domingo, 23 de agosto de 2015

WWE | NXT TakeOver: Brooklyn

Bayley e Finn Bálor vencem combates da noite



Data: 22 de agosto de 2015
Arena: Barclays Center
Localidade: Brooklyn, Nova Iorque




Jushin Thunder Liger vs. Tyler Breeze
Nada melhor para aquecer os fãs do que um opener com a presença de Jushin Thunder Liger, diante da mais recente gimmick de metrossexual da WWE, um estilo de personagem que só teve sucesso com Shawn Michaels e Chris Jericho mas na qual se vai insistindo.
Os primeiros momentos da contenda foram muito divertidos, com ambos a vangloriarem-se deitando-se em cima de um dos cantos do ringue. O duelo também foi bem conseguido, com um ritmo alto e golpes com algum grau de espetacularidade, como o público gosta.
Acabou por vencer Jushin Thunder Liger, via Liger Bomb.
Vencedor: Jushin Thunder Liger
Nota: 7,5/10


NXT Tag Team Championship: Blake & Murphy (c) vs. The Vaudevillains (Aiden English e Simon Gotch)
Combate de tag team entretido, com os Vaudevillains como favoritos do público, a mostrarem mais técnica e agilidade, mas por vezes dominado pela matreirice de Blake & Murphy, que foram baixando o ritmo para controlar as operações.
A ponta final foi deveras emocionante. Blake & Murphy estiveram perto da vitória depois de um trabalho de equipa, os Vaudevillains após um Swanton Bomb de English, os até então campeões tentaram um roll-up surpresa, mas foram mesmo os Vaudevillains que conseguiram vencer.
Vencedores: The Vaudevillains (Aiden English e Simon Gotch) (novos campeões)
Nota: 7/10


Apollo Crews vs. Tye Dillinger
Apesar do seu corpo à Bobby Lashley, Apollo Crews mostrou uma agilidade fora do normal com vários mortais para trás e um Dropkick bem alto. A performance, claro, mereceu aplausos na plateia.
Em termos gerais não foi um combate à altura dos dois anteriores, mas terá deixado os fãs bem impressionados com Apollo Crews, que mesmo com todo aquele caparro venceu após um Standing Moonsault. Isso esbugalha quaisquer olhos…
Vencedor: Apollo Crews
Nota: 5,5/10


Baron Corbin vs. Samoa Joe
Combate entre dois pesos pesados do NXT e, como seria de prever, disputado na maioria do tempo a um ritmo baixo. Apesar do estatuto de Samoa Joe (ainda que longe da minha forma), tratou-se de um duelo que raramente conseguiu prender a atenção.
Os fãs entusiasmaram-se na parte final, quando Samoa Joe prendeu Corbin numa submissão e alcançou a vitória.
Vencedor: Samoa Joe
Nota: 5/10


NXT Women’s Championship: Sasha Banks (c) vs. Bayley
Big match atmosphere, embora se tratasse de um combate pelo título feminino, que no NXT é tudo menos desvalorizado.
Combate agressivo, conduzido pela arrogante campeã Sasha Banks, que na condição de in-ring general esteve excelente. O spot em que entalou a mão de Bayley entre os degraus e um canto é revelador do que estou a falar. Like a boss.
Não deu para entender foi como, com o combate perfeitamente controlada, Sasha arriscou tanto ao voar para fora do ringue. Não fez sentido mas já se sabe que, tal como no futebol, há quem tente aliar vitórias a nota artística e, por isso, não adote uma postura pragmática.
Depois do comeback de Bayley, viveu-se uma fase emocionante, com submissões de parte a parte. Bayley aplicou o Belly to Bayley, mas Sasha safou-se no último instante. Sasha voou com uma espécie de Seated Senton, mas Bayley sobreviveu.
À segunda, Bayley lá conseguiu a vitória via Belly to Bayley, naquele que, arrisco dizer, terá sido um dos melhores combates femininos da história da WWE.
Vencedora: Bayley (nova campeã)
Nota: 8,5/10


NXT Championship: Finn Bálor (c) vs. Kevin Owens (Ladder match)
Combate que começou com muita intensidade e ainda sem sinal de escadotes. Esses só apareceram, numa primeira fase, fora do ringue, onde Owens foi castigando Bálor.
Foram começando a aparecer os primeiros spots: Finn Bálor aplicou Dropkick num escadote que Kevin Owens segurava e pouco depois o campeão voou para fora do ringue, atingindo o candidato.
Os momentos holy shit continuaram no ringue, já com algumas tentativas de subir o escadote e alcançar o cinturão.
Owens teve uma oportunidade para subir, mas preferiu tentar o Cannon Ball, tendo encontrado o escadote e não Bálor, acabando assim estatelado no tapete. Bálor aproveitou para subir mas sofreu um Pop-up Powerbomb.
A troca de golpes violentos foi durando, fazendo o público vibrar. Os dois momentos altos do combate foram a queda de Owens do topo do escadote para cima de um outro e o Diving Foot Stomp de Bálor antes de ir lá a cima capturar o título.
Vencedor: Finn Bálor
Nota: 8,5/10





2 comentários:

  1. "The COO of WNB" Pedro Vytor25 de agosto de 2015 às 19:17

    Boa Tarde! Parabéns pela análise que é boa, não compreendi muito afundo pois acompanho mais TNA do que NXT! Sou administrador, mas essa parte de links, mais administrativa era o Silas quem cuidava. Abraço!

    ResponderEliminar