terça-feira, 8 de abril de 2014

O enigmático fim da ‘streak’

wwe.com
Nasceu por acaso, fruto de uma coincidência anual, mas tornou-se uma autêntica instituição: The Undertaker venceu, até ao passado domingo [6 de abril], todos os combates que disputou na Wrestlemania.

O score exibia um tremendo 21-0, com triunfos para todos os gostos e feitios, tanto sobre jovens irreverentes, como sobre veteranos em busca de uma última glória, fossem eles gigantes ou atléticos, e até por uma vez, sobre não um, mas sim dois adversários.

A WWE nunca achou por bem, em nenhuma das ocasiões, acabar com essa onda invicta que todos os anos animava o grande palco mundial do pro wrestling. A cada nova edição, por norma um bom combate, sempre emotivo, pela eminência de se escrever um novo capítulo na história.

E ao longo de, sobretudo, a última década, até houve boas oportunidades para a streak terminar. Randy Orton, Batista, Edge e CM Punk necessitavam desse impulso para se tornarem ícones das suas gerações. Shawn Michaels e Triple H poderiam ter tido um final de carreira glorioso. Mas ano após ano, era o Deadman quem acabava a noite com o braço erguido.

Em 2014, na trigésima Wrestlemania, o oponente foi Brock Lesnar, que mesmo visto como um rival de peso, jamais passaria pela cabeça dos fãs que seria um part-time wrestler, que até foi derrotado por John Cena e Triple H desde que regressou, o escolhido a colocar um ponto final à mais mítica onda invicita do sports entertainment.

E ao contrário de edições anteriores, desta vez o Santo Graal do pro wrestling teve um final feliz, com Daniel Bryan a levar a multidão ao delírio. Quantas vezes assistimos a uma WM que nada trouxe de novo? Quantas vezes o grande PPV nos soube a pouco? Como se justifica isto agora, e logo a favor de alguém que só aparece às vezes?

O nome de Lesnar está longe de ser o mais consensual, nada enquadrado na política best for business tantas vezes aplicada pela WWE. A resposta para o que aconteceu no passado domingo até pode aparecer nos próximos tempos, mas outras interrogações emergem: Em que condições poderá The Undertaker continuar a sua carreira quando, nos últimos anos, apenas aparecia por altura da Wrestlemania, justamente para ampliar a streak? Como será preenchido o espaço que se tornou vazio, e que pertenceu durante tanto tempo às vitórias do Deadman?

Para trás fica o sonho de um confronto com John Cena no maior dos palcos, a grande feud que a WWE não chegou a concretizar no século XXI.

1 comentário:

  1. O Brock Lesner é um autêntico animal. Mais forte do que qualquer adversário que o "dead man" defrontou. E em todas as edições do wrestlemania o Undertaker derrotava os adversários pela sua mística e também (muito) pela força física. O Lesner não deixou. Penso que o Undertaker se irá reformar depois deste combate, até porque a idade já pesa... Pessoalmente não acho muita piada ao Danyel Bryan. Lá porque o público goste muito daquele estilo de "underdog" ele não tem a minima carisma para ser campeão. Espero que o Cena o defronte e derrote.

    ResponderEliminar