012/13).

Entre tantas estórias para contar, registam-se três vitórias sempre que recebeu equipas portuguesas, frente a Benfica (1963/64, para a Taça dos Clubes Campeões Europeus) e Boavista (1999/00 e 2001/02, ambos para a Champions), mas três derrotas quando se deslocou a Portugal para as enfrentar.




1 comentário:

  1. Participa no concurso "Cheque de 60 milhões" em http://galaxiafutebolistica.blogspot.pt/

    Abraços e continuação de um bom trabalho

    ResponderEliminar