domingo, 31 de julho de 2011

Shoot Interview com Red Eagle (3/4)


Relembro que Red Eagle é um lutador da APW, conhecido pelo seu talento, pelos seus vistosos golpes aéreos, pela personalidade simpática para com os fãs e pela máscara que usa. Acima de tudo é conhecido como o lutador do Sport Lisboa e Benfica, clube que leva no coração.

Esta é a segunda de quatro partes da "Shoot Interview" com Red Eagle.

Nesta terceira parte continua-se a falar sobre o seu percurso na modalidade, a origem da sua "gimmick", a origem da máscara dele, a APW/WSW e alguns dos seus sonhos nesta indústria, o afastamento de Axel, entre outros, é a não perder....

sábado, 30 de julho de 2011

Pré-Época | Sporting 0-3 Valência



Esta noite o Sporting Versão 2011/2012 apresentou-se aos seus sócios, e pela primeira vez, desiludiu e perdeu por 3-0 com o Valência perante quase 49.000 adeptos, uma das maiores enchentes que o novo Estádio de Alvalade já viu.

Os leões começaram mal, não conseguindo assumir o controlo do jogo, não conseguindo criar jogadas de perigo, e fruto de jogar com uma linha defensiva muito avançada e da velocidade dos homens da frente do Valência, acabaram por primeiro apanhar um susto com uma bola enviada ao poste e depois sofrendo mesmo um golo, isto à passagem dos cinco minutos de jogo.

O Sporting foi reagindo, lentamente, embora apresentando fragilidades defensivas, e criaram duas oportunidades de chegar ao empate, primeiro por um remate de Postiga de fora da área para grande defesa do guarda-redes espanhol Diego Alves, e depois por uma iniciativa de Diego Rubio, que apanhou-se isolado perante o guardião contrário e acabou por atirar ao poste.

Até ao intervalo, dois golos do Valência decidiram qual era a equipa que iria sair do jogo como vencedor.

No descanso, o Sporting (que na primeira parte tinha apresentado Rui Patrício; João Pereira, Daniel Carriço, Onyewu e Evaldo; Rinaudo, Schaars, Izmailov e Yannick Djaló; Diego Rubio e Hélder Postiga) fez entrar ao longo do segundo tempo praticamente uma equipa nova: Marcelo Boeck, Bruno Pereirinha, Rodriguez, Polga, André Santos, André Martins, Diego Capel, Carrillo, Luis Aguiar e Wolfswinkel.

Na segunda parte, o Sporting mostrou mais energia, melhorando com as alterações, tanto defensiva como ofensivamente, onde destaco os bons pormenores de Diego Capel, Carrillo e André Martins, no entanto, nada de especial, apenas pormenores, não havendo grandes ocasiões de golo.

O que há a reter é que o Sporting entrou com a estratégia errada para o tipo de adversário porque certamente em 80% dos jogos que irá fazer durante a temporada, a equipa leonina terá que jogar com esta estratégia, porque é a melhor equipa, a favorita, porque tem de pressionar, porque tem mais argumentos que o adversário, porque é a que tem de ir em busca de um melhor resultado e a intenção de Domingos foi que se começasse a assimilar esses princípios de jogo, olhando para um Valência como se estivesse a olhar para um Feirense ou Rio Ave.
Porque se este jogo fosse para a Liga Europa por exemplo, penso que seria lógico que aí a linha defensiva teria de estar mais recuada, e que se calhar em vez de um defesa-central como Onyewu mais alto mas menos móvel, jogaria um Rodriguez, que apresenta maior velocidade e que poderia acompanhar melhor os velozes dianteiros do Valência, e isso faz-me dormir de certa forma algo descansado, porque percebi a intenção. No entanto, é preocupante sofrer-se dois golos na sequência de lançamentos laterais.

É igualmente preocupante a escassez de ocasiões criadas, e ainda que se possa dizer que os criativos Capel e Carrillo tiveram poucos minutos de jogo, que Izmailov e Luis Aguiar estão com alguma falta de ritmo devido a lesões recentes e Matías Fernandez ainda não chegou, a verdade é que ofensivamente a equipa desiludiu.
Os três avançados mostraram muito pouco e duvido que qualquer um deles marque mais de 10 golos no campeonato, no entanto, a único aspecto que me traz algum entusiasmo é a diversidade de estilos dos pontas-de-lança, porque se pouco ou nada vi de bom de Wolfswinkel, é igualmente verdade que ainda não vi o Sporting a jogar num estilo de jogo mais directo.

Ficou igualmente provado também que em jogos contra equipas de valor como o Valência, Rinaudo não pode ser o único trinco e que deverá ter o apoio de André Santos, tanto para recuperar bolas, como na primeira fase de construção.

De resto, Pereirinha a mim não me diz nada, Yannick Djaló não pode ser titular numa equipa como o Sporting e Evaldo é no máximo um bom suplente, espero ver coisas bastante boas de Bojinov e Turan, que ainda não vi jogar de leão ao peito.

domingo, 24 de julho de 2011

Shoot Interview com Red Eagle (2/4)


Relembro que Red Eagle é um lutador da APW, conhecido pelo seu talento, pelos seus vistosos golpes aéreos, pela personalidade simpática para com os fãs e pela máscara que usa. Acima de tudo é conhecido como o lutador do Sport Lisboa e Benfica, clube que leva no coração.

Esta é a segunda de quatro partes da "Shoot Interview" com Red Eagle.

Nesta segunda parte continua-se a falar sobre o seu percurso na modalidade e alguns dos segredos desta indústria, é a não perder....

Pré-Época | Sporting 2-1 Juventus



Na última madrugada o Sporting fez mais um jogo de preparação para a nova época, desta vez frente a um colosso italiano, que no entanto já viveu melhores dias, a Juventus.

O Sporting entrou no jogo com o seguinte onze: Rui Patrício; João Pereira, Onyewu, Daniel Carriço e Evaldo; Rinaudo e Schaars; Yannick Djaló e Bruno Pereirinha; Hélder Postiga e Wolfswinkel.

A primeira parte não foi desequilibrada nem nada que se parecesse, foi calma, ao ritmo habitual de pré-época, no entanto, os leões tiveram sempre o ascendente, apresentado elevada posse de bola, com valores na ordem dos 65%, e conseguindo marcar dois golos, por intermédio de Yannick Djaló.

O primeiro surgiu através de um pontapé de canto aos 13 minutos (uma bola parada que nos últimos anos o Sporting teve sempre grande dificuldade em transformar em golo), com Onyewu a subir ao primeiro andar e a cabecear a bola para Djaló que encostou para dentro da baliza.

Depois, Schaars, certamente inspirado por João Moutinho, quase que marcava de canto directo, mas a bola acertou no poste.

O segundo golo surgiu de um remate de Yannick Djaló de fora da área, uma bomba de pé esquerdo, indefensável para Buffon, à passagem dos 36 minutos.

De resto, pouco a assinalar em termos de oportunidades, tanto para um lado como para outro.

Na segunda parte, o Sporting só mudou inicialmente o guarda-redes, mas acabou por fazer bastantes alterações, com as entradas de Ilori, Polga, João Gonçalves, André Santos, André Martins, Rubio e Bojinov, no entanto, na segunda metade não criou grandes oportunidades e foi apenas gerindo a vantagem, vantagem essa que foi encurtada por Del Piero, num belo chapéu a Marcelo, deixando o resultado final em 2-1 para os leões.

Devo dizer que gostei bastante das exibições de Onyewu e Rinaudo, que vêem acrescentar algo à equipa, Schaars é bom mas não se nota muito de mais, Wolfswinkel é muito posicional e não teve oportunidades, Marcelo esteve seguro e não tive tempo para avaliar quem entrou na segunda parte.

O árbitro do jogo era péssimo, e nem nos Distritais vejo algo tão mau.

O próximo jogo do Sporting é dia 30, em Alvalade, diante do Valência, num encontro que vai servir de apresentação aos sócios.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Pré-Época | Sporting 3-0 Ankaragüçü



Pela primeira vez esta temporada, vi um jogo do Sporting.

Bem, é claro que com duas semanas de treinos, e com a carga física intensa que se sabe há neste momento, não se poderia esperar um Sporting muito entusiasmante, mas sobretudo uma equipa a procurar assimilar processos e a criar rotinas de jogo, com a principal preocupação a ser a táctica.

No entanto, a verdade é que os leões entram a todo o gás, com Hélder Postiga a concluir bem um livre marcado por Schaars a meio do meio-campo do Ankaraguçu para fazer o 1-0, logo aos 6 minutos.

O golo do Sporting foi tão madrugador que não tinha dado para reparar em quais eram realmente os onze jogadores que iniciaram a partida: Marcelo Boeck na baliza; João Pereira, Polga, Carriço e Evaldo a comporem, tal como muitas vezes no ano passado, o quarteto defensivo; Rinaudo, Schaars no centro do terreno; Izmailov e Djaló nas alas e Van Wolfswinkel (posso-lhe chamar só Ricky?) e Postiga na frente.

A equipa leonina acabou por controlar todo o resto da primeira parte, não dando hipóteses da defesa, e ainda que não muito intensivamente, foi criando situações de golo no ataque, chegando com normalidade ao 2-0 por Ricky, por grande penalidade, após ter sido derrubado na área quando se preparava certamente para marcar.

O jogo foi para intervalo e no segundo tempo foram entrando novos jogadores, como Rui Patrício, Onyewu, Ilori, Esgaio, Pereirinha, Bruma, André Santos, Rubio e André Martins, e perdeu-se algum ritmo, com os turcos a criarem mais ocasiões, no entanto, foi o Sporting que marcou mais uma vez, por Rubio, novamente de grande penalidade, no entanto, mais uma vez, se não fosse travado em falta teria marcado.

O Sporting está a evoluir no grau de dificuldade dos seus adversários e aqui teve um teste com uma equipa do meio da tabela da Turquia, um campeonato com um grau de dificuldade algo semelhante ao português, mostrando mais uma vez veia goleadora e solidez defensiva.

No próximo sábado há jogo com a Juventus em Toronto, e aí poderemos analisar melhor o nível competitivo da equipa.

WWE | Money In The Bank 2011



Data: 17 de Julho de 2011
Arena: Allstate Arena
Cidade: Rosemont, Illinois

domingo, 17 de julho de 2011

Shoot Interview com Red Eagle (1/4)


Relembro que Red Eagle é um lutador da APW, conhecido pelo seu talento, pelos seus vistosos golpes aéreos, pela personalidade simpática para com os fãs e pela máscara que usa. Acima de tudo é conhecido como o lutador do Sport Lisboa e Benfica, clube que leva no coração.

Esta é a primeira de quatro partes da "Shoot Interview" com Red Eagle.

Nesta primeira parte fala-se sobre a sua paixão sobre esta indústria e um pouco sobre o seu percurso na mesma....

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Torneio do Guadiana | Benfica 3-1 Paris SG



No regresso a Portugal, o Benfica regressou também às vitórias, vencendo os franceses do Paris SG por 3-1.

O Benfica repetiu praticamente os mesmos onze que tinha sido derrotado pelo Dijon, fazendo apenas entrar Bruno César e sair Saviola, com Gaitán a fazer a posição de segundo avançado e o ex-Corinthians actuando no lado esquerdo do meio-campo encarnado.

O Benfica começou bem, com gás, e depois de várias oportunidades conseguiu chegar-se à frente no marcador por Óscar Cardozo logo aos 10 minutos, assistido por um passe de Pablo Aimar com um ressalto pelo meio.

No entanto, quatro minutos depois o Paris SG empatou o jogo, num belo golo apontado pelo melhor dos parisienses no primeiro tempo, Nenê, um brasileiro de 28 anos com muita qualidade, que “chapelou” Artur Moraes.

A partir daí, o PSG teve cerca de 20 minutos no controlo do jogo, até quase ao final da primeira parte, quando o Benfica voltou à carga, especialmente num livre marcado por Cardozo no qual Douchez respondeu com uma grande defesa.

No segundo tempo o PSG trocou toda a equipa enquanto o Benfica alterou apenas o meio-campo e o ataque, com as entradas de Nuno Coelho, Urreta, Jara, Nolito, Saviola e o estreante Witsel.

Os franceses, comandados pela sua grande contratação, Kévin Gameiro (contratado por 11 milhões de euros ao Lorient), até conseguiram chegar primeiro à baliza encarnada, no entanto, Artur respondeu com um par de duas defesas consecutivas.

A partir daí, praticamente, só deu Benfica, comandados por Nolito, um jogador à Barcelona, com excelente qualidade técnica, mas sobretudo um jogador de equipa, com boa e frequente qualidade de passe, contribuindo para os dois golos que vieram a dar a vitória à equipa portuguesa, o primeiro por Jara e o 3-1 por Javier Saviola.

Até ao final, apenas um cabeceamento de Javi Garcia e um lance acrobático de Gameiro foram os lances dignos de registo.


Quanto a pontos fortes neste jogo, destaco a melhoria defensiva do Benfica, a qualidade técnica de Witsel apesar da falta de entrosamento, o bom trabalho de Matic, Artur Moraes a não mostrar a insegurança que muitos sentem quando vestem aquela camisola, a qualidade de Nolito, o regresso aos golos de Saviola e ainda Urreta que está a demonstrar “ganas” para ganhar um lugar na equipa.

Pela negativa, André Almeida que me parece ser o patinho feio daquela defesa, demonstrando nervosismo e não ser acertado tecnicamente, a desinspiração de Saviola até ao golo, o excesso de confiança revelado por Nolito na parte final do jogo e a pouca envolvência ofensiva dos laterais no jogo do Benfica, algo que era típico dos encarnados nos últimos anos, com Maxi Pereira e sobretudo Fábio Coentrão.

O próximo jogo das águias é já no Domingo, frente ao Anderlecht, também para o Torneio Guadiana.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Pré-Época | Dijon 2-1 Benfica



O Benfica concluiu o seu estágio na Suíça com uma derrota, frente ao Dijon (equipa que este ano se vai estrear na primeira divisão francesa), por 2-1.

Os encarnados começaram com Artur Moraes na baliza, André Almeida, Javi Garcia, Miguel Vitor e Fábio Faria na linha defensiva, Matic, Aimar, Gaitán e Enzo Perez no meio-campo, e Cardozo e Saviola no ataque. Este onze fez toda a primeira parte, tendo alguns saído ao intervalo, outros no decorrer do segundo tempo, onde entraram Roberto, David Simão, Jara, Nolito, Bruno César, Urreta, Roderick, Wass e Rodrigo Mora.

O jogo foi realizado a um ritmo lento, natural de pré-época, com uma primeira parte bastante equilibrada onde ambas as equipas criaram boas ocasiões, apesar do “sinal +” do Benfica, mas onde o Dijon marcou perto do intervalo.
Se a equipa que jogou de inicio, pelo menos do meio campo para a frente, for a titular durante boa parte da época que como se prevê, eis que revela algum desacerto na hora da finalização, falhando alguns golos fáceis de executar para jogadores de tal categoria.
A defesa revelou-se fraca, revelando falta de ritmo e sobretudo pouca disciplina táctica, criando muitos espaços para os atacantes do Dijon, algo que não se pode conceder ao mais alto nível, como foi no caso do primeiro golo dos franceses.

Na segunda parte, o Benfica assumiu-se como superior, controlando por completo a partida, numa primeira fase em que apenas jogava no meio-campo adversário, e numa segunda fase em que criou algumas oportunidades, como o remate ao poste por parte de Jara (o mais inconformado dos encarnados) e com o golo de Urreta, após uma grande jogada individual de David Simão.
Mas antes, o Dijon tinha feito o 2-0, em mais uma desconcentração defensiva do Benfica, posto em que Jorge Jesus terá de insistir muito nos próximos tempos, ainda que se percebe que os prováveis titulares como Garay, Luisão e Maxi Pereira estejam na Copa América, e falta chegar um defesa-esquerdo, que provavelmente será Rojo, Drenthe ou Ansaldi.

Nesta sexta-feira o Benfica participará no Torneio do Guadiana, no qual em princípio levará menos jogadores, começando a formar-se a lista de dispensas.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

TNA | Destination X 2011



Data: 10 de Julho de 2011
Arena: Impact Wrestling Zone
Cidade: Orlando, Florida

Análise à primeira semana do Sporting 2011/2012



E está concluída a primeira semana de trabalho do Sporting, versão 2011/2012.

O inicio desta semana foi marcado pelo regresso ao trabalho e pelas dispensas, e aí aponto já as minhas primeiras criticas, porque pareceu-me que não foi dada a oportunidade a alguns jogadores para se mostrarem, jogadores esses que já mostraram algumas qualidades e que com um ajuste posicional e algum trabalho de cariz psicológico poderia trazer um bom rendimento, ou em alguns casos, mesmo com o trabalho que efectuaram na época passada, poderiam lutar para estar no onze titular.

Pedro Mendes e Jaime Valdés foram as principais surpresas nos dispensados. O primeiro esteve na melhor fase do leão durante a temporada passada, entre Novembro e Dezembro, e o segundo foi dos melhores marcadores da equipa, tendo sido decisivo em alguns jogos, mostrando que estava disposto a remar contra a maré, sendo dos mais motivados do Sporting.
Eram igualmente jogadores experientes, que podiam ajudar os mais jovens, até porque ao contrário de Maniche, por exemplo, mostram ser seres humanos disciplinados, e o papel de trintões fica então entregue a Anderson Polga e Tiago, e parecendo que não, será um papel importante, tendo em conta que o Sporting durante o defeso foi recrutar muitos jovens.

Num segundo plano, há que falar das dispensas de Cédric Soares, Marco Torsiglieri, Wilson Eduardo, Nuno Reis, Pereirinha, Owuso e outros, a quem podiam ser dadas oportunidades nas primeiras semanas de trabalho, até porque é garantido que Domingos Paciência não conhece muitos destes muito bem. Simon Vukcevic é outro exemplo, que quando está inspirado é um jogador de topo, e agora, se tivesse motivado, poderia dar algo à equipa, até porque é preciso um extremo-esquerdo.
E tal rapidez em dispensar estes jogadores causa-me ainda mais confusão quando se foram buscar jogadores que podem apresentar qualidade duvidosa, uns porque estão habituados a outro tipo de futebol, outros dos quais não se sabe nada, e com tantos estrangeiros no plantel, com tantas línguas a serem faladas no balneário, e com tantas culturas diferentes, pode ser difícil começar a ganhar-se uma equipa rapidamente.

No entanto, a verdade é que o Sporting começou a época, e segundo o que se diz, os jogadores estão empenhados e entusiasmados, parecem outros, estão motivados em querer dar alegrias aos sócios e os discursos apontam para grandes vitórias, e a confiança é tanta que o presidente até fala de 35 000 pessoas como média de assistência em Alvalade. Será este um discurso realista? Não sei. Apenas posso ficar feliz pelo empenho dos jogadores.

Sábado disputou-se o primeiro desafio da temporada, com cinco dias de treinos e uma equipa remodeladissima, tanto em termos de métodos de jogos como em jogadores, e o Sporting venceu uma equipa da AF Lisboa por 3-0, num jogo de 70 minutos. Os golos foram marcados por Diego Rubio (2) e Hélder Postiga, e ainda que pareça escassa perto dos 9-1 do Benfica, e dos 7-0 e 10-1 do FC Porto, há que dar o benefício da dúvida pela falta de ritmo de jogo, até porque os dois rivais começaram a Pré-Época primeiro.

O plantel parece estar perto de estar fechado, faltando apenas um Extremo-Esquerdo, e os nomes mais falados são Guardado e Ricardo Quaresma. Também se fala da chegada de um ponta-de-lança, estando Jovanovic e Bendtner referenciados. No entanto, parece que o nome que provavelmente reforçará os leões até será o de Botinelli, defesa-central do San Lorenzo.

domingo, 3 de julho de 2011

APW Tour de Verão: Evento no Montijo (02.07.2011) - Análise e Reportagem


No passado dia 2 de Julho desloquei-me ao Pavilhão da Banda Democrática 2 de Janeiro no Montijo, para mais um evento da APW, não na qualidade de fã, mas felizmente tive a sorte de fazer parte do “staff” e de ser o mestre-de-cerimónias.....