sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Supertaça Europeia | Barcelona 2-0 FC Porto



O Barcelona conquistou hoje a Supertaça Europeia, após bater o FC Porto por 2-0, com golos de Messi e Fabregas.

Eis as constituições das equipas:

FC Porto: Helton; Sapunaru, Rolando, Otamendi e Fucile; Guarín, Souza (Fernando) e João Moutinho; Rodriguez (Varela), Kléber (Belluschi) e Hulk.

Barcelona: Valdés; Alves, Mascherano, Abidal, Adriano (Busquets); Keita, Xavi, Iniesta; Messi, Pedro (Fabregas) e Villa (Alexis Sanchez).


A única novidade no FC Porto foi a inclusão de Cristián Rodriguez no «onze», relegando Varela para o banco de suplentes, e até mesmo afastando as possibilidades de James jogar de inicio.
Na minha opinião, antes do inicio do jogo, foi que se tratou de uma má jogada por parte de Vitor Pereira, visto que o uruguaio não tem a mesma capacidade de criar desequilíbrios nem a mesma velocidade de Varela, isto para além da superior capacidade física do português.
Creio que uma equipa que terá de jogar maioritariamente em contra-ataque (e já se sabe que o Barcelona joga com uma linha muito avançada) deveria apostar num extremo mais veloz.
Álvaro Pereira não joga devido a estar com a cabeça em Londres, onde se diz que pode ser anunciado como contratação do Chelsea a qualquer momento.

Já os catalães, sem poder contar com Puyol e Piqué lesionados, não surpreendem muito, embora me cause em alguma confusão em altura de crise deixar reforços caríssimos como Alexis Sanchez e Fabregas no banco de suplentes, ainda que quem esteja em campo seja tão bom ou melhor que eles. Outra “meia-novidade” foi a inclusão de Keita no «onze» em detrimento de Busquets, e aí assumo que não estou muito de acordo com Guardiola, pois penso que embora por vezes sem brilhantismo, o espanhol tem uma excelente capacidade de recuperação de bola e de sobretudo iniciar o jogo ofensivo do Barcelona, para além de ser mais alto que o maliano, e tendo em conta que a defesa “blaugrana” é algo baixa, é preciso alguém para marcar directamente Kléber, que não sendo um gigante, tem quase 1,90m.

O FC Porto começou bem no jogo, criando as principais oportunidades de golo da primeira parte, rematando mais, fazendo mais remates perigosos, sobretudo nos primeiros 15 minutos, porque a partir daí o Barcelona foi lentamente assentando o seu jogo, e já se sabe como os catalães são, acabando o primeiro tempo com cerca de 70% de posse de bola.
Os portistas no entanto conseguiram manter sempre a concentração, pressionar alto, e evitar sempre que os catalães fossem conclusivos no último terço do terreno, muito por culpa da linha mais defensiva do FC Porto que esteve sempre muito atenta, evitando que Messi e companhia pudessem fazer estragos.
No entanto, aos 38 minutos, face à pressão alta do Barcelona, Guarín pressionado no seu meio-campo não encontra outra alternativa senão passar repentinamente a bola para a linha mais recuada da sua equipa, só que o problema é que a bola foi ter redondinha aos pés de Lionel Messi, que isolado frente a Helton, já se sabe como o astro argentino é, iludiu o guarda-redes brasileiro e atirou a bola para o fundo das redes.

Os comandados de Vitor Pereira viam-se agora com um dilema chegando ao intervalo, porque por um lado teriam de arriscar mais para tentar conquistar a Supertaça Europeia, mas por outro se sobem demasiado no terreno não serão precisas muitas oportunidades para o Barcelona ampliar a vantagem, até por números algo elevados.
A equipa esteve sempre muito concentrada e pouco inventou nos primeiros 45 minutos, no entanto, Rodriguez pouco estava a acrescentar e pedia-se mais poder de fogo, algo que Kléber certamente também não sabe dar, visto que não é um jogador rápido, e num jogo como este exige-se rapidez a pensar e a agir, e talvez não seja por acaso que nos jogos fora de casa, muitas vezes o brasileiro ficava no banco da sua ex-equipa, o Marítimo.

Na segunda parte, o FC Porto entrou ainda mais pressionante, como tinha feito no inicio da primeira, procurou a igualdade e até fez por isso, sendo que nesta fase Cristián Rodriguez mostrou grande garra e empenho para tentar causar danos na defesa catalã, Kléber estava a ser inconsequente, Hulk esforçado, Moutinho estava a ter mais bola e Guarín tentava a todo o custo redimir-se do erro que estava a causar a desvantagem à equipa, que tinha sido até o único erro que ele e a sua equipa praticamente tinham cometido no jogo.
Os portistas estiveram muito bem colectivamente, sempre muito bons a defender, e dentro dos possíveis a tentar aproximar-se da baliza do Barcelona, no entanto, não conseguiram marcar.

Os “blaugrana”, sem serem deslumbrantes ofensivamente, mas com a calma do costume, iam controlando o jogo, mantendo a elevadíssima posse de bola, e quando chegavam à área azul-e-branca, criavam sempre perigo.

O jogo foi caminhando para o fim, entrou Varela, Fernando e Belluschi e saíram os já desgastados Rodriguez, Souza e Kléber, no entanto, as alterações não conseguiram virar o resultado, numa fase em que Guarín até jogava como homem mais avançado no FC Porto, o que até é bastante compreensível, dado que era difícil os dragões aproximarem-se demasiado da baliza dos catalães, com o colombiano a jogar mais à frente e com a facilidade de remate que lhe é característica, passavam pelos seus tiros a principal solução do campeão português para tentar chegar à igualdade. No entanto, a força do Barcelona e o desgaste que é estar 70% do jogo a correr atrás da bola não permitiu que essas soluções pudessem ser postas em prática, e numa altura em que Rolando já tinha sido expulso (duplo amarelo, curiosamente em duas tentativas de travar Messi), o astro argentino com um toque de classe isola o recém-entrado Fabregas, que não vacilou perante Helton, colocando um ponto final ao jogo com o 2-0.


Analisando as duas equipas, creio que o FC Porto ressentiu-se da falta que lhe faz Falcao, ou pelo menos, um ponta-de-lança com características semelhantes. Kléber é lento, tanto em termos de corrida, como a pensar e a executar, e perdeu algumas bolas nos últimos 30 metros que com o colombiano poderia ter um desfecho diferente. Ainda por cima, não conseguiu ser uma arma nas bolas paradas dos portistas. Hulk não podia jogar fixo na frente porque a sua força e velocidade eram precisas para levar a bola para o último terço do terreno, e parece que Djalma e Walter não estão à altura de estar no «onze» portista, ainda que não creio que pudessem acrescentar muito mais que o ex-Maritimo. O FC Porto precisa urgentemente de ir ao mercado contratar um ponta-de-lança com características semelhantes a Falcao, ou então, que possa acrescentar mais a um jogo desta categoria do que um Kléber por exemplo.
No meio-campo, Moutinho e Souza estiveram muito bem, e atenção que a sua tarefa era dificílima, foi grande parte do jogo a ter de correr atrás da bola como se de um “meiinho” se tratasse. Guarín também esteve muito bem, embora a sua exibição ficasse um pouco manchada pelo erro do primeiro golo e pela expulsão.
A defesa esteve quase perfeita, sempre muito concentrada, embora Fucile se distraísse algumas vezes na hora de fazer a defesa em linha, esteve bem em travar as iniciativas do Barcelona pelas alas.
Helton fez uma grande exibição, e quem sabe, pode ter mostrado nesta montra que tem qualidade para ser chamado à canarinha.
Terminado o jogo, percebo a abordagem que Vitor Pereira fez ao jogo. Colocou Kléber porque o Barcelona tem jogadores baixos, e já se sabe que é em bolas paradas que com mais facilidade se pode fazer chegar perigo à baliza de Valdés. Kléber tem uma elevada estatura, não devo andar muito enganado se disser que não havia nenhum jogador dos catalães que fosse mais alto que ele, no entanto, revelou pouca agressividade e velocidade de execução, e por isso foi inconsequente.
A aposta em Rodriguez justifica-se acima de tudo por dar que fazer a Daniel Alves, desgastando o lateral do Barcelona, para mais tarde no jogo colocar Varela, que mais fresco e com maior poderio físico, teria mais condições para passar pelo brasileiro.
As opções pelo trio do meio-campo e pelo quarteto defensivo pareceram-me óbvias, e em relação à táctica usada, foi como o próprio Vitor Pereira disse, só podia ser o 4-3-3, porque era esse um FC Porto igual a si próprio.

Em relação ao Barcelona, pergunto-me se em vez de gastarem dezenas de milhões com dois jogadores que apesar das qualidades indiscutíveis são suplentes e só em virtude de gestão de esforço da equipa poderão ter oportunidades para jogar como titulares (Fabregas e Sanchez), e além disso, podem estar a tapar o lugar a jovens vindo da “cantera”, porque não contrataram um central que pudesse ser uma alternativa a Puyol e Piqué? Esta dupla Mascherano/Abidal não me convenceu mesmo nada!
De resto, foi um Barça igual a si próprio, pouco há a dizer, pouco se pode apontar a uma equipa que tem 70% de posse de bola, uma eficácia tão elevada e que ganha tantos troféus como esta.

Bem, resta dar os parabéns aos catalães, que continuam a somar títulos!



quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Liga Europa | Sporting 2-1 Nordsjaelland



O Sporting venceu hoje os dinamarqueses do Nordsjaelland por 2-1, carimbando assim o passaporte para a Fase de Grupos da Liga Europa.

O Sporting apresentou-se de inicio com algumas surpresas: Rui Patrício; João Pereira, Daniel Carriço, Polga e Evaldo; André Santos e Schaars (Rinaudo); Yannick Djaló (Bojinov), Izmailov (Carrillo) e Capel; Postiga.

Causou-me alguma estranheza André Santos jogar em vez de Rinaudo, e depois de até estar entusiasmado com as noticias que saiam nos jornais que indicavam que Postiga iria jogar a “10” e haveria um ponta-de-lança a jogar à sua frente, que eu gostaria que fosse Rubio por motivos que já enunciei anteriormente, mas que compreenderia que fosse Wolfswinkel porque podia-se esperar um jogo mais directo já que previa-se que o Sporting encostasse os dinamarqueses à sua linha defensiva.
No entanto, nem Rinaudo nem Wolfswinkel ou Rubio, e a verdade é que o Sporting ressentiu-se da falta do argentino mostrando alguma intranquilidade nos minutos iniciais e perdendo algumas bolas a meio-campo, revelando também alguma falta de garra e agressividade que André Santos não consegue dar.
Postiga, curiosamente, que jogou como único ponta-de-lança, teve em destaque na primeira parte pelos passes que fez, e pela tentativa de organizar o ataque leonino, uma tarefa que cabe a um “10”.

Embora por vezes apresentando alguma instabilidade, o Sporting dominou toda a primeira parte, encostando o Nordsjaelland à sua linha defensiva, e tirando algumas iniciativas dos nórdicos por volta da meia hora de jogo, bem que o meio-campo defensivo dos leões podia ser alugado.
Foram criadas muitas oportunidades, no entanto, golos nem vê-los, um espelho do que se tem visto neste inicio de época da equipa leonina.

Na segunda parte, só deu Sporting, os níveis de intensidade foram aumentando, conseguiu-se encostar os dinamarqueses mais atrás, e só por muito azar é que o golo foi sendo adiado, criando alguma frustração mas ao mesmo tempo entusiasmo entre os adeptos leoninos.

Domingos, decide, então, tirar Schaars (penso que por lesão) e colocar Rinaudo, e depois tirar Yannick Djaló e colocar Bojinov, curiosamente, tirou dois homens que têm vindo a ser criticados pelos adeptos neste inicio de temporada, e colocou um que tem sido dos mais elogiados, e outro que ainda não se tinha estreado, mas que estava a gerar grande entusiasmo em seu redor, e diga-se de passagem que o ex-treinador do Sporting de Braga acertou em cheio, porque a intensidade de jogo aumentou, as oportunidades foram sendo cada vez mais perigosas e só o guarda-redes do Nordsjaelland ía adiando o que parecia inevitável, o golo dos portugueses.

E esse golo veio a surgir aos 76’, após um cruzamento de Capel na direita, Bojinov recolhe a bola na grande área, tem bastante calma e ao mesmo tempo protege muito bem a bola, encontra André Santos desmarcado e passa-lhe a bola, o médio português não vacilou e colocou, finalmente, o Sporting em vantagem.

Este golo veio dar tranquilidade, e minutos depois, num canto de Capel, Evaldo (um pouco sem saber como), marca um golo com a coxa e resolveu a eliminatória.

A partir daí, só o cansaço acumulado por impor um ritmo tão alto no jogo impediu que os jogadores do Sporting se mantivessem tão concentrados e apresentando o discernimento necessário para fazer o 3-0.

Entretanto, foi mesmo o Nordsjaelland quem marcou, por Laudrup, já no tempo de compensação, no lance muito confuso na grande área do Sporting, no entanto, já nada havia a fazer e os leões estavam qualificados para a fase de grupos.


Em relação à análise da equipa do Sporting, creio que defensivamente esteve bem, embora algumas vezes se tivesse sentido a falta de Rinaudo na primeira parte, creio que Carriço não ficou atrás do que Rodriguez tem feito, Evaldo fez provavelmente o seu melhor jogo esta temporada, Polga e João Pereira estiveram como de costume.
No meio-campo para a frente, ficou provado que neste momento Schaars acrescenta muito pouco à equipa, e se antes poderiam falar das bolas paradas pelas quais o holandês é responsável, a verdade é que foi preciso ele sair e Capel ir marcar os cantos para o Sporting finalmente marcar um golo de bola parada esta temporada, portanto, está aqui um indicador de que um holandês neste momento não pode ser titular no Sporting.
Para o seu lugar, em relação a quem começou o jogo, certamente Rinaudo para jogar a “6” e depois entre o argentino e o “10” pode jogar André Santos (embora este tenha muita tendência em jogar demasiado próximo do “6”) ou então Izmailov, que sinceramente, penso que poderia dar maior dinâmica à equipa jogando a “8” e deixando a posição “10” para Hélder Postiga, que na minha opinião, tem todas as características necessárias para o fazer, pois em termos de eficácia pode não ser um avançado de topo, mas é extremamente lutador, é talentoso tecnicamente, gosta de vir buscar jogo mais atrás, serve bem os colegas, e penso que o Sporting ganharia mais se o colocasse a jogar atrás do ponta-de-lança, um pouco à imagem do que acontece com Saviola (comparações à parte) no Benfica.
Nas alas a dupla ideal seria Jeffren e Capel, espero que o ex-Barcelona esteja em condições de jogar contra o Marítimo, porque infelizmente, Yannick Djaló não tem condições para jogar a titular no Sporting. Já no ataque, com Postiga a jogar mais atrás do ponta-de-lança, e depois de ter visto este jogo, Bojinov deixou boas indicações para ser o “9”, ou pelo menos para fazer dupla com Postiga, visto que têm complementam-se bem, e penso que até seria interessante durante os jogos fazerem trocas posicionais, alternando quem joga mais atrás e como quem joga como homem mais avançado. No entanto, não sei se o búlgaro já está em condições para jogar os 90 minutos, e duvido mesmo que Domingos opte por ele como titular para domingo.
Uma palavra muito especial para Capel, mais uma vez o melhor em campo do Sporting, e embora muitas vezes ficasse demasiado tempo com a bola acabando por ser desarmado (com Izmailov passou-se o mesmo), fez o que melhor sabe segundo o seu ex-treinador: Desviar autocarros. Esteve nos dois golos e mostrou ter argumentos para levar o Sporting a grandes vitórias! É de desequilibradores assim que os leões precisam e estou ansioso para o ver numa ala e Jeffren na outra.

Quanto aos dinamarqueses, não tenho muito a dizer, tendo em conta os argumentos que dispunham tanto em termos individuais como colectivos, fizeram o jogo possível frente a um adversário superior e devo destacar o seu guarda-redes, Jesper Hansen, que embora não me pareça ter uma grande escola e apresentar alguns erros básicos daquilo que deve ser um guarda-redes completo (nomeadamente a forma como aborda certos remates apenas com uma mão ou como defende as bolas para a frente e ter dificuldades em agarrar o esférico), tem grandes reflexos e foi importantíssimo para o Nordsjaelland, já que esteve apenas a 15 minutos de levar o jogo para o prolongamento, defendendo tudo o que lhe aparecia pela frente.

O Sporting ficará então à espera do sorteio de amanhã da Fase de Grupos.
No que toca as minhas análises, devem voltar em princípio amanhã para o FC Porto – Barcelona, a contar para a Supertaça Europeia.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Liga dos Campeões | Benfica 3-1 Twente



O Benfica recebeu hoje, e venceu, o Twente por 3-1, carimbando o passa porte para a Fase de Grupos da Liga dos Campeões.

Os encarnados apresentaram-se com o seguinte onze: Artur; Maxi Pereira, Luisão, Garay e Emerson; Javi García e Witsel; Gaitán, Aimar e Nolito; Cardozo.

O Benfica entrou bem no jogo, criando diversas oportunidades, sobretudo nos primeiros 15 minutos em que houve cerca de cinco remates, que com mais ou menos perigo, levavam a direcção da baliza de Mihaylov.

De resto as águias foram bastante perigosas na primeira parte, aproveitando o espaço que os holandeses davam, já que os comandados de Co Andriaanse jogavam com as linhas muito avançadas no terreno, e por isso foram várias as situações em que o Benfica teve contra-ataques em que praticamente os seus atacantes estavam em igualdade numérica com os defensores do Twente.

A equipa encarnada jogou mesmo muito bem no primeiro tempo, apresentando uma coesão defensiva que poucas hipóteses davam ao vice-campeão da Holanda, muito por culpa de Jorge Jesus ter colocado Witsel em campo em vez de Saviola, o que fez com que Javi Garcia pudesse estar mais perto dos centrais, e mesmo quando o espanhol avançava no terreno, o belga apresentava-se mais recuado para fazer as dobras.
No ataque, só faltavam mesmo os golos, e diga-se de passagem que o Benfica teve oportunidades mais que suficientes para ir para o intervalo com o apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões praticamente garantido.

Já os primeiros 45 minutos do Twente não foram do meu agrado, facilitando muito na defesa, correndo sérios riscos, e ao mesmo tempo não justificavam esses riscos com oportunidades de golo criadas pelo ataque, tanto que o único remate que fez no primeiro tempo, e diga-se de passagem que levou algum perigo, foi de fora da área por intermédio de Bryan Ruiz, à passagem dos 34’. Posso mesmo dizer que não tenho dúvidas de que o costa-riquenho é mesmo o melhor jogador desta equipa.
De resto, a equipa holandesa parece não ter muita qualidade, falhando muitos passes e sendo inconsequente no ataque.

Na segunda parte, o Benfica praticamente entrou a ganhar. Na sequência de um livre a meio do meio-campo do Twente, Luisão amortece a bola de cabeça para um remate acrobático de Witsel, colocando o resultado em 1-0.

Aí, gerou-se um clima de tranquilidade e confiança entre os encarnados, e aos 58’ apareceu o 2-0, através de Luisão, a responder de cabeça ao primeiro poste a um canto de Aimar.
Cerca de sete minutos depois, após um excelente passe de Cardozo, Witsel aparece isolado e com toda a calma faz o 3-0, se dúvidas havia, o apuramento para a Liga dos Campeões ficou aqui carimbado.

A partir daí, o Benfica foi diminuindo a intensidade de jogo, e por isso os homens vindos do país das tulipas estiveram mais próximo da área encarnada, acabando mesmo por marcar, numa jogada que envolveu os dois melhores elementos de campo do Twente, Ola John a fazer um cruzamento milimétrico para a cabeça de Bryan Ruiz, estavam decorridos 84 minutos, tempo insuficiente para tentar dar a volta aos acontecimentos.

Fazendo uma análise de como o Benfica se apresentou, confesso que era esta a constituição de equipa que eu esperava, ainda que não me admirasse se visse Saviola no lugar de Cardozo, de forma a garantir mais posse de bola, mais mobilidade e contra-atacar com mais rapidez e consequente maior eficácia.
No entanto, percebe-se a intenção de Jorge Jesus e isso viu-se no jogo, pois a equipa jogou como se o resultado estivesse 0-0 e não 2-2, e depois, pela frente não estava nenhum colosso europeu como o Arsenal (cito esta equipa porque o Benfica apresentou a formação que eu pensava que iria apresentar neste jogo com os ingleses para a Eusébio Cup), as águias podiam muito bem dominar o jogo, ser mais forte e não precisar da mobilidade de Saviola, e foi isso que se assistiu.
Em relação aos sectores, devo dizer que a defesa esteve muito bem, penso que está encontrado o quarteto defensivo, e que Garay e Emerson são duas boas aquisições, exemplo de jogadores que não precisaram de período de adaptação, basicamente chegaram, viram e venceram. Emerson pode não fazer esquecer Coentrão, mas é um jogador que raramente falha nas suas tarefas.
O meio-campo esteve sempre muito dinâmico, sobretudo até aos 3-0, com Witsel a ser mais um exemplo de jogador que chegou, viu e venceu. Basicamente quem é bom é sempre bom, a linguagem do futebol é universal, e ficou aqui provado.
No entanto, e incluindo aqui também o ataque, o Benfica acusou demasiado a sede de querer marcar golos, em termos colectivos até ao 1-0, mas em termos individuais, destaco Nolito e Cardozo, que foram dos mais desesperados para colocar a bola dentro da baliza. O primeiro talvez por querer bater o recorde de Eusébio, o segundo por querer reconciliar-se com os adeptos.
Posso mesmo dizer que pecou por escassa esta vitória do Benfica.

Em relação ao Twente, sinceramente não compreendo. Milhões de jovens davam tudo para estar ali a lutar por uma vaga na Liga dos Campeões, e por muito bem que tivesse jogado a formação portuguesa, o vice-campeão da Holanda apresentou sempre grande passividade, uma grande falta de querer e motivação, e até mesmo de alguma incoerência na abordagem do jogo. Como é possível a linha defensiva estar tão subida quando o ataque estava inconsequente, e apesar do perigo que o Benfica ía causando na primeira parte, continuar subida e os jogadores parecerem despreocupados com isso?
Como é possível o líder isolado do campeonato da Holanda (país que ainda esta semana subiu ao 1º lugar no Ranking da FIFA) apresentar tão poucos argumentos? Como é possível falhar tantos passes, revelar tão pouca ambição e ficar dependente dos lances individuais do seu melhor jogador (leia-se Bryan Ruiz), e depois também de Ola John?
Nunca mostraram muita vontade em dar a volta aos acontecimentos, nem sequer qualidade para isso, e podem-se dar por felizes por não sair da Luz com uma derrota histórica, e devem alguma dessa felicidade ao extraordinário guarda-redes que têm.

Dados estes acontecimentos, o Benfica está qualificado para a Fase de Grupos da Liga dos Campeões, e terá de esperar pelo sorteio de 6ª feira para saber quais as três equipas que lhe saem na rifa.

Amanhã, em princípio, as análises futebolísticas deverão estar de regresso para fazer o rescaldo do Sporting – Nordsjaelland.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Felicidades Falcao!



Fiquei um grande fã teu em Portugal, espero que partas tudo no Atlético, embora eu pense que tivesses lugar na outra equipa de Madrid.

Há quem diga que o Benfica acerta em cheio nos reforços que são desviados para o FC Porto e é bem verdade, podemos falar de muitos, mas para mim o caso mais flagrante dos últimos anos foi mesmo Radamel Falcao.

Um goleador exímio, daqueles que inventa golos, dos que apenas precisa de meia oportunidade para marcar, daqueles cuja especialidade não é o jogo aéreo nem o bom jogo de pés mas sim marcar golos, ser um ponta-de-lança completo, apanhar a bola em qualquer sitio e atirá-la lá para dentro.

Para mim, é dos melhores 9 da actualidade, se não mesmo o melhor, é aquilo que muitas equipas precisam, um finalizador-nato, e na minha opinião, tinha lugar no Real Madrid, e por muito boa forma que esteja Benzema, falta-lhe a eficácia do colombiano.

No Atlético certamente dará muitas alegrias aos adeptos "colchoneros", quer sozinho na frente, quer ao lado de Diego Forlán, que afinal, parece que já não sai.

De qualquer modo, finalmente vestido de vermelho... e branco, espero que tenha bastante felicidade num clube pelo qual até tenho algum carinho, sobretudo depois de ter lido o livro do Futre. Não duvido que triunfará em Espanha, que figurará entre os melhores marcadores, que impressionará pelos golos que marcará de cabeça após um salto em que subiu ao segundo andar ou porque desceu onde muitos defesas não metem os pés, a inventar golos quando as jogadas parecerem perdidas, seja de calcanhar, de bicicleta, de carrinho e até de gatas.

Felicidades Falcao!

domingo, 21 de agosto de 2011

Liga ZON Sagres | Beira Mar 0-0 Sporting



Hoje, em Aveiro, Beira Mar e Sporting não foram além de um empate a zero, num jogo em que o melhor em campo, foi mesmo o árbitro, uma improvável figura no jogo.

O Beira-Mar apresentou a seguinte constituição: Rui Rego; Pedro Moreira, Jaime, Hugo e André Marques; Rui Sampaio e Yohan Tavares; Artur, Nildo Petronlina e Cristiano; Zhang.

Já o Sporting, apresentou um onze que na minha opinião já se vai aproximando do modelo ofensivo que equipa leonina tem de apresentar: Rui Patrício; João Pereira, Polga, Rodriguez (Carriço) e Evaldo; Rinaudo, Matías (Izmailov) e Schaars; Yannick Djaló (Postiga), Diego Capel e Wolfswinkel.

Um dos jogos mais insólitos de que tenho memória no futebol português, devido a toda a polémica em redor do árbitro, sobre o qual nada se sabia, nem a sua categoria, nem como foi encontrado, apenas o seu nome, Fernando Martins.

O jogo na primeira parte foi sempre muito equilibrado e sobretudo mal jogado e sonolento, com pouquíssimos remates de parte a parte, passes falhados, pedia-se, sobretudo ao Sporting, que apenas fez dois remates, o primeiro foi aos 29 minutos, por Yannick Djaló, levando algum perigo, e o segundo por Schaars cerca de 10 minutos depois, ainda que esse remate pudesse ser confundido com um remate de râguebi, que aí sim, teria dado três pontos à equipa leonina.

Face à pouca produtividade ofensiva da equipa, Domingos quis mexer no onze pouco depois da meia hora, fazendo uma dupla substituição, retirando Matias (que ainda não está com ritmo) e Yannick (que embora tecnicamente seja aquilo que se sabe, até estava a ser dos mais irrequietos), colocando em campo Izmailov e Hélder Postiga.
Surpreendeu-me imenso Wolfswinkel ter ficado em campo, porque num tipo de jogo em que o Sporting não consegue encostar o adversário às cordas e fazer cruzamentos para o “9” finalizar, não vale a pena jogar, é um jogador a menos. No entanto, o que mais critico nem é o holandês ter ficado em campo, porque a qualquer Domingos acreditou que com as alterações o Sporting pudesse encostar os aveirenses lá atrás e aí fazer jogo directo, o que critico é dar-lhe a titularidade quando já se previa que a equipa leonina não iria conseguir fazer esse tipo de jogo, até porque o jogo é fora de casa, e o Beira-Mar tem algumas responsabilidades em discutir o jogo, e por isso, era de prever que os de Aveiro fossem atrevidos e tentassem a sua sorte.

E se rapidamente o Sporting teve que fazer duas alterações, não demorou muito mais tempo a ter de as esgotar, com Rodriguez a ter de sair devido a lesão muscular ao intervalo, para dar lugar a Daniel Carriço.
E tendo em conta que na primeira parte João Pereira apresentou algumas queixas na zona lombar, previa-se um segundo tempo muito difícil para o Sporting, que com o lateral português a meio gás e um tipo de jogo que não beneficia Wolfswinkel, eu não diria que os leões iriam começar os segundos 45 minutos com 11 jogadores, nem com 10 sequer, mas sim com 9 e meio.

E claro, que assim, o Beira-Mar tinha condições e a obrigação de se superiorizar ao Sporting no segundo tempo, algo que a equipa de Aveiro já estava a fazer desde os 20 minutos, e apesar de não rematar muito, foi povoando o meio-campo sportinguista, obrigando Rui Patrício a estar muito atento a cruzamentos que eram bombeados para a sua grande área.

O intervalo acabou por fazer bem ao Sporting, que foi avançando no terreno e empurrou o Beira-Mar para trás durante toda a segunda parte, criando diversas ocasiões, mas não conseguindo nunca marcar.

Foi Postiga, foi Wolfswinkel, foi Capel, foram tantas e tantas as oportunidades desperdiçadas. Gostei do esforço do Postiga, que muitas vezes vinha buscar a bola ao seu meio-campo defensivo, gostei daquilo que Capel tentava acrescentar ao jogo, e a mesma coisa com Izmailov, no entanto, algo está mal.

Há aqueles jogos em que se podia estar uma tarde inteira a atirar à baliza que a bola não entra, no entanto, essas ocasiões são para ser raras, não para serem frequentes, e a verdade é que o Sporting em três jogos oficiais ainda não conseguiu ganhar e só marcou um golo.
Se com o Olhanense faltou sorte, no jogo da Dinamarca e no desta noite em Aveiro faltou acima de tudo uma maior “pressing” desde inicio, porque uma equipa que tem assumidamente problemas de finalização, não pode dar uma parte de avanço ao adversário.

Wolfswinkel pode não estar adaptado, mas agora pergunto, e quantos avançados com as suas características e com um preço não superior ao seu andam pela Península Ibérica? O homem tem quase dois meses de treinos, é incompreensível tantos desacertos tácticos, sempre a fugir de uma linha de passe e a criar dificuldades aos parceiros que não sabem como lhe colocar a bola. E depois, uma incrível falta de talento, tanto com os pés, como com a cabeça. Pode ser que me engane, mas está aqui um sério candidato a “flop” do ano.

Schaars é um jogador que acrescenta muito pouco à equipa, apenas é útil nas bolas paradas e diga-se de passagem que mesmo assim o Sporting não tem conseguido marcar golos desse modo, nem desse, nem de nenhum.

Evaldo é um estranho caso dentro do clube, visto que é sempre dos piores jogadores em campo e não se buscam alternativas a ele na sua posição. O ano passado deixaram estar lá alguém com a inutilidade de Grimi, e este ano parece que Atila Turan pouco ou nada fará no Sporting.

A linha defensiva esteve bem, Rodriguez e Polga são a melhor dupla, no entanto, gostei de ver Carriço, que se mostrou motivado tal como em 2008/2009 em lutar por um lugar na equipa, ao contrário dos últimos dois anos em que teve sempre uma atitude muito passiva e em que acusou demasiada confiança.

Creio que Domingos está a falhar claramente nas previsões que tem feito aos jogos, porque nunca coloca de inicio a equipa que melhor se adequa aos tipos de jogo, e talvez por aí, cinco das nove substituições que fez nos três jogos oficiais esta época tenham sido antes da segunda parte estar a decorrer, o que mostra que algo não está a correr conforme o previsto.
E quem anda no futebol há tanto tempo, quem treina com os seus jogadores todos os dias e estuda os adversários é que tem a culpa de não entrar em jogo com os jogadores mais adequados.
Há muito trabalho pela frente, no entanto, dou o benefício da dúvida ao ex-treinador do Sporting de Braga, porque ainda estamos numa fase inicial da temporada, há muitos jogadores novos, outros que não estão nas melhores condições por terem vindo de lesões, chegado tarde ao clube ou ter estado na Copa América ou em outros torneios pelas selecções, até porque nada está perdido.
Espero uma boa atitude na quinta-feira frente ao Nordsjaelland, tenho imensa curiosidade em ver um meio-campo ofensivo composto por Jeffren, Izmailov e Capel, apoiados por um Matías em melhor forma, e tendo no ataque Rubio, que tendo em conta os golos que marca sempre que tem tempo de jogo e a ineficácia da equipa, merece uma oportunidade.

O Beira-Mar cumpriu o seu papel e penso que esta equipa, agora que tem iraniano a investir nela, com alguns reforços e um maior entrosamento entre os jogadores pode vir a tornar-se uma sensação nesta Liga ZON Sagres, quem sabe, para atacar a primeira metade da tabela.

Quanto ao árbitro do encontro, devo dizer que esteve bem melhor que muitos da 1ª categoria, ainda que nem sempre os seus auxiliares tenham estado a altura.
Como é possível árbitros como este preocupados em deixar jogar e tentarem fazer com que o jogo se resolva pelos jogadores estarem nos Regionais e alguém tão incoerente, espalhafatoso e rigoroso como Bruno Paixão ser árbitro internacional?
Há muito que investigar na arbitragem em Portugal!

sábado, 20 de agosto de 2011

Liga ZON Sagres | Benfica 3-1 Feirense



O Benfica venceu esta noite o Feirense por 2-1 num jogo a contar para a 2ª jornada da Liga ZON Sagres.

Os encarnados apresentaram-se em campo na máxima força, com o seu melhor onze para um jogo do género: Artur; Maxi, Luisão, Garay e Capdevilla; Javi Garcia, Gaitán (Witsel), Nolito (Enzo Peréz) e Aimar (Bruno César); Saviola e Cardozo.

Já os fogaceiros, equipa que cujos jogadores e forma de jogar desconhecia: Paulo Lopes; Pedro Queirós, Varela, Luciano e Serginho (Stopira); Diogo Cunha e Sténio; Diogo Rosado, Bamba (Mika) e Ludovic; Rabiola (Jonathan).

O Feirense até entrou bem no jogo, mas a jogar em casa o Benfica começou a tornar-se dominador a partir dos primeiros 10 minutos, e aí, em igual período, atravessou a melhor fase na partida, criando quatro ocasiões, a primeira por Saviola à malha lateral aos 11’, a segunda na sequência de um lançamento lateral de Maxi (que já se sabe que é como um canto) encontrou a cabeça de Cardozo que assim assistiu Nolito para que o espanhol fizesse o 1-0, estavam decorridos 13 minutos.
De salientar dois aspectos: a importância do gesto de Cardozo, que para além de ter amortecido a bola para Nolito, conseguiu igualmente confundir a defesa contrária, o que possibilitou ao espanhol estar mais desmarcado.
E depois, o antigo jogador do Barcelona B marcou pelo 5º jogo oficial consecutivo, igualando um recordo de Eusébio.

A fase do Benfica continuou, e poucos minutos depois, Gaitán acertou no poste, e novamente, perto dos 20’, Aimar atirou à malha lateral.

A partir daí o Benfica foi reduzindo um pouco a intensidade de jogo, no entanto, nesta fase o Feirense estava a acusar demasiado o golo sofrido e revelou alguma falta de ambição, o que aliada à inferioridade técnico/táctica comparativamente as águias, tornou-se um sério obstáculo para as ambições dos fogaceiros.
Foram valendo algumas iniciativas individuais, sobretudo do “speedy González” Ludovic no lado esquerdo, causando uma dor de cabeça a Maxi, e de outros jogadores que vestiam de azul, que face à pouca confiança que tinham, muitas vezes precipitavam-se e tentavam encontrar como solução remates a uma distância demasiado longe da baliza encarnada.
Até ao intervalo o Benfica foi dominando e controlando o jogo, criando oportunidades, mas não com a intensidade do período dos 10 aos 20 minutos, e por isso, não conseguiu ir com melhor resultado para o intervalo do que o 1-0.

O Feirense que na primeira parte fez lembrar as equipas espanholas da segunda metade da tabela que iam jogar a Camp Nou cheias de medo, na segunda parte entraram com uma atitude diferente e aos 52 minutos chegaram à igualdade, através de um cabeceamento de Rabiola muito bem sucedido.

A partir daí, o jogo foi muito equilibrado, chegando mesmo a estar algo partido, com as duas equipas a arriscarem à procura da vitória, e curiosamente, até era o Feirense que se ía aproximando com mais facilidade da área do Benfica, e aí destaco um remate de Diogo Rosado que obrigou Artur a aplicar-se.

No entanto, o Benfica não podia de forma alguma atrasar-se tanto em relação ao FC Porto que tinha vencido na noite anterior, e foi à procura do segundo golo, primeiro num livre de Cardozo que obrigou Paulo Lopes a uma defesa apertada, e depois, veio o 2-1, após uma jogada individual de bastante insistência de Maxi pela direita, o uruguaio serviu Cardozo para este colocar de novo os encarnados em vantagem, estavam decorridos 75 minutos.

No entanto, a turma de Santa Maria da Feira não baixou os braços, e procurou o 2-2, e nesse período, houve uma jogada polémica na grande área do Benfica, com Javi Garcia a empurrar Ludovic, o árbitro optou por não marcar, e de facto é um lance que deixa muitas dúvidas, porque tudo depende da intensidade, e depois, pela velha história de que se em todas as situações destas fossem marcadas grandes penalidades, havia imensas em todos os jogos.

Do outro lado, o Benfica ganhou confiança, e após passe de Witsel, Bruno César num lance de génio ultrapassa três adversários, levanta a cabeça e num remate fantástico faz o 3-1 aos 90+1’, possivelmente, o principal motivo de conversa na imprensa desportiva de amanhã.


Sobre ilações a tirar, penso que o Benfica voltou a acusar demasiada confiança quando tinha o jogo controlado e terá de trabalhar mais para ser uma equipa mais forte a defender um resultado vantajoso, e aqui há que trabalhar tudo, seja o ataque para que permita rapidamente aos encarnados chegar a um resultado que coloque “KO” os adversários, assim como a organização defensiva (foram seis golos sofridos nos últimos quatro jogos oficiais), tal como controlar psicologicamente a confiança demasiada excessiva que a equipa ganha quando se encontra em vantagem.
De resto, devo dizer que para este tipo de jogo o Benfica apresentou o melhor onze.
Ok, podemos dizer que talvez Capdevilla não esteja actualmente melhor que Emerson, e claro, muitos benfiquistas preferiam ver Witsel de inicio em vez de Cardozo, no entanto, o espanhol só adquire ritmo jogando, e o paraguaio é, a meu ver, um jogador talhado para este tipo de jogos.
O facto de o adversário ser muito inferior ao Benfica e ir à Luz procurar jogar para o empate, leva a que jogue com uma linha mais recuada, e por isso, em vez de assistirmos a uma batalha a meio-campo ou a um jogo partido, é um tipo de jogo em que os encarnados encostam o oponente às cordas, e por isso, faz sentido haver um avançado mais posicional como Cardozo para acrescentar algo lá na área, o que no caso são centímetros e uma capacidade de finalização que a qualquer momento pode desequilibrar o marcador a favor do Benfica, e isso foi de mais evidente, porque o paraguaio fez um golo e uma assistência.
Quando o Benfica for o desfavorecido, quando tiver de jogar com uma equipa que jogue com uma linha mais avançada, quando for preciso mobilidade para chegar à baliza contrária e não haver o luxo de se poder jogar com um jogador mais posicional (porque aí praticamente é estar a jogar com 10, e isso viu-se contra o Arsenal), aí sim, faz todo o sentido que jogue Witsel em vez de Cardozo, ficando o ataque entregue a Saviola, no entanto, não deixando de estar apoiado de jogadores com características ofensivas como Aimar, Witsel, Nolito e Gaitán por exemplo.
Já Bruno César, no pouco tempo que esteve em campo teve um lance de génio que resultou no terceiro golo, e agora, os adeptos vão pedir a sua presença em campo durante mais tempo, e se lances destes se forem repetindo, está aqui uma ameaça bem séria à titularidade que hoje foi de Gaitán e Nolito.

Quanto ao Feirense, gostei da atitude na segunda parte, no entanto, creio que está longe de poder lutar pelo 9º/10º lugar a que o seu treinador se propõe, e digo isto por duas razões: pela forte concorrência e sobretudo pela falta de ambição e de experiência que a equipa revelou na primeira parte. Há muito trabalho pela frente e não me surpreenderá se os fogaceiros passarem boa parte da temporada abaixo da linha de água, ou pelo menos, perto desses lugares.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Liga Europa | Nordsjaelland 0-0 Sporting



Ainda não foi desta que o Sporting se estreou a vencer oficialmente em 2011/2012, não indo além de um empate com o Nordsjaelland, uma modesta equipa do meio da tabela na Dinamarca, um campeonato com pouca expressão na Europa.

Domingos Paciência repetiu os mesmos onze que começou o jogo com o Olhanense: Rui Patrício; João Pereira, Polga, Rodriguez e Evaldo; Rinaudo, André Santos (Matías) e Schaars; Jeffren (Izmailov), Djaló e Postiga (Rubio).

O que vimos no inicio do jogo foi um Sporting à imagem da temporada passada, não se conseguindo impor no jogo, e ser facilmente assustado por um adversário menor, ainda que até à meia hora os leões estivessem em ascendente na partida, até ao momento em que o jogador mais inconformado, Jeffren, pegou na bola e fez dois remates perigosos, que foram respondidos com duas boas defesas do guarda-redes dinamarquês.

De resto, toda a primeira parte foi um jogo disputado a meio-campo, com um ritmo mesmo muito lento, sem nenhum toque de criatividade (excepção feita às iniciativas de Jeffren), certamente muito sonolento para quem estava a assistir.

Na segunda parte, Domingos mexeu na equipa de forma a dar a agitar as coisas no ataque, e se a saída de Jeffren se possa entender por problemas físicos, a verdade é que as substituições foram feitas no sentido de dar mais mobilidade aos postos mais ofensivos, com as saídas de André Santos para as entradas de Matías de Rubio, e até mesmo com a entrada de Izmailov.

Creio que houve uma melhoria com a entrada de Matías, o jogo do Sporting a meio-campo esteve mais articulado, até mesmo com a ala direita, mas a verdade é que não se conseguia colocar a bola no último homem, até porque a ala esquerda não é uma solução, devido às limitações técnicas de Yannick Djaló e Evaldo, dois jogadores que não têm categoria para serem titulares numa equipa como o Sporting, e muito menos terem uma faixa completamente entregue a eles.

O Nordsjaelland só chegou à baliza do Sporting nos últimos 10/15 minutos, quando deu conta da impotência da equipa portuguesa e ganhou alguma confiança, no entanto, se não estou em erro, durante o jogo todo Rui Patrício só fez uma única defesa e foi um espectador assíduo de todo o jogo, um pouco à imagem do que se tinha sucedido com o Olhanense, o que por um lado pode ser um bom indicador de que a linha defensiva está a fazer bem o seu trabalho.

Bem, na minha opinião, o que falta a esta equipa do Sporting é um maior volume de jogo ofensivo, porque por muito que os adversários se fechem, isso acontece porque a equipa leonina é superior e os oponentes não podem correr tantos riscos, a grande maioria dos jogos durante a época serão assim, e a desculpa não pode ser que os outros têm um autocarro à frente da baliza, é preciso saber contornar as dificuldades, arranjar soluções, e há matéria-prima para isso.

Será coincidência André Santos sair destes dois jogos bem cedo no jogo para dar lugar a um jogador mais ofensivo e que possa galvanizar mais o jogo da equipa? Claro que não! Por muito bom jogador que seja, não há espaço para um jogador com as suas características, uma equipa ambiciosa como o Sporting tem que ter uma unidade mais ofensiva no seu lugar, e claramente que no duelo com Schaars pela titularidade, fica a perder devido ao factor bolas paradas.
Na minha opinião, o triângulo do meio-campo leonino, quando estiver tudo a 100%, será composto por Rinaudo a 6, Matías como “box to box” e Izmailov um pouco mais próximo do ponta-de-lança, é o mínimo que se pode pedir a um treinador que quer ser campeão. Nem penso que será um risco, porque o Benfica e o Porto jogam com tantos ou mais homens de características ofensivas.

Depois, temos a ala esquerda deplorável, como é possível o Evaldo ser titular no Sporting? No máximo, daria um bom suplente. E pior que isso, como é possível Yannick Djaló também o ser, e juntos ocuparem na totalidade uma faixa do terreno?
Yannick só tem velocidade, falta-lhe técnica, por isso, é um bom suplente no máximo, útil para quando a equipa precisar de jogar em contra-ataque, não quando se encontra uma defesa composta por muitos homens, que é preciso contornar um após outro, e trocar bem a bola entre os jogadores para a confundir de forma a criar oportunidades de golo, e aí Capel tem uma vantagem clara, espero que ganhe ritmo rapidamente, o problema é que só se ganha ritmo jogando, e hoje não jogou.

Do outro lado, Jeffren está a ser uma sensação, e João Pereira tem feito boas exibições.

Na frente de ataque, aceito que jogue Postiga, mas por favor, dêem oportunidades ao Rubio, é um jogador que embora não tivesse muito em jogo hoje, não desapontou ninguém e esteve bem sempre que teve a bola consigo. Oxalá Bojinov recupere depressa também, é preciso um goleador.

Os outros clubes jogam à defesa, por vezes falta sorte (hoje nem foi por aí), no entanto, assim também se vêem os campeões, são aqueles que arranjam soluções de enfrentar as adversidades pela força do seu jogo, ou pelo uso da inteligência, e penso que o Sporting está muito monótono, vejo demasiadas bolas para os flancos, e depois Jeffren ou Yannick que se desembaracem, ou fazendo diagonais para o meio, ou procurando cruzamentos, mas é preciso saber dar a volta a esta monotonia, é preciso encontrar soluções pelo centro do terreno e isso faz-se sobretudo com Matías e Izmailov em campo em simultâneo, é preciso chegar à área contrária de outro modo e daí Capel possa ser útil em vez de Yannick, é preciso que o avançado venha buscar jogo mais atrás, é preciso que os alas troquem entre si, é preciso ser-se menos previsível e ter mais soluções.

Dentro de uma semana, haverá um jogo que poderá revelar-se complicado frente a estes dinamarqueses, porque se marcarem um golo, o Sporting terá que marcar dois em Alvalade, e com esta eficácia e um principio de jogo na minha opinião pouco eclético, será difícil fazê-lo.

Já agora, e mencionando os Sub-20, que chegaram à final do Mundial da categoria, metam os olhos no Nuno Reis antes de avançarem com uma proposta de milhões por outro central, pensem no Cédric antes de contratarem este Arias (ainda não o vi jogar, mas duvido que seja algum fenómeno) quando já havia João Pereira, João Gonçalves e Pereirinha, isto só para citar alguns.
Se o Patrício hoje é um guarda-redes que enche as medidas e pode muito bem ser titular na selecção, não se esqueçam que foi por um senhor muito criticado chamado Paulo Bento apostar e insistir nele, o mesmo se passa com estes jovens que estão no Mundial Sub-20.

E por aqui termino esta minha análise, saudações sportinguistas!

Supertaça de Espanha | Barcelona 3-2 Real Madrid



O Barcelona conquistou hoje a sua 10ª Supertaça Espanhola, ao bater o Real Madrid por 3-2 em Camp Nou.

O Barça, que mexeu muito na equipa que tinha jogado domingo na capital espanhola, apresentou: Valdés; Daniel Alves, Mascherano, Piqué e Abidal; Busquets (Keita), Xavi e Iniesta; Villa (Adriano), Pedro (Fabregas) e Messi.

Já o Real Madrid só fez uma mexida: Casillas; Sergio Ramos, Ricardo Carvalho, Pepe e Coentrão; Khedira (Marcelo) e Xabi Alonso; Di Maria (Higuain), Ozil (Kaká) e Ronaldo; Benzema.

Os “blancos” entraram novamente melhor no jogo, pressionando imenso os “blaugrana” nos minutos iniciais, no entanto, tal como acontecera na 1ª mão, assim que os “merengues” deixaram de pressionar tanto, o Barcelona, quem nem estava a fazer muito, na sua primeira parte marcou, com Messi a descobrir Iniesta completamente isolado, que com um toque de classe atirou a bola para dentro da baliza, estavam decorridos 14 minutos.

Estava tudo mais complicado para o Real Madrid que precisava agora de fazer dois golos, mas os “madrileños” não se foram abaixo e cinco minutos depois empataram por intermédio de Cristiano Ronaldo, desviando um remate cruzado de Benzema para o fundo das redes. Há dúvidas sobre o posicionamento de Ronaldo neste lance, pois ficou-se na dúvida se entre o remate de Benzema e o desvio do português, Sergio Ramos tinha tocado na bola, e se tocou, CR7 estava fora-de-jogo, se não, o golo era o limpo.

A partir daí, o jogo foi muito equilibrado e intenso, um grande jogo mesmo, no entanto, com o Real a dar sinal “+”, com vários remates perigosos, como um de Ronaldo que Valdés desviou para a trave, ou então um remate cruzado e algo enroscado de Ozil ao qual o “portero” dos catalães, respondeu com uma boa defesa.

Do outro lado, Messi avisou duas vezes, possibilitando a Casillas duas grandes defesas, a primeira em que ganhou asas e atirou a bola para canto, a segunda impedindo o golo para os pés, mas como já se sabe, a “pulga” não é de falhar muitas vezes e perto do intervalo faz o 2-1, numa jogada em que é assistido com um passe de calcanhar de Piqué, e finaliza com classe, perante um Cristiano Ronaldo que o tentou acompanhar mas que acabou ajoelhado perante o argentino.

O jogo chegou ao intervalo tal como tinha chegado em Madrid, com 2-1 a favor dos “blaugrana”.

Na segunda parte, o jogo foi mau, sem oportunidades, muito duro, com muitas faltas e picardias, demasiado agressivo e violento, com um ritmo de jogo a ficar menos acelerado, apesar das alterações que as equipas iam fazendo.
Só a dez minutos do fim se viu um lance de relevo, e foi o golo do Real Madrid, após um canto que até nem saiu muito bem a Kaká, a bola fica ali no coração da área do Barça, houve alguma atrapalhação, mas acabou por sobrar para Benzema que empatou o jogo, pensando-se que tinha atirado o jogo para prolongamento.

No entanto, o Barcelona, que parece que controla os jogos conforme quer e que basta meter uma mudança superior para pôr o resultado a seu favor, poucos minutos depois, faz o 3-2, por intermédio de Messi, e numa altura em que Ricardo Carvalho já andava a meio gás. O argentino abriu o jogo para Adriano, e foi-se dirigindo para a zona do primeiro poste onde haveria de concluir um cruzamento do brasileiro, sentenciando assim o resultado final.

O Real ainda tentou o empate (que desta feita lhe daria a Supertaça), mas sem sucesso, porque o Barça já não iria largar a liderança. Os minutos finais foram os mais negros deste super clássico, com Marcelo a pontapear Fabregas junto à linha lateral e a ser expulso, os suplentes de ambas as equipas entrarem em campo, há uma série de agressões, Ozil e Villa que já tinham sido substituídos acabam expulsos, Mourinho trocou uns “calduços” com um membro do “staff” do Barcelona e o jogo fica interrompido por cerca de quatro minutos, e quando recomeçou, poucos mais segundos teve, pois terminou de imediato.

Tenho de destacar a atitude do Real Madrid que parece ser uma equipa com uma personalidade mais forte que na época transacta, e com mais vontade de se afirmar como a primeira equipa em Espanha, no entanto, falta-lhe maior eficácia de remate, algo que Benzema não traz e embora esteja melhor do que na temporada passada e nos dois golos do Real, parece-me ser muito previsível, lento a pensar e executar. E Higuain, o outro avançado, ainda não está em forma, e também teve poucos minutos para se mostrar. Penso que o Real deveria encontrar um ponta-de-lança mais eficaz, e não tenho dúvidas em dizer que Falcao irá para o clube errado da capital espanhola, porque me parece que seria o avançado ideal para os “merengues”.

Também tenho de falar do anti-jogo do Barcelona, que aproveitavam todas as interrupções de jogo para enviar a bola para longe, e como o árbitro quis ser tolerante para que um jogo desta envergadura não se estragasse, a verdade é que os catalães foram abusando desse tipo de situações. Não fica nada bem a um clube com uma cultura tão própria e que este ano vai defender os títulos de campeão espanhol e europeu.

O primeiro troféu da época ficou em Barcelona, a ver vamos quem levará a melhor nas outras competições.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

WWE | SummerSlam 2011



Data: 14 de Agosto de 2011
Arena: Staples Center
Cidade: Los Angeles, Califórnia

domingo, 14 de agosto de 2011

Supertaça de Espanha | Real Madrid 2-2 Barcelona



O primeiro super clássico da temporada disputou-se hoje no Santiago Bernabéu, na primeira mão da Supertaça Espanhola.

O Real Madrid apresentou o seguinte onze: Casillas; Sergio Ramos, Pepe, Ricardo Carvalho e Marcelo; Khedira (Callejón) e Xabi Alonso; Di Maria (Coentrão), Ozil e Cristiano Ronaldo; Benzema (Higuain).

Já o Barcelona: Valdés; Daniel Alves, Mascherano, Abidal e Adriano (Piqué); Keita, Thiago (Xavi) e Iniesta; Alexis Sanchez, Villa (Pedro) e Messi.

Que é como quem diz: Real Madrid praticamente na máxima força e Barcelona desfalcado de unidades fulcrais como Puyol, Piqué e Xavi, e isso notou-se desde muito cedo, com jogadores na defesa fora da sua posição de raiz a mostrarem alguma inadaptação à posição (e aqui falo sobretudo de Mascherano e Abidal), e um meio-campo pouco criativo acusando imenso a ausência de Xavi.

A jogar em casa, praticamente na máxima força e com a vontade de mostrar que quem manda Espanha veste de branco, o Real entrou fortíssimo, muito pressionante e ocupando muito espaço no meio-campo contrário, criando várias oportunidades de golo, sendo a mais flagrante um cabeceamento de Benzema para uma defesa fantástica de Victor Valdés.

Aos 14 minutos, depois de vários avisos, veio a sentença, grande trabalho de Benzema na direita a trocar as voltas a Abidal, e uma assistência de grande qualidade para Ozil que com um toque subtil, colocou a bola na baliza com o seu pé esquerdo.

O Real continuou a carregar, a ocupar espaços no meio-campo “blaugrana” e a criar algumas oportunidades, estando perto do 2-0 várias vezes. Durante esse período do jogo, Abidal atrapalhou-se e jogou a bola com o braço dentro da sua grande área, uma grande penalidade que ficou por assinalar.

À passagem da meia hora, a equipa treinada por José Mourinho baixou ligeiramente o ritmo, concedeu um pouco mais de espaços, e nesse período, e até ao intervalo, o Barcelona faz dois remates e marca dois golos.
O primeiro por David Villa, que pegou na bola a meio do meio-campo “madrileño” encostado ao lado esquerdo, flecte para o meio, puxa o esférico para o pé direito e fez um remate espectacular, que não deu a mínima hipótese a Iker Casillas.
Mesmo no final da primeira parte, Messi ganha uma bola perto da grande área do Real Madrid, consegue resistir à pressão de vários defesas, incluindo Pepe, e com muita calma faz o 2-1, completamente contra o corrente do jogo, com alguma injustiça.

Nesta fase, os jogadores do Real Madrid, algo frustrado, estavam com a moral em baixo porque finalmente estavam-se a superiorizar sem a mínima dúvida sobre o Barcelona, e apanharam-se em desvantagem quando não mereciam. Foi assim que saíram para o intervalo, e foi assim que voltaram, com o Barça a entrar melhor no segundo tempo, assentando mais o seu jogo, no entanto, novamente contra o corrente do jogo, quem marca desta vez é o Real Madrid, após um canto de Ozil, a bola acaba por sobrar para Pepe, que resiste à pressão dos jogadores do Barcelona, encontra Xabi Alonso, que com a sua já conhecida facilidade de remate, chuta rasteiro longe do alcance de Victor Valdés.

A partir daqui, o Real Madrid volta a estar por cima do jogo até ao final da partida, ainda que perto do término do jogo, e quando este já se encontrava partido, o Barcelona conseguiu chegar à área adversária algumas vezes, no entanto, efectuando apenas um remate, num livre de Messi que levou algum perigo à baliza de Casillas. Falando no guarda-redes espanhol, de referir que podia ter muito bem ter jogado sem luvas, já que não fez uma única defesa, o Barcelona apenas fez três remates, dois entraram e um foi para fora.

Do outro lado do campo, o talento de Cristiano Ronaldo, o espírito de sacrifício de Ozil e a vontade de Benzema tentaram de tudo para conseguir a reviravolta, mas algo ía impedindo o terceiro golo “merengue”, algumas vezes algum desacerto na finalização, mas também os defesas do Barcelona (nos quais já se incluía Piqué), e claro, Valdés, que rubricou uma grande exibição.

No fim do jogo, dois casos em que se podia ter assinalado grande penalidade, o primeiro após um derrube de Valdés a Ronaldo, e do outro lado, poucos minutos mais tarde, foi a vez de Marcelo ter acção faltosa sobre Pedro, no entanto, ambos os casos não foram sancionados por um árbitro que evitou sempre que o caldo se entornasse, e foi muito pouco rigoroso, não assinalando as faltas em caso de dúvida.

O empate sabe a alguma injustiça ao Real Madrid, sobretudo porque é quarta-feira em Camp Nou, estádio do Barcelona, que se vai decidir quem leva a Supertaça Espanhola, e neste momento os catalães têm vantagem, porque empataram fora com golos, que é como quem diz, o 0-0 serve-lhes e terá de ser a equipa de José Mourinho, Ronaldo e companhia a ir em busca do resultado.

No que diz respeito aos portugueses em campo, Ronaldo esteve em muito bom plano, Coentrão não deu muito nas vistas mas esteve bem (entrando na segunda parte para actuar no meio-campo, jogando um pouco mais à frente de Xabi Alonso quando a equipa tinha a bola, mas apoiando na defesa sempre que necessário), Ricardo Carvalho foi um senhor como sempre e Pepe esteve na jogada do segundo golo da equipa, no entanto mostrou-se sempre disponível para qualquer picardia (especialmente com Keita) e ficou um pouco mal na fotografia no golo de Messi.

Quanto aos outros, continuo a ter uma opinião pessoal muito desfavorável ao Di Maria, que a meu ver não é jogador para ser titular numa equipa destas, e não tenho problemas em dizer que o Benfica está muito melhor servido com Gaitán. E certamente o Real Madrid poderá estar melhor servido quando tiver Ozil na ala e Kaká a 10, ou então quando este Callejón evoluir, porque pareceu-me um excelentíssimo jogador, ainda jovem, com grande futuro pela frente.
Benzema mostrou-se activo e mostrou ser um avanço de topo, ainda que esteja muito lento. Sergio Ramos na minha opinião é um jogador de muitas oscilações. De resto, nada a acrescentar.

No Barcelona, nota-se que Abidal e Mascherano não funcionam como dupla de centrais e que tê-los os dois ou ter Piqué e Puyol é uma diferença da noite para o dia. Sem Xavi (e sem Busquets, jogador que a meu ver é subvalorizado), o Barça é logo outro, não há o “tiki-taka”, não há jogadores criativos o suficiente para substituírem tais unidades, e quanto ao reforço, Alexis Sanchez, parece-me que ser muito talentoso e com tempo e espaço, tornar-se-á uma referência da equipa.

Quarta-feira, em Camp Nou, há mais espectáculo para ver!

Liga ZON Sagres | Sporting 1-1 Olhanense



Bom futebol de regresso a Alvalade!

Mas só o bom futebol… porque o Sporting não conseguiu ir mais além do que um empate (1-1) frente ao Olhanense.

Os leões apresentaram o seguinte onze: Rui Patrício; João Pereira, Polga, Rodriguez e Evaldo; Rinaudo, André Santos (Izmailov) e Schaars; Jeffren (Rubio), Yannick (Capel) e Hélder Postiga.

O Sporting entrou forte, mandão, aguerrido e com vontade de marcar cedo, como há muito não se via, mostraram uma identidade forte, e mantiveram-se assim durante todo o jogo, ainda que com oscilações, porque é impossível manter sempre o ritmo, e claro, o adversário estrategicamente foi arrefecendo esse mesmo ritmo pausando o jogo com faltas e com o conhecido anti-jogo que as equipas mais fracas utilizam quando jogam no terreno de um adversário mais poderoso.

A verdade é que o Sporting jogou sempre bem, foi empolgante, trocou bem a bola, defendeu bem, a equipa mostrou concentração nos processos ofensivos e defensivos, foi criando ocasiões de golo, e conseguiu responder aos arrefecimentos de jogo provocados pelo Olhanense.

No entanto, no segundo (e último!) remate dos algarvios à baliza do Sporting, marcaram!
À passagem da meia hora, um remate fantástico de Wilson Eduardo (ligado contratualmente aos leões) muito longe da baliza colocou os homens de Olhão em vantagem.

Nos 10/12 minutos que se seguiram, e pela frustração que é estar a jogar bem, querer começar bem no campeonato, e sofrer um golo completamente contra a corrente do jogo, os jogadores foram um pouco abaixo, mas mesmo assim, dominando a partida, voltando à carga nos últimos minutos da primeira parte com mais boas ocasiões para marcar, sobretudo uma de Hélder Postiga para uma grande defesa de Fabiano. Excelente “forcing” nos últimos minutos do primeiro tempo, mas ainda assim, o Sporting foi a perder para o intervalo.

Ao intervalo, eram precisas serem tiradas conclusões, e para o tipo de jogo que se estava assistir e que se podia fazer prever para a segunda parte, estava um jogador a mais no meio-campo defensivo, e claro que se Rinaudo estava a jogar do modo fantástico como estava, recuperando bolas e começando ataques, e se André Santos estava mais apagado (ainda que não tivesse a jogar mal), era preciso tirar o jovem médio português para colocar um jogador criativo que no caso foi Izmailov, revelando-se essa aposta, mais tarde, acertada.
De resto, a equipa estava a corresponder, embora me causasse estranheza Rubio, o grande jogador e goleador do Sporting na Pré-Época, ficar no banco de suplentes em detrimento de Hélder Postiga. Ainda que enfim, por vezes os nomes também joguem nas cabeças dos treinadores, e fosse complicado deixar um ponta-de-lança que jogou e marcou como titular na selecção a meio da semana para colocar a jogar um miúdo de 18 anos.
Da mesma forma que, André Santos, que tem estado na sombra de Rinaudo na pré-temporada, foi titular esta noite só porque também foi titular a meio da semana pela selecção, não pelo que podia dar à equipa, porque Rinaudo + André Santos num jogo como este é um jogador a menos.

O Sporting demorou a entrar bem na segunda parte, mas a verdade é que continuou com a elevadíssima posse de bola, e lá foi acelerando o ritmo, e foi encostando às “boxes” os homens de Olhão, que nesta altura do jogo tinham o autocarro à frente da baliza, e como se não bastasse, um guarda-redes bastante inspirado.

Aos 69 minutos, momento crítico do jogo, Hélder Postiga marca mas o golo é anulado por fora-de-jogo mal tirado. Com mais de 20 minutos para jogar, o Sporting teria mais tempo para procurar a vitória e o Olhanense sentiria-se pressionado durante mais tempo, no entanto, assim a equipa leonina teve de continuar a procurar o empate, que haveria de surgir aos 77 minutos, onde Izmailov responde a um cruzamento de Evaldo, primeiro com um remate para defesa do guarda-redes do Olhanense, depois para um remate para o fundo das redes algarvias.

Até final do encontro, o Sporting sufocou a turma de Olhão, com remates que iam passando a centímetros dos ferros da baliza do adversário.

Os leões não conseguiram a vitória mas mostraram muito mais garra, determinação e atitude ganhadora do que na época passada, sobretudo no inicio do jogo e quando se viram em desvantagem, mas diga-se de passagem, também porque foram empurrados pelos extraordinários adeptos que estiveram em Alvalade.

Em relação à arbitragem, houve três erros cruciais no trabalho de Carlos Xistra, sendo que o primeiro até beneficiou o Sporting, com a não expulsão de Jeffren após falta duríssima sobre Cauê.
Depois, na segunda parte, golo mal anulado a Postiga e a não expulsão de Cauê após uma entrada duríssima sobre Diego Rubio. Nos últimos segundos do jogo, ficou por assinalar um livre perigosíssimo perto da grande área do Olhanense, após falta de Maurício sobre Izmailov.

O Sporting acabou o jogo com quase 70% de posse de bola, mais de 20 remates, boa intensidade de jogo, domínio absoluto e em que mostrou bom futebol, ambição e inconformismo, e isso no mínimo deve ser valorizado pela massa adepta leonina.
Desta vez, a vitória não foi conseguida, mérito também para o adversário que marcou um golo porque de facto rematou, e que não sofreu porque também soube defender e teve um guarda-redes inspirado.

Em termos individuais, do lado do Sporting, devo destacar primeiro a linha defensiva que esteve bastante sólida, e penso que está encontrada a dupla de centrais (Rodriguez e Polga), Rinaudo para mim foi o melhor em campo, fez um jogo perfeito, mesmo quando já estava estoirado, Schaars esteve bem sobretudo em jogadas de bola corrida, com bons cruzamentos e remates mas não tanto nas bolas paradas, Postiga esteve lutador como sempre, Jeffren deu muito boas indicações, o próprio Evaldo que tem sido o patinho feio da equipa, mostrou vontade e inconformismo, e esteve directamente ligado ao golo. Dos jogadores que entraram na segunda parte, ajudaram os três a galvanizar o jogo da equipa, e mostraram ser sérios candidatos a assumir a titularidade no Sporting.
Em termos negativos, destaco Yannick Djaló que não pode ser titular numa equipa como o Sporting, porque o homem tem muita velocidade, mas técnica para o nível que lhe é exigido tem muito pouco, e a verdade é que não percebe as suas limitações e tende a perder a bola muitas vezes, sendo provavelmente o jogador da equipa com mais perdas de bola.
Destaco ainda pela negativa André Santos, não que tivesse jogado mal, mas sim porque num jogo com estas características, é um homem a mais, porque não é preciso defender tanto e é preciso maior criatividade na frente.

Ainda não foi desta que uma equipa conseguiu os três pontos na Liga, fruto de três jogos já realizados que resultaram em três empates, e assim o Sporting não se conseguiu adiantar aos concorrentes directos Benfica e Braga.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Jogo de Preparação | Portugal 5-0 Luxemburgo



Portugal derrotou hoje o Luxemburgo por 6-0, num jogo de preparação para o embate com o Chipre em Setembro.

Se a intenção era preparar a selecção para o jogo com o Chipre, penso que escolheram um mau adversário, porque o a liga cipriota já é uma liga com alguma competitividade, que já tem levado clubes à Liga dos Campeões, e mesmo o a selecção tem alguns jogadores e a jogar nos principais clubes gregos ao invés do Luxemburgo que é uma selecção que fica em último em todas as qualificações, que é facilmente goleada, que tem um campeonato sem qualquer expressão e que na Europa não significa nada.

E se a ideia é jogar com uma selecção que jogue fechada, com a linha mais baixa recuada, a verdade é que não acredito que o Chipre jogue assim depois de ter empatado 4-4 em Guimarães o ano passado, e penso que vão tentar bater o pé a Portugal no seu reduto.

Portugal começou a jogar com Rui Patrício; João Pereira, Bruno Alves, Pepe e Fábio Coentrão; André Santos, Ruben Micael e João Moutinho; Danny, Cristiano Ronaldo e Hélder Postiga.

Apesar da fraca qualidade dos luxemburgueses, estes tentaram dar luta, até porque alguns jogadores portugueses estavam demasiado confiantes e por vezes as coisas não estavam a sair-lhes bem, como foi o caso de Danny, que na minha opinião, fez um jogo péssimo.

O que é certo é que Portugal chegou à vantagem aos 25 minutos por Hélder Postiga, numa jogada confusa, primeiro como uma queda de Coentrão que parecia estar na luta pelo lance, e depois com uma falta sobre Cristiano Ronaldo na grande área, e chegou-se a pensar que o golo tinha sido anulado para haver a marcação de uma grande penalidade, algo que por motivos lógicos, não veio a acontecer.

Portugal com maior ou menor dificuldade foi controlando o jogo, fazendo uso da sua superioridade técnica e física, e chegou ao 2-0 através de um livre directo por Cristiano Ronaldo no final da primeira parte.

Na segunda parte, foram entrando vários jogadores, como Sílvio, Ricardo Carvalho, Varela, Hugo Almeida, Raul Meireles e Nani, mas nem por isso Portugal baixou os braços, antes pelo contrário, e chegou ao 3-0 num dos primeiros lances do segundo tempo, com um cruzamento de João Pereira a ser concluído com um golo quase inédito de cabeça de Fábio Coentrão.

Com tranquilidade, fase típica do seleccionador português, Portugal foi ampliando a vantagem, fazendo algumas jogadas de grande qualidade, uma que viu uma trivela de Coentrão acertar na trave e outras em que a velocidade de Nani e a dinâmica dos jogadores mais ofensivos de Portugal vieram à baila.

O 4-0 e o 5-0 foram grandes golos de Hugo Almeida, sobretudo o primeiro com um grande pontapé a longa distância, após amortecimento de cabeça de Silvestre Varela.

O segundo foi um toque de Karaté após cruzamento de Nani, num golo fácil do avançado do Besiktas, associado ao Benfica neste defeso.


Bem, em relação a notas sobre este jogo, destaco positivamente Rui Patrício e Ruben Micael, que mostraram que podem jogar como titulares na selecção, apesar das poucas internacionalizações.
Destaco ainda Varela que mostra ser uma boa alternativa a Nani, de João Pereira que parece ter agarrado um lugar na direita, e dos dois pontas-de-lança que mostraram eficácia.

Negativamente, a exibição de Danny que na minha opinião tem de ser a última opção (de entre os convocados de hoje) para aquela posição, porque Varela, Nani e Ronaldo estão bem à frente, sempre que os dois últimos ocupam a “pole position”.

Sobre a não utilização de Nuno Gomes, e então? Os dois pontas-de-lança marcaram, um deles até bisou, a equipa conseguiu uma mão cheia de golos e não mostrou falta de alguém com as características de Nuno Gomes, que até é um avançado que rende mais quando tem alguém directamente a apoiá-lo.
Sobre o Quim e o Castro, foram chamados para ambientarem-se ao clima da selecção, para uma possível chamada, mas com seis substituições para se poder fazer e com Patrício, André Santos e Ruben Micael a precisarem de minutos pela equipa das quinas, percebeu-se as suas não utilizações.

Venha daí o complicadíssimo jogo com o Chipre!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Shoot Interview com Red Eagle (4/4)


Relembro que Red Eagle é um lutador da APW, conhecido pelo seu talento, pelos seus vistosos golpes aéreos, pela personalidade simpática para com os fãs e pela máscara que usa. Acima de tudo é conhecido como o lutador do Sport Lisboa e Benfica, clube que leva no coração.

Esta é a quarta e ultima parte da "Shoot Interview" com Red Eagle.

Nesta quarta parte continua-se a falar sobre o Centro de Treinos da APW, do Wrestling Portugal, comparação entre APW e WP, entre outros temas, é a não perder....

segunda-feira, 8 de agosto de 2011