segunda-feira, 9 de abril de 2012

Liga ZON Sagres | Sporting 1-0 Benfica



Esta noite, no Estádio José Alvalade, o Sporting venceu o Benfica por 1-0, num jogo a contar para a 26ª jornada da Liga ZON Sagres. Ricky Van Wolfswinkel, de grande penalidade, deu a vitória aos leões em mais uma edição do “derby” lisboeta.



Eis a constituição das equipas:

Sporting



O Sporting não vence o “derby” lisboeta há três anos, quando bateu o Benfica em Alvalade por 3-2. Sem nada a perder, Sá Pinto tentará a vitória neste seu primeiro embate com os encarnados.
Jeffrén, Pereirinha, Onyewu e Rodríguez estão lesionados.


Benfica



O Benfica está pressionado, o FC Porto venceu e tem já quatro pontos de vantagem, ainda que com um jogo a mais.
Aimar está castigado e não poderá dar o seu contributo à equipa, tal como Miguel Vitor e Saviola lesionados. Jardel, Garay e Luisão que estavam em dúvida, recuperaram e são opções para Jorge Jesus.


O Benfica entrou mais seguro a trocar a bola, enquanto o Sporting fechava bem a defender e conseguia chegar á área adversária com alguma frequência.
Javi Garcia e Witsel estavam constantemente a serem pressionados por Matías Fernández e Wolfswinkel e não conseguiam iniciar a construção de jogo dos encarnados.

11’ João Pereira rematou/cruzou com perigo mas Artur estava atento.

14’ Diego Capel tentou a sua sorte do meio da rua mas a bola saiu ao lado.

16’ Javi García de longe obrigou Rui Patrício a defesa apertada.

17’ Luisão agarrou Wolfswinkel dentro da área e Artur Soares Dias assinalou grande penalidade que o holandês converteu em golo.

37’ Capel perto da meia-lua rematou para fora.

Até esta fase, o Benfica estava a ter bastantes dificuldades para chegar aos últimos 30 metros, sobretudo face à pressão feita em Witsel, que quando se conseguia soltar da marcação geralmente feita por Wolfswinkel conseguia dar uma nova dimensão ao processo ofensivo das águias.

No final da segunda parte, os encarnados ganharam novo fôlego, o seu médio belga apareceu mais adiantado no terreno e esse facto confundiu as marcações e a pressão feita no momento da recuperação da bola impedia que o Sporting conseguisse chegar até perto da sua área.

Ao intervalo, Jorge Jesus trocou Rodrigo por Yannick Djaló.

51’ Javi García perdeu a bola para Wolfswinkel que progrediu no terreno e rematou para defesa de Artur.

52’ Numa bola bombeada para perto da área verde e branca, Cardozo assistiu Yannick de cabeça, Xandão e Rui Patrício chocaram na intercepção e o esférico sobrou para um cabeceamento de Maxi Pereira interceptado por Insúa sobre a linha de golo.

55’ Capel contornou Maxi Pereira pela esquerda, flectiu para o centro e serviu Schaars que atirou para nova intervenção do guarda-redes encarnado.

61, Javi García errou um passe e colocou a bola no avançado holandês que isolado perante Artur permitiu a defesa do guardião do Benfica.
Logo a seguir, o trinco espanhol foi substituído por Nélson Oliveira.

63’ Izmailov de fora da área acertou na trave.

65’ Saiu Schaars e entrou Daniel Carriço.

72’ Gaitán cruzou para Yannick Djaló que à entrada da área rematou ao lado.
Foi a última jogado do argentino, já que foi substituído por Nolito.

73’ Ricardo Sá Pinto trocou de pontas-de-lança, Wolfswinkel por Diego Rubio.

86’ Capel conseguiu isolar Izmailov mas Artur negou-lhe o golo.

89’ Matías após um bom trabalho a flectir da esquerda para o meio rematou para nova intervenção do guarda-redes brasileiro do Benfica.
Carrillo rendeu Capel.

90’ Luisão fez falta sobre Diego Rubio, viu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

90+2’ Bom remate de Izmailov, mas a bola saiu ao lado.

Sem mais ocorrências, o Sporting acabou por vencer.
Durante todo o encontro, o Benfica teve sempre mais posse de bola, foi uma equipa que tentou sempre sair em ataque organizado, até porque a formação leonina a convidava a assim ser, procurando sobretudo transições rápidas, onde conseguiu ser bastante perigosa e criar mais oportunidades de golo.
A toada da partida foi sempre essa, no entanto, na primeira parte, os leões anularam bem Witsel e Javi García, não os permitindo construir jogo e obrigando-os a recorrer a outra estratégia para sair para o ataque, nomeadamente pelos flancos. No entanto, sempre que o belga apareceu no encontro, deu nova dinâmica ao processo ofensivo dos encarnados.
No segundo tempo, o conjunto orientado por Sá Pinto voltou a apostar no contra-golpe, e face a erros e posteriormente à saída de Javi García, o jogo ficou mais partido e o Sporting até foi mais perigoso, com uma bola à trave e duas situações em que Wolfswinkel apareceu isolado mas não conseguiu ampliar a vantagem.

Analisando os atletas em campo, começando pelos do Benfica…
Artur foi gigante entre os postes, Maxi Pereira não deu tanta profundidade ao flanco direito como é habitual e não conseguiu “secar” Capel como no jogo da primeira volta, Garay pareceu estar ainda longe da melhor forma, Luisão certamente não recordará este “derby” pelas melhores razões, já que cometeu a grande penalidade e foi expulso ainda na recta final, e Emerson nem defensiva nem ofensivamente fez uma partida para relembrar mais tarde.
Javi García não conseguiu construir jogo face à pressão pelos homens mais adiantados e pareceu nervoso, falhando vários passes que por sorte não originaram em golos, e Witsel sempre que teve bola deu dinâmica ao ataque encarnado, mas esteve sempre muito pressionado.
Bruno César foi dos mais inconformados, Gaitán foi irrequieto mas sem muita inspiração e Rodrigo ainda continua sem a melhor forma.
Cardozo esteve apagado e nem de livre directo conseguiu marcar.
Yannick Djaló foi sempre muito perigoso, tal como Nélson Oliveira e Nolito não teve muito tempo para mais, apesar de boas acções individuais.

Quanto aos jogadores do Sporting…
Rui Patrício até acabou por não ter de fazer muitas defesas, tendo trabalho sobretudo em cruzamentos.
João Pereira esteve bem a defender a atacar, mas o seu temperamento não o livrou de um cartão amarelo, Xandão e Polga com a bola nos pés nunca se revelaram muito seguros, não são muito rápidos mas conseguiram sempre evitar males maiores para a sua baliza, e Insúa evitou um golo sobre a linha, e exibiu-se a bom nível defensivamente e ofensivamente.
Elias fez um grande jogo como recuperador de bolas, e na fase em que a partida estava mais partida, aventurou-se diversas vezes no ataque, Schaars pareceu nervoso e tardou em encontrar-se, apesar de algumas acções muito úteis, e Matías Fernández trouxe fantasia ao meio-campo leonino, soube ganhar muitos duelos individuais e guiar e dinamizar o ataque.
Capel fez um jogo muito melhor que na 1ª volta, Izmailov foi dos melhores em campo e esteve perto de marcar por várias ocasiões, e Wolfswinkel converteu a grande penalidade mas desperdiçou inúmeras oportunidades para ampliar a vantagem.
Carriço entrou bem e foi bastante útil a tapar os caminhos para a baliza, Diego Rubio trouxe velocidade ao ataque e Carrillo que entrou para refrescar o sector ofensivo, acabou por não ter grandes situações para brilhar.


Com este resultado, fica assim disposta a classificação da Liga ZON Sagres:

Sem comentários:

Enviar um comentário