terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Liga dos Campeões | FC Porto 0-0 FC Zenit



Esta noite, no Estádio do Dragão, o FC Porto não foi além de um nulo perante o Zenit, e não conseguiu apurar-se para os Oitavos-de-final da Liga dos Campeões, sendo repescado para a Liga Europa.



Eis a constituição das equipas:

FC Porto



Os dragões têm feito uma campanha abaixo das expectativas na Liga dos Campeões, quando se esperava que o apuramento ía ser tranquilo num grupo teoricamente acessível, chegam à última jornada em 3º lugar e a precisar de vencer obrigatoriamente para chegar aos Oitavos.
Vítor Pereira apostou no mesmo onze que venceu em Donetsk e no Dragão frente ao Sp. Braga.


FC Zenit



Os russos aparecem na última jornada em 2º lugar neste Grupo G, com um ponto a mais que o FC Porto e com um a menos que o APOEL, portanto, o empate basta para a qualificação ser conseguida.
O Zenit está em 1º na Liga Russa e em boa posição para se sagrar campeão.


Os azuis e brancos entraram com vontade e logo aos 5’ criaram uma excelente oportunidade, após um passe fantástico de João Moutinho, Djalma isola-se mas permite uma grande defesa a Malafeev.
Aos 12’, é James pelo lado esquerdo quem obriga o guardião russo a aplicar-se.

Até final da primeira parte, o FC Porto esteve sempre por cima do jogo, procurou criar espaços para conseguir ocasiões de golo e todos os jogadores mostraram o seu esforço para conseguir marcar. O Zenit foi defendendo o resultado que lhe convinha, e fê-lo bem, não dando grandes hipóteses à formação portuguesa e sempre que possível atacando privilegiando contra-ataques e passes para as costas da defesa.

Para o segundo tempo, Vítor Pereira lançou Kléber e o domínio dos campeões nacionais continuou, sempre por cima na partida, mas igualmente inconsequente no que concerne à hora de atirar a baliza, sendo a primeira grande oportunidade dos últimos 45 minutos aos 62’ quando João Moutinho, com um remate em jeito de fora da área obriga Malafeev a grande defesa.
Cerca de dez minutos depois, James isola-se mas o guarda-redes russo volta a estar à altura.

Esta segunda parte resumiu-se sobretudo a um domínio territorial dos dragões que tentaram de tudo para marcar, e viram o relógio a passar muito depressa. Já o Zenit, foi fechando todos os caminhos para o FC Porto chegar ao golo a cadeado, defendeu praticamente com a totalidade dos jogadores atrás da linha da bola, bem à imagem do treinador italiano que orienta a equipa.

Pouco se pode apontar aos futebolistas da formação portuguesa que fizeram de tudo, e por isso, mereceram por inteiro os aplausos no final da partida. Não foi por este jogo que não conseguiram o apuramento, foi pelo que fizeram em ambos os jogos com o APOEL e até mesmo na Rússia.

Fazendo uma análise às equipas, como já disse o FC Porto fez de tudo, tentou por rasgos individuais, cruzamentos, tabelinhas, bolas paradas, remates a longa distância, mas quando não era a super atenta defesa do Zenit a impedir um último toque para dentro da sua baliza, era Malafeev que fez uma exibição notável.
Helton pouco foi chamado a intervir mas destaco um grande corte que fez já nos últimos minutos da partida.
Maicon não é um lateral clássico, veloz a atacar, mas pouco se lhe pode apontar, Otamendi e Rolando estiveram sempre atentos e Álvaro Pereira esteve a grande nível como de costume.
Fernando fechou sempre bem mas como se sabe não é forte a construir e quem teve de desempenhar essa função foi o incansável João Moutinho, para mim o melhor dos dragões, que parecia estar em todo o lado e que foi o rosto da frustração da equipa, e Defour não estava a acrescentar muito por isso foi substituído.
Já na frente, James foi dos mais inconformados e mostrou que rende mais no meio, Hulk teve pouco espaço porque teve sempre vários jogadores em cima dele, Djalma foi esforçado, tal como Varela, e Kléber inconsequente mas podia ter resolvido o jogo a qualquer altura assim que tivesse oportunidade.

Quanto ao Zenit, cumpriu a função sem qualquer brilhantismo ofensivo.
Os jogadores defenderam muito bem, foram fechando todas as linhas de movimentações e de passe, actuaram quase todos atrás da linha da bola, mas por vezes tentaram contra-ataques venenosos e passes para as costas da defesa.
À excepção de Malafeev, que parecia ter asas e defendeu tudo o que tinha para fazer, é difícil destacar individualmente qualquer jogador, pois os russos conseguiram o seu objectivo essencialmente pelo que fizeram sem bola.
No entanto, depois dos festejos polémicos do golo de Danny no jogo da Rússia, esta noite “picou-se” com os adeptos do FC Porto e teve atitudes em que parecia jogar com ódio à equipa portuguesa, algo que não se entende.


Com este resultado, fica assim organizada a classificação do Grupo G:

5 comentários:

  1. Boas,

    Faltou-nos um danoninho, não gosto de vitorias morais, não contam para nada, mas realmente hoje tivemos atitude e determinação só faltou uma pontinha de sorte. Como disse o Vitor Pereira não foi neste jogo que perdemos a qualificação.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Acho que Danny não jogou com ódio à equipa portuguesa. Este foi gerado na Rússia por alguns adeptos portistas que ficaram inconformados com os festejos do português.

    ResponderEliminar
  3. Novo duelo semanal! Robinho ou Neymar? Vote já em contra-ataque1.blogspot.com

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Boas David

    Obg pela visita no meu blog... gostei muito do teu... uma partilha de informação, como tento fazer no meu espaço... coloquei este blog no meu.

    ResponderEliminar
  5. Ola colocei seu blog nos Sites Recomendados do meu, Parabens pelo blog. Abraços!!!
    Arsenal Gunners Brasil
    http://arsenalgunnersbrasil.blogspot.com/

    ResponderEliminar